Em comunicado, sindicatos defendem combate ao contrabando no Paraguai


- Por: Redação 1

Em comunicado, sindicatos defendem combate ao contrabando no Paraguai
Sindicatos cobram rigor no combate ao contrabando que entra no Paraguai pela fronteira com o Brasil

Um grupo envolvendo representantes de 35 sindicatos emitiu esta semana, um comunicado ao público defendendo os controles de combate ao contrabando em Ciudad del Este, na fronteira do Paraguai com o Brasil. No documento, eles condenam a resistência de autoridades locais e empresários que atuam na região. “Consideramos lamentável a postura de defesa da ilegalidade, informalidade e principalmente do contrabando, adotada por alguns políticos, a fim de continuar ganhando adeptos na campanha”, diz parte do trecho da nota veiculada pela rádio La Clave. As organizações aproveitam o ato para denunciar o que chamam de "velha prática" de se opor publicamente ao controle do contrabando.
Esta prática, de acordo com os sindicatos, que vem sendo demonstrada por algumas autoridades nos últimos dias, tem um único propósito de conquistar adeptos, "alimentando um sistema perverso, onde a prebenda e o clientelismo político continuam a condenar gerações inteiras viver na miséria e implorando", dizem. 
As reclamações sobre a entrada massiva de contrabando, principalmente de alimentos, roupas, calçados e equipamentos no Paraguai mostram que nos dois primeiros meses deste ano, a ilegalidade mais uma vez se alastrou e aparece como um dos grandes problemas do país. O contrabando, afirmam os sindicatos, atinge toda a estrutura econômica.
"A produção e o comércio, que paga seus impostos, enfraquece o tesouro por meio da sonegação de impostos e tem consequências diretas na redução do emprego formal e na queda dos recursos do Estado destinados aos investimentos sociais", afirma o documento.

Ronildo Pimentel

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas