MPF constata irregularidades no entorno do Parque Nacional do Iguaçu


- Por: Reciel Rocha

MPF constata irregularidades no entorno do Parque Nacional do Iguaçu
Extração de pedra basáltica nas margens do rio Iguaçu próximo ao parque

Um relatório divulgado pela Procuradoria da República de Foz do Iguaçu constatou ilegalidades na extração de areia e de pedras nas proximidades do Parque Nacional do Iguaçu. O mesmo relatório constatou que a vegetação na antiga Estrada do Colono já foi reconstituída. 
O trabalho foi realizado a pedido da procuradora Daniela Caselani Sitta, que pediu apoio aéreo da Polícia Rodoviária Federal. O relatório foi assinado pelo técnico Jean Matheos Tessari Wagner.
“Já na foz do Rio Iguaçu observam-se construções em meio a mata dentro da faixa de APP. Essas construções são avistadas ao longo da margem brasileira do Rio Iguaçu até o início do Parque Nacional do Iguaçu, em algumas dessas ocupações existem clareiras para cultivo de alimentos e criação de animais”, frisa o relatório. 
“No ponto denominado Porto de Areia, existe uma grande área devastada destinada ao depósito de areia, estacionamento e área de manobra de caminhões de uma mineradora. Já em sobrevoo da Industria e Comércio Leopoldina, o panorama é assustador, imensa área de Mata atlântica devastada, solo totalmente destruído, a mineradora extrai basalto a poucos metros da margem do Rio Iguaçu, dentro da área de preservação daquele rio, caminhões e mais caminhões de pedra saindo carregados o que mostra a intensa atividade no local, a poeira que sai da britagem do basalto é tanta que é possível ver a quilômetros de distância”, acrescenta o relatório. 

Da redação com assessoria / Foto: MPF

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas