Vereadores fazem requerimentos sobre saúde e falta de repasses da Sanepar ao Município


- Por: Reciel Rocha

Vereadores fazem requerimentos sobre saúde e falta de repasses da Sanepar ao Município
Foi na primeira sessão de novembro, no dia 5


A primeira sessão do mês de novembro foi realizada na terça-feira (5), Os vereadores de e Foz do Iguaçu fizeram sete requerimentos que foram lidos e aprovados em plenário. Eles apresentaram temas de relevância para a população como a falta de repasse de recursos da Sanepar ao Município e questionamentos sobre faturas de iluminação pública, transporte de passageiros para tratamentos de saúde, atendimento domiciliar, falta de médico psiquiatra no CAPS (Centro de Atendimento Psicossocial) e atendimento às famílias da Ocupação Bubas, além da proposta de audiência pública para debater questões sobre o tráfico de pessoas na região trinacional.
O vereador Luiz Queiroga (DEM) solicitou informações referentes ao Contrato n° 108/2014, que estabelece o programa para a prestação de serviço público de abastecimento sanitário da Sanepar, indicando o valor da receita operacional de cada mês, para o ano de 2019. 
“Existe dentro do contrato uma prerrogativa que 2% do valor arrecadado devem ser devolvidos ao município. Acontece que o valor da receita operacional do ano de 2019 não foi repassado para o município, e por sua vez, não tem feito nada para cobrar isso”, afirmou o vereador.
Queiroga argumentou ainda que 80% das ações da Sanepar “são de empresas do exterior como da Ucrania, França e Hong Kong, por exemplo, ou seja, 20% pertence ao Estado do Paraná, e deste valor, 2% deve ser repassado ao município. Portanto, a nossa cobrança é referente ao valor mensal obtido pela empresa e a justificativa para a falta do repasse, ou explicação sobre a aplicação do valor”.
Já a vereadora Inês Inês Weizemann (PSD) questiona serviço de transporte de pacientes. Após receber denúncias sobre a falta de servidores atuantes na função de motorista, a vereadora requereu informações sobre o transporte de pacientes para tratamento em Foz do Iguaçu e em outros municípios. Os dados devem contemplar a quantidade de pacientes que recebem tratamento fora do município.

Da Redação com CMFI
Foto: Adilson Borg
es


 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas