Reforço policial


- Por: Redação 1

Reforço policial

É boa a notícia que o governo vai reforçar a segurança na fronteira. Mas isso não atrapalha o turismo? Quem vê notícias assim pode pensar duas vezes em viajar para um destino como o nosso, porque dá a impressão que é um local inseguro. 
Mário V. G. carvalhosa

O Corvo responde: prezado, praticamente todos os anos, as cidades de fronteira recebem um reforço policial. Para um local, um destino como Foz, com tantos atrativos, isso não é em nada prejudicial, pelo contrário, quer dizer que as pessoas estarão seguras. No mais, também é importante para a população saber que há mais policiais zelando pela paz na cidade. 

Sem Natal, sem Carnaval
Corvo, grandes cidades dão uma marcha ré nos eventos de final e possivelmente será assim no início do ano que vem, o que afeta diretamente o Carnaval. Foz, sabemos não realizará a folia, mas o Rio parece que ainda está de pé, tanto que as Escolas de Samba ensaiam os sambas enredo e preparam as alegorias. Será que vão mesmo adiar, como você escreveu? Estive em Salvador não faz muito tempo e o Olodum está rasgando o bumbo. 
Odair O. J. França

O Corvo responde: este colunista não afirmou que o Rio de Janeiro recuou na realização do Carnaval, mas sim, na festa de Reveillon que acontece em Copacabana, com a grande explosão de fogos. O prefeito Eduardo Paes resolveu cancelar a festa, temendo o contágio das novas variantes de Covid, e, sabemos, mais de um milhão de pessoas vão comemorar nas areias da “Princesinha do Mar”. Algumas capitais do Nordeste e Sul, estão de olho para anunciar restrições. 

Festa do Natal
Olha seo Corvo, faz bastante tempo eu não via uma programação tão cuidadosa para retratar a magia do Natal. Quem bom que até agora o clima colaborou, sem que houvesse chuva e atrapalhasse os eventos. Tudo está muito lindo, as pessoas estão se cuidando, as luzes impressionam, a começar pelas projeções. Parabéns aos organizadores. 
Fátima Brigida F. Meirelles

O Corvo responde: prezada, este colunista tem recebido muitas mensagens sobre a realização dos eventos natalinos, decoração, iluminação e adereços, mas as apresentações estão roubando a cena. 

A “marvada”
Que barbaridade isso hein Corvo, mais da metade dos maiores de 18 anos consomem bebidas alcoólicas no Brasil. É um dado que chega a ser assustador, levando em conta que depois de ir ao boteco, boa parte dessa gente pega no volante dos carros ou no guidão das motos. A outra parte, a que anda a pé, em geral corre risco de atropelamento. Não seria o caso realizarem companhas públicas alertando os malefícios do álcool e os riscos que a embriagues causa? Parece que funcionou com o tabagismo, sendo assim, deve funcionar com o álcool. 
Wanda L. Peçanha

O Corvo responde: educação e conhecimento são mais eficazes que campanhas, mas o consumo de álcool é uma questão mundial e um hábito cultural difícil de coibir. As leis são duras para quem mistura as coisas, do tipo beber e conduzir um veículo. Acidentes ocorrem em questão de segundos e esta época do ano, com festas e confraternizações, os índices aumentam. Todo cuidado é pouco e a leitora definiu bem, um bêbado ao volante é uma arma em potencial. A pé, o pior que pode acontecer é ele cair num bueiro. 

Marighella
Mesmo sendo exibido nos cinemas, a produção estreou nos chamados “streamings”. É um filme longo, com mais de duas horas e meia. É dirigido pelo Wagner Moura e rendeu muita discussão antes do lançamento. A produção é muito bem construída, abusando da arte e da reconstituição de época, na segunda metade dos anos 60. Francamente, utilizaram todos os estoques de colecionadores de veículos. Seu Jorge e Bruno Gagliasso são os personagens mais ativos e desempenham bem os seus papéis. O Corvo assistiu no Globoplay e teve dificuldades com o som. Para ver a película é preciso ficar com o controle remoto na mão, porque as oscilações de volume são bruscas. Vai ver, o som foi ajustado em 5.1, mas a Tv deste colunista exibe só 2.0. 

O vereador raiz
Corvo, francamente, não sei de onde você tirou essa. Gostaria que explicasse mais a colocação. Pergunto: há por exemplo, um “jornalista raiz”, no engenheiro, um médico, o que é exatamente um político assim? Gostaria muito de entender isso.
Paulo R. G. Silva

O Corvo responde: prezado, o Corvo quis dizer, que o vereador Galhardo, atua com os mesmos preceitos políticos de antigamente, usando e abusando da tribuna, sacrossanto recinto dos debates legislativos. Nos tempos atuais, muita gente deixou isso de lado e prefere deliberar por meio de projetos, documentos, sem entrar na área do conflito de ideias. Foi uma brincadeira do colunista em sua análise crítica. Como a coluna publicou ontem, isso pode transladar entre o bom e o ruim. Vai do jeito de atuar. Para Galhardo, se manifestar, é o fundamental. Ele se mostra como um político das antigas, de verso e prosa, provocações, rasgação do verbo, respostas, interrupções, e, munido de comportamento contraditório. Os colegas entram na dele e está feita a confusão. Como a Câmara vai colocar essas manifestações na balança, aí é uma questão interna. Em cada profissão existe a prática de outros tempos, como no jornalismo, medicina, engenharia, dentre outros. O importante é manter a essência, de acordo com a regras e a ética. Quando isso se compromete, está feira a confusão.     

Gramadão
Prezado senhor colunista, a reforma do Gramadão demorou, mas valeu a pena. A revitalização do espaço possibilita muito mais conforto para as populações da área norte da cidade e por isso, o local é tão frequentado. É o meu programa de sábados ou domingos, com as crianças e os bichos.
Alair G. B. Fontana

O Corvo responde: prezado, o Gramadão é uma opção certa para os moradores, porque além do espaço, há também uma grande variedade de opções de alimentação, com os foods trucks que estacionam lá e os restaurantes que passaram a cercar o local. Os leitores devem perceber que a região está se tornando mais uma referência gastronômica da cidade. 

 


Onças do Iguaçu
O projeto ganhou mais um destaque na imprensa nacional, leia-se em outros países também. Segundo o jornal Folha de São Paulo, as onças possuem apetite fotográfico e brincam com as câmeras de monitoramento. Apetite fotográfico e também com as aves da vizinhança, ao que consta. A dupla que está brincando com as câmeras certamente é a mesma que organizou a farra dos flamingos. Bichos sapecas. 

Redução de preços
Dizem que o governo está trabalhando um presentão de Natal para os brasileiros. Seria uma redução no preço dos combustíveis e gás. Segundo disseram a este colunista, desta vez não trabalharão com centavos e sim, Reais. Será? Bom, se reduzirem R$ 1,00, a iniciativa será bem recebida, desde que não aumentem na semana seguinte. 

Redução e bronca
Bastou o governo dar um sinal sobre a possibilidade de baixar o valor dos combustíveis, que a oposição já fala em interferência na Petrobrás, e reposição de perdas, com muitas associações armando um “pulo do gato”. Quando o preço cair, vão questionar a dor no bolso dos usuários com os preços altos. Oras façam o favor né? Políticos não mudarão assim do dia para a noite. O povo quer preços mais cômodos para gasolina, diesel, álcool, gás, bens e consumo, alimentos, eletrodomésticos e tudo o mais. Preços justos. Se a União e os Estados abrirem mão de alguns impostos durante um pequeno período, isso fará a economia avançar, gerando empregos e causando desenvolvimento, como foi na ocasião em que derrubaram os impostos da chamada “linha branca”.  

Semana Requião
O ex-governador fará um giro pelo interior e estará em Foz perto do final de semana. Na quinta-feira visitará as redações, claro, acompanhado dos seus velhos companheiros de guerra. O Corvo está curioso em quem embarcará na canoa oposicionista ao Ratinho na cidade. 

Zum-zum
O futuro é uma incógnita. Teremos a situação e sua base, muito ativa em todas as regiões paranaenses e dois ou três focos de oposição. Requião foi quem sacou primeiro, se movimentando mais abertamente. Muitos imaginavam que ele buscaria mais uma vez o Senado da República, mas ao que parece, ele quer mesmo é voltar para o Palácio Iguaçu. 

Mais um governo?
Requião foi o homem governou o Paraná no período da Nova República, ou seja, após 1985. Cumpriu três mandatos de governador, agora quer o quarto. Ele completará 81 anos em março de 2022. O homem é uma fera; além de não aparentar a idade é muito lúcido com porte físico em dia. Vai longe. Se bem que o ex-governador é o tipo de político que não consegue parar nem depois de passar para outra. Requião em campanha é um perigo para os adversários, a começar pelos debates.

 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas