Mais de 24 mil iguaçuenses ainda não entregaram o Imposto de Renda


- Por: Redação 1

Mais de 24 mil iguaçuenses ainda não entregaram o Imposto de Renda
Ainda falta um total de 24,8 mil formulários para completar o montante de 57.200 esperados para este ano em Foz

Faltam cerca de 20 dias para o fim do prazo, mas 43,4% dos iguaçuenses ainda não enviaram a declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2022. De acordo com a Receita Federal, até o momento foram recebidos 34.200 formulários. Ainda falta um total de 24.800 para completar o montante de 57.200 declarações esperadas para este ano em Foz do Iguaçu. 
O período para o envio da declaração teve início no dia 7 de março e deveria ser encerrado em 29 de abril, mas foi prorrogado para o dia 31 de maio. Quem perder a data poderá encaminhar o formulário posteriormente, mas terá de pagar uma multa. O valor mínimo é de R$ 165,74; o valor máximo será correspondente a 20% do imposto devido.
Em todo o estado já foram recebidas 1.271.600 declarações do IRPF. O volume representa 57,2% do total de 2.220.000 de documentos esperados no Paraná. No âmbito nacional a instituição contabilizou até as 11h de ontem 20.079.294 declarações. A expectativa da RFB é de que 34,1 milhões de pessoas acertem as contas com o “leão” até o fim do prazo. 
Mesmo com a prorrogação do prazo para a prestação de contas, o cronograma de restituições foi mantido. A primeira parcela será paga no dia 31 deste mês diretamente na conta informada pelos contribuintes. O último lote será repassado no dia 30 de setembro.  
Algumas categorias de contribuintes têm prioridade legal no recebimento da restituição: aqueles com 60 anos ou mais, sendo assegurada prioridade especial aos maiores de 80 anos; os portadores de deficiência física ou moléstia grave, e contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Quem deve declarar neste ano 
A obrigatoriedade do envio da Declaração do Imposto de Renda recai sobre o contribuinte que recebeu, no ano de 2021, rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70.  
Em relação à atividade rural, deve declarar quem obteve receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50. Pessoas que receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00 também precisam acertas as contas. 
Aqueles que obtiveram, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas; ou tiveram, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00 devem enviar o formulário também. 
O auxílio emergencial recebido em 2021 é considerado um rendimento tributável pelo Fisco. Desse modo, se junto com demais rendimentos o valor ultrapassar o patamar de R$ 28.559,70 recebido no ano passado, o contribuinte é obrigado a declarar IR também.

Da redação 
Foto: divulgação 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas