Donizeti Melo
Sem cabeceio

Uma notícia importante para o combate à concussão no futebol: a CBF estuda aplicar uma recomendação aos clubes e escolinhas que crianças menores de 12 anos não treinem mais o cabeceio. Ainda não há um protocolo definido para essa recomendação, mas o importante é: o futebol está movimentando-se. A modalidade, lembram especialistas, tem sua cultura, e é preciso preservá-la. Assim como a saúde de quem pratica o jogo não pode ser jamais esquecida. 

Atraso no futebol
O lei em campo vem há bastante tempo falando sobre os riscos da concussão no esporte e como o futebol está atrasado no combate ao problema em relação a outros esportes. É sempre importante repetir que o esporte vive em constante evolução e transformação. Mas essas só se manifestam quando provocadas. A provocação pode aparecer como forma de aprimorar o jogo, de deixá-lo mais interessante, mais justo, ou mais seguro para quem joga.

O que mostra a ciência
O futebol precisa evoluir, pois está atrás de esportes como basquete, rúgbi, futebol americano e outros, quando o assunto é lesão na cabeça. O protocolo da FIFA, seguido pelas federações nacionais, não ataca o problema de maneira eficaz. A ciência tem mostrado que não cuidar de concussão pode gerar doenças graves.

Diagnóstico complicado
A concussão cerebral é a perda de consciência num intervalo curto de tempo e acontece logo após um traumatismo craniano, informam os especialistas dessa área. De difícil diagnóstico, ela se caracteriza por microlesões, que não são visíveis, mas que apresentam sintomas característicos. E como o diagnóstico é complicado, muitos atletas que sofrem concussão voltam ao jogo, o que é um problema sério.

Importância do médico
Dentro dessa ideia, é indispensável a figura de um médico contratado pela entidade organizadora de eventos futebolístico. Ele irá avaliar as condições do atleta e autorizar essa modificação, desde que o exame aponte alguma anormalidade que indique diagnóstico provável de concussão. É, o futebol anda atrasado mesmo...

Barato sai caro
Partindo da premissa de que escrevemos nesta coluna, nossos treinadores de menores e adolescentes devem estar atentos. Essa lei do não cabeceio, pelo visto, logo estará valendo. É necessário seguir recomendações. Se isto não ocorrer, "o barato sai caro".

Frase bíblica:
Tudo posso Naquele que fortalece
*Filipenses 4:13