Douglas Dias
Chineses dão esperança às marcas de artigos de luxo

Os compradores chineses estão finalmente começando a comprar bolsas, sapatos e joias sofisticadas novamente, dando à indústria de artigos de luxo a esperança de que uma recuperação da pandemia de coronavírus esteja a caminho. A princípio, as principais marcas de artigos de luxo ainda enfrentam um caminho difícil pela frente e provavelmente terão que repensar a maneira como fazem negócios para suportar um impacto mundial prejudicial às vendas este ano. Assim como uma mudança nos hábitos de compra em muitas economias com recessão. No entanto, várias empresas de artigos de luxo relataram um aumento na China, quando as pessoas saíram depois de semanas de quarentena. Estimulando o que alguns analistas chamam de tendência de “gastos com vingança” – a liberação da demanda reprimida quando as pessoas não são obrigadas a ficar em casa. A Tiffany, nesta semana, apontou a China como um ponto positivo para seus negócios de jóias, dizendo que as vendas no varejo subiram cerca de 30% em abril e 90% em maio em comparação com os mesmos meses do ano passado. Em outras palavras, isso ocorreu apesar de uma queda de cerca de 40% nas vendas líquidas globais da Tiffany em maio. (Fonte: Desejo e luxo)


A beleza e a elegância de CLAUDINÉIA Pliacekos que, antes da pandemia, ganharam
destaque em um desses encontros sociais 

 

LUCIANA Zamecki e VALDECIR Müller marcaram presença em um desses eventos que, antes do isolamento social, reuniram nomes tradicionais da sociedade iguaçuense