Carpe diem! – Idgar Dias Junior​

Chico de Alencar
18 de junho de 2019
corvo
18 de junho de 2019

Olá! Bom dia, leitor!​

– Hoje, terça-feira, dia 18 de junho, é celebrado o ‘Dia do Orgulho Autista’;​

– Também hoje se comemora o ‘Dia da Imigração Japonesa’;​

– A data também é de celebração do ‘Dia do Químico’, instituído pelo Conselho Federal de Química, em 18 de junho de 1956.​

Num sábado em Puerto Iguazu

Como sabemos, Puerto Iguazu tem várias vinotecas. É uma vantagem comparativa excepcional para os iguaçuenses que apreciam vinho. Aliás – e é bom que se diga – a Tríplice Fronteira nos faculta outras vantagens comparativas que nem mesmo capitais como São Paulo desfrutam.​

Como bem lembrou um amigo de longa data, a região de Foz do Iguaçu conta com três aeroportos de nível internacional num raio de menos de 30 quilômetros! É fantástico.​

Mas voltemos ao vinho e às vinotecas de Puerto Iguazu com seus preços para lá de módicos, como é o caso do Norton (Malbec) com certificação (DOC). Recentemente o signatário se deslocou até Puerto Iguazu para comprar vinhos e voltou de lá com duas caixas -seis garrafas cada- e uma sacola com outras duas garrafas – tudo encomenda.​

Só que ao chegar em casa e descarregar os vinhos, o autor destas linhas se deu conta de que havia algo errado. Ao chegar à vinoteca e pedir o Norton (DOC), a vendedora que nos atendeu informou-nos o preço e eu pedi duas caixas; não havia quantidade suficiente nas prateleiras e ela foi então consultar seus estoques. Ela voltou e disse que o estoque era aquele existente nas prateleiras: onze.​

Desse detalhe só fomos nos lembrar quando já era noite. Nas duas caixas que trouxera não haviam as onze garrafas de Norton que separamos. Pensei concluindo: provavelmente esqueci uma terceira caixa na vinoteca.​

Tive que esperar chegar a segunda-feira (não julguei que a vinoteca abriria no domingo). Ainda cedo fui até Puerto Iguazu, pois viajaria na terça-feira (11) e levaria os vinhos. Não tive outra alternativa que não a de ir de novo à vinoteca.​

Como era início de semana, na aduana praticamente não havia turista algum. Consegui passar muito rapidamente pelos trâmites rotineiros e chegar à vinoteca. Logo que entrei imaginei que teria algum tipo de problema ao tentar reaver os vinhos que comprara e esquecera no sábado anterior: não tinha as notas de compra e as moças que estavam no local não eram as mesmas que me atenderam; aquela vendedora atenciosa que havia me atendido não estava, assim como a moça do caixa, com quem tenho contato há anos e ainda não sei o nome.​

A jovem loira no caixa foi a primeira a notar minha presença e a perguntar: ‘Posso ajudar em alguma coisa, senhor?’ Respondi que estivera ali no sábado, que havia comprado várias garrafas de Norton (DOC) e que provavelmente os havia esquecido ali. E ela: ‘Então o senhor é o cliente que se esqueceu daquelas garrafas ali?’ Olhei para o local que ela apontava e vi escrito numa caixa “SENHOR DE FOZ. VENDIDO”. O tal ‘senhor de Foz’ se sentiu surpreendentemente feliz com o ocorrido. Imaginei que a compra talvez estivesse perdida, mas para minha alegria e a de quem iria receber os vinhos, estava equivocadíssimo.​

O feliz episódio se deu em ‘La Vinoteca de Don Jorge’.​

Contato: idgar_dias@hotmail.com​

WhatsApp: [45] 9.9950-3808​

Sorte e saúde sempre!​

Share

Leia mais sobre este conteúdo e outras informações na edição impressa.

GDIA