Dia Nacional da Ciência mobiliza atenção para a importância da produção científica


- Por: Redação 1

Dia Nacional da Ciência mobiliza atenção para a importância da produção científica
Atuação da UNILA na aldeia indígena

O Dia Nacional da Ciência tem o objetivo de incentivar jovens a se interessarem pela ciência, mobilizar atenção para a importância da produção científica brasileira - e seu retorno à sociedade - e, ainda, prestar homenagem à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).
Nesse contexto em que o papel da ciência ganha evidência e as universidades públicas assumem um protagonismo na luta contra a Covid-19, a UNILA vem promovendo diálogos e diversas ações – com base em pesquisas científicas –, para contribuir no combate ao novo coronavírus e na análise sobre o momento de pandemia.

Universidades públicas, parceiras no combate à Covid-19
As universidades federais são responsáveis por mais de 800 pesquisas em andamento sobre a Covid-19, segundo levantamento realizado pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais (Andifes). Ainda segundo esse estudo, as instituições federais de ensino superior estão presentes em pelo menos 53 ações de testagem do novo coronavírus e estabeleceram 198 parcerias com governos municipais para auxiliar no combate à doença. Em Foz do Iguaçu, a UNILA está presente em diversas frentes, várias delas em parceria com a Prefeitura, como o plantão telefônico do coronavírus, a telemedicina e o atendimento em unidades de saúde, em barreiras sanitárias e no Hospital Municipal.

Teste para Covid-19
A UNILA também trabalha em conjunto com a Prefeitura de Foz do Iguaçu na realização de exames para detectar a Covid-19. A Universidade transferiu os equipamentos do Laboratório de Pesquisas em Ciências Médicas para o Laboratório Municipal, que tem, atualmente, a capacidade para testar 200 pacientes por dia, 100% pelo SUS. Os exames são do tipo RT-qPCR, que utiliza técnicas de biologia molecular para fazer uma busca minuciosa pelo material genético do Sars-Cov-2, o vírus que provoca a Covid-19..

Desenvolvimento de novo teste
Uma equipe de pesquisadores da UNILA também está desenvolvendo um novo teste para detecção do Sars-Cov-2, com base na metodologia Elisa, que tem em torno de 95% de sensibilidade e 100% de especificidade. A demanda partiu do Hospital Municipal Padre Germano Lauck. Os resultados do teste apontam para um número de pessoas positivas para a Covid-19 maior do que o obtido por testes rápidos, que podem ter uma baixa eficiência. 

Inovação tecnológica na produção de máscaras
As demandas do serviço público de saúde de Foz do Iguaçu estão na mira da preocupação da comunidade acadêmica da UNILA. Docentes e estudantes dos cursos de Engenharia trabalham com a impressão em 3D de máscaras reutilizáveis – alternativas ao modelo N95 –, para serem distribuídas aos profissionais de saúde do município. A fabricação e a impressão em 3D de equipamentos de proteção individual, como as máscaras, representam um avanço em relação à inovação tecnológica. 

Produção de álcool glicerinado
Outra frente de trabalho envolve a produção de álcool glicerinado 80%, para ser distribuído nas unidades de saúde de Foz do Iguaçu. A produção está sendo realizada no Laboratório Multiusuário de Química da Universidade, por uma equipe de docentes, estudantes e técnico-administrativos. A Universidade conta com equipamentos e pessoal capacitado para produzir, aproximadamente, 100 litros de álcool glicerinado por dia. 

Projeções de propagação do novo coronavírus
O comprometimento da Universidade com as demandas de Foz do Iguaçu, neste momento de pandemia, também está na oferta de informações com embasamento científico, que podem contribuir nas estratégias e tomadas de decisão do poder público. Um desses estudos, realizado por um grupo de docentes da UNILA e de profissionais de saúde de Foz do Iguaçu, aplica modelos matemáticos para fazer projeções da propagação do novo coronavírus em Foz do Iguaçu e na Região Trinacional. Observatórios na análise da Covid-19
A atenção dos pesquisadores da UNILA vai além do atendimento direto à saúde. A pandemia tem sido analisada também nos campos geopolítico, econômico, de integração regional e de fronteira. O Núcleo de Estudos Estratégicos, Geopolítica e Integração Regional (NEEGI) da Universidade, por exemplo, tem realizado uma série de debates on-line e análises por meio dos observatórios que o compõem. Entre eles, o Observatório Latino-Americano da Covid-19, criado como uma rede interdisciplinar e cujos integrantes são docentes da UNILA de áreas diversas, pesquisadores externos de outros estados e profissionais da rede de saúde de Foz do Iguaçu. Atuação na aldeia indígena

Outro Observatório – da Temática Indígena na América Latina (OBIAL) – tem atuado neste momento de pandemia, com foco, principalmente, na aldeia Ocoy, em São Miguel do Iguaçu. Professores e estudantes do curso de Medicina estão fazendo o acompanhamento dos doentes, e o OBIAL, coordenado pelo professor de História da UNILA Clovis Brighenti, está realizando o monitoramento da situação na aldeia e fornecendo uma ajuda mais emergencial. “Estamos somando esforços”, afirma Brighenti. O Observatório distribui máscaras, alimentos e outros insumos para os indígenas. Também orienta as pessoas que irão fazer atendimentos na aldeia, com a elaboração de um protocolo com informações sobre a cultura e o modo de viver dos guaranis.

AI Unila

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas