Brasileiro apontado como chefe do PCC é preso no Paraguai e entregue à PF em Foz


- Por: Redação 1

Brasileiro apontado como chefe do PCC é preso no Paraguai e entregue à PF em Foz
“Bonitão” foi entregue à Polícia Federal na aduana da Ponte Internacional da Amizade, em Foz 

Um brasileiro apontado como chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC) foi preso na noite de domingo (10), no Paraguai e extraditado logo em seguida para o Brasil. Giovanni Barboza da Silva, conhecido como “bonitão”, foi entregue à Polícia Federal na aduana da Ponte Internacional da Amizade, em Foz do Iguaçu. A ação contou com um forte esquema de segurança por conta da periculosidade do criminoso.

Conforme informações, o brasileiro foi detido em uma operação da Polícia Nacional na cidade de Pedro Juan Caballero. Poucas horas após a prisão, um grupo de aproximadamente 50 suspeitos tentou resgatar Giovanni. Os policiais que faziam a guarda do criminoso revidaram e conseguiram impedir a ação. 

Logo após o atentado um pedido de extradição em caráter de urgência foi protocolado com o apoio do Comando Tripartite. O presidente do Paraguai, Mario Abdo escreveu nas redes sociais: “Em decorrência do ataque a sede policial por parte do PCC com intuito de liberar Giovanni da Silva, considerado líder da organização criminosa, já ordenei a expulsão imediata para o Brasil. Dou todo o apoio aos organismos de segurança nacional”.

O representante do Ministério Público do Paraguai, promotor Lorenzo Lezcano, informou que a prisão do chefe do PCC se deu em decorrência de uma investigação iniciada no mês de novembro de 2020, realizado pelo MP e pela Policia Nacional, com apoio direto do serviço de inteligência da Policia Federal do Brasil e da ABIM (Agencia Brasileira de Inteligência).
Ainda estão presos no Paraguai, outros dois brasileiros detidos junto com o líder do PCC, sendo eles identificados como Paulo Augusto Jaime Landolfi e Lucas de Aguiar Freire. O destino de Giovanni no Brasil não foi informado por questão de segurança.

Da Redação / Foto: Tribuna Popular

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas