Cartas ao Corvo


- Por: Redação 1

Cartas ao Corvo

Este colunista abre o baú semanal com o espaço para as mensagens “publicáveis”, até porque o povo anda enviando notas impossíveis de saírem no impresso. Algumas ilações mais parecem desenhos do grande Carlos Zéfiro, o maior ilustrador de revistinhas de sacanagem da nossa história. Vale o registro, de que os nossos leitores e colaboradores não escrevem, tampouco se dedicam a esse tipo de informação. O que constatamos, é uma movimentação nos meios políticos, com a ação de apaixonados pelos futuros candidatos, em grande parte, os cabos eleitorais e prestadores de serviço. Neste caso, recomendamos que continuem utilizando as redes sociais. O Corvo não abre espaço para futrica. 

Vacinação
Corvo, quando eu soube da antecipação das vacinas e que isso aconteceria no sábado, além de ficar super feliz, pensei: haverá uma invasão nos locais de vacinação! Mesmo assim fiz o agendamento e fui. Para minha surpresa, não fiquei mais de cinco minutos no local, além de ser bem recebida pelos atendentes e enfermeiros. Pronto, estou lacrada para esse vírus! Tomei as duas doses e pelo que entendo, na minha idade não necessitarei de reforço, com a terceira dose. 
Vânia M. C. Valverde

O Corvo responde: prezada, parabéns! Fez muito bem tomar a segunda dose. Muitas pessoas ainda acreditam que isso não é necessário e, se enganam. Sim, o atendimento foi ágil e não se sabe de situações diferentes. Os servidores da Saúde se organizaram para receber as pessoas. O mesmo ocorreu com a faixa dos 17 anos. Mas veja, mesmo com as duas doses, é preciso se cuidar, não dar mole para o vírus e suas variantes. A vacina não é passaporte para a liberdade total! É necessário usar máscaras e obedecer às regras de distanciamento, porque elas ainda estão em vigor e são acompanhadas pelas autoridades. 

 Cachoeiras secretas
Corvo, li na edição de final de semana do GDia, que estão fazendo um mapeamento, sobre as cachoeiras que há pela cidade. Pois te digo que existem muitas. Podiam aproveitar e fotografar o abandono, porque é difícil ir à alguns lugares, onde a sujeira está acumulada. O senhor já visitou as cascatas que há atrás do Carimã, Corvo?
Paula G. S. Santana

O Corvo responde: prezada, descobrir cachoeiras foi durante muito tempo, um dos prazeres desde colunista. Mas vamos pensar: levando em conta a elevação do terreno, até o leito dos rios, deve haver um número muito grandes de pontos que registram a queda d’água. Uns até desaparecem em épocas de seca. O mapeamento deve ilustrar melhor esses recantos paradisíacos, muitos dos quais, bem próximos do centro da cidade e área urbanas. Sim, o pessoal está registrando as condições ambientais. 

Black Friday
Prezado senhor colunista, está chegando a temporada das feiras de descontos na área comercial. Adoooooro! É uma das poucas oportunidades que temos em comprar eletrodomésticos a preços bons. Mas será que neste ano encontraremos preços atrativos? Pelo que sabemos tudo está nas alturas. 
Márcia H. C. Valle

O Corvo responde: a Black Friday mencionada em nosso jornal, será realizada em Ciudad del Este. Sabemos que muitos comerciantes esperam liquidar os estoques, com a intenção de reposição para o final de ano, que promete. Sobre a compra de eletrodomésticos, apresar da alta nos preços, muitas pessoas trocam os itens em casa, esperando adquirir equipamentos de baixo consumo de energia. 

Engenharia
Os eletrodomésticos estão passando por uma revisão tecnológica nas fábricas. A turma anda matutando um jeito de reduzir ainda mais o consumo e em todos os segmentos. Mas a peça que vai conseguir fazer isso, é quem opera o fogão, ou o secador de cabelos, ou abre a porta da geladeira. Essa economia depende dos usuários. Se souberem usar, enfiarão menos a mão no bolso. 

Do outro mundo
Apesar do esforço para a invenção de produtos que rebaixem o custo de energia, os vilões continuam sendo os chuveiros, secadores de cabelos, aparelhos de ar condicionado, fornos micro-ondas, fogões elétricos e outras peças, que no fim das contas, acabam gastando mais energia. Usar um “rabo-quente”, por exemplo, para aquecer água é uma roubada. Barateia o gás, mas estoura a conta de luz. A vida na modernidade vai exigir cautela e racionamento. Se não for assim, viveremos como nos tempos das cavernas. 

Economia
As famílias de baixa renda estão ensinando e muito a classe média. É triste analisar isso, mas é verdade. Pessoas simples, e que viviam sob a privação, dão aulas de como encarar a crise. Onde o Corvo mora, todos os dias passa um casal recolhendo pedaços de madeira, com um carrinho de supermercado bem velho. Segundo eles, é a maneira de abastecer o fogão à lenha, porque não conseguem mais comprar botijão de gás. Relataram tudo é controlado; tomam banho tarde da noite e na base do chuvisco, em geral, com água fria; roupa é lavada no tanque, manualmente, e, até a televisão entrou na lista de objetos fora da tomada. É pra ver como são as coisas.  

Gente barulhenta
O vereador Jairo Cardoso resolveu trabalhar para coibir a perturbação do sossego em Foz, com um projeto de lei que tenta intimidar a comercialização de escapamento veicular com ruído acima do permitido. É fato que o barulho em excesso, especialmente causado por essas motocicletas ridículas, pode causar sérios problemas auditivos e transtornos diversos. A matéria destaca os níveis de ruídos permitidos pela resolução 02/1993 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama).

Decibéis 
Veículos com até 80 cilindradas, segundo a Lei, não devem superar os 75 decibéis; de 81 até 175 cilindradas, no máximo até 77 decibéis; e mais de 175 cilindradas, 80 decibéis. Acontece que as pessoas comprar essas motonetas de 125 cilindradas e mandam transformar o ruído dos escapamentos como fossem veículos potentes, atitude que beira o ridículo. Vão perturbar lá no quinto dos infernos! O projeto do Jairo está sob análise das comissões permanentes da Casa de Leis. 

Tuc... tuc... tuc...
Foi flexibilizar as regras de distanciamento, que as festas se alastraram nas madrugadas. E dá-lhe perturbação do silêncio e da ordem, porque muitas pessoas fazem uma bagunça desproporcional, quebrando garrafas, espalhando sujeira nas esquinas, uma emporcalhação geral! Está na hora de reviverem o personagem Sujismundo!  

Semana sem sessão 
Não haverá, na próxima semana, sessões no Legislativo local, a expectativa é que os vereadores fiquem na função de fechar as emendas parlamentares para atender suas bases eleitorais. Há quem diga que alguns estão reclamando do valor, pois estaria difícil "contemplar mais gente". O detalhe é que muita gente vê esses recursos de outra maneira e não para agradar eleitores e setores eleitoreiros.

Empregos
A economia da cidade começou a respirar com o retorno dos visitantes e turistas, mas, ainda há muita gente procurando um emprego ou algum tipo de atividade para aliviar a situação. Então, medidas de geração de trabalho e oportunidades são sempre bem-vindas.

Ajuda de todos os lados
A coluna está bastante interessada em saber quais projetos ou indicações dos vereadores podem ajudar na geração de mais empregos e oportunidades e de alguma maneira, aquecer a economia. O espaço está aberto. 

Fenartec
O Presidente da Câmara defendeu em suas redes sociais a volta de uma das mais importantes feiras no calendário de eventos da cidade, e que era realizada pela Câmara Júnior. "Vamos iniciar um trabalho para a volta da Fernartec", escreveu, escreveu Ney Patrício. Como a Fenartec, outros eventos estão em análise dos organizadores. 

Orçamento Participativo 
E as rodadas para a elaboração do orçamento participativo continuam. O próximo encontro será no setor Norte da cidade e, de novo, com pinceladas de tumulto por parte de quem se sente incluído. Não é mais fácil participar, no lugar de ficar ameaçando e choramingando? Bom, analisando os dois encontros que já aconteceram, a equipe da Prefeitura vai tirar de letra. 

Migração
Corvo, é verdade, a moçada está querendo “pirulitar” do país e tentar a vida em outros locais. Meus dois filhos estão consultando embaixadas e consulados, para saber onde podem ir morar, estudar, garantir o futuro. Canadá, Nova Zelândia e Reino Unido oferecem espaço. É triste mas isso acontece. 
Paulo G. Vargas

O Corvo responde: prezado, o mundo enfrenta essas ondas de migração e alguns países precisam mitigar a escassez de mão de obra, como é o caso da Grã-Bretanha, que abre as portas para pessoas com formação, ou que possuam experiência em várias áreas. Muitos jovens sonham em viajar e pelo menos, trocar experiências.

Vermelho
O deputado ficou de visitar a redação do GDia e deu nos canos, de novo. Mas a turma entende. A semana passada foi muito corrida para ele. Recebeu prefeitos da região lindeira ao Parque, para audiência no TCU, realizou as tarefas normais em plenário e nas comissões; recebeu prefeitos e vereadores de vários municípios, participou de reunião do GT que discute legalização dos jogos e cumpriu agenda na bancada do PSD. Na quinta chegou em Foz, se reuniu com lideranças, foi homenageado por médicos. Na sexta-feira mas 8h30 foi ao COMTUR, depois em Itaipu e concedeu entrevista na Rádio Cultura. Em sua agenda, constava que iria até Umarama, em agenda com lideranças. Vida de deputado é assim.
 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas