Governo anuncia repasse de recursos para reconstrução da Unioeste em Foz


- Por: Redação 1

Governo anuncia repasse de recursos para reconstrução da Unioeste em Foz
Na universidade, o vendaval destelhou todos os oito blocos de salas de aula, além dos prédios de direção, anfiteatro e refeitório

O Governo do Estado liberará nesta quarta-feira (8) os recursos para a reconstrução do Campus da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) em Foz do Iguaçu. Os detalhes referentes ao valor e etapas de restauração serão discutidos durante uma reunião, às 10h, na sede da universidade, Localizada no loteamento Universitário das Américas. 
O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Aldo Nelson Bona, prestou solidariedade à Unioeste desde a notícia dos estragos causados por um forte temporal em outubro. Hoje ele se reunirá com o reitor da universidade, Alexandre Webber; e com o diretor-geral do campus em Foz, Fernando José Martins, para definir os detalhes das obras. 
Com danos de grandes proporções no telhado dos blocos, a universidade estipulou aproximadamente R$ 2,5 milhões para a reconstrução total do campus. O cálculo, feito pelo setor de obras da instituição e não inclui os estragos provocados também nos aparelhos e equipamentos de informática, rede elétrica, danos nas janelas e documentos perdidos.  
 “Inicialmente, fizemos o desligamento da rede elétrica e, numa avaliação mais criteriosa, acabamos interditando um prédio com risco de desabamento de forro de gesso”, explicou o diretor de Planejamento Físico da Unioeste, engenheiro civil Paulo Henrique Gris. 
Em um primeiro momento, a universidade contou com o apoio da comunidade. Um mutirão formando por funcionários, alunos e moradores auxiliou na limpeza e na retirada os entulhos deixados pelo forte vento, que atingiu na ocasião mais de 70 km/h. 
A primeira etapa foi realizada com o objetivo de evitar maiores danos na estrutura em decorrência de outros possíveis temporais. A segunda etapa, que envolverá obras, deve ser divulgada em breve, com data de início e prazo para conclusão. 

Prejuízos 
O temporal que danificou a Unioeste foi registrado no dia 23 de outubro, deixando também vários estragos em diversas outras regiões de Foz. Na universidade, o vendaval destelhou todos os oito blocos de salas de aula, além dos prédios de direção, anfiteatro e refeitório.
O prédio principal possui seguro que cobre cerca de R$ 300 mil, mas os prejuízos foram tão grandes que o valor atende apenas uma pequena parcela dos reparos necessários. Por conta disso, a diretoria da Unioeste buscou recursos junto ao Estado e foi atendida. 
De acordo com o diretor, Fernando Martins, o prédio foi construído na década de 1990 e já estava apresentando os desgastes do tempo. Agora a estrutura dever quase que inteiramente restaurada. “Nunca foi feita uma reforma estrutural. Agora é inevitável”, disse. 
Além da Unioeste, o temporal, considerado um dos piores dos últimos anos no Paraná, destelhou outros 600 imóveis em Foz, derrubou em torno de 100 árvores e quebrou vários postes da rede elétrica, deixando milhares de pontos sem luz elétrica por vários dias. 

Ensino presencial
Em modo remoto desde o início da pandemia, a Unioeste estudava a possibilidade de retorno do ensino presencial a partir de novembro deste ano, entretanto, a medida foi adiada para 2022. De acordo com a universidade, a decisão não teve relação com os estragos no campus. 
Além de Foz do Iguaçu, a Universidade Estadual do Oeste do Paraná conta com campus em Cascavel, Marechal Cândido Rondon e Toledo, no oeste do Paraná, e em Francisco Beltrão, no sudoeste.

Da redação 
Foto: Antônio Marcos Massaco Haschisuca/Unioeste

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas