Agenda interinstitucional planeja ação conjunta para prevenção da dengue na fronteira


- Por: Reciel Rocha

Agenda interinstitucional planeja ação conjunta para prevenção da dengue na fronteira


Prevenir e controlar a dengue em uma das principais regiões de tríplice fronteira foi tema de uma intensa agenda realizada nesta sexta-feira (16). O encontro envolveu representantes da Secretaria Municipal da Saúde (SMSA), do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Ministério da Saúde,  OPAS – Organização Panamericana da Saúde, Secretaria de Estado da Saúde (SESA), Fiocruz-RJ, IBMP – Instituto de Biologia Molecular do Paraná – Itaipu Binacional, Itaiguapy, Unila e  o IFPR – Instituto Federal do Paraná.
O encontro teve início pela manhã na sede do CCZ e seguiu ao longo do dia com apresentações dos projetos desenvolvidos por cada instituição, debates e com a construção de um planejamento integrado com foco em ações estratégicas para a região de fronteira. 
O principal objetivo da reunião é fortalecer as ações conjuntas para o controle do aedes aegypti, tendo em vista as características da cidade - tais como a localização fronteiriça e o calor intenso - que favorecem a proliferação do mosquito. O vice-prefeito e secretário de saúde, Nilton Bobato, afirmou que as articulações são fundamentais para prevenir uma nova epidemia de dengue, como ocorreu no último ciclo da doença: “Além da dor e transtorno para quem é infectado, a dengue é onerosa para o município. São quase R$ 6 milhões de por ano com despesas na saúde por conta da doença. Prevenir à dengue é fundamental e as articulações são importantes para continuarmos aprimorando e investindo em pesquisas, novos produtos e tecnologias”, disse. 
Bobato, ainda reforçou que a prefeitura também continuará trabalhando para sensibilizar a população a fazer a parte destas ações de prevenção, uma vez que 80% dos focos de mosquito estão dentro das casas. 

A agenda é muito positiva para a cidade. A atuação do CCZ de Foz do Iguaçu que já é referência internacional por projetos de combate à dengue, poder sediar um projeto piloto para ações estratégicas de fronteira e para outros municípios. 
“Foz do Iguaçu é referência em âmbitos de pesquisa de controle da dengue. Por ser uma região de fronteira, com grande fluxo de pessoas, é necessário desenvolvermos ações estratégicas com outros países e que podem servir de exemplos para outras cidades”, acrescentou o coordenador de Vigilância do Ministério da Saúde, Rodrigo Said. 

AMN / Foto: Divulgação

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas