Messer negocia delação premiada que pode provocar um “tsunami”


- Por: Reciel Rocha

Messer negocia delação premiada que pode provocar um “tsunami”

Depois de 82 dias atrás das grades o “doleiro dos doleiros” Dario Messer pode fazer a tão esperada delação premiada. Quem deu a notícia em primeira mão foi o respeitado articulista de “O Globo”, Lauro Jardim, em sua coluna deste domingo (22).
Segundo Jardim, é a quarta vez que Messer vai até a sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro, desde que foi preso em 31 de julho deste ano. O acordo estaria sendo negociado com o Ministério Público Federal (MPF).
“Messer está fechando sua delação premiada com o MPF. Mais do que isso: sua mulher, Rosane, e os filhos Dan, Denise e Deborah e até um genro já estão com suas delações assinadas e homologadas pela Justiça”, escreveu o colunista.
A nota afirma ainda que para fazer o acordo, Messer pagaria R$ 240 milhões. “Sua mulher e filhos também serão multados em pelo menos outros R$ 200 milhões. O pagamento, neste caso, será em dinheiro, joias e obras de arte”, acrescenta.
Boa parte da fortuna que o doleiro possui no Paraguai – estima-se em 400 milhões – seria repatriado ao Brasil. Lá ele possui fazendas, imóveis e casas de câmbio. Uma parte está localizada em Ciudad del Este e Hernandarias.
A Polícia Federal e o MPF acreditam que que Dario Messer tenha aberto 3 mil offshores em 52 países. O banco que controlava em Antígua, o Evergreen, tinha 429 clientes entre políticos, esportistas e empresários. Todos esses clientes estão sendo investigados pela Lava Jato.

Adelino de Souza Freelancer

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas