É possível voltar a enxergar sem óculos. Saiba como

Foz ganha parque temático Movie Cars com investimento de R$ 50 mi
5 de junho de 2019
Paraná tem menos homicídios e roubos, e mais prisões
5 de junho de 2019

É possível voltar a enxergar sem óculos. Saiba como

A cirurgia refrativa a laser personalizada e cirurgia refrativa convencional tiveram avanços tecnológicos que traz conforto e autonomia aos pacientes

Engana-se quem pensa que a cirurgia nos olhos é somente estética, este é o aspecto secundário do procedimento. A intervenção visa, prioritariamente,
a corrigir a visão e tratar os vícios de refração, conhecidos como miopia, hipermetropia e astigmatismo. Refração é a mudança de direção de onda (luz, som, etc ) ao passar de um meio para o outro. O método, chamado de cirurgia refrativa, é uma especialidade da Oftalmologia que beneficia o paciente que não deseja usar óculos ou lentes de contato. A mudança pode ser percebida com a melhora na qualidade da visão. Mas, nem todas as pessoas podem ser submetidas a esta cirurgia, alguns requisitos devem ser avaliados como idade acima de 18 anos – quando o grau tende a estabilizar, exames oftalmológicos normais e uma variabilidade de
grau pequena. Os sintomas para pacientes com erros de refração podem ser percebidos quando o olho não focaliza adequadamente o objeto e as imagens perdem
a nitidez, desconforto ocular, dores de cabeça, lacrimejamento e ardor nos olhos também alertam para o problema.

Tipos de Cirurgia Refrativa Convencional
PRK (Photo-Refractive Keratectomy ou Ceratectomia foto-refrativa). A aplicação do laser é feita numa área mais superficial da córnea, após a remoção intraoperatória de uma fina camada de células que a recobre (epitélio). Depois da aplicação do laser, é colocada uma lente de contato gelatinosa terapêutica para
proteger a superfície tratada, que será retirada em, aproximadamente, cinco dias após a reconstituição completa do epitélio. LASIK (Laser In Situ Keratomileusis ou Ceratomileusis Assistida pelo Laser).

O laser é aplicado nas camadas intermediárias da córnea após a confecção de um disco superficial de tecido corneano, que é reposicionado sobre a área
tratada imediatamente após a aplicação do laser. Em geral, não há necessidade do uso de lente de contato terapêutica no pós-operatório imediato. Ambas as técnicas, PRK ou LASIK, têm sua correta indicação e levam a resultados semelhantes, no que se refere à correção de graus.

Personalizada: O diferencial desta tecnologia é a correção dos graus levando em conta as características e necessidades de cada olho Tratar dois pacientes
com a mesma doença de forma igual seria o mesmo que não levar em conta a individualidade de cada um. O mesmo acontece com os olhos que, embora tenham
o mesmo vício de refração, apresentam variáveis oculares como diâmetro, curvatura e espessura de córnea, profundidade de câmara anterior, comprimento
axial, etc. Os métodos tradicionais de cirurgia refrativa são de alta tecnologia, porém são usados para a correção dos erros de refração sem levar em conta
peculiaridades de cada olho. A tecnologia chamada Wavefront (frente de onda) diagnostica e mensura a maioria dos distúrbios da visão com muita precisão
e estas informações são utilizadas pelo laser na execução de um tratamento personalizado para cada olho. O diferencial desta tecnologia é a correção dos graus levando em conta as características e necessidades de cada olho. Este tipo de cirurgia aumenta a segurança e melhora a qualidade da visão, além de reduzir
eventuais dificuldades de visão noturna, como halos e reflexos, representando um avanço tecnológico importante tanto para pacientes quanto para médicos.

 

Dr. Renato Tolazzi
CRM: 16005
Médico Oftalmologista
Diretor Técnico do IMOF
Membro da Sociedade
Brasileira de Oftalmologia

Share

Leia mais sobre este conteúdo e outras informações na edição impressa.

GDIA