Demolição do condomínio Duque de Caxias depende só da Justiça Federal

Decisão de Bolsonaro abre debate da internação para dependentes químicos
7 de junho de 2019
Carpe diem! – Idgar Dias Junior​
7 de junho de 2019

Demolição do condomínio Duque de Caxias depende só da Justiça Federal

A demolição dos 17 blocos que formam o Condomínio Duque de Caxias, na região Leste de Foz do Iguaçu, depende apenas da Justiça Federal para começar. A Procuradoria Geral do Município já emitiu o alvará que autoriza a Caixa Econômica Federal a derrubar a estrutura, para construção de novos imóveis na área. O local precisou ser desocupado no início do ano, após estudos comprovarem que os prédios poderiam desmoronar a qualquer momento.

O conjunto habitacional demandou investimento de R$ 6 milhões, em recursos financiados pelo Minha Casa, Minha Vida. Os apartamentos foram entregues para 136 famílias de baixa renda, em outubro de 2012. Cada uma, que paga de R$ 25 a R$ 80 por mês, receberá R$ 880 de aluguel social até a solução do problema. Este será o primeiro caso de demolição envolvendo um empreendimento do programa federal.

A última etapa para aprovação do alvará, de acordo com o procurador-geral do município, Osli Machado, era o encaminhamento do Plano de Gerenciamento dos Resíduos (PGR). “A Caixa Econômica apresentou o plano, indicou a empresa que vai fazer a demolição dos resíduos e o local da destinação”, disse ele.

De acordo com Osli, a responsável será uma empresa com sede em Santa Terezinha de Itaipu, município que irá receber o volume recolhido. “A Prefeitura de Foz do Iguaçu disponibilizou a Caixa Econômica o alvará e agora fica a critério do banco fazer a demolição e entregar ao município a documentação comprovando tudo que fez de acordo com plano de gerenciamento”, ressaltou.

Ronildo Pimentel / Foto: Roger Meireles

 

Share

Leia mais sobre este conteúdo e outras informações na edição impressa.

GDIA