As doses de vacina


- Por: Redação 1

As doses de vacina

Triste saber que vacinas contra covid são jogadas fora, especialmente quando há muita gente esperando a vez. Deveria haver uma correta na informação sobre “falta de interesse”, pois não é bem assim. Pessoas de uma determinada faixa não foram ao posto de Saúde; as doses poderiam atender gente com menos de 40 anos. 

O interesse
O Corvo recebe, todos os dias, vários telefonemas e mensagens de interessados na vacina. Acontece que por questões de organização e cumprimento das regras no Ministério da Saúde, elas ainda não podem ser aplicadas em algumas faixas etárias. Segundo este colunista pesquisou, não é possível antecipar as coisas e é aí que o bicho pega; os municípios deveriam ter autonomia para aplicar as vacinas, de maneiras que não fossem jogadas fora. 

Na telinha nacional
Foz vive nos noticiários em razão de notícias boas. Isso acontece quando há muita visitação nos atrativos, em épocas de cheia nos rios; quando ocorrem grandes eventos e até mesmo nas discussões sobre o segmento do Turismo. Na noite da quarta-feira, a cidade apareceu duas vezes nos telejornais e por questões negativas, uma envolvendo o caso do assassinato de Marcelo Arruda e a outra, sobre o desperdício das vacinas, que aliás, aconteceu em outras localidades. 

O caso Arruda
Isso ainda vai longe, tomara a alma da vítima não fique presa, enquanto o imbróglio se desenrole, do contrário, Marcelo não descansará tão cedo. Pelo menos é o que dizem algumas pessoas, no campo da espiritualidade. O assunto além das investigações criminais, é um parapeito político, ainda mais agora com o fato de “apagarem” o registro de acesso às câmeras que gravaram o assassinato. 

Sem memória
Novas imagens estão chamando a atenção, elas não haviam sido exibidas, a exemplo de um cidadão pulando várias vezes no corpo de Jorge Guaranho. Tampouco exibiram o espancamento, com vários amigos de Marcelo chutando e pisando a cabeça do agressor. Estavam revoltados com a situação, de alguém do nada aparecer, mandando bala. Mas o espancamento abriu caminho para justificar a perda de memória. Se isso vai ajudar a inocentar Guaranho, são outros quinhentos.

De sobra
O que não faltam são imagens e elas se espalharam pelo mundo todo, e são rotineiramente repetidas todas as vezes que o assunto é debatido. Há relatos, testemunhas, mas o ofício jurídico é complexo e nas mãos de um bom advogado, o resultado é imprevisto. É por isso que fazem até filmes sobre julgamentos.  

Senso
Este articulista cruzou com várias pessoas usando o uniforme para a realização do senso. Segundo informaram, os profissionais já estão na ativa. A identificação chama muito a atenção, porque ocupa praticamente a metade do traje, na parte da frente e há também o boné, a máquina de coleta de dados, os pesquisados sentem-se um pouco mais seguros com esse cuidado. 

Política
Corvo, se o rapaz do senso aparecer em casa e perguntar sobre qual candidato eu votarei, devo ou não responder? Me disseram que isso já aconteceu. Pensei que o senso era para atualizar as informações e saber qual a população das cidades.
M.F.C.J (A leitora pediu para não ter o nome divulgado). 

O Corvo responde: prezada isso é fake news, perguntas assim são realizadas por institutos de pesquisas e ainda se estiverem devidamente autorizados na realização da colheita, em processo que exigido pelo T.R.E. Os recenseadores obedecem uma lista de preguntas que constam no formulário do IBGE e não devem desviar disso. Esses profissionais passaram por um treinamento e questões assim foram alertadas.  

Estarfi
Corvo, baixei o aplicativo de estacionamento nas ruas de Foz. É bem fácil e rápido de baixar, basta seguir as informações. Mas na hora que fui usar, não consegui fazer funcionar e não havia pessoas próximas que me ensinassem. Pelo contrário, todos os que estacionavam também diziam não saber direito o procedimento. Como a gente descobre isso? 
Geraldo G. C. Baptista

O Corvo responde: prezado, o Corvo também não sabe responder a essa pergunta, até porque anda a pé e não usa o Estarfi. Os interessados devem ligar para O FOZTRANS ou olhar o site do Instituto. Essas modernidades ainda estão causando dificuldades ao povo do tempo em que existia papel carbono, máquina de escrever, fax e outras coisas. Uma pessoa sem acesso à internet, por exemplo, pode se complicar na hora de estacionar. 

Cafezinho
O Corvo sempre cultivou o hábito de encontrar os amigos nos bares e confeitarias e pedir um expresso, acompanhado de uma bolachinha, ou pão de queijo. Isso se tornou um luxo. Esses dias, a conta por dois expressos e um pingado de pão de queijo chegou aos R$ 42,30. Um exagero! Quando é que café foi tão caro assim. Tudo bem que era um local chique, e o detalhe é que estava vazio. Até nisso o povo economiza, mas quando aparece o freguês, enfiam a faca. 

Lamaçal 
Atenção: se lavar o carro, evite passar pelo trevo da BR 469, próximo ao Hotel Carimã. Ontem pela manhã não dava para ver o asfalto tamanha a quantidade de lama. O lado de fora do automóvel de um amigo virou em barro. E o constrangimento? Ainda mais por se tratar de uma carona, gentilmente concedida.

Tá difícil
Motoristas de carros de aplicativos estão evitando o barro e alguns bairros, especialmente quando chove. O Corvo fez várias tentativas de chamar um aplicativo, e demorou uma eternidade. Quando o motorista que aceitou a corrida chegou, abriu o jogo, disse que pensou duas vezes em atravessar o barro. 

Vamos deixar claro
Obras fazem essa esculhambação mas é por uma finalidade positiva. Depois de a Perimetral pronta e em atividades, as pessoas nem lembrarão a sujeira. É preciso ter paciência. Um detalhe sobre a demanda: os buracões enormes que havia no trevo estão sendo cobertos com terra. Teremos outra paisagem no local.  

Choveu!
Enquanto uns se queixam da lama, outro a abençoam, porque estava ficando difícil encarar a estiagem, o ar seco e a poeira. As chuvas de ontem ajudaram bastante pessoas com problemas respiratórios, porque ajustou a humidade do ar. O Corvo, que sofre com esse problema, andava com um nebulizador amarrado ao corpo. Que bom que choveu! 

Coçando a cabeça
Um deputado confidenciou ao Corvo, que está bastante preocupado com a grande quantidade de candidatos que estão sendo revelados pelas convenções. Como ele não é de Foz, disse que as chances de reeleição estão bem reduzidas em seus redutos. Essa preocupação surgiu depois de uns dias de visita em duas regiões. Os candidatos de Foz devem estar enfrentando dificuldades similares, o aumento de oponentes faz parte da democracia. Chato seria se as pessoas deixassem de participar de um processo eleitoral. 

Reflexos
Olha só seu Corvo, não quero ser chato e nem alarmista, mas muita gente está enfrentando dificuldades. Pode notar nos semáforos, que até os vendedores ambulantes arriscam pedir uma ajuda, para poder safar um almoço, ou lanche. O preço dos alimentos assusta. Ante a gente ia ao mercado e trazia muita coisa com R$ 100. Esse valor hoje, mal enche a cestinha, e precisamos olhar bem os preços antes de encarar o caixa. Nas últimas vezes que fui ao mercado, precisei devolver alguns itens e percebi que não ocorreu com outras pessoas.
João Paulo R. Ramires

O Corvo responde: prezado, o bom é fazer uma lista dos itens indispensáveis e pesquisar os preços antes. Só assim para não se sentir constrangido na hora de pagar. Já aconteceu de olhar o preço de um produto no site do supermercado, ir buscar e na hora de pagar, já haviam aumentado os preços. Parece que estamos vivendo nos tempos de antigamente, com a inflação galopante.

 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas