Ronaldinho Gaúcho e seu irmão poderão ser libertados este mês


- Por: Redação 1

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão poderão ser libertados este mês
Ronaldinho ganhou um "regalo" de Chilavert e pode ser libertado em breve

O Ministério Público do Paraguai concluiu o inquérito sobre o caso de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto de Assis, sobre o uso de documentos falsos. Os dois cumprem prisão domiciliar em um hotel de Assunção.

A investigação do Ministério Público não descobriu outros crimes que possam agravar a situação dos irmãos. Eles teriam fechado um acordo para assumir a culpa sobre o porte de documentos de conteúdo falsificado.

O inquérito foi elaborado pelos promotores Marcelo Pecci, Alícia Spriza e Federico Delfino. Eles garantem que Ronaldinho não tiveram participação direta na elaboração dos documentos falso e solicitaram ao Juizado de Garantias reparar o “dano social” causado no Paraguai.

 “O senhor Ronaldo de Assis Moreira, mais conhecido como Ronaldinho, forneceu vários dados relevantes para a investigação”, declarou o promotor Federico Delfino, no decorrer do processo.

Ronaldinho disse, perante o promotor Federico Delfino, que não solicitou os documentos paraguaios e que uma terceira pessoa ligada aos empresários que o contrataram forneceram a identidade e o passaporte. 

O advogado de Ronaldinho, Adolfo Martin, informou que os documentos não foram utilizados e sequer tinham as assinaturas dos irmãos e muito menos as digitais.  

Ronaldinho poderá sair da prisão domiciliar mediante o pagamento de US$ 90 mil, além de ter residência fixa no Rio de Janeiro e comparecer à Justiça a cada três meses. Ele poderá viajar mediante comunicado antecipado. Seu irmão teria de pagar US$ 110 mil e também fixar residência no Brasil.

A sorte do atleta e seu irmão vai depender do juiz Gustavo Amarilla, que deverá fixar a data para a audiência preliminar. Caberá à ele homologar o acordo formulado por eles para garantir a liberdade provisória e o retorno ao Brasil.

Dália Lopez
O Ministério Público prossegue a investigação sobre o envolvimento da empresária Dália Lopez, como responsável por levar os irmãos ao Paraguai e fornecer os documentos falsificados.

Ela encontra-se foragida e está sendo buscada pela Interpol. Seus advogados dizem que ela não compareceu à Justiça em função do novo coronavírus. Em entrevista à revista Época, seu advogado disse que ela foi ameaçada de morte.

“Regalo de Chillavert”
Na semana passada o ex-atleta da Seleção Paraguaia de Futebol, Luiz Chilavert, presenteou o amigo Ronaldinho com uma camiseta que ele usou em seus anos de gloria.

Ronaldinho recebeu a “relíquia” e agradeceu ao amigo nas redes sociais: “Muchas gracias pelo regalo. Espero ver-te pronto, amigo. Um forte abraço”, expresso o atleta.

Da redação
Foto: Divulgação
 
 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas