Professores, estudantes e técnicos da Unila participam na luta para deter o Coronavírus


- Por: Reciel Rocha

Professores, estudantes e técnicos da Unila participam na luta para deter o Coronavírus
Estudantes atendem chamadas da comunidade e dão orientações

Médicos e professores da UNILA estão se desdobrando entre o atendimento a pacientes, entrevistas a veículos de comunicação da cidade e orientações aos estudantes que também estão na frente de ação contra a Covid-19. Não é raro ouvir ou ler as considerações da infectologista Flávia Trench ou do coordenador clínico do Hospital Municipal, Luiz Fernando Zarpelon, que também orienta os estudantes do internato. Isso tudo, sem falar nas mídias sociais, que são um meio de informação importante, quando bem utilizadas.

Os estudantes dos cursos de Medicina e Saúde Coletiva são uma importante força nesse trabalho de informação. Na central telefônica, instalada no Hospital Municipal, são os estudantes de Medicina que fazem o atendimento à população, respondendo às dúvidas sobre sintomas e orientando sobre os procedimentos corretos em relação à doença. São cerca de 50 estudantes se revezando nas diferentes atividades, tanto na central como em outras áreas. “Estamos nos dividindo nos mais diversos setores: atendimento telefônico, recepção e triagem de pacientes, leitos de enfermaria, de UTI [quando e se houver casos], além dos setores em que já atuávamos normalmente, como pronto-socorro e enfermaria clínica, onde estão os pacientes com outras doenças”, conta a estudante de Medicina Roberta Serafini.

Zarpelon lembra que é importante ter os estudantes também atendendo em outras áreas. “As pessoas também adoecem de outras enfermidades. A pandemia acontece num momento em que está havendo uma epidemia de dengue, e a sobrecarga do sistema de saúde está enorme. Eles têm apoiado muito como força de trabalho, como recurso humano, acompanhados sempre dos professores e dos preceptores”, comenta.

A maior demanda, nestes dias, tem sido pelo telefone. “A população está bastante preocupada e com muitas dúvidas. No momento, temos 4 linhas de telefone funcionando 24 horas e 4 chats de WhatsApp. Acredito que seja em torno de 50 ligações por hora que recebemos, a demanda está sendo enorme”, descreve Roberta

 Telefones para chamadas e mensagens em caso de sintomas.
(45)   3521-1800
(45) 9 9992-0550
(45) 9 9997-5111
(45) 9 9975-5257
(45) 9 9997-5251
(45) 9 9997-5150
(45) 9 9997-5335

Da Redação com Comunicação Unila
Foto: Divulgação

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas