Veto a gratuidade de bagagem traz boa perspectiva para novos em Foz

Chico Brasileiro firma compromisso com moradores da região Leste
21 de junho de 2019
Católicos celebram o dia de Corpus Christi com missa e procissão na catedral diocesana
21 de junho de 2019

O veto do presidente Jair Bolsonaro, a gratuidade de bagagem em voos domésticos prevista na Medida Provisória 863/18 aprovada pela Câmara e Senado, animou o trade turístico de Foz do Iguaçu. A liberação para transporte de bagagens até 23 quilos, era visto com temor pelas companhias aéreas de baixo custo, as low cost. O texto com ajuste, divulgado na segunda-feira (17), autoriza a participação de até 100% de capital estrangeiros em empresas do setor com sede no país.

A medida, na avaliação do vice-presidente da Associação Brasileiras das Agências de Viagens do Paraná (Abav-PR), Felipe Gonzalez, será muito boa para todo o Brasil. Foz do Iguaçu, como destino turístico, irá sentir de “imediato”, um impacto positivo. “Tem que considerar que somos trinacional onde três aeroportos servem a  região”, analisou.

Na avaliação de Gonzalez, os incentivos as companhias aéreas é a “solução” para destinos como o nosso. “Destinos que ainda não estão caracterizados operacionalmente como ‘hub’ (que recebe muitos voos). As companhias Low Cost auxiliam grandemente para reduzir o preço do bilhete aéreo para o destino”, afirma o agente de viagem.

“Também estimula a concorrência como foi o caso da Web Jet, que em 2008/2009, operou com seis voos diretos desde os principais aeroportos, estimulando a concorrência e ampliando o número de voos para o destino”, lembrou.

De acordo com Gonzalez, a liberação do capital estrangeiro para companhia aérea em solo brasileiro, também será benéfica para o setor. “Isso estimulará investimentos e capacitará as companhias brasileiras e o mercado poderá ser mais competitivo”, completou.

Ronildo Pimentel

Share

Leia mais sobre este conteúdo e outras informações na edição impressa.

GDIA