Exército vai patrulhar o lago de Itaipu e região dos balneários


- Por: Redação 1

Exército vai patrulhar o lago de Itaipu e região dos balneários
Assinatura do documento por militares e dirigentes da Itaipu

Foi celebrado nesta quinta-feira (16) um Acordo de Cooperação Técnica entre a Itaipu, entidade binacional, e a União Federal, representada pelo Comando do Exército, por intermédio do Comando Militar do Sul e do Comando da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada (15ª Bda Inf Mec), esta última como órgão executor.

Pelo acordo de cooperação, o Exército implementará ações que otimizem a segurança nas vias navegáveis do reservatório da Usina Hidrelétrica de Itaipu e nas proximidades das águas adjacentes às praias dos municípios lindeiros.
Esta ação visa à prevenção e à repressão aos crimes e aos ilícitos transfronteiriços e ambientais na esfera de competência da União Federal, bem como o apoio às ações de busca e salvamento nas referidas áreas e vias navegáveis, no que concerne às atribuições constitucionais.

A 15ª Bda Inf Mec fará o planejamento operacional e a execução das ações de patrulhamento a pé, fluvial e motorizado ostensivo nas áreas de entorno da Itaipu, cabendo à binacional o aporte de recursos necessários às operações, conforme o plano de trabalho que integra o acordo de cooperação.

O evento de assinatura do acordo contou com a presença do Comandante Militar do Sul, General de Exército Valério Stumpf Trindade; do Comandante da 5ª Divisão de Exército, General de Divisão José Carlos Russo Assumpção Penteado; do Comandante da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada, General de Brigada Claudio Henrique da Silva Plácido; do Diretor Administrativo da Itaipu, Contra-Almirante Paulo Roberto da Silva Xavier; do Superintendente de Segurança Empresarial da Itaipu, Coronel Alfredo Santos Taranto; e demais autoridades.
 
Um gigante
 A formação do reservatório da usina de Itaipu teve início em 13 de outubro de 1982, quando as comportas do canal de desvio foram fechadas, para a formação de um gigante com uma área de 1.350 km2, sendo 770 km2 no lado brasileiro e 580 km2 no lado paraguaio.

A previsão inicial para o enchimento total do reservatório era de 90 dias. Mas a ocorrência de chuvas fortes e contínuas – a maior enchente em 40 anos – levaram a operação a ser concluída em apenas 14 dias.

O gigante estava formado, de Foz do Iguaçu a Guaíra. Em toda a extensão formaram-se 66 pequenas ilhas, sendo 44 no lado brasileiro e 22 no lado paraguaio. Também foi sepultada uma das mais belas maravilhas naturais do país, as Sete Quedas, localizadas em Guaíra.

Enquanto a população de Guaíra lamentava o fim das Sete Quedas e o final de uma grande atividade turística, os moradores de Foz do Iguaçu, Ciudad del Este e Puerto Franco, à jusante da barragem, viram o rio esvaziar em uma ocorrência nunca antes registrada.


Da redação com assessoria EB

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas