Itaipu e PTI apoiam produção de respirador artificial na região


- Por: Redação 1

Itaipu e PTI apoiam produção de respirador artificial na região

O Parque Tecnológico Itaipu (PTI), mantido pela usina de Itaipu, aguarda a homologação de modelo de respirador artificial (ventilador eletromecânico) de baixo custo e rápida produção para o tratamento de pacientes contaminados pelo novo coronavírus. A solução é liderada pela Indústria Schumacher, de Marechal Cândido Rondon, pela usina de Itaipu, margem esquerda e PTI-BR, com apoio de outras instituições do Estado.

Esse é mais um esforço conjunto para o enfrentamento da doença feito em parceria pela Itaipu e diversas entidades na região de abrangência da usina. Após a homologação, a indústria teria condições de produzir até 20 respiradores desse modelo por dia. A fabricação das válvulas pneumáticas – consideradas o “coração” do respirador – é a grande especialidade da Indústria Schumacher.

Esse tipo de equipamento tem muita demanda. O protótipo seria uma alternativa bem mais em conta do que os modelos mais completos disponíveis no mercado, que chegam a R$ 80 mil, e com produção predominantemente nacional. “É uma solução emergencial”, disse o coordenador do Grupo de Trabalho da Covi-19 da Itaipu, coronel Aureo Ferreira, assessor especial do diretor-geral brasileiro de Itaipu, Joaquim Silva e Luna. Só para efeito de comparação, em alguns países pessoas morreram pela falta de um respirador mecânico.

A Schumacher conta com 70% dos componentes internos do respirador. O Sistema Regional de Inovação (SRI) tem dado tanto suporte na busca de fornecedores quanto no apoio para a criação do protótipo. O SRI contempla uma rede de atores que interagem para promover um ambiente favorável à inovação para o desenvolvimento regional. A outra parte viria de um parceiro antigo e do próprio PTI.

O propósito do projeto não é visar lucro e venda em grande escala, mas sim proporcionar à comunidade uma solução em forma de projeto aberto que seja eficiente e possa ser replicado em diferentes regiões durante a pandemia.  
Aureo Ferreira explica que o apoio à produção do equipamento leva em conta vários fatores: a urgência do momento e alguns diferenciais do respirador. “A cadeia de suprimentos para sua produção é predominantemente local. Itaipu tem em sua missão ampliada cuidar de sua gente apoiando o desenvolvimento regional”, disse.

Da assessoria

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas