População faminta de Puerto Iguazú desenterra frango estragado para comer


- Por: Redação 1

População faminta de Puerto Iguazú desenterra frango estragado para comer
Fotos divulgadas pela imprensa de Puerto Iguazu mostram as famílias desenterrando carne putrefata


Famílias vulneráveis atingidas pela fome em Puerto Iguazú (Argentina) desenterraram um carregamento de frango para matar a fome. O fato aconteceu nesta quarta-feira (18).
Um vídeo publicado no portal MissionesOnline (https://misionesonline.net/2020/11/19/pollo-de-contrabando-iguazu/esOnline) que mostra as cenas fortes, chegou a viralizar na internet mas não chocou as autoridades  argentinas da fronteira, que até o momento não se manifestaram.

O vídeo mostra dezenas de pessoas escavando a terra onde os músculos e pés de frango foram enterrados pelas autoridades sanitárias. As cenas chocantes mostram pessoas famintas desenterrando a comida estragada, utilizando enxadas, picaretas e as próprias mãos.
A apreensão das 1.200 caixas de frango ocorreu no final de semana pela Prefeitura Naval. A mercadoria estava armazenada em um depósito no bairro Altos de Paraná e foi apreendida por ter sido contrabandeada.

Durante cerca de três dias a Prefeitura manteve o material apreendido sem a necessária refrigeração. Na quarta, a mercadoria foi entregue à Senasa que decidiu enterrar o carregamento em um terreno próximo ao bairro.
Tão logo os veículos com as mercadorias deixaram o local, os moradores do bairro pobre começaram a desenterrar as caixas de frango e levaram para suas casas para comer.

De acordo com a imprensa de Puerto Iguazú, o produto estava em adiantado estado de decomposição e pode causar danos à saúde dos moradores.

Protestos
Na manhã desta quinta (19) algumas entidades sociais de Puerto Iguazú fizeram um protesto em frente a Prefeitura para condenar a equipe do prefeito. Os protestos foram organizados pela Frente Pátria Nova, Movimento Ativo e Social (MAS) e a Central de Trabalhadores.

“Estamos indignados com a decisão da Prefeitura e marcamos esse protesto para repudiar essa atitude inumana. Poderiam proteger a mercadoria em câmeras frias e distribuir à população que está passando fome”, comentou Claudio Altamirano, do MAS.
O ativista social explica que o governo atende uma parte da população com o auxílio emergencial, mas a população que vivia do trabalho informal está passando necessidades. “A fome está batendo nos lares e o prefeito joga comida fora”, comentou.
Ele aproveitou para pedir aos órgãos públicos e empresários para distribuir alimentos à população faminta. “É preciso fazer um mutirão emergencial para salvar crianças e adultos que passam fome em nossa cidade”, acrescentou Altamirano.

Da redação

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas