Ao Senado


- Por: Redação 1

Ao Senado

O ex-chefe da Casa Civil, deputado Guto Silva (PSD), reassumiu seu mandato na Assembleia Legislativa. Com o retorno de Guto Silva, o deputado Ademir Bier (PSD) deixa o cargo que ocupava desde abril de 2021. "Vou me dedicar à pré-candidatura. Ligar a turbina, rodar o Paraná, fazer a articulação política. Trabalhar com o espírito de arejar os quadros do Senado, levar para lá alguém mais novo, com espírito mais aguerrido, mais dinâmico, que percorra o estado, leve as demandas dos prefeitos, que seja mais conectado com as demandas do estado", disse. 

Livre
"Na Assembleia, não pretendo assumir nenhuma liderança, nenhuma comissão. A ideia é ficar mais livre, desafogado, mas, naturalmente, seguirei na base do governador (Ratinho Junior) nos trabalhos da Assembleia para ajudar a levar as políticas públicas ao estado", completou Guto Silva que não descartou disputar o  Senado por outro partido.

Grande interlocutor
“O Guto Silva foi um grande interlocutor do Governo do Estado junto à Assembleia. Coordenou muito bem as ações do Governo em diversas áreas, dinamizou a gestão da pasta e acelerou processos que resultaram em obras e investimentos por todo o Paraná”, disse o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), 1º secretário da Assembleia Legislativa, após receber Guto Silva em seu gabinete.

Medidas
Diante do aumento de casos de covid e também da epidemia de H3N2, a Assembleia Legislativa vai adotar um protocolo de retorno das atividades a partir de 19 de janeiro. “A Comissão Executiva está estudando a renovação de uma série de atos restritivos ao acesso por conta do agravamento da pandemia em função da explosão do número de casos. Nós pretendíamos voltar com a Assembleia 100% presencial e já constatamos que não é possível", disse o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), 1º secretário do legislativo, após reunião com diretores da Casa. O protocolo deve incluir a recomendação do atestado de vacina aos servidores, deputados e visitantes e a continuidade das sessões híbridas. 

Zucchi na Sedu
O governador Ratinho Junior anunciou o ex-deputado e ex-prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, na Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano e Obras. No lugar de Guto Silva na Casa Civil vai assumir João Carlos Ortega (que ocupava a Sedu) Na chefia de Gabinete, entra o ex-prefeito Darlan Scalco no lugar de Daniel Villas Bôas que assumirá a Superintendência de Relações Institucionais. 

Líder do Governo
Os deputados Marcel Micheleto (PL) e Márcio Nunes (PSD) dividem a preferência do governador Ratinho Junior (PSD) para a liderança do Governo na Assembleia Legislativo. Marcel Micheletto é atual secretário de Administração e Previdência e Marcio Nunes, secretário de Desenvolvimento Sustentável e Turismo. Os dois retornam no início de abril nas vagas ocupadas hoje por Gugu Bueno (PL) e Hussein Bakri (PSD) - atuais vice-líder e líder do Governo.

Sem Carnaval
O Carnaval subiu no telhado em Guaratuba. O prefeito Roberto Justus (DEM) disse que iria esperar uma decisão do comitê de crise da covid a respeito da realização do evento, mas que sua posição é contra a realização do carnaval de rua. Ele convocou o comitê para se reunir no dia 21 de janeiro e diz que não vota, mas a maioria dos membros são secretários e diretores da prefeitura. Ou seja, não vai ter. 

Precaução
Paranaguá e Antonina já decidiram no finalzinho de novembro, quando começaram a aumentar novamente os casos de covid-19, que não realizariam o Carnaval, nem o Ano Novo. Morretes não tem tradição carnavalesca e Guaraqueçaba, quando faz, reúne algumas centenas de pessoas na única praça da cidade.

Aumento de casos
Resta saber o que decidirão Matinhos e Pontal do Paraná. Ao lado de Guaratuba, são as cidades com mais novos casos de covid neste início de 2022. As três cidades lotaram no Ano Novo. Guaratuba e Matinhos ainda tiveram aglomerações gigantescas na orla para assistir à queima de fogos e trios elétricos.

Exames
A Frente Nacional de Prefeitos e o Consórcio Conectar solicitaram ao Ministério da Saúde e à Anvisa a comercialização em farmácias e drogarias de autotestes que detectem a presença de covid. O pedido resulta do aumento no número de casos da doença nas primeiras semanas de janeiro deste ano e a redução de dez para cinco dias do período de isolamento de pessoas com suspeita do vírus. 

Abono e piso
O prefeito Chico Brasileiro (PSD) encaminhou  à Câmara de Vereadores os dois projetos de lei que preveem o abono de R$ 1.810,30 aos 2.617 servidores da educação e que garantem o piso salarial de R$ 4 mil para 40 horas aos professores da rede municipal de ensino de Foz do Iguaçu. O presidente do legislativo, Ney Patrício (PSD), vai convocar as sessões extraordinárias a partir de segunda-feira, 17, e espera votar a matéria ainda em janeiro. Na segunda-feira, a primeira matéria que será votada pelos vereadores será a do aumento de 8,35% nos salários dos mais de seis mil servidores municipais. A proposta tramita na Câmara Municipal desde dezembro.

Piso II
Hoje, o piso inicial aos professores está na casa de R$ 1,5 mil para 20 horas e será reajustado para R$ 2 mil. Aos professores que trabalham 40 horas, o piso vai subir para R$ 4 mil. Entre o abono e o novo piso, a prefeitura espera um impacto de R$ 9 milhões no orçamento. O pagamento de duas referências (reajuste de 6% que será incorporado ao salário da categoria) será a partir do mês de março. As referências terão um R$ 8,3 milhões ao ano. 

Entre os melhores
Com os novos reajustes, os professores municipais de Foz do Iguaçu passam a ter o terceiro maior piso para 40 horas entre as 399 cidades do Paraná - fica atrás apenas de Araucária (R$ 4.830,62) e São José dos Pinhais (R$ 4.470, 94) -  e o quarto maior no padrão de 20 horas. Na frente estão Araucária (R$ 2.415,31), São José dos Pinhais (R$ 2.235,47) e Pinhais (R$ 2.179,47).

Energia solar
A secretária Maria Justina (Educação) adiantou que 40 escolas e CMEIs vão receber as placas fotovoltaicas de energia solar. As salas das 50 escolas e 42 centros de educação têm aparelhos de ar-condicionado. 

Carnaval e cruzeiros
O cancelamento do carnaval em cidades turísticos - Salvador, Recife e Olinda - e a proibição do cruzeiros marítimos pela Anvisa vai aumentar a procura por Foz do Iguaçu na alta temporada do turismo que segue até março.

Zé Beto Maciel, Gustavo Aquino e Francisco Vitelli
 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas