Oeste sem Moacir é dia sem o Sol


- Por: Redação 1

Oeste sem Moacir é dia sem o Sol

Oeste sem Moacir é dia sem o Sol

“Nasce o sol e põe-se o sol, e volta ao seu lugar onde nasceu. O vento vai para o sul e faz seu giro para o norte. Continuamente vai girando o vento e volta a fazer os seus circuitos. Uma geração vai, outra geração vem, porém a terra para sempre permanece”. 
Érico Veríssimo    

O domingo amanheceu escandalosamente lindo, como em geral, são as manhãs que transcendem a Primavera, conduzindo-a até a próxima estação. Tudo o que contemplamos em dias assim, simplesmente desaparece quando sabemos notícias tristes sobre alguém que amamos, ou admiramos, ou conhecemos, ou queremos bem. Não importa o grau, a distância – a geográfica e a fraterna -, uma nuvem escura rouba o céu, pesa sobre tudo e invade as nossas lembranças. 
É a definição do meu domingo, quando soube do falecimento do Moacir Hanzen. E, francamente, quase nada podemos fazer além disso: lembrar e torcer para que a família consiga superar um momento tão triste assim. 
Das lembranças, e, elas são muitas, consegui resumir a importância do amigo; alguém que nunca faltou nos momentos mais difíceis, e que em várias ocasiões surgiu do nada, e disse: “em que posso ajudar”, ou “aguenta firme, isso passa”. 
Mas em momentos assim, lembramos o lado pessoal e nunca o coletivo. Os “fatos” ficam por conta das páginas de noticiários; neste aspecto, bastaria resumir que o Moacir José Hanzen foi uma figura ímpar no cenário empresarial e área da comunicação no Extremo Oeste do Paraná; homem muito bem relacionado com todas as comunidades da Costa Oeste, nome que deu ao seu grupo de informação. Um empresário atento, realizador, hábil e generoso. 
Em meus exercícios públicos, o Moacir foi um “pronto socorro”, em muitas ocasiões. Não saberia enumerar as vezes em que cedeu tendas, barracas, arquibancadas, gratuitamente ou matando o prejuízo no peito, porque simplesmente depositava fé, no bem comum que a inciativa causaria.    
Nessa narrativa da “pessoalidade” há a introspecção, das vezes em que discutimos política, a viabilidade das iniciativas públicas e privadas, a comunicação como instrumento da formação da opinião, o tirocínio do exercício de sobrevivência, sem prejudicar e sim, ajudar colaboradores e amigos. Muitos saberão lembrar o tamanho do coração do Moacir. 
Francamente, no momento em que soube o súbito que levou o Moacir, não consegui pensar em mais nada que não fosse o Mauro Hanzen até porque, é difícil desassociar um irmão do outro, parceiros na alma, muito além dos negócios. Deus ajude a confortar a alma do meu querido amigo Mauro, porque não dá para avaliar a dimensão da sua dor.  
Entender a profundeza do pensamento e palavras do grande Érico Veríssimo, pois assim ele encerrou o compêndio de três, das suas magníficas obras, resultante em “O Tempo e o Vento”, é que aprendemos uma lição sobre a superação e a sua extraordinária simplicidade no transladar das gerações. Mas como um observador da minha geração, não consigo deixar de acrescentar a memória, porque ela é imaterial, ao contrário daquilo que permanece, no caso, a terra. Foi uma grande honra e um privilégio ter sido aceito como amigo, pelo Moacir Hanzen. 

Rogério Romano Bonato

 

E o Carnaval?

É meu amigo "corvo", depois da abertura do Natal de Águas e Luzes e a abertura do novo Gramadão, com milhares de pessoas aglomeradas o prefeito cancela o Carnaval... isso é tragicômico... uma coisa pode e outra não...
Alberto Ludwig

O Corvo responde: prezado leitor, amigo e colaborador. Muitas administrações públicas brasileiras estão cancelando eventos de final de ano e o Carnaval, como inclusive anunciou o Rio de Janeiro. Foi difícil interromper a agenda do Natal, porque os eventos estavam anunciados e seria difícil impedir que as pessoas fossem até os locais. 

Ninguém sabe
A falta de informações sobre a nova variante do covid-19 está causando muita expectativa em todo o planeta. Já passou um bom tempo desde a descoberta da transformação e até agora, nada da ciência explicar o seu potencial. Temendo uma onda avassaladora, como aconteceu dois anos antes, a alternativa dos gestores é a prevenção, evitando aglomerações e reforçando os cuidados com a proteção individual e distanciamento. 

Precauções
Para variar, há uma enxurrada de informações falsas nas redes sociais, umas inclusive induzindo pessoas a abandonarem a vacinação, porque ela seria causadora da mutação do vírus. Isso é uma tremenda besteira e só mesmo gente despreparada é que cai nessa, acreditando em tamanha imbecilidade. A variante surgiu, exatamente em razão do contrário, pelo retardamento da vacinação em muitos países e o vírus se espalha em vulneráveis. Ainda não há informações da ciência sobre a eficácia das vacinas perante a nova mutação. Por isso, é importante manter o distanciamento, evitar aglomerações, usar máscara, higienizar as mãos e tomar a vacina. 

