Consulta pública do Plano Estratégico de Itaipu termina nesta sexta-feira (22)


- Por: Redação 007

Consulta pública do Plano Estratégico de Itaipu termina nesta sexta-feira (22)
(Foto: Alexandre Marchetti / Itaipu Binacional)

A consulta pública para a elaboração do Plano Estratégico da margem brasileira de Itaipu termina nesta sexta-feira (22). Portanto, quem deseja participar da pesquisa só tem mais um dia para responder ao questionário on-line. São apenas seis perguntas, incluindo a identificação da pessoa (que é facultativa). 
Para acessar ao questionário, basta clicar no link abaixo.

https://pt.surveymonkey.com/r/gestao_participativa_publico_externo

Esta é a primeira vez que a empresa consulta a comunidade externa para planejar a gestão e definir suas prioridades. Entre as questões, o participante é convidado a responder o que ele espera de Itaipu e quais os temas deverão orientar o trabalho da empresa. As respostas vão ajudar Itaipu a planejar a gestão para os próximos anos.

A primeira etapa da elaboração do Plano Estratégico já foi concluída, com a participação dos empregados. De acordo com o gerente da Divisão de Planejamento Empresarial de Itaipu, Gustavo Leite Alvarenga, a iniciativa de ouvir a comunidade externa é “fruto das novas diretrizes da empresa, que visam maior efetividade das ações da Itaipu na região”.

Desde que assumiu o cargo, em fevereiro de 2019, o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, iniciou um amplo processo de reestruturação da empresa e adotou uma política de austeridade para viabilizar o financiamento de grandes obras públicas, que ficarão como legado para Foz do Iguaçu e região.
Os investimentos de Itaipu incluem a construção da nova ponte entre Brasil e Paraguai (R$ 323 milhões) e a Perimetral Leste (R$ 140 milhões); a ampliação da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, a duplicação da via de acesso e melhorias no pátio de manobras (R$ 70 milhões); a ampliação e melhorias no Hospital Costa Cavalcanti (R$ 64 milhões); combate ao novo coronavírus (R$ 22 milhões); e apoio a entidades sociais.

As medidas, afirma o diretor, estão em consonância com as diretrizes do governo Jair Bolsonaro e atendem aos princípios da boa administração, previstas no artigo 37 da Constituição Federal: legalidade, moralidade, impessoalidade, publicidade e eficiência. Além disso, vão ajudar a região na retomada do crescimento pós-pandemia de covid-19.

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas