Assaltos em Foz do Iguaçu aumentam 40% durante a pandemia


- Por: Redação 1

Assaltos em Foz do Iguaçu aumentam 40% durante a pandemia

Era final de tarde de um dia frio quando um homem mascarado entrou em um mercado localizado no Campos do Iguaçu. Ele sacou de uma arma e deu voz de assalto. O comerciante ergueu as mãos, levou uma coronhada na cabeça e o sangue escorreu por sua face. O assaltante levou 300 reais, um celular e ainda deu um chute no dono do estabelecimento.

Na região Norte da cidade uma pequena farmácia que sempre fica aberta até as 21 horas, recebeu a visita de dois homens armados, que também deram voz de assalto e levaram todo o dinheiro do caixa e dois celulares.

Assaltos iguais a esses ocorrem praticamente todos os dias nos bairros e região central de Foz do Iguaçu, apesar do trabalho da Guarda Municipal, Polícia Militar e Polícia Civil.

Dados da Secretaria de Segurança do Paraná, divulgados nesta quarta (16) revelam que de janeiro a agosto de 2020  o número de assaltos  em Foz do Iguaçu sofreu um aumento de 40,9% em comparação com o mesmo período do ano passado.
Foram 117 roubos em 2020 e apenas 83 no mesmo período de 2019. A maioria dos assaltos ocorreu em estabelecimentos que prestam serviços essenciais, como mercados, mercearias e farmácias.

O dono de uma farmácia na região da Vila Iolanda já foi assaltado três vezes. Ele decidiu pagar um segurança particular, que fica armado no estabelecimento, principalmente no final da tarde e começo da noite, quando os ladrões costumam agir. “Além do movimento estar fraco, preciso pagar segurança particular. Assim não aguentamos mais”, comentou.

Até mesmo a dona de um salão de beleza do Porto Meira foi “visitada” por assaltantes. Ela se preparava para fechar as portas quando um ladrão de arma em punho levou toda a “féria” do dia, alguns cosméticos e uma máquina de cortar cabelo.

De acordo com a delegada Araci Vargas, da Polícia Civil, o uso obrigatório de máscaras atrapalha a ação policial na identificação de criminosos por meio das câmeras de monitoramento.

“Os assaltantes colocam máscara, respeitando as normas sanitárias estabelecidas e, dessa forma, ficam camuflados. Os comerciantes não sabem se estão recebendo um cliente ou um ladrão e a polícia tem seu trabalho dificultado.  

Fronteiras
A delegada Araci Vargas comenta também que Foz do Iguaçu é uma cidade diferente das outras. A crise afetou muito os trabalhadores informais que estão sem condições de sobrevivência, porque a ponte está fechada.

A Polícia Militar e a Guarda Municipal tem feito patrulhamento preventivo mas em função da pandemia o número de ocorrências aumentou muito e o trabalho tem sido redobrado. A PM atende 24 horas por dia e pode ser acionada pelos telefones 190 ou 181.
.
Da redação

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas