Quase 40 mil iguaçuenses ainda não entregaram o Imposto de Renda 2021


- Por: Redação 1

Quase 40 mil iguaçuenses ainda não entregaram o Imposto de Renda 2021

Quase 40 mil iguaçuenses ainda não enviaram a declaração do Imposto de Renda 2021. O número corresponde a 73% dos contribuintes que devem fazer a prestação de contas neste ano. Conforme o último balanço divulgado pela Receita Federal do Brasil (RFB), até o momento pouco mais de 15 mil pessoas encaminharam o formulário. 
A expectativa é de que 54.993 contribuintes enviem os dados até 30 de abril, data de encerramento do período. Quem perder a data poderá encaminhar a declaração posteriormente, mas terá de pagar uma multa. O valor mínimo é de R$ 165,74; já o valor máximo corresponde a 20% do imposto devido. 
Em todo o estado já foram recebidas quase 600 mil declarações do IRPF. O fisco espera que até o fim do prazo 2.120.000 paranaenses enviem o formulário. No âmbito nacional a instituição contabilizou até as 11h de quarta-feira (7) 11.236.017 declarações. A expectativa da RFB é de que 32,6 milhões de pessoas acertem as contas com o “leão” neste ano. 
O programa gerador da declaração está disponível para download no site: receita.economia.gov.br. Para os celulares é possível baixar o aplicativo “Meu Imposto de Renda”. Neste ano a Receita fez uma atualização na página do IRPF, com linguagem simplificada para maior acessibilidade. Outra novidade é que, para os sistemas operacionais Windows, Linux e Mac, não é mais necessário instalar a plataforma computacional Java.

Primeiro lote da restituição será pago em 31 de maio 
A Receita Federal manterá o cronograma de pagamento das restituições em cinco lotes e o início da devolução já para o mês subsequente ao término do prazo de entrega. O primeiro pagamento será em 31 de maio e o ultimo no dia 30 de setembro. 
Algumas categorias de contribuintes têm prioridade legal no recebimento da restituição: aqueles com 60 anos ou mais, sendo assegurada prioridade especial aos maiores de 80 anos; os portadores de deficiência física ou moléstia grave e contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Da redação 
Foto: divulgação 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas