Quase 13% do contrabando nacional foram apreendidos na região de Foz


- Por: Redação 1

Quase 13% do contrabando nacional foram apreendidos na região de Foz
Mesmo com a pandemia, o volume de mercadorias contrabandeadas aumentou

A Receita Federal divulgou balanço do primeiro quadrimestre do ano. De acordo com a corporação, foram apreendidos quase R$ 1 bilhão em mercadorias contrabandeadas no Brasil entre os meses de janeiro a abril deste ano.

Foram exatamente R$ 987.827.082,66 confiscados no primeiro quadrimestre. Apesar da pandemia, o valor é 4,7% maior que o alcançado no mesmo período do ano passado, quando as apreensões atingiram R$ 943.490.643,12.

Detalhe que chama atenção é que Foz do Iguaçu destaca-se como uma das cidades com o maior número de apreensões. A cidade, onde está localizada a Alfândega da RF, tem 12,75% das mercadorias confiscadas, um porcentual bastante elevado.

Um dos motivos é localização geográfica da cidade, que faz fronteira com o Paraguai e a Argentina. Outro, é o aumento da repressão por meio de diversos órgãos de segurança e das constantes operações realizadas na BR-277, lago de Itaipu e rio Paraná.

Santos, na Baixada Santista, figura com 9,38% e Itajaí, em Santa Catarina, com 8,27%. As duas cidades abrigam dois portos marítimos de grande porte, onde são apreendidas cargas que chegam do exterior por meio de navios.

Assim como nos anos anteriores, os principais itens apreendidos são os cigarros (R$ 303.944.266,05), artigos de vestuário (R$ 99.023.079,18) e eletroeletrônicos (R$ 97.606.954,73).

Paraná
No Paraná, o volume de mercadorias apreendidas subiu 24,3% em relação ao primeiro quadrimestre de 2019. Em nosso estado, a Receita Federal apreendeu R$ 237,8 milhões.

Operações
As apreensões de mercadorias são realizadas pela Receita Federal em suas operações de vigilância e repressão, bem como pelas demais forças de segurança pública que atuam no Estado. O objetivo das ações é proteger a indústria nacional e evitar a concorrência desleal, além de impedir a entrada no país de produtos lesivos à sociedade.

Da redação com assessoria

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas