Idgar Dias Júnior
Não Informado - 51713

Olá! Bom dia, leitor!​ - Hoje, segunda-feira, dia 13 de maio, é celebrado o ‘Dia da Abolição da Escravatura no Brasil’.​ ​ Culparão o capitalismo pela miséria na Venezuela​ A crueldade de Nicolás Maduro impressiona e revolta, mas socialistas desastrosos como ele são figurinhas até enfadonhas de tão repetidas no último século. A tragédia que a Venezuela vive hoje já aconteceu diversas vezes: é sempre a mesma história de revolução, miséria e tirania, com uma ou outra nuance.(...)​ No livro Ciclos Fatais, o advogado Geanluca Lorenzon detalha o passo a passo comum a quase todas tragédias socialistas. Para sobreviver durante o desabastecimento, os cidadãos apelam para o mercado negro. Na Moscou dos anos 1970, o mercado ilegal fornecia frutas frescas, calças jeans ou cigarros americanos, carros e apartamentos. Na Venezuela de hoje, nada se encontra nos supermercados, onde o preço é tabelado, mas pelas ruas é possível obter arroz, farinha ou açúcar.​ Como ninguém se interessa em produzir, o regime passa a obrigar a população a trabalhar sob correntes. Nas fazendas coletivas da China, as pessoas eram identificadas por números e ficavam sem refeições se o diretor considerasse que elas não trabalharam direito. ‘O importante é destacar o dever social do trabalhador e castigá-lo economicamente quando não o cumprir’, disse Che Guevara em Cuba. E a Venezuela, em 2016, editou uma lei que permitia o governo convocar cidadãos para o trabalho rural.​ Quando fica claro que o sistema é um fiasco, a população se revolta. Surgem fotos dramáticas de manifestantes enfrentando tanques e blindados – como na Praça da Paz Celestial, na China, em Praga ou em Caracas.​ Nesse ponto, porém, o tirano já ultrapassou o ponto de retorno. Autor de tantos crimes, sabe que se deixar o poder não sobreviverá nem viverá em liberdade. Sua única opção é insistir na tirania até onde conseguir. Muitas vezes consegue, pois a população, faminta e desesperada, não tem força para organizar a resistência – preocupa-se antes de tudo em não morrer de fome. E assim o fracasso econômico prolonga a ditadura.​ Fora do país, a história também se repete. Intelectuais de esquerda explicam o fracasso da experiência socialista com as mesmas desculpas. A ‘queda no preço do cobre’, utilizada para explicar o fiasco do governo Allende, renasceu hoje como a ‘queda no preço do petróleo’, para suavizar a culpa de Maduro pelo caos. E o embargo econômico imposto pelos Estados Unidos – a velha desculpa para a miséria de Cuba – vem sendo repetida sobre a Venezuela.​ O que também deve se repetir são os cenários e debates depois da queda de Maduro. Daqui a alguns meses ou anos, fábricas vão se instalar na Venezuela para aproveitar os salários baixos que venezuelanos famintos toparão receber. Como na China, será o começo do fim da pobreza por ali. Mas a esquerda dirá:​ - Vejam só o que faz o capitalismo! Como explora e empobrece os trabalhadores!​ Artigo do jornalista Leandro Narloch publicado na revista digital Crusoé.​Contato: [email protected]WhatsApp: [45] 9.9950-3808​ Veja A Gazeta na internet: www.gdia.com.br​ Sorte e saúde sempre!​