Descendentes de alemães e italianos perseguidos em Foz durante a 2ª Guerra

Expo Revestir
11 de março de 2019
O 34º Batalhão de Foz do Iguaçu comemora 87 anos nesta terça-feira
11 de março de 2019

Descendentes de alemães e italianos perseguidos em Foz durante a 2ª Guerra

Durante longo período, falar alemão, italiano ou japonês era proibido no Brasil. Clubes e associações foram fechados, bens foram confiscados, a locomoção dentro do país foi cerceada e centenas foram presas por motivos banais. Os chamados “súditos do Eixo” passaram a ser chamados de “Quinta Coluna”. O decreto de Vargas serviu para humilhar crianças, jovens e adultos.

O decreto era mais duro para os imigrantes e descendentes que moravam nas fronteiras ou no litoral. Em Foz do Iguaçu não foi diferente. Dezenas de italianos, alemães e seus descendentes foram perseguidos por autoridades. Muitos foram obrigados e mudar para Guarapuava ou Curitiba.

Entre os perseguidos estavam integrantes das famílias Nadai, Bonatti, Rahmeier, Nieuwenhoff, Holler, Gunter e muitos outros. O jornalista Aluizio Palmar teve acesso a diversos documentos e criou o site “Documentos Revelados”. Ele cita que foram presos os colonos Carlos Rahmeier, Kurt Mahler, Martin Nieuwenhoff, Gustav Leninger, a família Roth, Kurt Steiner, August Gunter, entre outros.

Adelino de Souza Freelancer

Share

Leia mais sobre este conteúdo e outras informações na edição impressa.

GDIA