No Bico do Corvo
Números que assustam

Até o fechamento da coluna, o Corvo ainda não sabia dos números do covid-19 em Foz do Iguaçu. Mas houve uma certa expectativa, porque a coisa não foi fraca na segunda e terça-feira. A prefeitura tenta pôr tudo desviar da necessidade de um lockdown, mas segundo se sabe, tem gente querendo radicalizar na área da Saúde. 

Fiscalização
As novas medidas falam em pegar pesado, mas será que isso vai acontecer de verdade? Ontem, num rápido giro pelo centro da cidade, havia um monte de transeuntes sem máscaras e nada de fiscais. Em alguns locais havia era um furdunço. 

Bares fechados
Alguns estabelecimentos estão sendo lacrados, leia-se fiscalizados e multados. A freguesia não gosta nada da medida, de depois do fechamento de um local, alguém ligou informando que estão fazendo até vaquinha para aliviar a vida do proprietário. É uma medida mais do que justa, afinal de conta, o bar abre as portas, os frequentadores é que abusam. 

Já abriu
Os estabelecimentos na Avenida Jorge Schimmelpfeng, lacrados após o festerê transmitido em live, já estão funcionando normalmente. Doeu no bolso dos donos; estão pontos para a próxima! Revelaram para a coluna que pediram para maneirar nas filmagens e fotos. Não demora pedirão para os celulares ficarem na portaria. 

Globo invadida
Até demorou. Com tantas encrencas sobre o excesso de liberdade de expressão e críticas contra o governo, estava na cara que algum fanático iria invadir a emissora e pegar alguém de refém. Será que precisa tanto?

Seo Willian
Pode ser, a figura mais emble-mática da Globo seja o Willian Bonner, editor-chefe do Jornal Nacional. Ele disse ao Pedro Bial que a sua vida mudou e muito, com ameaças e todos os tipos de ações que geram a insegurança. Bom são ossos do ofício. 

Quem diria
O Brasil já viveu situações assim nas décadas de 60 e 70, mas os jornais e emissoras de rádio é que apanhavam e sofriam depredações. Chegou a vez das emissoras de TV. E os blogueiros? Alguns também sofrem uma barbaridade, mas apanham mais é nas redes sociais, uma selva sem dono.  

Atrativos
Até que as Cataratas do Iguaçu registram visitas ontem, o que é bem bacana, considerando o tempão que o atrativo manteve os portões fechados. Nos próximos dias teremos um panorama mais fértil sobre a abertura dos atrativos, diga-se, em matéria de visitação. 

Números nada dizem
O que importa mesmo, na abertura dos atrativos, é dar um "up" no espírito da cidade, porque a sensação era muito ruim e sem perspectivas. Abriros atrativos foi uma boa brisa de esperança. 

Sem Fartal
Para muita gente, está sendo um sofrimento atravessar a semana de aniversário de Foz do Iguaçu sem a Fartal. Bem, realizarem a Feira controlando o povo e com distanciamento social seria muito chato. Por outro lado, o CTG Charrua ficaria mais ou menos igual a Avenida Brasil. Aqui entre nós, uma pela outra não faria a menor diferença. 

2020 perdido
O ano está passando rápido e meio que sem sentido por causa dessa "nhaca" de pandemia. Há quem tenha riscado até a data do aniversário do calendário e vai comemorar só no ano que vem. 2020 é uma espécie de ano bissexto coletivo. 

Cartas do Corvo
Sem chance publicar cartas nessa míngua de espaço que sobrou, com o Bonato roubando metade da página. Mas logo ele cansa e voltaremos ao normal.