Estação hidrométrica de Guaíra completa 100 anos nesta quinta


- Por: Redação 1

Estação hidrométrica de Guaíra completa 100 anos nesta quinta
Estação hidrométrica mede o nível do rio Paraná em Guaíra

A estação hidrométrica Guaíra Porto, localizada na entrada do reservatório de Itaipu, próximo à cidade de Guaíra, completa 100 anos nesta quinta-feira, 25 de junho. A estação é de grande importância histórica: faz do rio Paraná um dos poucos no Brasil com acompanhamento hidrológico contínuo por um século, além de ter sido fundamental para os estudos que antecederam a construção da usina.
 
“Trata-se de uma das 35 estações mais antigas do Brasil, dentre mais de 20 mil cadastradas e de cinco mil gerenciadas pela ANA (Agência Nacional de Águas)”, afirma o engenheiro Luiz Henrique Maldonado, da Divisão de Estudos Hidrológicos e Energéticos, da Operação da Itaipu.
 
Em 1920, foi criada a Comissão de Estudos de Forças Hidráulicas, no âmbito do Serviço Geológico e Mineralógico do Ministério da Agricultura, para conduzir estudos em hidrologia e em energia elétrica. Naquele mesmo ano, começaram as investigações em cinco áreas: Paulo Afonso, Rio Grande e Rio Preto, Barra do Piraí, Serra do Mar e Mantiqueira, e Sete Quedas.
Na década de 1920, o município de Guaíra ainda não existia (viria a ser fundado em 1951). A localidade era conhecida por região do Guahyrá ou Porto Monjoli. Segundo a historiadora Cíntia Fiorotti, que defendeu sua tese de doutorado na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) com um estudo sobre essa região (intitulada História de Trabalhadores e do Trabalho na fronteira Brasil-Paraguai 1960-2015), na época, a população era formada por guaranis, brasileiros, argentinos e paraguaios, e sua história está diretamente relacionada ao uso dos rios e à extração de erva-mate e madeira.
 
“Havia dinâmicas resultantes da circulação de pessoas e mercadorias, aumentadas com a presença da Companhia Matte Larangeira (1902-1944)”, explica Cíntia. “Em 1920, havia pouco controle por parte do Estado brasileiro sobre os fluxos entre países vizinhos. Uma parte dos bens industrializados e serviços especializados eram supridos pela circulação de pessoas e mercadorias até Assunção ou Buenos Aires”, diz Cintia Fiorotti.

Inicialmente, o interesse pela medição estava mais voltado às condições de navegabilidade do rio. Posteriormente, o potencial hidráulico ganharia importância. Na década de 1960, já com 40 anos de série histórica sobre o comportamento do Rio Paraná, começaram os estudos de vazão.

Hidrologia da obra
Com o início da construção de Itaipu, foi criada a “Hidrologia da Obra” que, após a construção da barragem, foi incorporada à Diretoria Técnica. Em 1977, uma equipe da área realizou medições por 90 dias seguidos em Guaíra, com o objetivo de consolidar a relação quantidade de água x nível do Rio. O posto hidrométrico de Guaíra também foi importante para registrar a maior cheia da história do Rio Paraná, em 15 de junho de 1983, quando a vazão chegou a 39.870 m³/s. Vale destacar que a área de drenagem medida nesse ponto chega a mais de 800 mil km2.
 
“Guaíra tem uma série histórica que chega a 100 anos ininterruptos, o que é muito raro. Em épocas de crise, muitas estações foram fechadas no País”, conta Maldonado. “Uma série assim não beneficia apenas Itaipu, mas a sociedade em geral”.
 
Com o tempo, a estação também evoluiu tecnologicamente. O que antes era apenas uma régua para verificação visual foi, aos poucos, recebendo novos instrumentos. Nos anos de 1970, ganhou um sistema de boia e contrapeso, ainda para leitura no local.
A partir de 2002, Guaíra Porto passou a integrar a rede do Sistema de Telemetria Hidrometeorológica (STH), com as medições de nível d’água e precipitação (chuva) sendo transmitidas de hora em hora por um sistema via satélite.

Por sua posição estratégica e pelas condições para oferecer informações sobre a qualidade e a quantidade de água que chega ao reservatório, a centenária estação de Guaíra Porto continua sendo de fundamental importância para a Itaipu.

Da redação com Imprensa/Itaipu
Fotos: Itaipu

 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas