Novembro Azul: diagnóstico precoce pode curar em até 90% dos casos


- Por: Reciel Rocha

Novembro Azul: diagnóstico precoce pode curar em até 90% dos casos


“Agora eu posso viver até 120 anos”, disse um paciente, o senhor JC, de 76 anos, que operou o câncer de próstata no início do ano.

Outro paciente também comemora, desta vez, o senhor JCS, de 56 anos, que operou o câncer de próstata há três anos, e hoje celebra a saúde e a vida: “fazer o exame do toque parecia até algo meio constrangedor, mas depois de descobrir o câncer, poder tratá-lo e hoje comemorar a minha cura e a minha vida, vejo que o sentimento de vitória é muito maior do que aquele medo bobo de um exame tão simples”, conta o paciente feliz da vida que hoje está de “alta para sempre”, como disse o médico urologista de Foz do Iguaçu, Dr. Gustavo Cruz.

Dados do INCA, Instituto Nacional de Câncer, estimam 68.220 novos casos de câncer de próstata em 2019, assim como no ano anterior, 2018. A possibilidade de diagnóstico precoce do câncer de próstata pode reduzir em até 90% o índice de
morte em decorrência deste câncer. “É recomendação da Sociedade Brasileira de Urologia que os homens a partir dos 45 anos de idade façam os exames de prevenção ao câncer de próstata, em casos de homens com histórico na família, a recomendação é que inicie um pouco antes, aos 40 anos. O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento, e a cultura da prevenção pode ser o diferencial para preservar a vida, até mesmo porque o câncer de próstata
na maioria das vezes não causa sintomas no início, alerta Dr. Gustavo.
Doutor Gustavo Cruz também está no instagram @dr.gustavocruz
Novembro Azul: compartilhe saúde!

Dr. Gustavo Zepka Cruz
Médico Urologista graduado pela Fundação UFRS, Residência médica em cirurgia geral no hospital São Vicente
de Paulo/RS e Hospital das Clínicas de Porto Alegre. Também foi Preceptor da Residência Médica de Urologia do
Hospital Central da Aeronáutica. Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia e Membro da Sociedade Europeia de
Urologia.

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas