Paraguai tem aumento de casos e deve atrasar abertura da ponte


- Por: Redação 1

Paraguai tem aumento de casos e deve atrasar abertura da ponte
Grupo antimotins reforça a segurança da penitenciária de CDE

O Paraguai registrou nos últimos dias um aumento no número de casos confirmados do novo Coronavírus, a maioria resultante de transmissão comunitária. Com isto, a reabertura das fronteiras, incluindo a Ponte da Amizade que une Foz do Iguaçu (Brasil) à Ciudad del Este deve demorar. Os acessos ao país estão fechados desde o dia 18 de março.

O último sábado (27) é, do ponto de vista dos técnicos sanitários, o pior dia para a pandemia em solo paraguaio. O país registrou, nesta data, o recorde de 231 casos em 24 horas, dos quais 186 na penitenciária de Ciudad del Este, como informou o ministro da Saúde, JulioMazzoleni. Também foram confirmados mais dois óbitos, elevando para o total de 15 mortes em decorrência da doença no país.

À imprensa, a diretora de Promoção de Saúde do Paraguai, Adriana Amarilla, disse considerar a volta da normalidade "uma situação preocupante". A avaliação, de acordo com ela, leva em conta o comércio, que certamente fará promoções para sair da crise. Isto facilitaria os contágios, anotou o La Nación.

O ideal, de acordo com a diretora, é esperar o inverno passar - com o frio vêm outras doenças, como gripes e resfriados, o que complica ainda mais a situação da saúde pública. Também será necessário analisar os casos, internamente, e observar o comportamento do vírus na região, afirma.

Adriana afirma que a curva dos casos de covid-19, no Paraguai, ainda não chegou ao nível de achatamento, "porque os casos estão aumentando. Tratamos sempre de diminuir a altura do pico dos casos", frisou.

Quadro preocupante
Ao Última Hora, o infectologista Eugenio Báez Maldonado disse que os mecanismos de proteção mais eficientes para evitar a propagação do novo coronavírus são a lavagem de mãos e o distanciamento social, ainda mais agora, quando se inicia a temporada de inverno.

"Por sorte, nestes meses (desde março), mais de 80% dos pacientes não tiveram necessidade de internamento e sobreviveram sem nenhum problema, enquanto que uns 20% se internaram e 5% foram para terapia intensiva, principalmente aqueles que tinham comorbidade", analisa o médico.
Do total de casos confirmados no sábado, mais 32 pessoas se recuperaram - são 1.045 recuperados . O número de internados duplicou, de 11 para 23, dos quais três em terapia intensiva, todos com comorbidades.

Da redação
Foto: MJ-PY


 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas