Setor político lamenta tragédia envolvendo Phelipe Mansur


- Por: Redação 1

Setor político lamenta tragédia envolvendo Phelipe Mansur
Phelipe Mansur em sua última foto enviada pela assessoria

Também morreram um assessor e o motorista; Acidente foi no começo da tarde desta segunda, quando ele voltava a Curitiba

Adelino de Souza

Eram exatamente 8h15 da manhã desta segunda-feira quando recebo mensagem do amigo Phelipe Mansur. Ele pedia para informar aos leitores do GDIA que na quarta-feira iria se desligar do governo para disputar a próxima eleição de prefeito de Foz do Iguaçu.
Disse que iria anexar um artigo publicado na revista 100 Fronteiras para embasar a matéria. Mais tarde comecei a escrever e recebi mais algumas informações da assessora Jakline. Por volta das 15 horas recebo a informações do nosso editor Robson Meireles sobre a tragédia na BR-277.

No início da tarde desta segunda (1), Mansur se dirigia a Curitiba acompanhado de seu assessor João Ricardo Schneider e do motorista Paulo Rogério da Cruz. Na altura do quilômetro 229, em Teixeira Soares, ocorreu o acidente fatal.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o acidente envolveu um caminhão, uma picape e mais quatro veículos menores. João Ricardo e Paulo Rogério morreram no local do acidente. Phelipe Mansur foi conduzido à Santa Casa de Irati, mas não resistiu os ferimentos e faleceu. Outras duas pessoas também saíram feridas.

A PRF informou que chovia na hora do acidente e que um dos veículos rodopiou na pista, provavelmente o Sentra de Mansur. A BR chegou a ser interditada por algum tempo e depois o fluxo seguiu no sistema "siga e pare".

Quem foi
Phelipe Mansur era empresário em Foz do Iguaçu, suplente de deputado estadual e disputou a Prefeitura de Foz por duas vezes. Ele era administrador de empresas com curso de liderança pública pela Harvard Kennedy School. Atualmente era Superintendente de Governança Social da Casa Civil.

 


O acidente grave na 277 que tirou a vida de Mansur e assessores envolveu seis veículos. (Foto: PRF)

Mansur iria disputar novamente a Prefeitura 
O superintendente da Casa Civil, Phelipe Mansur, deixaria o cargo na próxima quarta-feira (03) para ser candidato à prefeitura de Foz do Iguaçu. Confira parte do texto enviado ontem pela assessoria de Mansur.
Durante o período em que ficou no Governo do Paraná, o empresário, além de buscar soluções para a nossa região, cumpriu seu papel como articulador de novos projetos e adquiriu experiência em gestão pública, inclusive na área internacional, onde representou o Paraná em 5 ocasiões para a busca de investimentos.

Foram ações importantes para Foz, região Oeste e para todo o Paraná, como a implantação do programa Escola Segura em mais de 50 colégios de Foz, os R$ 120 milhões em investimentos para a região Oeste, captados em uma viagem que Mansur fez a Alemanha, a articulação e desenvolvimento do Programa Ganhando o Mundo, que vai mandar jovens para o exterior, além da gestão do banco de projetos que garantiu R$ 350 milhões para o Paraná!

Para o pré-candidato, a experiência frente a um cargo de tamanha responsabilidade foi um aprendizado que será levado para toda sua vida e carreira política, "Foi uma grande oportunidade de liderar programas que estão fazendo a diferença na vida dos paranaenses. Me senti honrado por ter sido escolhido pelo Governador Ratinho e pude servir e ganhar experiência na gestão do poder público".

Autoridades falam sobre a perda
O deputado federal Vermelho lamentou a morte prematura "do jovem empresário que tinha um futuro brilhante pela frente". Vermelho era muito amigo de João Schneider, pai do assessor João Ricardo Schneider. Ele enviou seus pêsames aos familiares das três vítimas.
Por meio de nota, o prefeito Chico Brasileiro manifestou seu profundo pesar pelas mortes dos servidores da Casa Civil e destacou o trabalho de Mansur e sua equipe pela cidade de Foz e região. "A dedicação, o protagonismo político e empreendedorismo de Phelipe Mansur serão sempre lembrados pelos iguaçuenses", destacou o prefeito.
Também por meio de nota, o governador Ratinho Junior lamentou a morte prematura de seus assessor e amigo. "É muito triste perder um amigo numa situação tão trágica. Perdemos nós, que convivemos com um jovem cheio de energia, e perde o Estado, pois Mansur era uma liderança política destacada".

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas