Quantos gramas de açúcar você come por dia?


- Por: Reciel Rocha

Quantos gramas de açúcar você come por dia?

Uma lata de refrigerante possui sete colheres de acúçar; esse tipo de produto tem sido uma das preocupações da OMS

O açúcar é uma substância derivada da cana-de-açúcar ou variedades da beterraba doce com raízes brancas e não fazia parte da alimentação dos nossos antepassados. Desde a priorização da produção do açúcar, o consumo interno aumentou devido ao seu baixo custo e pelo grande aumento da industrialização de alimentos e bebidas, com adição cada vez maior dessa substância. Assim, o açúcar passa a fazer parte da rotina familiar de uma forma prejudicial à saúde, principalmente pelo consumo abusivo. Atualmente, o Brasil é um dos maiores consumidores mundiais do produto per capita. De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), cada brasileiro consome em média, 51 a 55 quilos de açúcar por ano, contrastando com a média mundial por habitante de 21 quilos por ano. A Organização Mundial da Saúde (OMS), recomenda que o consumo de açúcar não ultrapasse de 5% do total de calorias ingeridas durante o dia – em torno de 25 gramas.

É importante ressaltar que esse valor não é apenas da colher de açúcar que você coloca no café ou suco, mas todos os alimentos que contem esse ingrediente, como: bolos, biscoitos e bolachas, sorvete, refrigerantes, balas, etc. A consequência disso pode ser observado no aumento gradual de índices de sobrepeso e obesidade na população, nos últimos anos. Além dos inúmeros prejuízos que o organismo sofre – inflamação do corpo, baixa resistência imunológica, aumento dos Produtos Finais de Glicação Avançada (AGE) – este consumo em excesso associado a obesidade, acarreta
o desenvolvimento de hipertensão arterial, diabetes, cânceres, doenças crônicas respiratórias, entre outras.

Você comeria sete colheres de chá de açúcar?
 Creio que não, mas você consome quando ingere uma lata de 330ml de refrigerante. Agora calcule mentalmente quantas colheres seriam no total por semana ou por mês, que você consome.
Recentemente, um estudo concluiu que bebidas com adição de açúcar, entre elas o refrigerante, aumentam o risco de morte prematura decorrente de uma série de doenças. Em comparação com quem consome bebidas com adição de açúcar menos de uma vez por mês: o consumo de uma a quatro por mês dessas bebidas, está associado a um aumento de risco de 1%. De duas a seis por semana, a um aumento de 6%. De um a dois por dia, a um aumento de 14%. De duas ou mais por dia, a um aumento de 21%. O Brasil encontra-se em 10º lugar no ranking de consumo médio per capita de refrigerantes por país em 2018 – em litros, de acordo com a Euromonitor International. Uma das principais preocupações
das autoridades da saúde, é o efeito que as bebidas açucaradas têm em crianças e adolescentes. Os dados da OMS mostram que o número de pessoas obesas com idade entre 5 e 19 anos aumentou de 11 milhões em 1975 para 124 milhões em 2016. Sob o ponto de vista nutricional e energético, o açúcar refinado adicionado é totalmente dispensável, pois os carboidratos já suprem as necessidades energéticas do organismo da forma mais natural e adequada. 

Mas com tanta oferta de produtos ricos em açúcar no mercado, como fazer para reduzir o consumo?
A primeira providência é retirar a adição do açúcar refinado, não precisa adicioná-lo no suco ou chá. Nem em preparações em casa. Preste atenção nos rótulos dos produtos comerciais, você pode encontrar vários nomes diferentes para o açúcar: xarope de milho, sacarose, glicose, adoçante de milho, etc. Na lista de ingredientes, por lei, a empresa deve colocar os componentes por ordem de quantidade no produto, então o primeiro ingrediente é o que mais tem em se tratando de quantidade, na composição total do alimento. Se for comprar qualquer coisa e o primeiro for açúcar ou derivados de xarope, descarte! Diminua o consumo de alimentos ultra processados e troque por alimentos in natura,
algumas receitas são fáceis de realizar em casa e assim controlar quais ingredientes fazem parte da receita. Trocar o açúcar branco refinado por outro açúcar e continuar consumindo em excesso, o nome já diz: é um açúcar por outro açúcar!

LETICIA POSSATO GHELLEREO
CRN8 – 12119 /P Nutricionista Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário União Dinâmica das Cataratas
– UDC Pós Graduanda em Nutrição Clínica e Funcional Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz – FAG

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas