Em nova onda de infecções, Foz já  ultrapassa 5,4 mil casos de covid-19


- Por: Redação 2

Em nova onda de infecções, Foz já  ultrapassa 5,4 mil casos de covid-19
Atualmente 2.515 pessoas estão em isolamento domiciliar e 27 estão internadas; ocupação das UTIs já beira 50% (Foto: Foto: Christian Rizzi/PMFI)

A nova onda de infecções pela covid-19 colocou Foz do Iguaçu em estado de alerta nas últimas semanas e a situação continua se agravando. Desde o dia 1° de janeiro até ontem (16) a cidade já registrou 5.481 casos da doença. A Secretaria de Saúde já emitiu vários comunicados para que a população reforce os cuidados sanitários com uso de máscara e higienização frequente das mãos, além do distanciamento social. 
Do total de casos ativos, 2.515 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 27 estão internadas. Neste mês um óbito foi registrado até o momento, mas há uma grande preocupação com o aumento da demanda nas unidades de saúde e com o crescimento na ocupação de leitos. 
Atualmente, há 36 pessoas em tratamento nas enfermarias dos hospitais Padre Germano Lauck e Ministro Costa Cavalcanti, entretanto, há apenas um total de 25 leitos disponíveis. Com isso, a ocupação é de 144%. Dos 40 leitos de UTI, 17 já estão em utilização, o que representa uma taxa de ocupação de 43%. 
“A vacinação possibilitou que esse aumento de casos não se refletisse tanto nas internações e nos óbitos pela doença. Mas a situação é muito preocupante, porque mesmo as pessoas vacinadas podem se contaminar. Então, mais uma vez, apelamos a todos que cooperem mantendo as medidas sanitárias básicas”, destacou o prefeito Chico Brasileiro.
De acordo com a Vigilância Epidemiológica, a média móvel de casos cresceu mais de 3.000% nos últimos dias em comparação à duas semanas anteriores, com cerca de 670 novos casos de coronavírus a cada 24 horas. A taxa de transmissão está em 3,85, quando o ideal é que este índice esteja abaixo de 1. 
A grande procura por atendimento já congestionou o Plantão Coronavírus, que realizou neste mês 6.437 atendimentos. O número é quase igual ao registrado durante todo o mês de dezembro, quando foram feitos 6.596 atendimentos. As Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Unidades Básicas de Saúde (UBSs) também estão sobrecarregadas. 
Centros de testagem 
Devido à grande demanda, foram implantados neste final de semana novos postos de testagem para covid-19 em Foz.  Os atendimentos estão ocorrendo de segunda a sábado, das 9h às 21h, nos seguintes locais: Escolas Adele Zanoto (Porto Meira); Elenice Milhorança (Jardim América); Padre Luigi Salvucci (Vila C Nova); João Adão (Três Lagoas) e CMEI Guilherme Augusto Terres dos Santos (Morumbi II).
Não há a necessidade de agendamento para o teste rápido nas escolas. As coletas serão feitas por estagiários contratados pela Fundação Municipal de Saúde e supervisionadas por 15 enfermeiros coordenadores. O teste de antígeno fica pronto em 15 minutos e o morador deixa o local já com o resultado em mãos. Casos positivos para a covid-19 devem permanecer em isolamento por 10 dias caso haja sintomas. Assintomáticos devem manter isolamento por sete dias.
Além das escolas, a partir de hoje (17) as UBSs darão prioridade à pacientes com sintomas respiratórios. Das 30 unidades de saúde do município, incluindo a Unidade Padre Ítalo 24h, somente 10 ficarão voltadas aos atendimentos essenciais da saúde, que são pediatria, ginecologia e obstetrícia, pré-natal e puericultura. São elas: AKLP e Vila C Nova (Distrito Norte), São João e Sol de Maio (Nordeste), Vila Yolanda e Maracanã (Oeste), Portal da Foz e Campos do Iguaçu (Leste), Profilurb II e Padre Monti (Sul).
Vacina pediátrica
A Secretaria de Saúde do Paraná enviou para a 9º Regional de Saúde, 2.520 vacinas pediátricas para o início da imunização de crianças entre 5 e 11 anos. Das doses, 1.730 serão aplicadas em Foz do Iguaçu.
As doses enviadas à fronteira serão repassadas para a Secretaria de Saúde de Foz nesta segunda-feira (17). A Diretoria de Comunicação da prefeitura informou que a data do início da vacinação ainda será divulgada.
A vacinação seguirá diretrizes semelhantes às dos adultos, sendo iniciada por crianças com comorbidades e deficiência permanente, seguidas de indígenas e quilombolas, as que vivem em lares com pessoas com alto risco para evolução grave de Covid-19 e, então, em ordem decrescente de idade, iniciando pelos 11 anos até chegar aos 5 anos.

Da redação 
 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas