corvo

  Dia dos pombinhos E hoje os coraçõezinhos amanhecem soltando bolhas de sabão! O comércio está alvissareiro, esperando grande movimento. Namorados gastam um pouco mais do que com as mães, garante uma fonte. Os presentes são mais caros porque há a tendência de impressionar a cara-metade. Mães já vivem felizes só de receberem os filhos para um beijo, um abraço ou ganhar uma lembrancinha. Até pano de prato deixa a mamãe feliz; já a namorada...   Movimento noturno Os restaurantes também esperam lucrar, fazem ofertas, gastam com floriculturas, capricham nos cardápios. Até os motéis fazem promoções, o que seguramente ajudará a aumentar a taxa de natalidade iguaçuense. Até nisso o Dia dos Namorados é especial, pois contribui com o campo da projeção financeira das maternidades, cartórios, casamentos e afins. Viva o Dia dos Namorados.   Os cartórios Corvo, como hoje é o dia em que lembramos a pessoa amada, desde o tempo em que a conhecemos, faço questão de reclamar que casar é muito caro em nossa cidade. Num cartório, isso não sai por menos de R$ 300, e se antes for necessário retirar outras certidões fica mais pesado ainda. Vai ver é por isso que tem uma porção de jovens vendendo bombons nas esquinas, arrecadando grana para casar. E no dia do casório, Corvo, precisei ficar quase uma hora na calçada aguardando abrirem a porta do recinto de cerimônia. Pensa, de salto alto, na calçada, com frio? Mas o juiz foi uma simpatia e remediou a situação, porque deu foi uma vontade de meter a boca no trombone. O casamento deveria ser mais acessível, porque nem todo mundo aceita o enlace coletivo. KLG (A leitora pediu para não ter o nome divulgado.)   Em Cascavel... Corvo, esses dias li uma nota sua sobre o atendimento questionável numa casa cartorária de Cascavel. Tenho a relatar que aconteceu o mesmo comigo. Mas a minha atitude foi outra, pedi o telefone do dono do cartório e meti a boca. Foi eu fazer isso, e várias pessoas se rebelaram porque o atendimento ruim estava sendo prestado por apenas uma pessoa, uma mocinha mal-encarada, sem paciência para atender o povo. Devia ter encrencado com o namorado, ou vai ver estava com fome. Registre-se que essas ocorrências se dão no 4º Cartório de Registro Civil. Não vamos generalizar. SNS (O leitor pediu para não ter o nome divulgado.) O Corvo responde: como este jornal passou a circular em Cascavel, é normal que as pessoas estejam antenadas no Corvo. De fato, as taxas para casamento e nascimento são altas, mas isso ocorre em todo o país. O Corvo vai pesquisar mais e informará aos leitores. Mas quem paga tem direito de questionar, isso faz parte do "ofício".   Gasolina mais barata O preço do combustível deu uma diminuída. É coisa de centavos, quando a população espera dedução de mais de R$ 1 no litro, tanto do diesel como da gasolina. Apesar da diminuição dos valores, é difícil perceber isso no repasse, pois apenas alguns postos honram os clientes; a maioria se faz de bobo. Em Foz, o Corvo sabe de redução de preço em vários postos. Os consumidores devem estar atentos. Pesquisar ajuda a aliviar o bolso, e muito.   Moro, Dallagnol e Lula Não se pode negar que há uma crise (não importa o tamanho) depois da revelação das supostas mensagens entre o juiz Sérgio Moro, o procurador Deltan Dallagnol e outros. Mas vamos raciocinar: agiram politicamente ou na ânsia de afastar alguém nocivo ao meio? O que pega aí é a preocupação com a fragilidade das provas para acusar Lula. Se isso acontecesse nos Estados Unidos, alguém já haveria evocado a 5ª Emenda, mas provavelmente não daria em nada.   No Supremo As declarações de uma procuradora devem causar efeitos na Suprema Corte, e isso poderá facilitar a vida do seu Lula. Mas até lá muita água vai passar embaixo da nova ponte. O Corvo gostaria de ser convertido num tico-tico para ouvir o que conversam os ministros sobre o caso, de juiz falar com procuradores e vice-versa. Segundo Moro, isso é comum, porque juízes conversam com promotores, procuradores, delegados, policiais e advogados. Pode ser, depois do episódio, que resolvam mudar um pouco essa relação no Judiciário, o que alguns juristas consideram "imoral e antiética".   Festival das Cataratas Hoje inaugura-se mais uma edição do Festival das Cataratas, o maior evento da cidade e um dos que mais ganham evidência no setor de turismo brasileiro, tanto que o ministro Marcelo Antonio aproveitará o momento para lançar o Programa Investe Turismo.   14ª edição O tempo passa e com ele é que acontece a concretização do evento. E olha que realizar algo assim em Foz não é fácil, porque há sempre um espírito de porco tentando achar cabelo em ovo, em nome da "dignidade". Engraçado isso, né? Agirem em nome daquilo que não possuem? Mas seu Paulo Ângeli sempre se precaveu ao analisar, acompanhar, auditar pessoalmente todas as demandas, assim não corre o risco de cometer pecados. Às vezes, com erros dos outros e desconhecimento na realização legal de compromissos assim, de vulto, acabam tropeçando em detalhes administrativos quase imperceptíveis.   A diferença que faz... Pois então, senhor Corvo, não faz muito tempo parecia que a distância entre Foz e Brasília era como da Terra a Marte, anos-luz até as coisas acontecerem. Hoje é tudo bem rapidinho, e a conclusão é uma só: temos um representante! E pensar que ficamos décadas no marasmo, dependendo de favor de deputados eleitos por outras cidades e regiões. Taí uma lição para o iguaçuense aprender: nunca mais ficar sem um deputado federal, porque isso faz sim uma diferença. Jamile Gustavo Bronn O Corvo responde: sim, o deputado federal Vermelho está fazendo as coisas acontecerem. Não para um segundo, "se vira nos 30"! E a vida em Brasília é uma correria e exige muito do parlamentar, mas ele faz de tudo para atender a tudo e todos. Mas sem querer corrigir a leitora, aqui vai uma ilustração sobre o seu pensamento: o planeta Terra está a 55 milhões de quilômetros de distância de Marte. Se a distância for percorrida com uma nave espacial viajando a uma velocidade de 20.000 km/hora, chegaríamos ao planeta vermelho em aproximadamente 115 dias. Um ano-luz equivale aproximadamente a 9.461.000.000.000 quilômetros; mais ou menos a velocidade do Vermelho, o deputado.   Martelo batido Havia uma queda de braço entre Foz e o Governo do Estado na questão dos repasses para o Hospital Municipal. A briga foi duradoura, tipo leilão: de um lado o Chico pedia R$ 3 milhões; de outro, Ratinho oferecia R$ 1 milhão, e assim foi até chegarem ao meio-termo, ou melhor, um pouco mais que a metade. R$ 1,7 mi não é o ideal para "segurar as pontas" atendendo a região e turistas, paraguaios e argentinos, mas é melhor que nada. O caso é que outras unidades hospitalares em regiões menos importantes recebem mais.   Casquinha do "Mac" Calma, desta vez o assunto não é o ex-prefeito Paulo Mac Donald Ghisi, e sim o saboroso sorvete do McDonald's, cujos quiosques estão espalhados em vários locais, de shoppings a supermercados. Uma leitora entrou em contato querendo saber a razão de o produto custar R$ 2,50 em todos os locais e R$ 3 no Shopping Catuaí Palladium. O Corvo se interessou pelo tema, pois é chegado naquele corneto, e a resposta ficará incompleta: ninguém na organização McDonald's em Foz soube explicar. Pode parecer um assunto perdulário, mas não é: uma vovó das imediações foi com o dinheirinho contado, pediu duas casquinhas, uma para ela e outra para o netinho, e a nota de R$ 5 não cobriu o gasto. Voltaram para casa na vontade. Que judiação!   Público Corvo, você escreveu que havia 60 mil pessoas na Fartal. Onde? Eu fui lá de manhã, na segunda-feira, ver o desfile e não havia esse público não. Aliás, gostei muito do modelo, sem precisarem fechar a Avenida Paraná; tudo acontece pelo CTG mesmo. Acaba o desfile e a gente cai de boca num espetinho! A festa foi muito boa e bem organizada, Corvo! Maria Helena Galvão O Corvo responde: prezada, este colunista escreveu que o público grande se deu nos primeiros dias de festa, e basta olhar as fotos para concluir que havia muita gente prestigiando os shows. Neste ano, a festança foi concorrida. Já na segunda-feira de manhã, o público era bem menor, mesmo assim o desfile foi bem prestigiado.   Andradina Corvo, a prefeitura praticamente entregou a avenida para o tráfego, e para os pedestres? Está complicado, porque não há calçadas em muitas casas e caminhar pelo asfalto é um tanto perigoso, não acha? Quem é o responsável pelas calçadas, não é a prefeitura? Joanilson Ribeiro O Corvo responde: a prefeitura é responsável pela calçada onde há um edifício público; os moradores é que devem construir suas calçadas, e isso está aos poucos acontecendo na Avenida Andradina. O assunto é mais ou menos como o "ovo e a galinha", pois os moradores não podiam fazer calçadas porque não havia meio-fio. Agora, com tudo pavimentado, aos poucos os moradores vão adequando-se à lei. Se está bom para os veículos, deve ser bom também para os pedestres.