Governador do Rio diz que é preciso fechar a fronteira com o Paraguai


- Por: Redação 1

Governador do Rio diz que é preciso fechar a fronteira com o Paraguai
Wilson Witzel propôs medidas absurdas para coibir o tráfico de armas e drogas

No último final de semana o governador do Rio de Janeiro, patrocinou mais uma de suas constantes presepadas. Em uma entrevista com a imprensa durante o Rock in Rio ele declarou que é preciso fechar as fronteiras com o Paraguai, Bolívia e Colômbia para evitar a entrada de armas e drogas no Brasil.
“Vamos fechar a fronteira com a Bolívia, o Paraguai e a Colômbia. Não comercialmente, mas policialmente. Eu colaboro, mando policiais para a fronteira. E também vou pedir a outros estados que mandem policiais para lá. Não é possível que o Brasil continue sangrando com a entrada de armas e ninguém faça nada”, disse o governador, como se tivesse autoridade para tal.
Mas não parou por aí a audácia do folclórico governador. “Já determinei à Procuradoria-Geral do Estado que iniciasse estudos para representarmos o Paraguai perante a ONU e a Corte Interamericana de Direitos Humanos”, acrescentou Witzel. Só faltou apelar ao Tribunal de Haia.
Ao ser questionado por jornalistas, tentou minimizar: “É o Ministério das Relações Exteriores que deve tomar as providências e orientar o presidente Bolsonaro a exigir do Conselho de Segurança da ONU retaliações ao Paraguai, à Colômbia e Bolívia pelo tráfico de armas e drogas que inundam a América do Sul”, bradou Witzel.
O governador sapeca disse ter convidado o ministro da Justiça, Sérgio Moro, a recorrer com ele à ONU contra os três países, mas, sem resposta até agora, poderá sozinho buscar a ajuda: “Tentei que o ministro Sérgio Moro viesse comigo. Estou aguardando. Mas se não vier, vamos sozinhos, porque o Estado do Rio de Janeiro vai fazer o seu trabalho”.


Adelino de Souza
Foto: EBC

 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas