Ramal ferroviário Foz-Cascavel está formalizado no governo federal, diz Vermelho


- Por: Redação 1

Ramal ferroviário Foz-Cascavel está formalizado no governo federal, diz Vermelho

Nesta segunda-feira (13) o governo federal vai coordenar uma série de apresentações do novo plano ferroviário para grupos interessados em participar do leilão de concessão da Nova Ferroeste. A informação é do deputado Federal Vermelho que acompanha todo o processo deste grande empreendimento. 
O deputado explicou que já está formalizado junto ao governo federal a inclusão de um ramal entre Foz do Iguaçu e Cascavel. Esse ramal integrará o novo traçado de 1.285 quilômetros da ferrovia que ligará Maracajú (MS) ao Porto de Paranaguá. 
“O ramal de Foz do Iguaçu já fora acordado em 2020, quando o projeto foi elaborado. A formalização é uma etapa burocrática para fazer o leilão com segurança jurídica”, diz Vermelho. 
De acordo com o parlamentar, a Nova Ferroeste deverá ser leiloada nos primeiros meses de 2022 na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). O investimento estimado é de R$ 30 bilhões. A empresa, ou grupo vencedor da concessão é quem vai executar a obra e terá o direito de explorar o trecho por 60 ou 70 anos.
“Nesta segunda – destacou Vermelho – o governo federal vai coordenar uma série de apresentações do novo plano ferroviário para grupos de investidores interessados no projeto”. No início do próximo ano serão realizadas as audiências públicas 
Na semana passada Vermelho conversou com o governador Ratinho Junior sobre vários assuntos, incluindo a Ferroeste. “O governador me disse que a nova ferrovia será um dos principais modais e um hub do Mercosul. Ele avalia que seu potencial de transporte deve chegar a 38 milhões de toneladas no primeiro ano de operação”, recorda o deputado. 
A Nova Ferroeste vai passar por 49 municípios, 41 deles no Paraná e oito no Mato Grosso do Sul. Dois grandes estudos estão em andamento: o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental será finalizado ainda em setembro e o Estudo de Impacto Ambiental tem previsão para novembro.

Corredor Oeste
"Foz do Iguaçu faz parte desse entroncamento de cargas do Mercosul e esse ramal, já chamado de corredor oeste de exportação, além da forte produção da região, vai atender também o Paraguai, um dos principais produtores mundiais de grãos", diz o prefeito Chico Brasileiro, grande interessado no projeto.

Deputado quer ferrovia também no Sudoeste
Na conversa que teve com o governador Ratinho Junior na semana passada, o deputado Vermelho falou sobre a necessidade de estender a Ferroeste até a região Sudoeste do Paraná. 
“Precisamos também desenvolver essa região produtora que está à margem da infraestrutura”, diz o deputado. O Sudoeste é vanguarda na avicultura, suinocultura, produção de leite e derivados. 
O cooperativismo também é muito forte em função das pequenas propriedades e os produtores precisam escoar sua produção por ferrovias para reduzir o custo do transporte. 

Pequenos ramais para reduzir o preço do transporte de cargas
O projeto da Nova Ferroeste permitirá a construção de pequenas linhas, também chamadas de short lines, pela iniciativa privada. Dessa maneira, uma empresa localizada próxima a uma estrada de ferro poderá levar seus produtos até o ramal principal por trilhos, sem o transbordo feito pelos caminhões. 
 “O trilho pode passar dentro da unidade produtiva, e aí passa a carregar vagões. Uma locomotiva de manobra leva a carga até o tronco principal e encaixa no comboio. Existe uma grande redução de custo nessa mudança”, afirma o coordenador do Plano Estadual Ferroviário, Luiz Henrique Fagundes.
A construção das short lines permite à indústria unir seus terminais ou armazéns às linhas principais dos troncos ferroviários. “O privado identifica uma oportunidade de ligar dois pontos a partir de levantamentos econômicos e encaminha para o governo, que analisa e dá o parecer final. Essa é a ideia nos próximos anos”, explica Fagundes.

Da assessoria


 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas