No Bico do Corvo
Consequências positivas

A política de isolamento adotada pela China, na luta contra o covid-19 surtiram um efeito que certamente agrada aos ambientalistas: a poluição do ar diminuiu em grandes proporções e isso pode ter salvado muitas vidas. A jornalista Marina Dias, da Folha de São Paulo entrevistou um pesquisador da Universidade de Stanford e sua conclusão e que milhares de pessoas foram salvas no epicentro do vírus. 

50 mil
"Minha estimativa sugere que 50 mil pessoas foram salvas por causa da melhora da qualidade do ar na China. Isso é realmente maior que a quantidade de pessoas que morreram diretamente em razão do coronavírus até agora", afirmou Marshall Burke. São dados consideráveis se colocados numa balança; 3.200 pessoas morreram na China por causa do coronavírus, no entanto, 50 mil seriam salvas com o alívio na emissão de gases. Como quase todo o planeta diminuiu a máquina poluidora, é possível que as metas dos fóruns ambientais sejam cumpridas, independentemente das resistências.  

Um olho no peixe, outro no gato
A fala do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta continua repercutindo. Até sociólogos fizeram leitura do conteúdo, para alguns dúbio, além de difuso. Ele reforçou a necessidade de confinamento, ou "isolamento social", como solução para achatar a curva de ocorrências do Covid-19. "Confinamento" a gente usa para bichos, "isolamento" é para humanos. Na contramão das advertências de Mandetta, ocorrem as manifestações pró-retomada nos postos de trabalho. Mais do que trágico, seria cômico os organizadores dos eventos irem parar na fila do atendimento. Mas a gente não quer de jeito nenhum que isso aconteça. Vamos rezar ajoelhados. Já, a parte contraditória da manifestação do Mandetta foi a alisada no chefe, como isso de fato fosse o corrimão da fama. Será que precisava? Quando o ministro da Saúde é firme, duro e desafiador, é encarado com seriedade e o povo atende; quando pula para um galho e tenta se segurar em outro, balança na credibilidade.

Tarifas sociais
Muitas pessoas estão entrando em contato com o jornal informando que equipes da Copel e Sanepar estão trabalhando normalmente e em razão disso, ficaram sem luz ou água. Desde o dia 25/03 a Sanepar, Companhia de Saneamento do Paraná está emitindo as faturas sociais com um prazo maior de pagamento: de 90 dias. Estima-se que 184 mil famílias (mais de 600 mil pessoas) são beneficiais. O valor da tarifa social atualmente é de R$ 15,56 ao mês (água e esgoto), para um consumo de até 5 metros cúbicos. Quem consome 100, 200, 300 m3 receberá o lacre normalmente. 

E a luz?
A Copel informou que a faixa de isenção para famílias de baixa renda será ampliada e que, também, irá suspender por 90 dias, (a partir 25), os cortes por inadimplência de unidades consumidoras residenciais, inclusive as de baixa renda, além de serviços e atividades consideradas essenciais, conforme a legislação, tais como hospitais e assistências médicas. A suspensão dos cortes e outras adequações adotadas pela Copel para o período de contingência se alinham às orientações da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão que regulamenta o setor no Brasil. 

"Todo mundo vai morrer um dia"
Nosso atlético presidente disse isso e algumas pessoas estão pensando em se atirar no poço, antecipando a profecia. Será que não dá para viver mais uma semaninha, presidente? Dá um tempo né? 

Seo Bolsonaro
Os fãs do presidente Bolsonaro entram em colapso quando a imprensa comenta suas desafinadas. Defendem o homem com unhas, dentes e ofensas. A maioria age assim, destemperadamente, o que acaba causando muitas discussões nas redes sociais. Em geral, jornalistas são acusados injustamente, porque apenas reproduzem as atitudes do presidente, frente a ordem mundial, quando ele contraria a tudo e a todos. Há, no entanto, defensores que sabem, contemporizar de maneira decente, altiva, simplesmente dialogando. Isso sim faz o povo pensar de maneira positiva, porque a cabeça cheia de coisas ruins, todo mundo já tem. 

Destino cruel!
Bonsonaro incorpora todas as razões para ficar preocupado, afinal de contas, essa encrenca foi acontecer em seu governo, onde ele brigava por reformas e pela melhoria no atendimento ao povo brasileiro. Diabruras à parte, porque elas fazem parte de seu estilo e os brasileiros já estão acostumados, mesmo contrariando as regras, Bolsonaro deve estar mais consciente da gravidade que há no contágio. O caso é que muitos usam disso para afetar o governo. O botão do fogão está nas mãos do presidente, aumentar ou diminuir a chama, é algo que ele precisa aprender a fazer. Em momento assim, é natural que sigam o líder e como fica, em caso de um desastre? Ronaldo Caiado, governador de Goiás, alertou, e desabafou: "Se Bolsonaro não agir, vai haver desobediência civil e povo vai quebrar tudo". O governador de São Paulo, João Dória, pediu "por favor" para não seguirem as orientações de Bolsonaro. Ande foi que isso chegou hein? Que barbaridade! 

Siga o líder
Como o presidente Bolsonaro é pautado pelo colega Donald Trump, tomara reveja as atitudes. O norte-americano roeu a corda e ampliou a quarentena até o final de abril. Todos os líderes que contestavam as medidas de isolamento estão recuando. Bolsonaro foi muito criticado em todo o mundo, nos últimos dias.

Apelo
Aparecer na Tv, soletrando um discurso, igual piá pançudo em sala de aula, é tudo o que o staff governamental parece querer do presidente.  Até o Paulo Guedes gravou vídeo aconselhando o povo ficar em casa. 

No supremo
No final de semana surgiram muitas notícias ruidosas, com tinturas falsas, sobre um canetaço do presidente do Supremo Dias Toffoli, impedindo ou puxando a orelha do presidente, ao divergir das regras da OMS. Isso "ainda" não aconteceu, mas pode mudar se alguém pedir. Ou será que já não pediram. Contaram para o Corvo que há um movimento nesse sentido, organizado por alguns governadores. Todos os estados estão enfrentando manifestações no sentido de quebra de quarentena. 

Mãe x filha
A secretária da Cultura Regina Duarte foi na linha do presidente Bolsonaro e chamou o povo de novo para o trabalho. Mas em casa a situação é diferente, a filha Gabriela, pede para o povo ficar em casa. Saiu na coluna da Mônica Bergamo.  

Arranca rabo
A deputada Gleisi Hoffmann cutucou a onça com a vara curta e, levou "a" patada. Foi para as redes sociais e questionou os benefícios aos trabalhadores em tempos de pandemia. Para ela, o governo deve bancar diretamente os ganhos de quem recebe até três salários mínimos, e além do mais, ajudar as empresas a não fecharem, para suportar o pós-crise. Segundo postou, "estamos em Emergência". O ministro da Economia respondeu prontamente, emendando uma raquetada. "Se o excelentíssimo ex-presidiário não tivesse saqueado os cofres públicos teríamos o suficiente para bancar o povo brasileiro neste momento. Se o excelentíssimo ex-presidiário tivesse construído hospitais, ao invés de estádios, não estaríamos nesse estado de calamidade pública. 
 

 

 

Veracidade
Em tempos de pandemia de Saúde e de Fake News, o Corvo fez questão de seguir a informação até atestar a sua veracidade. Está no Instagram do ministro (foto). Mas sem querer desmerecer os lados em atrito, ou enaltece-los, os estádios foram construídos para a Copa do Mundo, coisa que o Bolsonaro também faria, e, o seo Lula, também não reduziu pobreza cobrindo salários dos desempregados em várias crises, além do Bolsa Famílias. Para completar, dificilmente o Brasil deixaria de decretar um "estado de calamidade", coisa que o mundo todo está fazendo; Num "estado" assim, o governo está livre para gastar. Quem olhar o "Insta" do ministro verá que ele lá, não é tão comedido com em frente às câmeras de TV.   

Dupla e perigosa pandemia
Bem antes do coronavírus apavorar o planeta, outra pandemia causava barbaridades na cabeça dos cientistas: a obesidade. Quem não morrer pela infecção do perigosíssimo e medonho Covid-19, corre o risco de explodir de tanto comer. Boa parte dos influenciadores digitais aparece mostrando as habilidades na cozinha, como forma de passar o tempo em casa. Passada a crise, vai faltar espaço nas academias.