Anice é Bolsonaro
O Corvo já havia fechado a edição da sexta-feira, quando a vereadora foi à tribuna da Câmara e deixou claro que está firme no PL em relação à filiação do presidente Bolsonaro e que estará com ele nas eleições. O Corvo conversou com as bases e deu para notar uma aparente divisão e isso tem explicação: Anice militou no PT e arrastou simpatizantes para o outro partido. Se havia dúvidas quanto ao comportamento dela, o assunto está mais do que esclarecido. 

Ecos de uma encrenca
O vereador Galhardo roubou mais uma vez a cena na Palavra Livre da quinta-feira. O assunto ainda continua repercutindo. Colegas dizem que foi a mais agressiva das falas na história do legislativo nativo. Relembrando: calmamente, sem precisar elevar o tom da voz, Galhardo praticamente obrigou os colegas a se manifestarem, ao dizer que ele era um vereador "raiz", afirmando não ter medo da comissão de ética. "Vamo pro pau!", disse. Bom, quem escreveu que ele é um “vereador raiz” foi este corvo, mas é um discernimento de muitos significados. Este colunista prefere ficar no resumo. O resto fica por conta da imaginação e interpretação dos demais.  

Microfone desligado 
Mas voltando ao assunto, mesmo sem microfone (ele foi desligado), Galhardo protagonizou mais cenas que se tornarão inesquecíveis. Muitos acreditam que ele traçou ataques pessoais e ao Legislativo, em algum lugar, arranhando a pintura do Poder, o que possivelmente lhe trará problemas. As manifestações geraram direitos de resposta. Foi um momento bem tenso. 

Agitação
A semana tem tudo para iniciar com a política pegando fogo! Uma das grandes encrencas do ano, foi a fala do vereador Alex Meyer contra o deputado Hussein Bakri, depois defendido pelo colega Adnan El Sayed. No episódio, claro, Galhardo, interrompendo as falas e despejando veneno pela casa. Isso quase acabou em sopapos e o imbróglio foi parar até na delegacia. Parece que o tema passará por uma renovação nos próximos dias. Pena a Câmara não vender ingressos, porque arriscaria faltar lugar na plateia. 

Requião em Foz
A política local foi além da Câmara. Na próxima quinta-feira, passará pela cidade o pré-candidato a Governador, Roberto Requião. Em sua caravana haverá deputados e dirigentes de partidos que podem dar sustentação à empreitada. Uma filiada a um desses partidos chegou a dizer que já há uma briga de foice sobre o direito à fala num dos eventos. Em momentos assim, cada um querer mostrar a sua "força". 

Quem vai poder falar? 
Inicialmente, somente os presidentes de partidos poderiam falar mas há uma expectativa que alguns nomes ganhem espaço. De qualquer forma, pode ser difícil de se conseguir unidade entre os chamados partidos de esquerda. O Corvo soube que o PSB, que vem tentando ser o “número 2” do bloco nacional para apoiar Lula, provavelmente não prestigiará o evento. Dizem que isso pode acontecer, por causa da aproximação entre a sigla e Chico Brasileiro, que é Ratinho Jr. Pelo menos até o momento.  

PSDB desaparecido
Tratamos aqui das movimentações do PSDB na cidade. Ao que se sabe, um novo político estava se articulando e andou conversando com as bases com a intenção de ingressar no partido. Lembramos que a sigla ficou sem candidato a vereador na última eleição. Procurado "em off", ele disse "realmente estávamos em conversas sobre a filiação, levando junto ao menos 30 pessoas do meu grupo. Mas parece que melou do lado de lá. Aí abortei a missão.", revelou.

Yasmin
O Corvo escreveu que o vereador Edivaldo assinou um projeto que busca acabar com "preconceitos" na contratação de pessoas em empresas terceirizadas da Prefeitura e da Câmara, com isto, ele esperava garantias para a alocação de mais jovens e LGBTs. A vereadora Yasmin entrou em contato com a coluna, mostrando que se trata de uma iniciativa sua e encaminhou cópia PROJETO DE LEI N° 121/2021, que altera e acresce dispositivos à Lei n° 4.217, de 9 de abril de 2014, que “Dispõe sobre reserva de vagas para egressos do sistema penitenciário, na prestação de serviços com fornecimento de mão de obra para o Município de Foz do Iguaçu”. 

Outra coisa
O projeto da vereadora Yasmin trata de egressos do sistema penal, mulheres vítimas de agressão e pessoas lutando por um espaço na sociedade, como o caso das diversidades, “como pessoas transgêneras, encaminhadas por intermédio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade.” Segundo informaram, o vereador Edvaldo possui outro projeto, com conteúdo diferente. 


 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas