Foz do Iguaçu se candidata para se tornar sede do Wakalua no Brasil


- Por: Redação 1

Foz do Iguaçu se candidata para se tornar sede do Wakalua no Brasil
Paulo Angeli candidatou a cidade para ser sede da iniciativa global. Retomada do turismo revive tratativas iniciadas em setembro

Fomentando a inovação através de acordos público-privados em mais de 150 países, o Wakalua é impulsionado pela Globalia, grupo líder em turismo na Espanha e na América Latina, em colaboração com a Organização Mundial de Turismo (OMT), agência das Nações Unidas especializada em promover o turismo responsável, sustentável e universalmente acessível.
O Hub Wakalua Brasil tem como missão habilitar e acelerar o crescimento da competitividade do Turismo Brasileiro através da inovação, contribuindo para o desenvolvimento sustentável. E a visão estratégica é posicionar o Brasil como referência global de política de inovação em turismo até 2024.

A estratégia do Hub, é promover a inovação e o empreendedorismo tecnológico em turismo no Brasil, desempenhando papel instrumental na execução da Estratégia Nacional de Inovação em Turismo 2021-2024.
A iniciativa de candidatar Foz do Iguaçu foi do presidente do Comtur e empresário do turismo da De Angeli Eventos e Empreendimentos, Paulo Angeli, que buscou integrar diversas entidades locais na formatação da proposta. “Quando recebi a informação do interesse do Wakalua se estabelecer no Brasil vi a oportunidade de criar uma “onda tecnológica” para referenciar Foz do Iguaçu como destino inovador. E com as parcerias passamos a primeira fase. Certamente estamos com plenas condições de receber este empreendimento.”, relatou Paulo.

Segundo Felipe Gonzalez, vice presidente do Codefoz e presidente do Visit Iguassu, instituição que também contribuiu na elaboração da proposta, Foz do Iguaçu é a cidade ideal ser a sede do Wakalua Innovation Hub no Brasil, pois além de ser o segundo destino turístico mais visitado no Brasil por estrangeiros, segue demonstrando através de inúmeros projetos, inclusive o Acelera Foz, seu compromisso com o desenvolvimento de novas tecnologias e a inovação. 

A Secretaria Municipal de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos realiza em parceria com as entidades de turismo, ações para o desenvolvimento do setor, indústria e comércio com o objetivo de fomentar a geração de renda e emprego.  Em dezembro de 2017, o prefeito Chico Brasileiro regulamentou a Lei Complementar nº 283, que é a “Lei de Inovação”. A iniciativa já visava criar um ambiente favorável para atrair empresas nas áreas de inovação, tecnologia e ciência, transformando a cidade em um polo nestes setores. A nova legislação desburocratizou procedimentos e concedeu incentivos fiscais para fomentar esses ramos de atividade. Foz do Iguaçu busca ser uma cidade inteligente, desenvolvendo cada vez mais sua vocação para o turismo e também abrindo as portas para a evolução de negócios da nova economia, baseada na criatividade e no empreendedorismo. 
Atualmente temos no Paraná, 1032 Startups mapeadas, sendo 14 delas no setor de Turismo.   Possuímos um programa de desenvolvimento econômico, o Acelera Foz, onde o principal objetivo é atuar na competitividade do nosso destino, tanto para receber novos investimentos, quanto para promover a cidade na atração de mais visitantes, fortalecendo a diversificação da economia.

Objetivos do Hub Wakalua
1. Atuar como instrumento executivo, catalisador, articulador institucional e de controle da implementação da ENIT, sob supervisão do CNT. 
2. Articular e desenvolver o ecossistema de inovação em turismo, conectando SNT e SNTCI, e dotando-o de instrumentos de PD&I, aceleração, investimento e apoio à transformação digital. 
3. Difundir de soluções tecnológicas e inovadoras de gestão inteligente em turismo. 
4. Estimular o desenvolvimento de startups de turismo. 
5. Promover a inovação aberta, através de chamadas de projetos. 
6. Criar instrumentos de comunicação, visibilidade, networking e reconhecimento para inovações em turismo originadas no Brasil, estimulando a universalização de boas práticas no setor.

Da Redação
 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas