Corazón de chancho


- Por: Redação 1

Corazón de chancho

A notícia bombástica da terça-feira foi o inovador, inédito, fantástico, avançado transplante de um coração, onde um humano recebeu o músculo cardíaco de um suíno geneticamente modificado. Pensa? Bom, Leonardo Da Vinci já especulava a possibilidade lá na idade média, ao dessecar animais e defuntos. Mas eis que a medicina resolveu colocar o procedimento em prática, 500 anos depois. 

Diferenças
Praticamente não há diferença entre o coração de muitos animais e homens; todos afinal, possuem a mesma função, de bombear o sangue, mantendo a circulação. O tamanho é que resulta em sucesso e o coração do porco é o que mais se assemelha ao dos humanos. Daqui uns tempos as pessoas criarão o bicho pensando um dia usar o coração, e, depois comemorar comendo um pernil, panceta, ou tudo misturado numa suculenta feijoada. A vingança humana é cruel, levando em conta que o torresminho é a metade do caminho para os problemas cardíacos. O porco, afinal, é quem paga a conta. 

Salvem os porcos!
Não vai demorar até os ativistas organizarem uma campanha em favor da fauna suína, impedindo que os corações dos porcos salvem vidas humanas. Se isso acontecer muitos botecos decretarão falência e a iguaria mais brasileira de todas sofrerá uma baixa pandêmica, porque essas coisas pegam rapidinho. Já dá para imaginar, em forma de protesto, alguém colando um cartaz nas cercas do recinto gastronômico do Elson Marques: “porco também tem coração!”. Aí sim danou-se. Se bem que o Elson e sua família não darão muita bola, picarão tudo e incrementarão a “feijú”. Sem desejar atrapalhar o próspero negócio, o Corvo se antecipa avisando que na feijoada atualmente mais conhecida da cidade, e que caiu nas graças dos comensais, não há miúdos, só partes de primeira como lombinho, orelha, focinho, língua, pés e courinhos atentamente selecionados. O coração eles doam para os transplantes da freguesia, em caso de necessidade.   

Eticamente incorreto
É muito provável que islâmicos e judeus jamais aceitem um transplante assim, porque segundo os preceitos, o bicho, o porco, é impuro: mas há uma diferença nisso. Os judeus tratam do assunto em razão da forma como os animais eram criados antigamente, levando o tema mais para o lado da saúde, inserindo a recomendação no Talmude. Igualmente não consomem frutos do mar; já os árabes, respeitam as Leis do Alcorão (2:173). Mas houve mudanças de costumes. Depois que a ciência afirmou que a carne de suíno é muito saudável, mais até que a bovina, os judeus debatem a venda do produto para quem quiser consumir em Israel. Em regiões islâmicas é proibido até tocar no assunto, quem comer carne de porco vai arder no mármore do inferno, e fim de papo. 

Cultura útil
O Corvo trabalha esses temas polêmicos, já tratados como “cultura inútil” por alguns leitores. De todo não é ruim atuar na base do almanaque, até porque a gente se diverte um pouco, mesmo levando a sério os costumes e religiões. Pedimos aos islâmicos que não se sintam ofendidos com as nossas abordagens, em nada ofensivas. Apenas apimentam um pouco a imaginação, e, apesar disso, explicam com a veracidade dos fatos. Mas levando o assunto mais adiante, como escreveu o Rogério Bonato, em seu “best seller” Obesus Insanos, a discussão entre a dieta carnívora e herbívora ainda é vibrante e o contraditório é plenamente respeitado. O homem, afinal, busca o alimento do futuro e a ciência tenta encontrar fontes que substituam a proteína animal. Há quem defenda o não sacrifício dos bichos para saciar a fome, colocando sobre a mesa as sementes, castanhas, frutas, hortaliças e tudo o mais que possa substituir a carne. A dieta do futuro deixará de lado tudo o que existir sobre patas, asas e barbatanas. 

IAT operante
Falando em bichos, o IAT respondeu um leitor, sobre a falta de operação telefônica na sede em Foz do Iguaçu. Segundo Luiz Fernando Braga, servidor do Instituto Água e Terra (IAT), o telefone está encrencado há meses. Para atender e se comunicar com a população, os meios são a página do órgão, www.iat.pr.gov.br; ou via WhatsApp, pelo número 41 99554 0806. Os contribuintes devem enviar mensagens explicando detalhadamente as ocorrências. O Corvo também presta serviço à população e neste caso, ao órgão, muito necessário em caso da invasão de bichos. 

Explosão da Ômicron
Segundo as autoridades sanitárias brasileiras, mais de 90% das pessoas contaminadas pela explosiva variante não estão totalmente vacinadas ou desviaram da imunização. Sabem disso, ouvindo os que chegam nos postos de saúde e locais de atendimento. Os dados estão causando uma corrida em busca de reforço, porque os mais conscientes não querem correr riscos com a versão aprimorada da doença, que apesar de mais contagiosa, não é tão letal.  

A medição da ignorância
Não dá para chamar de “ignorante” um convicto contra a vacinação. Essas pessoas possuem lá as suas razões para não acreditar na ciência, nos laboratórios e nas campanhas por imunização da população. O consenso é muito variado, isso vai desde o misticismo até tramas internacionais, cujo lucro está acima de qualquer coisa. Mas a sociedade observa com atenção certas manifestações e à cada dia, pessoas são convencidas que a vacinação é o caminho mais seguro. O problema é que isso está acontecendo depois de mais de meio milhão de óbitos, sem contar os sequelados, que nunca mais se recuperaram desde o contágio. O Corvo respeita o contraditório, mas acredita que o mundo é como uma laranja, redondo, com os polos achatados, que o homem foi à Lua, que o corpo é repleto de micro-organismos, e que a ciência é capaz de realizar quase milagres.  

Chico e as boas notícias
O prefeito Chico Brasileiro retornou das férias e tranquilizou o povo, disse que não adotará medidas de distanciamento radicais, como as ocorridas nos anos anteriores, mas ressaltou a necessidade de completar a vacinação na cidade. Graças as providências na área da imunização, Foz poderá, ao que tudo indica, viver mais tranquilamente em 2022, sem o fechamento de estabelecimentos. Mas as aglomerações podem ser coibidas. Chico voltou a ocupar a cadeira de prefeito ontem, fielmente defendida pelo escudeiro homônimo Chico Delegado.  

Calor e as piscinas
A prefeitura está cuidando de reforçar a atenção em alguns centros de Convivências. O povo passa pelo lado de fora, com um sol de 45 graus na cabeça, vê a água limpinha, transparente, fresquinha e eis que dá aquela vontade de dar um “marguio”. O caso é que na ânsia de refrescar o corpitcho, algumas pessoas se arriscam nas margens do Paranazão e Iguaçu, bem como nas cachoeiras que se formam ao longo dos grandes rios. O problema é ir tomar um banho e voltar para casa contaminado, ou levar uma latada na cabeça, por causa da poluição.    

Minas submersa
Que barbaridade! São Pedro bem que poderia desviar um pouco da amostra de dilúvio que ocorre em Minas Gerais, para socorrer a agricultura mais ao Sul. A secura está causando nuvens imensas de poeira e alguns campos ameaçam se parecer com os desertos. 

Cabeceiras
Se as chuvas são catastróficas aos mineiros, ajudarão na crise hídrica, uma vez que muitos dos grandes rios nascem no Sudeste e Centro Oeste. A água toda que inunda cidades, deve encher os lagos e ajudar a movimentar as turbinas das hidroelétricas.   

Joaquim e Moro
Vamos nos divertir um pouco com a política: o ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa recebeu uma muito divulgada visita do também ex-ministro da Justiça Sérgio Moro. Esperava-se cordialidade e bons frutos do encontro, mas Barbosa torceu o nariz e disse “desconfiar das intenções de Moro”. É a primeira bola na trave eleitoral de 2022.

Tucanos em guerra
O país está de olho no PSDB. É provável de depois da guerra interna no partido, não sobre ninguém para a disputa pela presidência. O que veremos é tucanos pousados nos galhos com asas e bicos quebrados. E quem disse que isso, de apontarem vice para o Lula está acertado? Segundo este Corvo investigo, é uma situação ainda muito anuviada. “Nebulosa” é a palavra que mais se encaixa. 

Bicos quebrados? 
Toda a classe ornitológica política anda de bico rachado, porque piam miam muito, na hora errada. O Brasil vive essa confusão ideológica, com grande desacerto de ideias entre os partidos, o que dizer fora eles, na hora de enfrentar os adversários. É bem possível que em campanha, gente da esquerda acabe pregando artifícios de direita e o povo da direita falando em socializar a economia. Bom isso já acontece no prejuízo, e basta conferir o bolso dos brasileiros.  

Ronalducho apreensivo
O craque anunciou o desejo de literalmente comprar um time de futebol e no exercício de “minha-mãe-mandou-eu-comprar-esse-aqui”, apontou o “deducho”, “redonducho” para o Cruzeiro, do qual se confessa fã e torcedor. Que situação hein? Ele já se disse um Corintiano, dos bem fanáticos. Em sua empreitada de cartola, não esperava que o buraco fundo cruzeirense fosse tão infinito. Em quase dois meses de análise, os auditores ainda não conseguiram fechar a conta dos prejuízos. 

Compra o Azulão
Alguém ligou para o Ronaldão oferecendo um time de futebol (dos gramados), em Foz do Iguaçu. Um assessor perguntou, antes de levar o recado ao chefe: “quantos campeonatos venceram; onde é que fica o estádio; qual o patrimônio do investimento” e não precisaram de uma quarta pergunta para abandonar a negociação. Poderiam até mencionar a rede de estacionamentos, mas isso nada tem com o futebol. Seria uma boa para reforçar o elenco na divisão de acesso. Certamente ele se interessaria pelo time de Futsal, mas ao que parece ele não está à venda, embora aceite investimentos. 

ABC
Em situação contrária, o povo do Flamenguinho e do ABC teriam o que oferecer ao “Fenômeno”, pelo menos possuem estádios com gramado verdinho e a operação sairia bem mais em conta do que comprar o Cruzeiro. Com um empurrão financeiro e montando uma boa equipe, um time em Foz iria longe. 

Apaixonado
Ronaldo Nazário, o Fenômeno, disse em certa ocasião, que se pudesse, viveria em Foz do Iguaçu. Bom, boa parte do elenco que participou da Copa América exalou o mesmo desejo, sobretudo depois de baterem cartão pelas casas noturnas e botecos da cidade. Eita turma que gostava de chinoca e cangibrina. Bom, se isso fosse defeito não conquistariam o campeonato e nem venceriam a Copa do Mundo dois anos depois, em 2002, com praticamente o mesmo elenco.

 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas