Idgar Dias Júnior
Dançando à beira do abismo

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, sábado, dia 21 de setembro, é celebrado o ‘Dia Internacional da Paz’;
- Também hoje se comemora o ‘Dia Mundial da Doença de Alzheimer’;
- A data também é de comemoração do ‘Dia Nacional das Pessoas com Deficiências’; e
- Por fim, hoje é o ‘Dia da Árvore’.


Na última quarta-feira, enquanto muitos brasileiros se distraíam vendo o Athletico Paranaense vencer o Internacional de Porto Alegre em pleno Beira-Rio, em Brasília - na Câmara - os nobres representantes federais de nosso povo aprovaram um projeto de lei eleitoral que lhes faculta, dentre muitas ousadias, o pagamento de multas eleitorais e de advogados de investigados e o uso de 100% das emendas de bancada para serem usados nas campanhas eleitorais de 2020 – sem limites!
Atenção, eleitor: tudo isso será feito com o seu, o meu, o nosso suado dinheirinho, ‘tá ok’?

Dançando à beira do abismo (2)
A audácia dos deputados federais é impressionante! O projeto de lei aprovado, pasme!, praticamente legaliza o Caixa 2, autoriza partidos a negociarem imóveis, afrouxa a Lei da Ficha Limpa e, na maior cara de pau, anistia as multas que redundarem de contribuições irregulares.
A atitude dos senhores deputados contrasta de forma contundente com a tese segundo a qual houve grande renovação naquela Casa a partir da eleição de 2018. Falso. O que se renovou, aparentemente, foi o espírito de corpo de uma classe eleita pelo contribuinte que, em detrimento do interesse público, insiste no erro grosseiro, incorrigível e vergonhoso de legislar em causa própria.

Dançando à beira do abismo (3)
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi o maestro da manobra desavergonhada levada a cabo na última quarta-feira. O ‘Botafogo’ (é assim que o Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht nominou o deputado em suas planilhas de propinas) parece não se importar com a opinião pública ou não levar em conta que sempre haverá um amanhã.
Maia talvez não conheça um antigo adágio que enuncia: ‘Você pode escolher o que vai semear, mas é obrigado e colher o que plantou’.

Saia justa
O projeto de lei aprovado na Câmara Federal já foi encaminhado para sanção presidencial (aprovação). Nas redes sociais os pedidos para que Bolsonaro vete o tal projeto são o assunto da hora. A pergunta que não vai calar facilmente é: o presidente vetará? Se vetar, baterá de frente com o Congresso; e se não vetar, perderá um pouco mais do capital político que vem perdendo entre os eleitores.

Saia justa (2)
O movimento Vem Pra Rua mandou avisar, pelo Twitter: “Dois caminhos possíveis para Bolsonaro: - vetar o absurdo aprovado por Maia e se manter ao lado do povo, ou - sancionar o absurdo aprovado por Maia e se manter ao lado dos corruptos. Não tem meio-termo”.
Faz lembrar 2013, não é? Dilma Rousseff que o diga. Naquele ano, 4 milhões de eleitores saíram às ruas para protestar.

VAR
Na última quinta-feira (19), a PF baixou no Congresso logo cedo e fez buscas no gabinete do senador Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo Jair Bolsonaro no Senado. Acredite, leitor: há gente na grande mídia acusando a PF de perseguição! Pode isso, Arnaldo?

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808
Sorte e saúde sempre!