Escritório para levar alunos aos EUA consolida internacionalização da UDC


- Por: Reciel Rocha

Escritório para levar alunos aos EUA consolida internacionalização da UDC
Solenidade de inauguração do Escritório Oficial do Governo Estadunidense para Estudos nos EUA contou com a presença de autoridades de Foz e região

A inauguração do Escritório Oficial do Governo Estadunidense para Estudos nos EUA consolida o plano de internacionalização do Centro Universitário UDC de Foz do Iguaçu. A solenidade, nessa quarta-feira (6), contou com a presença do cônsul-geral americano em São Paulo, diplomata Adam Shub; do prefeito Chico Brasileiro; de autoridades locais e regionais; e de convidados especiais, dirigentes, professores e estudantes da instituição.
O escritório, em parceria com a EducationUSA, está localizado no cruzamento das ruas Jorge Sanwais e Castelo Branco, na região central da cidade. O serviço também está disponível na unidade de Medianeira da UDC, inaugurada simultaneamente à de Foz do Iguaçu. "É um sonho que hoje está se tornando realidade", disse o pró-reitor do Centro Universitário, Fábio Hauagge do Prado.
"Este ato, para o governo, população e economia estadunidense, é essencial", afirmou o cônsul Adam Shub. Segundo ele, ensinar o inglês, mandar os brasileiros estudarem lá, fortalecer os laços entre os países, tudo isso é bom para a cooperação. "Aqui, nossos parceiros fizeram um trabalho excelente, bem animados, ficamos orgulhosos", frisou.
A intenção é aumentar o número de cidadãos de lá para cá e daqui para lá. A escolha foi feita de maneira científica, mas o diplomata admitiu que muito dependeu da vontade das pessoas de Foz do Iguaçu, "que têm muita". Ele lembrou que a EducationUSA possui 40 escritórios em 170 países, e o de Foz do Iguaçu é o primeiro numa tríplice fronteira — Brasil, Paraguai e Argentina.
A iniciativa, ainda de acordo com Shub, vai ao encontro da medida do presidente Jair Bolsonaro que isentou os cidadãos dos EUA da obrigatoriedade do visto para entrar no Brasil. "Isto vai ajudar. Faz parte da política de fortalecer os laços para facilitar. Tem este, tem investimentos, tem cooperação e tudo tipo de atividade. Somos democracias bem grandes, com economias fortes, e queremos fazer coisas juntos", ressaltou.

Ronildo Pimentel

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas