No Bico do Corvo
No Bico do Corvo
Carona

Muitos políticos acreditam que colar em gente séria, celebridades e nomes de destaque é a solução para melhorar a imagem; em muitos casos é, mas acontece que a população sabe diferenciar as qualidades de um e os defeitos do outro. Enquanto o político acredita que a pose de papagaio é uma vantagem, o pirata pode não se sentir confortável, ainda mais com bicho soltando penas e fazendo caca no ombro. Urg! Se nem pirata aguenta adulação de papagaio, o que dizer de pessoas que preferem viver longe da política, suas diatribes e do "mundico" eleitoreiro? 

Casca de pão
Metaforicamente, no mundo da política, certas pessoas acabam como miolo de pão em aquário, com cada peixinho tentando beliscar um pedaço. Mas há situações mais complicadas, igual ao boi que cai em tanque de piranha. É complicado. Autoridade ou político sério é aquele que possui luz própria e é encarado pela população com naturalidade, porque presta serviço sem precisar forçar a barra. Gente assim atravessa décadas no serviço público, sem arranhões; o problema é que infelizmente acaba cercada por oportunistas, que esperam a todo o custo encontrar um político para "chamar de meu". 

Elogios gratuitos
"Nesta longa estrada da vida", o Corvo aprendeu a respeitar uma regra que é fundamental: nunca elogie ao ponto de um dia precisar criticar, ou jamais critique sabendo que um dia terá de elogiar. Em caso de descuido ou quebra das regras, é difícil saber qual o pior. Elas são distintas, dependendo da situação. Munido desse ensinamento (e prática), este passarinho inofensivo, mas que adora uma carniça, não dá bola para críticas maldosas e presta bastante atenção nos elogios, especialmente quando são proferidos por canalhas. Isso resulta em algo com jeito, cor e cheiro de dejeto. Ser elogiado por pulhas e mequetrefes sociais ninguém merece, seja qual for a laia a que pertencem. 

Sem metáforas
Do mundo das críticas e elogios, às vezes escapam arranca-rabos que se fazem memoráveis. Foi o que aconteceu na tribuna da Assembleia Legislativa na tarde de segunda-feira. O deputado Soldado Fruet, sem papas na língua, mandou ver para cima de um colega, sem dizer o nome. O teor da queixa foi o fato de o criticado distribuir verbas e representar ações do governo em quase todas as regiões do estado. Claramente, o alvo foi o deputado Hussein Bakri, que faz a tarefa de liderança do governo.

"Superdeputado" 
Para Fruet, o Hussein Bakri atua como um "superdeputado", com vantagens sobre os demais 53 colegas. Nos trocadilhos, o iguaçuense disse que o governo é uma palhaçada, lembrando inclusive os Trapalhões e a tentativa de Zacarias em deixar de ser "apenas um coadjuvante". Aí não! Para o Corvo, o falecido Zacarias (Mauro Faccio Gonçalves) era tão importante como o Mussum (Antônio Carlos Bernardes Gomes), Dedé (Manfried Sant'Anna) e Didi, o Renato Aragão! Por favor, deputado, não desmereça o Zacarias! 

Troco
Por sua vez, o deputado Bakri foi à tribuna e nem precisou defender-se. Devolveu o que considerou uma agressão à sua imagem, pedindo que Fruet dissesse o nome a quem teceu os "elogios" (críticas). O soldado usou o provérbio sobre o "vestimento da carapuça". Bakri agiu rápido ou esperava pela encrenca, porque no espaço de tempo em que oponente falava (oito minutos e 16 segundos), já tinha em mãos um papel com foto e notícias em que Fruet dividia espaço com as autoridades, no final de semana, em Foz. A discussão espalhou centelhas. E fazia tempo que o rebolo não comia na Alep. 

 

Bakri e o exercício
O "turquinho" é ligeiro; e, claro, essa ligeireza incomoda muita gente. Na verdade faz a lição de casa nas vezes de líder do governo, e nesse ofício aparece mais do que muitos secretários, daí o apelido de "superdeputado". O Corvo teve o cuidado de preparar uma charge exclusiva para ilustrar esta nota. 

Dengue e coronavírus  
O Paraná vive uma epidemia de dengue, tema inclusive da discussão entre Soldado Fruet e Hussein Bakri, mas está ocorrendo um fenômeno: as pessoas estão em tamanho pavor com a disseminação do coronavírus, a ponto de se esquecerem do mosquito medonho, que transmite a dengue e outras doenças.  

 

Cuidado com o álcool gel
Um vídeo está roubando a cena nas redes sociais. Nele, o piloto de provas e jornalista Cesar Urnhani, que participa e sempre está no programa Auto Esporte, mostra que o álcool gel pode dar muita dor de cabeça aos motoristas, principalmente se caírem em blitze e usarem bafômetro. Sem truques, cortes e montagens, por meio de uma gravação contínua, Cesar faz um teste de bafômetro; depois, ele passa o álcool gel nas mãos e respira o produto dentro do veículo, num processo de assepsia que fazemos a todo o instante. O resultado é que no segundo teste do bafômetro o reagente apresentou a cor rosa avermelhada. 
 

E agora?
O governo e as autoridades sanitárias colocam o álcool gel no topo da lista quando o assunto é prevenção. Nos veículos de aplicativos, por exemplo, é um item obrigatório. Se fizerem o teste, numa barreira da PM, os condutores vão complicar-se.

Os espertinhos
Vai ver é por isso que o álcool gel está desaparecendo dos supermercados e farmácias. Há quem já tenha inventado um jeito de driblar a fiscalização. Adivinha se os bebuns já não possuem o produto em algum lugar no automóvel? 

Leão na espreita
Corvo, eu não acredito que em algum dia deixarão de exigir a declaração de Imposto de Renda. É um jeito do governo controlar as atividades financeiras do cidadão. Há um pouco de utopia nesse tema, ou em acreditar que o leão não mais vai existir. 
Roberto F Mattos

O Corvo responde: prezado, as pessoas fazem ilações, e pensar, imaginar, sonhar... não é proibido. O que escreveu um leitor na edição de ontem tem lá fundamento, porque se o aparato de controle sobre as operações financeiras é tão grande e ajustado, pode não haver mais a necessidade de declaração. Mas é coisa do futuro. 

Medidas impositivas
Corvo, pensa um monte de milico no governo olhando para os 30 bilhões manobrados pelos deputados e senadores? Claro que isso não ia dar certo. Eu me lembro de que na época em que o Paulo era o prefeito, esse tema virava em quebra-pau nos programas de rádio. Administradores públicos não se conformam com uma grana alta assim nas mãos de legisladores. 
Antônio G França

O Corvo responde: prezado, a medida é legal, amparada pela Constituição Federal, e é aplicada nas cidades, estados e pelo governo federal, ao repassar o valor no orçamento do Congresso. Para isso mudar, só uma reforma administrativa, legislativa e política. Uma "Reforma" com "R" maiúsculo, não esses arremedos que dão em nada.  

Administradores
Em Foz acontece o Encontro Regional de Profissionais de Administração — Região Sul. O nosso diretor Darley Carneiro marcou presença no café da manhã e lá foi recebido pelo Sérgio Lobo, presidente do CRA-PR; Cláudia Abreu, presidente do CRA-RS; Rogério Moraes Bohn, conselheiro do CFA; Paulo Cesar Jordano, presidente do CRA-SC. Profissionais de todo o país estão atentos aos assuntos inerentes à categoria. O GDia cobre o evento. 

 

O leão que ruge

A semana começou agitada em muitos escritórios de contabilidade da cidade. Contrariando a mania do brasileiro de deixar tudo para a última hora, uma horda de declarantes está antecipando-se; pelo visto nossos leais contadores não enfrentarão o sufoco e as noites sem dormir no período de declaração. Para variar, por mais explicadas as dúvidas, há quem ligue para o "guarda-livros" para saber prazos, datas e questões das mais elementares. Está tudo no site e nos veículos de comunicação. 

Para que declaração
Corvo, francamente, se a Receita Federal já controla quase toda a vida da gente, por meio das operações bancárias, pela movimentação do CPF, qual a razão de necessitarmos efetuar uma "declaração de rendas"? Será que isso vai se tornar coisa do passado? 
Laércio F Ramos

O Corvo responde: provavelmente sim. Com o controle sobre todas as operações e a possibilidade de um IVA, pode ser que um dia a vida do contribuinte torne-se um livro corrente declaratório, daí não será necessário declarar imposto anualmente, uma vez que ele é pago em tudo o que o cidadão faz. Mas como o leitor mesmo escreveu, a Receita ainda controla "quase tudo". Quando for "tudo", o panorama será outro. Falta muito até equilibrarem esse "quase". O prazo foi aberto ontem, e neste ano o Corvo vai declarar que não sobrou nem para pagar um cafezinho. 
 
Soldado Fruet responde 
O deputado estadual Soldado Fruet leu a coluna de ontem e as notas que foram publicadas ao seu respeito, logo ele exerce o pleno direito de resposta. Segundo o deputado, as nossas fontes desconhecem a realidade de seu trabalho, e disse: "Eis que diferente do que ocorria no passado, me faço presente na cidade, mantenho escritório aberto todos os dias e pessoal pronto para bem atender a comunidade". É bom saber que o nobre deputado mudou e abriu-se para a comunidade. 

 

Mata a cobra e mostra o pau
Ao contrário da maldade das fontes, na última sexta-feira (28/2), o deputado Fruet esteve sim no evento realizado no Aeroporto de Foz e, segundo ele, não em prestígio ao governador, "pois acredito que ele tem obrigação de atender o Estado como um todo, não sendo necessário estar cercado por deputados para cumprir sua obrigação de cuidar dos municípios". Fruet acentuou que se fez presente "em reconhecimento e agradecimento ao general Silva e Luna; para o deputado, o verdadeiro responsável pelas obras de infraestrutura que estão acontecendo na cidade e que estão mudando Foz do Iguaçu para melhor". Comprovando o fato e desmentindo as fontes irresponsáveis, o deputado enviou foto de sua participação. 
 

Fruet e Ratinho
O deputado pode ter lá as suas divergências com o governo, mas mostrou que não leva isso para o lado pessoal; ele respeitosamente cumprimenta o governador Ratinho sempre que o encontra, como o fez cordialmente em Foz. E no fundo é assim que um parlamentar independente deve comportar-se, caindo de pau quando é necessário, mas sem perder a linha.  

Lamentação
O deputado Fruet lamenta que "politiqueiros de plantão e ocupantes de cargos eletivos se utilizem do trabalho e dos recursos da Itaipu para divulgar obras e serviços como fossem seus". O deputado relembra que, além da ampliação do aeroporto, as últimas grandes obras anunciadas, e mais recentemente a duplicação da BR-469, serão pagas quase que na totalidade pela Itaipu. Aí o Corvo já não tem nada com isso. Se Itaipu convida os políticos para as solenidades é porque mantém uma boa relação com eles. Além do mais, o Corvo não se lembra de ter ouvido alguém que assumiu esse tipo de paternidade.    

Assessoria e os PMs 
Sobre a nota em que assessores do deputado são vistos com PMs, Fruet esclarece que eles "conversam sim, com policiais fardados, assim como falam com policiais sem farda, pois fazem parte da população e também têm demandas a reivindicar ao parlamentar". Jornal imparcial é assim, publica a crítica, esculhamba a fonte maldosa e dá o direito de manifestação a quem quer se seja. 

Repercussão
A palestra do ministro Sergio Moro em Foz saiu em todos os grandes veículos de comunicação brasileiros e também na mídia internacional; a reboque, os governadores que estiveram na cidade comentaram e postaram a fala do ministro. 

Retoque
O GDia publicou um conteúdo sobre o repasse do Governo do Estado para o Hospital Municipal. A matéria dos R$ 27 milhões ganhou chamada de capa e a página 09 na edição impressa de ontem. Acontece que a informação foi prestada pela AMN, cuja sigla significa Agência Municipal de Notícias, e não pela AEN, conforme creditado. AEN quer dizer Agência Estadual de Notícias. Também, é muita agência pra cabeça da gente! 

Ratinho fez o giro
O governador foi visto de bermudas e chinelo de dedo, bem à vontade, diferente de quando usa paletó azul-escuro e camisa bem pranchada. Ele fez tour com a família; aliás, gente muito simpática. Ratinho, ao lado dos seus, parece até outra pessoa; não carrega aquele tom compenetrado, com carimbo de político. Em Foz, ele "sente-se em casa", conforme revelou mais de uma vez. 

UBS
A população da Zona Sul recebeu muito bem a notícia de uma UBS no Porto Meira, além da reabertura do centro cirúrgico do poliambulatório — que, aliás, está fazendo muita falta para toda a cidade.  

Marcha das mulheres
Na comemoração do Dia Internacional da Mulher, haverá uma extensa pauta de atividades em Foz, entre elas uma "marcha" pela cidade. O Corvo recebeu uma cartinha de um leitor perguntando se também poderia participar. Bom, isso é algo que ele deve perguntar para a organização do evento, mas é óbvio que homens também serão bem-vindos, sobretudo os que apoiam a causa, lutando pela igualdade, reconhecimento e a fundamental inserção da mulher nos mais importantes pilares da sociedade. Aliás, no dia em que os homens comemorarem e apoiarem o sexo oposto, o mundo será bem diferente. 

 

Corrida da Mulher
Como é o caso de participação de homens na "Marcha das Mulheres", muita gente quer saber se pode também participar da "Corrida e Caminhada das Mulheres", evento que será realizado no próximo domingo, dia 8. Pois bem, a nona edição do evento é aberta a todos, como muito bem ilustra o material de divulgação. O GDia é um dos parceiros do evento. 
Vandalismo na Fundação Cultural
Não é a primeira vez que a turminha da depredação invade o edifício do antigo fórum, onde funciona a Fundação Cultural e a Biblioteca Pública. O prédio possui um portão lateral, e é por lá onde acessam medidores de luz, fiação e até mesmo o porão da entidade, no qual estão guardados vários equipamentos. Durante o último final de semana, arrombaram o portão, surrupiaram medidor e parte da fiação. Na segunda-feira alguém gritou: será que pagaram a conta de luz? Em geral, os maldosos perguntam sempre que o interruptor é acionado e as lâmpadas não "fungam".  

Triste destino
Lamentavelmente, tudo o que há pelo centro da cidade se torna alvo de furto, e os objetos levados serão convertidos em fumaça de maconha, crack e outras drogas. Os receptadores aceitam de tudo para manter o vício dos pobres coitados. Infelizmente ainda há muita gente comprando fios elétricos e objetos que contêm cobre.


 

Março quem diria? 

Dizem que o ano pega no tranco após o Carnaval. O Corvo já pensa diferente: 2020 parece um bonde desgovernado ladeira abaixo, passando mais rápido do que um Concorde. Mais uns meses estaremos de cachecol, ao lado de uma fogueira, porque apesar do aquecimento global, há quem afirme que o inverno será rigoroso. Bom, tivemos uma amostra recentemente. 

Contaminação
A suspeita de uma jovem iguaçuense supostamente infectada pelo novo corona-vírus foi suficiente para esvaziar alguns locais. E o fenômeno está afetando a área gastro-nômica. No começo os restaurantes asiáticos sofreram com a ausência de comensais, o problema agora é nas casas de massa e pizzarias, porque segundo dizem, há mais infectados na Itália do que em outros países, descontando a China é claro.

Cruzeiros
Empresas que organizam passeios de navio e até pacotes aéreos pela Europa estão promovendo reuniões com a clientela. Muita gente não quer mais viajar, ou pelo menos discutir o corte de algumas cidades e até países. Os que mais desistem são os idosos. O problema é que a lista de destinos afetados pelo coronavírus aumenta consideravelmente. A quase todo o instante há o anúncio de um novo local coma incidência de infectados.  

Temor fantasmagórico 
O anúncio da morte de um norte americano infectado foi o suficiente para o cancelamento de muitos pacotes nos Estados Unidos. Donald Trump levou para o salão de imprensa da Casa Branca, quase todo o ministério, vice-presidente e militares. Sua fala mais pareceu o anúncio do fim do mundo, como mostra as telas do cinema. É pracabar!

Tudo junto e misturado
Corvo, quando a gente vê fotos na capa do jornal como na edição de sábado, chega dar um ânimo da gente, todos os deputados unidos, governadores, juntos com ministro e diretores de Itaipu, descerrando placas de umas obras e inaugurando outras, que bacana isso!  
Martha B. Vieira
 

Cadê o Chico?
Prezado Corvo, não sei se você percebeu, mas não consegui ver o prefeito Chico nas fotos da grande movimentação política que houve na sexta e sábado? Ele fez parte das inaugurações e anúncios de obras? Pelo menos não apareceu nas fotos publicadas no jornal. 
Paulo Vieira de Souza

O Corvo responde: prezado, o prefeito Chico acompanhou, sim, todos os eventos. Acontece que havia tantas autoridades que foi difícil uns e outros aparecerem nos atos públicos. Neste jornal não existe a preocupação em publicar fotos de uns e outros e sim, registrar o fato, por meio da ótica de nossos fotógrafos, dos parceiros e das assessorias. A independência do nosso veículo permite isso, escolher a foto mais jornalística, creditando autor, independentemente da ordem política. Na foto de capa do GDia, de sábado, partes do Chico aparecem na foto, ou seja, um pedação do braço e da cabeça (no detalhe). Se fizerem um exame de DNA fotográfico atestarão sua presença.

Peixe difícil de vender 
Mas atentando para os acontecimentos, Chico terá que se virar nos 30 para "vender" o produto dos anúncios e inaugurações em campanha eleitoral. As obras são quase todas federais e estaduais. Mas o fato é que elas acontecem em Foz e na gestão dele. Deu foi uma baita sorte. 

Dupla dinâmica
O povo fala das fotos, mas nos acontecimentos, o que se via era os deputados federais Vermelho e Giacobo de braços dados, iguais duas beatas em dia de missa. Vamos ver até quando isso vai durar, ou como a amizade reinará daqui uns meses, no período eleitoral. Mas no geral, o que se sabe é que são parceiros e estão brigando juntos em favor de Foz. 
 

Festa no niver
Vermelho comemorou o aniversário ontem. Bateu recordes de cumprimentos na redes sociais e canais utilizados entre amigos! Ele não fez medição disso, com certeza, mas deu para sentir o apoio, diante de mensagens tão animadoras. Pelo desempenho, o deputado aumentou e muito o apoio da base. E pela proximidade, não foi diferente com Sérgio Beltrame, que também cumpriu mais um verão na semana passada. Ambos receberam os cumprimentos do ministro Tarcisio Freitas; o corvo aproveita o embalo: parabéns Vermelho e Beltrame, muitos e muitos anos felizes de vida! 

Bakri na geral
Como líder do governo, Hussein Bakri nada de braçada nos atos onde aparece o governador e em Foz, ele é destaque contínuo, porque veste a farda de bombeiro, para apagar os focos de incêndio no PSD, sobretudo visando as eleições. Ele aparece tanto na cidade, que as pessoas acreditam que ele foi eleito por Foz. Pelo menos causa um efeito: faz desaparecer o único deputado estadual da cidade, que aliás, faz tempo não dá as caras. Taí uma lição que Foz precisa aprender: quem tem apenas um deputado na Assembleia Legislativa, corre o risco de não ter nenhum. 

Soldado em campanha 
O único deputado estadual de Foz não frequenta atos públicos em que está o governador. E como será isso nas eleições de outubro? Vai questionar as obras que estão sendo anunciadas e realizadas? Aqui entre nós, será uma missão meio que difícil. Contaram para o Corvo que sua esposa estaria sendo anunciada como candidata à prefeitura. Mas vamos pesquisar isso à fundo, para saber o que é fato ou fake. 

Assessoria militante
Ligaram para este Corvo, informando que assessores do deputado Fruet andam acompanhados de PMs fardados. Bom, não é segredo que a imagem do deputado se confunde muito com a Polícia Militar, afinal de contas foi usando a farda que ele começou a aparecer nas redes sociais. No mais, se os PMs estiverem de folga, ou após o horário de serviço, não há nada de errado. O fato dos simpatizantes vestirem farda, é um outro problema.  

Cadê o Paraguai
Na visita das autoridades às obras da segunda ponte, o que mais se via era o pessoal com a mão na testa, tentando avistar o outro lado do Rio Paraná, onde ainda se vê apenas o mato derrubado rente à margem. Tomara a nova ponte não chegue na metade do Rio e espere a outra encostar, meses a fio. Isso em geral não dá certo.   

"Até que não é tão ruim" 
A comitiva ministerial passou pela BR 469 e em algum lugar, alguém reforçou a necessidade de duplicação ao ministro Tarcisio, apesar do anuncio das obras. Ele olhou pela janela e disse: "duplicar é imprescindível, mas até que não está tão ruim né?". Foi o que alguém revelou ao Corvo. Se o ministro morasse na Vila Carimã e adjacências, teria outra opinião. Ele também não gostou dos buracos decanos ao lado da pista; resquícios da última tentativa de duplicação. Alguém comentou que o DNIT pode autorizar a instalação de um semáforo no cruzamento entre a BR 469 e as ruas Carmen Gatti e Fogaça. O trecho precisará de uma ordenação até mesmo para facilitar o início das obras. Os moradores soltarão rojões.  

Leilão eletrônico 
Prezado Corvo, esses leilões eletrônicos da Receita atraem bom público. Pelo visto os donos de concessionárias de automóveis é que não gostam muito da ideia, porque tem muito carrão na oferta. 
P.L.B. (O leitor pediu para não ser identificado). 

O Corvo responde: os leilões esvaziam os pátios, em geral mantidos com o dinheiro do contribuinte. Quem adquirir veículos de leilão deve saber que é para o uso próprio e que não é permitida a revenda. A regra funciona para pessoas físicas e jurídicas. Lotes considerados sucatas serão disputados por empresas especializadas. Segundo este colunista apurou, carros de leilão não competem com o mercado de veículos novos. 

 

 

 

 

 

Premiado
Darley Carneiro é frequentador da rede Ítalo e claro, participa dos sorteios. Eis que foi contemplado e exibiu o prêmio orgulhosamente. Vai dividir com o Corvo, ou não vai? 

BR-469

Corvo, a duplicação da Rodovia das Cataratas é possivelmente o assunto que a cidade mais discutiu nas últimas décadas. E isso nunca vai adiante? Foz é uma cidade difícil de se entender. Prometem e raramente cumprem. 
Heloísa R P Machado

O Corvo responde: a duplicação da BR-469 está praticamente presente na vida dos iguaçuenses, em especial porque faz 20 anos que esburacaram a pista para começar uma duplicação e, desde a paralisação na Justiça, o cidadão encara o abandono. É triste isso. Mas ontem anunciaram a provável data de assinatura da ordem de serviço: setembro deste ano. 

Lista
O que parecia sonho deu uma agilizada. Na coluna de hoje, o assunto é inclusive tratado por um leitor/colaborador, que fala em acreditar na cidade, investimentos e elementos motivadores. Hoje a segunda ponte com o Paraguai está em construção, o Mercado Municipal também; o aeroporto foi reformado e ganhará um prolongamento de pista; teremos a perimetral e, no mesmo pacote, a duplicação da BR-469. Pelo menos as obras estão acontecendo.  

Bocão do Bolsonaro
Ih, Corvo, no começo do ano você escreveu que o presidente estava mais cauteloso, cuidando com as palavras. Mas vai ver isso só fazia parte do período de festas de final de ano; passou o carnaval, e o homem anda mais agitado do que nunca. Passou a pedra de afiar na língua e está mandando bronca. Isso atrapalha, não acha? 
Paulo Rodrigues P Santos

O Corvo responde: o cargo de presidente da República requer uma investidura e noções mais completas de postura. Bolsonaro não mede as consequências e suas declarações causam esses alvoroços de disparar o dólar, derrubar as bolsas e acabar mexendo com a economia. Se Bolsonaro apenas governasse, tudo estaria bem mais tranquilo, porque as reformas caminham, muitos setores até avançam, porque o Brasil é uma máquina poderosa de geração de riquezas. O problema ainda é distribuí-las. Agora a situação enfeiou de vez, mas os presidentes da Câmara e Senado devem conversar com o presidente, e o mar voltará a ser de calmaria, pelo menos por um espaço de tempo. 

Outro impeachment?
Corvo, era o que faltava. O brasileiro não merece isso, viver aos trancos e barrancos; à mercê dos políticos e suas maneiras de governar. Bolsonaro precisa sair das redes sociais e entrar de vez no governo. 
Marcos L Saldanha

O Corvo responde: virou mania dos políticos gerarem factoides para segurar ou aumentar a lista de seguidores. Nosso presidente vive de celular na mão, postando o pensamento e expressando-se como bem entende. Isso não é um privilégio dele, confira as barbaridades que o Donald Trump apronta diariamente, ainda em épocas pré-eleitorais. As modernidades tecnológicas, nas quais se incluem as redes sociais, fazem parte do exercício moderno da política. O caso é que uns sabem dominar o assunto mais do que os outros.

Emendas impositivas
Que situação isso, hein seu Corvo, o governo federal está de bronca por causa das indicações dos deputados. Mas isso é coisa antiga, mas pelo jeito gente como o general Heleno não se acostuma e por isso esperneia. 
Maurício Fedato

O Corvo responde: prezado, essa queda de braço há em todos os níveis governamentais. Os orçamentos são enxutos, e quase toda a arrecadação paga folhas de pagamento dos poderes. Todos os anos vemos prefeitos de cara virada com os vereadores, governadores com deputados estaduais e presidente com o Congresso, tudo por causa de um item constitucional: as chamadas emendas impositivas, que surgem do contato entre a população e legisladores. Isso só pode mudar com uma reforma no setor político. 

Dólar 
O Corvo conversou com donos de estabelecimentos comerciais e agentes de viagens. O problema maior do dólar não é a quanto chegou, e sim em quanto pode parar. Quem faz compras no exterior se sente inseguro. As pessoas saem com uma quantia de dinheiro, imaginando comprar dólares, mas quando chegam ao destino o valor da cotação é outro porque a moeda norte-americana teve outra alta. Assim fica complicado, e o resultado são as ruas e lojas vazias.  

Operação Carnaval
Que tragédia isso, as ruas e estradas cheias de motoristas bêbados. É assim que medimos a responsabilidade de quem dirige um automóvel ou caminhão. Depois acontecem acidentes e todo mundo fica triste. Que complicação, seu Corvo.
Regina H K Tamura

O Corvo responde: prezada, quem bebe e depois dirige coloca em risco a própria vida e a de outras pessoas. Dessa maneira medimos a "irresponsabilidade", isso sim. Bebida e direção: uma mistura macabra. 

Bons presságios
Esta coluna apoia iniciativas em favor da cidade, especialmente quando há a participação de iguaçuenses interessados em prover um futuro auspicioso à coletividade. Logo, o Corvo recebeu um texto muito interessante do Ralf Smaha, da Iguassu Invest, no qual ele acredita piamente que Foz é a cidade do futuro e, obviamente, dos investimentos. E ele tem muitos motivos para acreditar. 

Boa receita
Ralf, além de vender o peixe, diga-se, bem vendido, pontua dez motivos para se investir em Foz. O Corvo vai publicar porque entende que a fórmula merece ser memorizada e, além do mais, é uma análise muito equilibrada, calçada na realidade. 1) Foz do Iguaçu é o segundo destino no Brasil que mais recebe turistas internacionais e receberá mais de R$ 2 bilhões em investimentos privados nos próximos três anos!; 2) Uma das maiores iniciativas é a construção da segunda ponte que ligará Brasil ao Paraguai, um investimento que soma mais de R$ 500 milhões; 3) Outro grande investimento é a duplicação da Rodovia das Cataratas, a BR-469, devendo chegar aos R$ 135 milhões; 4) A ampliação do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu terá um investimento de R$ 70 milhões, que inclui ampliação da pista, instalação de fingers e reformas nas áreas de embarque e desembarque; 5) O Mercado Municipal deve ser inaugurado no próximo ano, mais um atrativo para nossa cidade e com investimentos em torno de R$ 12 milhões. 

 


Simplicidade e objetividade
Muita gente fica dando voltas ao imaginar como será o futuro da cidade. O Ralf segue a cartilha daquilo que já está sacramentado, ou em vias de realização, portanto na mola impulsionadora que faltava. Era difícil imaginar uma situação assim dez anos atrás, por exemplo. Ele segue a sua análise: 6) No setor privado, a estimativa é um aumento de oito mil leitos na cidade, passando de 32 mil hoje para 40 mil nos próximos cinco anos — mais de R$ 500 milhões em investimentos; 7) Um novo atrativo turístico será inaugurado na Rodovia das Cataratas, o parque temático Movie Cars, com investimentos na casa de R$ 50 milhões; 8) Foz do Iguaçu é considerada hoje o melhor destino de eventos do Sul do país; 9) O aumento da cota para US$ 500 eleva o fluxo de turistas e consequentemente a economia de nossa região. E finalmente, completando a análise, o décimo ponto é o aconselhamento. Quem acredita no potencial da cidade e quer investir deve conversar com quem entende do assunto, com foco no setor imobiliário. Fale com o Ralf na Iguassu Invest! Tá dado o recado! 

 

Tiro no escuro
O Corvo explicou por que publicou a receita do Ralf; em outra análise, não há nada mais medonho do que jogar dinheiro fora na base do palpite ou intuição furada. Muita gente erra, tropeça, graças à teimosia em não conversar com pessoas com o devido conhecimento nas várias áreas que movem o desenvolvimento. Na verdade, a grana está curta, e se precaver, antes de investir, é a melhor das soluções.     

 

Pós-carnaval 
Entre a grande quantidade de blocos carnavalescos neste ano, muitos eram de amigos e familiares. Assim é que se brinca um carnaval, com saúde e alegria. Aqui vai o registro do bloco Os Bergas! Um abraço aos amigos! 

Um ano

Corvo, o general Silva e Luna completa um ano à frente de Itaipu. Quanta coisa em tão pouco tempo, não acha? Bem que o processo eleitoral poderia nos apresentar opções com o perfil semelhante ao do diretor da binacional. 
Luiz Claudio S Villena

O Corvo responde: a lista de atividades e iniciativas concluídas ou em curso não é pequena, mas em tudo devemos reconhecer que o general Joaquim Silva e Luna é um homem de iniciativa. Essa é a qualidade que falta em muitos políticos que tentam nos representar. Quanto aos nomes disponíveis, logo teremos uma relação para comparar. O eleitor deve avaliar com calma e analisar o que virá. Não é preciso ter bola de cristal. Basta avaliar o comportamento dos setores produtivos e o que acontece em Brasília e Curitiba. 
   
Desfiles
Corvo, você viu os desfiles das escolas de samba do Rio e São Paulo? Que pobreza, hein? O carnaval alemão estava bem mais bonito. Eles aprenderam com a gente e evoluíram bem rápido, não acha? Os bonecos do Bolsonaro e Trump estavam bem mais críticos que no Brasil. 
Maria José R Ruiz

O Corvo responde: prezada, eles, os europeus, é que inventaram o carnaval. Na verdade, nós é que copiamos deles. No mais, as figuras lá são mais críticas politicamente falando; e os bonecos, levados a sério pela população. Quanto aos desfiles no Brasil, o Corvo não assistiu, mas avaliou que em São Paulo, pelo menos, a escola campeã (Águia de Ouro) estava bem pobre. É o que os críticos avaliam de um modo geral. 

Furdunço
Prezado Corvo, eu fui domingo ao Carnaval da Saudade e vi a confusão que se armou. Não era possível dar um passo, mesmo assim os foliões estavam comportados. Não acredito que poderia haver um tumulto. Mas sobre mudar o local, fiquei pensando depois: vai que algo acontece? Mas aqui entre nós, será que não poderiam imaginar o que aconteceria? Li sua coluna ontem e concordo, eventos em outros locais resolveria o problema. 
Célia A Fernandes

Chuva feia
Corvo, o maior risco na mudança do carnaval foi o temporal que se armou. Choveu a cântaros. E, no meio da tormenta, caiu fio, balançou poste..., que coisa mais medonha. E, claro, faltou luz. Definitivamente os homens lá de cima castigaram o nosso carnaval. Mas olha, mesmo com esses problemas, a Praça da Paz lotou e eu consegui repor as minhas energias para o resto do ano, provando a Canja do Galo Inácio. 
Paulo César R Pinheiro

O Corvo responde: acabou-se o carnaval, enfim o Brasil começará 2020 pra valer. Este Corvo recebeu uma penca de cartinhas sobre o evento, e as opiniões se dividem. Agora estamos na Quaresma, e o ideal é aproveitar este momento de reflexão e deixar a folia para o ano que vem. 

Corona
O ministro da Saúde tenta acalmar a população, afinal, segundo ele, "é só mais uma gripe". Mas que gripe é essa, hein, que mata até os médicos que trabalham nos isolamentos? O problema é que se trata de um vírus novo, sem receita e menos prescrição, além dos cuidados, é claro. 

Silencioso
Sabe-se que o novo coronavírus é muito traiçoeiro; não apresenta sinais de infecção e, quando o infectado chega ao hospital, já está com boa parte do sistema pulmonar gravemente afetado. Logo, deve-se estar atento a qualquer sintoma. 

Pânico
A confirmação de um caso positivo no Brasil é suficiente para o povo entrar em alerta. Ontem o Corvo rodou os supermercados e farmácias, e já estava difícil encontrar máscaras. No entanto, não se vê as pessoas usando as proteções nas ruas? O que será que estão esperando? 

Medidas
Como as coisas no Brasil saem de controle facilmente, o que podemos esperar em caso de epidemia, como em algumas cidades europeias? Bom, nem há uma "epidemia" como sugere o protocolo, mas o fato é que há cidades sitiadas na Itália. O que será que há por trás dessa nova doença? 

Negócios prejudicados
A Itália tem no turismo a sua mais importante economia. Cidades como Milão já estão sofrendo com a falta de movimento. Vamos imaginar que, com o crescimento dos casos, muitos europeus deixarão de viajar, como já acontece com os asiáticos. Foz pode sentir o impacto desse fenômeno; na verdade, uma crise que está montando-se.  

Em Foz
Então vamos imaginar a confusão que haverá em Foz caso as pessoas comecem a elucubrar. Os postos de saúde já estão infestados em razão da dengue, e mais essa agora? 

Conforto
Dizem os especialistas que em temperaturas acima de 26 graus o vírus não sobrevive. Ele morre em questão de segundos. Se isso é verdade, Foz está imune a essa encrenca. 

Agora é o leão
Os bancos têm até hoje para expedir os informes para a declaração do Imposto de Renda dos correntistas. Mas de qualquer forma, muitas instituições possuem o documento na internet. Basta descobrir como acessar a disponibilização. Acabou o carnaval e começa a correria para fugir do leão.

Ceará em guerra
Corvo, o número de homicídios ainda está aumentando. A intervenção do Exército não foi suficiente para conter a onda de crimes, porque a bandidagem aproveitou a greve da polícia. Olha diferença que faz uma força policial paralisada! Imagina se uma greve assim acontece em São Paulo ou Rio?
Paulo B Silvério

Bolsonaro e os gestos
Corvo, aquelas poses do presidente Bolsonaro no tempo da campanha, pelo visto, não são mais repetidas. Os bandidos levaram o assunto a sério e nunca estiveram tão bem armados. E a população, por sua vez, continua refém. Será que o projeto de combate ao crime do ministro Sergio Moro vai emplacar? Eu começo a desconfiar de que isso vai dar em nada. 
Marcelo J Tamura

O Corvo responde: prezado, a esperança é a última que morre. Se os planos do ministro Moro não resultarem, teremos dias sombrios pela frente. A sociedade precisa unir-se, acreditar e de alguma forma ajudar as autoridades denunciando, participando do projeto de segurança pública, nem que seja em silêncio. Na pior das hipóteses, resta-nos rezar. 

Dengue
O GDia está de olho na dengue e na epidemia em Foz. Se o leitor tiver ideias para combater o mosquito, basta enviar que publicaremos com todo o prazer. O que não falta é vontade e espaço para vencer esse mosquito medonho. 


 

Folia generalizada

Com os adventos ocorridos no carnaval, encerrado ontem, o Corvo tratou de pesquisar a fundo as ocorrências. Naturalmente, quando propomos um exercício assim, encontramos pelo caminho fatos dos mais surpreendentes. Vamos começar pela "desgovernança carnavalesca".

Sem reinado
Foz é uma cidade de princípios ideológicos tão fundamentados a ponto de jamais concordar com a monarquia, nem se fosse fictícia e pelo minúsculo prazo de apenas quatro dias. Vai ver é por isso que faz tempo que não escolhem o Rei Mono nem a Rainha do Carnaval. Que medo é esse de passar a chave da cidade, hein? Isso ocorreria só de brincadeira. Mas há quem não suporte pensar em brincar com uma coisa dessas. Que barbaridade!

Apoio popular
Decerto acreditam nisto: "Pode ser que o povo aprove o curto período de reinado e resolva apoiar a permanência do gordinho no poder". Que medo, hein? Era o que faltava! Vai ver é por isso que o carnaval anda tropeçando de uns tempos para cá, pelo fato de não instituírem o reinado do Momo. Calma, calma, calma, o Corvo está de brincadeira, ainda não se livrou do espírito carnavalesco.

Carnaval que deixou saudade
A mudança de local, da festa carnavalesca mais abraçada pela população na história da cidade, estava anunciada. O Carnaval da Saudade era tão bom que sufocou pelo excesso de participantes, e isso aconteceu por razões que vão da incompetência à falta de criatividade. O governo Reni, por exemplo, modificou a essência do evento, transformando-o num trio elétrico sem rodas. E como não deu para o povo segui-lo, restou aquele amontoado de dezenas de milhares de foliões em volta do palco. Havia tanta gente neste ano que mosquitos da dengue morriam esmagados antes mesmo de picar as pessoas.        

História
Vale aqui uma lembrança: o Carnaval da Saudade nasceu para atender o público do centro da cidade, acostumado aos bailes nos clubes sociais; em suma, um evento para crianças e família. Foi uma iniciativa da Fundação Cultural em 2007, paralela à programação ocorrida na Avenida Venezuela, que depois se tornou Duque de Caxias. Está errado dizerem que o evento surgiu da "união de alguns amigos". Foi a organização que abriu espaço para blocos como os Pierrôs, por exemplo.  

O projeto
Toda a verba orçamentária do carnaval era despejada nos eventos realizados na Avenida Duque de Caxias, onde era necessário, além de uma monstruosa estrutura de arquibancadas e barracas, investimento em som, segurança, decoração e contratação de bandas. 

O surgimento
O Carnaval da Saudade surgiu por meio de um pequeno cortejo de charanga, com os músicos da extinta Banda Marcial Municipal fazendo evoluções até um coreto montado na esquina das ruas Marechal Deodoro e Quintino Bocaiuva. Diga-se, o coreto foi construído com sobras de postes largados no pátio do DRM. Em cima da estrutura, a cantora Luana, o maestro Ademir (no teclado), o saxofonista Ruiz e o locutor Oliveira Júnior animavam o público, com apoio do Coral da Fundação e dos funcionários da entidade. O som era mínimo, montado pelo Joãozinho; praticamente uma caixa acústica. Foi o simples que deu certo, praticamente a custo zero. 

Resistência
Já naquela época havia resistência do templo evangélico nas imediações. Fizeram de tudo para acabar com a festa, mas ela resistiu por 13 anos, porque até músicos da congregação passaram a tocar no local, tamanho o formato saudável da proposta.

Alertas
Nos tempos em que mudaram a essência do evento, trocando as marchinhas pelo axé e encerrando a programação em outros locais, havia o prenúncio de estagnação do Carnaval da Saudade, mas na verdade não fizeram muito para que isso deixasse de acontecer. Bastaria realizarem eventos em outros locais ao mesmo tempo, o que dividiria o público. O caso é que isso implicaria gastos. Em suma, diante do movimento, não se pode dizer que o povo não gosta de carnaval em Foz. 

Mudança
A decisão abrupta, de mudarem o endereço do carnaval, segundo este colunista pesquisou, deu-se pela possibilidade de tumulto, porque havia dez vezes a capacidade de público recomendado por metro quadrado na noite de domingo. Prova disso é que milhares de pessoas ficaram de fora do Carnaval da Saudade, o que gerou certa revolta nas redes sociais. Devemos partir da premissa de que festas públicas devem ser abertas, e não reprimidas. Mas o que se há de fazer? A decisão saiu de uma baita bola dividida. 

Preocupação
O prefeito Chico sabe que isso pode arranhar sua administração, ainda mais em ano político. Ele revelou a este colunista que irá rever a situação e planejar melhor o carnaval do ano que vem. Em seu pré-projeto de revitalização, está incluído o retorno do Carnaval da Saudade para o local onde foi criado, mas totalmente respeitando o formato original. 

Casquinha
Claro, diante do sufoco, os pastores e membros do templo ao lado estão gabando-se de que foram os responsáveis pela mudança do carnaval, o que não é verdade. Se dependesse dos evangélicos, o carnaval de Salvador se mudaria para o Tocantins; e o do Rio de Janeiro, para Curitiba.

"Longe do centro"
Em nota, os evangélicos pegaram pesado, disseram que o carnaval deveria ser realizado em locais distantes do centro. Há quem pense o mesmo de alguns templos, devido ao barulho e movimentação, especialmente aos domingos à noite. O fato é que com jeitinho todos podem "se aturar" sem maiores problemas ou constrangimentos.  

A Canja
Dizer que foi um sucesso e que a organização da Canja do Galo Inácio não sentiu efeitos com a mudança do local não seria o correto, mas o fato é que no meio do tumulto poderia ser pior. É a avaliação de quem trabalha o evento. 

 

Aos baldes
Segundo a organização, o local escolhido na Praça da Paz foi bom, só não contavam com o aguaceiro desabado do céu. Nunca choveu igual durante o evento. Vai ver São Pedro é que não gostou da mudança e mandou ver. Mesmo assim a missão foi cumprida.

Palpites furados
O Corvo deu uma viajada nas redes sociais e viu o tamanho do "besteirol" sobre o carnaval e, com isso, uma ideia do que virá neste ano, mais perto das eleições. Há quem não saiba de absolutamente nada, ofenda e ainda arranje arranca-rabo defendendo mentiras. O carnaval acabou, e os erros e ocorrências devem ficar em cima das mesas dos gestores públicos, para que encontrem solução. Não houve tragédia, ninguém morreu nem foi pisoteado; não explodiu botijão de gás; e nenhum maluco atropelou os foliões. O negócio é "seguir seguindo" em frente e curtir a Quaresma, enterrando os ossos da folia. 

Campanha da Fraternidade
O lema da campanha de 2020 é bem de acordo com o nome: Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso — "Viu, sentiu compaixão e cuidou dele" (Lc 10,33-34). A proposta é a reflexão sobre o significado mais profundo da vida em suas diversas dimensões: pessoal, comunitária, social e ecológica. Santa Dulce dos Pobres é a grande inspiração do material publicitário.

Carnaval!

De hoje até quinta-feira, dificilmente algo que não seja samba, cerveja e folia entrará na cabeça das pessoas, porém a vida é um pouco mais séria, para não escrever cruel! A dengue está conseguindo esvaziar os planos de muita gente, ou de brincar no Carnaval da Saudade ou de viajar com a família. 

Legião
E com a doença e a quantidade de infectados, o bloco que vai para a rua é o formado por pessoas centradas em pelo menos atenuar a situação, porque a epidemia está atazanando a cidade, mexendo até com os setores produtivos. Muitas empresas estão desfalcadas, porque funcionários não vão trabalhar porque estão em tratamento ou em razão de o mosquito ter picado mãe, mulher ou filhos. Fora os infectados e contados pelo sistema de saúde, há uma legião de acompanhantes. 

Bloco
Olhando para a situação, o GDia deixou o carnaval de lado e partiu para se somar às entidades que estão na luta contra a dengue. No lugar de patrocinar blocos (pedidos não faltaram), preferimos ajudar no esclarecimento público, afinal existimos para isso. Toda a ajuda, independentemente do tipo ou origem, fará a diferença, porque a população precisa de bem entender a "ficha caindo". Bora exterminar esse mosquito e tentar fazer as pessoas engrossarem o mutirão. 

Não precisa muito
Se cada cidadão fizer a sua parte, Foz poderá não só reverter a situação como dar exemplo de envolvimento. Limpar o quintal, recolher objetos que armazenem água, roçar capim e matagais, pedir atenção dos vizinhos e amigos, e propagar a mensagem que "dengue pode matar", tudo isso faz parte dessa corrente de conscientização. Mas apenas falar não resolve. 

Saudade
Embora a folia esteja um pouco fria, não vamos gelar a festa carnavalesca, afinal ela está encubada na genética do brasileiro. Dengue não pega pelo contágio, ainda, por isso não há restrições de aglomerações. O bom é cuidar para não deixar garrafas espalhadas pelas ruas, assim como o que pode acomodar água! Ainda bem que deixaram as seringas de plástico fora da festa. O Corvo já tem assento encomendado num dos estabelecimentos que atenderão o Carnaval das Saudade. 

Só marchinhas
Confirmado, o ritmo do Carnaval da Saudade neste ano será o que motivou a sua existência, as marchinhas dos bons e velhos tempos. Mas claro que ninguém é de ferro e uma ou outra canção "da hora" vai acabar escapando. Mas, segundo o Juca, presidente da Fundação Cultural, será uma bela festa! 

Cidadãos honorários
Corvo, inicialmente senti prazer ao entrar no site da Câmara para olhar um por um os agraciados com o título de Cidadão Honorário. Infelizmente não consegui, mas alguém me passou a lista. Olha, excluindo os astronautas que pisaram na Lua, todos os nomes são de pessoas que de alguma forma fizeram algo expressivo pela sociedade, como é o caso dos jornalistas, afinal de contas ajudaram a relatar os fatos que pontuaram a nossa história. Mas veja, é importante a honraria, para quem recebe e para a instituição que concede, porque é uma forma de firmar e reconhecer o que essas pessoas fizeram pela cidade e sua sociedade. O título deve sim ser entregue, e os vereadores devem discutir sobre quem serão as pessoas escolhidas. 
Maria J Rosário Pedrosa

O Corvo responde: prezada, é bem isso mesmo. Quem luta, briga, idealiza, dá forma aos sonhos comunitários, ajuda entidades, luta contra a desigualdade e se esforça para divulgar os nossos atrativos merece sim um reconhecimento. Francamente, até os astronautas são bem-vindos na lista, para o desespero dos terraplanistas. Por outro lado, nossos ilustres representantes devem ter liberdade de escolha, colocando em prática o senso colegiado, para embasar o merecimento. Difícil é aguentarem a peregrinação e a pressão de quem acredita que pode ir lá na Câmara, bater na porta e pedir uma honraria dessas, o que é "o cúmulo"! Pensa? Isso não é algo para ser barganhado. Merece ser lembrado quem de fato se destacou. 
  
Turismo na Câmara

Acreditem, um guia de turismo da cidade tem levado visitantes para vários locais fora do roteiro formal. Faz tempo, por exemplo, que ele conduz turistas às vilas de Itaipu, barranca dos rios, áreas rurais e recentemente, na semana passada, um grupo de asiáticos conheceu a Casa de Leis. Isso mesmo, a Câmara Municipal! Mas como os vereadores estavam em reuniões, infelizmente não puderam fazer as honras da casa. A atividade turística é assim mesmo: deve ser explorada ao que for possível.   

Semáforos 
Corvo, viu que estão instalando um semáforo em frente ao antigo prédio onde funcionava o Fouad Center? Mas qual a razão, se a Rua Bartolomeu de Gusmão possui um canteiro interrompendo o fluxo. Será que é necessário um semáforo lá?
Patrícia L Santos

O Corvo responde: prezada, pelo visto faz tempo que você não passa pelo local. O canteiro foi derrubado para possibilitar a ligação da rua com a outra parte da cidade, evitando que as pessoas façam a volta mais adiante. O semáforo ajuda organizar melhor o tráfego no local.

Sincronização
O Corvo se interessou pelo tema e pesquisou: há 103 cruzamentos com semáforos em Foz, e boa parte deles, pelo menos os que estão no centro da cidade, será sincronizada por meio de fibra ótica. É um trabalho da área de informática da prefeitura. 

Recesso
Como sabemos, a vida muda durante o carnaval. A maioria dos órgãos públicos entra em recesso e só volta a funcionar na quarta-feira, depois da Missa de Cinzas, ou seja, após o meio-dia. E lá vem a Quaresma! O período será importante para a purificação do espírito, livrando-o dos pecados! 

Quarentena
Corvo, que novidade isso, né? Quarentena de apenas 15, 18 ou 22 dias? Que estranho isso. Só falta aparecer uma Quaresma que não seja também de 40 dias. Aí sim o bicho vai pegar!
Valdomiro Triston Arthaíde

O Corvo responde: o termo quarentena inspira 40 dias, mas dilatam e encurtam dependendo do caso. Já a Quaresma é diferente, há um aspecto religioso e, pelo que sabemos, os 40 dias sempre foram mantidos. 

Ceará em guerra!
Que situação, hein? A turma lá quando monta pé de guerra faz a coisa pra valer. E a encrenca é difusa. Irmão do Ciro enfrenta a turba com trator e leva tiro, ou ele imaginou que não haveria policial em greve armado? Não se justifica a violência nem de um lado e menos de outro. Conter manifestação com trator, nem na China fizeram.

​​​​​​​Merenda escolar

Corvo, uma das coisas com as quais a gente mais se preocupa ao deixar os filhos nas escolas de Foz é a merenda escolar. E também é a primeira coisa de que as crianças reclamam, mais do que dos coleguinhas e professores. Se bem que meus filhos adoram os professores. Mas sobre a merenda, é bom saber que a prefeitura está atenta. Minha filha diz que gosta, ao contrário de uns anos atrás, quando só serviam gororoba.
Luciane B Rivera

O Corvo responde: a saúde alimentar as crianças, nas escolas, é uma responsabilidade da prefeitura. As refeições são equilibradas, e sempre há fiscalização da Secretaria de Educação, para saber se os fornecedores estão mantendo o padrão. É um acompanhamento importante. Houve casos no passado dignos de meter na cadeia os fornecedores das merendas. Uma tristeza. Num apanhado geral, o grau de satisfação é bom. 

Novos voos
Corvo, esse assunto dos voos de Foz para outros lugares é interessante. Do nada aparecem anúncios de rotas para cidades das mais diversas, e do nada cortam voos que a gente já havia se acostumado. Por exemplo: voo para Ponta Grossa? Quem faz essa rota, Corvo? 
Antoninho L Medeiros

O Corvo responde: o sistema operacional de voos é uma tarefa muito técnica e que visa às estratégias das companhias aéreas. Elas só assumem as rotas depois de pesquisas e, em muitos casos, fazem isso como parte de uma logística empresarial. Muita gente vai a Ponta Grossa, além do mais é uma opção para quem precisa ir a Campo Largo, Irati e cidades próximas. 

Movimentações financeiras
Pois é, os cartórios precisam informar as movimentações que consideram suspeitas. É uma obrigação perante o COAF. É bom o povo ir acostumando-se, porque a ideia das autoridades é apertar o cerco. Daqui uns tempos nada passará pelo crivo do governo e Receita. 

O perigo no seu quintal
O Governo do Estado está anunciando os riscos que há em não cuidar da casa ou do entorno dela. O mosquito da dengue brinca de esconde-esconde, e quando há moleza ele deixa os ovos. O quintal da casa da gente pode tornar-se muito perigoso, porque picada de Aedes aegypti anda matando mais do que de cobra.  

Frentonas
Corvo, as eleições de Foz estão tornando-se uma chatice. São sempre os mesmos. O que me admira é que de quatro em quatro anos alguém diz que é preciso formar uma "frente" para arrumar a cidade. Será que não é o caso de criar uma consciência de que isso deve ser permanente? E no final você tem razão: fazem a frentona, elegem alguém de depois se pegam à unha. 
Jaime L R Giorgi

O Corvo responde: prezado, isso faz parte da política e do jeito de concorrem em Foz. Não há um episódio eleitoral no qual a palavra "frentona" deixou de ser utilizado como morte de vencer um ou outro. O caso é que isso às vezes acaba fortalecendo o adversário. 

Loteamentos
Corvo, a cidade está cheia de loteamentos, e me diga onde tanta gente vai morar se o IBGE diz que a população está diminuindo? As favelas a gente não vê desaparecerem, então como pode haver tantas oportunidades imobiliárias assim? Acho estranho.
Marcio R Lobo

O Corvo responde: prezado, o setor imobiliário sempre foi muito ativo em Foz. Há sim vários loteamentos e outras áreas no mesmo caminho, e o que vemos é um bom padrão de construção. Mesmo assim, existem muitas iniciativas de moradias de baixo custo. Houve um tempo em que o metro quadrado da cidade era mais valorizado do que em Ipanema (RJ). Segundo um especialista, a quantidade de loteamentos está na faixa da normalidade. O bom é ver que as ruas são largas e a infraestrutura está de acordo com a lei. 

Movimento
Corvo, você sempre reclama da BR-469, mas há outras avenidas e ruas na cidade onde é praticamente impossível transitar. Experimente sair de alguma travessa da Vila Yolanda e entrar na Felipe Wandscheer! É uma tarefa perigosa e praticamente impossível. A prefeitura precisa instalar redutores ou semáforos. 
Antonio J R França

O Corvo responde: prezado, Foz já está igual a uma árvore de Natal de tantas luzes piscando. Às vezes nem são necessários redutores ou semáforos, e sim pequenas rotatórias ou obstáculos para ordenar o trânsito. Nada é mais calamitoso que o trecho da BR-469, perto do Hotel Carimã. É coisa de louco.  

40 mil no parque
Então, Corvo, pelo visto haverá mais gente olhando as Cataratas do que na Sapucaí, não é? Então, e para variar, será aquele movimento louco nas BRs, pontes e atrativos da cidade. Eita sucesso que Foz está fazendo, hein? Eu adoro quando chega feriado, com aquele montão de gente indo de um lado ao outro! 
João Carlos R Sá

O Corvo responde: e ao que tudo indica, haverá baixa vazão nas Cataratas, um espetáculo à parte. Mas cidade turística é assim mesmo, cheia de gente. O bom é a população ir acostumando-se porque o movimento vai aumentar. E detalhe: tratar bem os turistas e visitantes é algo muito importante.

 

Rússia e Turquia

O bicho está pegando entre os dois países e, embora muita gente não dê bola, pode sim haver um conflito. Apesar de a Rússia ser uma potência militar, enfrentará um país acostumado aos arranca-rabos com vizinhos. A Turquia está bem armada e possui um Exército bem atualizado. Os russos ameaçam, mas na hora da briga pensam duas vezes. Isso acontece depois da surra no Afeganistão.   

O bote corona
Corvo, você viu a quantidade de gente infectada com o novo coronavírus num transatlântico? Isso quer dizer que a doença gruda igual gripe. Não seria uma solução desatracar a embarcação e deixá-la em alto-mar, para não espalhar o vírus? Ao contrário, estão espalhando as pessoas pelo mundo. Nunca vi!
Marisa A L Gusmão

O Corvo responde: prezada, trata-se de uma situação grave na área da saúde e com altíssimos riscos de contágio. Devemos olhar para o lado humanitário. A OMS acredita que o vírus está enfraquecendo, de outra maneira o índice de cura está evoluindo. Logo os laboratórios encontrarão uma vacina. Tratar os doentes ainda é muito melhor.   

China expulsa repórteres
Os chineses não estão de brincadeira, botaram para correr repórteres americanos. A vida não anda fácil para os profissionais da notícia em canto algum. Do lado de cá do mundo, as mulheres na política mandaram ver na tribuna contra as declarações de Bolsonaro. Na falação apareceu até a Luiza Erundina. Ela também não foi muito gentil com os jornalistas quando governou a cidade de São Paulo.

Os militares e o Congresso
O general Heleno foi pra cima. Para ele, o Congresso faz chantagem com os 30 bilhões do orçamento. Mas aqui entre nós, é muito dinheiro para o Legislativo. Bem que poderiam dar uma maneirada. 

Caso Adriano
Os profissionais do direito, prós e contra o governo, admitem que o caso do miliciano pode transformar-se no Watergate tupiniquim. É, segundo um jurista, um imbróglio dos mais cabeludos e que pode complicar todo o clã, ou seja, presidente & filhos.  

Produção de petróleo
O Brasil está batendo recordes na retirada de petróleo e gás. Enquanto isso, os preços nas bombas continuam a causar estragos no bolso dos consumidores. Há quem cate madeira pelas ruas para economizar o conteúdo do botijão. 

Suspeito agredido
Não há nada mais desprezível que marmanjo aproveitador de criancinhas e de indefesos. Uma mulher, por exemplo, espancada, está em descomunal desvantagem, sem contar que muitos agressores agem de surpresa. Um animal desses, depois de condenado, paga um preço muito alto onde cumpre pena. E a raiva não é pequena por parte dos familiares das vítimas. Em razão disso, a pressão é muito grande quando envolvidos vão parar nas delegacias. Os policiais evitaram um linchamento esses dias, de suposto estuprador de duas meninas.

Pornografia infantil
Mais um taradão virtual se deu mal. O Corvo soube em detalhes o que o figura mantinha guardado em casa. O que será que passa pela cabeça de alguém assim? E a situação é muito pior do que se imagina. Por isso, pais devem estar atentos aos filhos, na rua, porta das escolas, campinhos de futebol e também sobre aquilo que acessam na internet. 

Aiex candidato
Isso nem é mais novidade. É anunciarem uma eleição que o Aiex aparece para ser candidato. E assim ele segue tentando, como na música do Raul Seixas e Paulo Coelho: "Tente outra vez".  

20/02/2020
A data é de novo redonda, com a mesma quantidade de números 2 e 0 (quatro de cada). Muita gente está querendo jogar na loteria e até no bicho. É cachorro na cabeça! Ontem havia uma pessoa oferecendo bilhete como fosse premiado. Aqui entre nós, é difícil um número assim ser acertado, até porque nem existe. Não dá para repetir número de loteria. Depois de amanhã choverão 2 e 0: 22/02/2020. Coincidência assim só em 2022, 2222 e no outro milênio. 

Moro again
O ministro Sergio Moro está tornando-se figura frequente em Foz do Iguaçu. É provavelmente a cidade onde ele mais esteve em sua experiência governamental. E pelo visto retornará muitas e muitas outras vezes. O experimento de segurança na fronteira é objeto de demonstração, e ele mesmo faz questão de demonstrar.

Governadores again 
Foz é uma cidade assim, maravilhosa, capaz de congraçar autoridades, celebridades, gente de todos os cantos e segmentos. Se alguém disser em Brasília: o evento é em Foz do Iguaçu, o sucesso e o quórum são garantidos! Taí um dos argumentos do deputado Vermelho quando o assunto é uma cidade sede para o Mercosul. 

Circuito Itaipu
Faz tempo que um dos passeios preferidos deste Corvo é levar os parentes de carro até os portões de Itaipu, passando pelas vilas A, B e C. Quem é de fora da cidade fica de cara com as moradias, a organização e a qualidade de vida que há nesses locais. A Viola A, por exemplo, apesar dos problemas com a segurança, é o sonho de muita gente. Quem não quer habitar bairro igual, com calçadas largas, bosques, gramados! O que está ficando difícil é encontrar residências originais, do tempo da construção da usina. No lugar delas há mansões e casas muito bonitas.  

 

Novo semáforo
O cruzamento da Rua Bartolomeu de Gusmão com Avenida Juscelino Kubitschek já recebeu parte da instalação do novo semáforo que entrará em funcionamento nos próximos dias. As melhorias visam a facilitar o acesso da população à Secretaria da Fazenda, que está funcionando no antigo prédio do Fouad Center. 
 

Feriadão e os recordes
O povo do turismo está fazendo aquecimento para encarar o movimento no carnaval. Segundo uma informação, muita gente vem em busca de descanso, longe da agitação de blocos e folia. Mas sempre há quem procure o fervo. 

Grande Guilherme
O megaempresário Guilherme Paulus, um dos nomes mais respeitados do setor de turismo brasileiro, vai emprestar a experiência para Foz do Iguaçu. Ele foi eleito presidente do Conselho Deliberativo do Visit Iguassu. A eleição se deu em assembleia extraordinária do conselho. Paulus, entre outras, é fundador da GJP Hotels & Resorts, que em Foz do Iguaçu conta com o Wish Foz do Iguaçu Resort Golf Convention. O homem entende uma barbaridade de transporte aéreo. Estamos em boas mãos. Na foto, Guilherme, Felipe e Jaime esboçam felicidade com a incorporação de uma figura tão expoente. 
 

Folga não!
O GDia circulará edição especial conjugada para o período de carnaval no próximo sábado. Isso não acontecerá para a turma cair na folia, e sim por um motivo especial: a empresa jornalística vai instalar um novo equipamento de CTP e aproveitar o período para colocar em dia a manutenção das rotativas. O Corvo faz o aviso a pedido da direção.

 

Seu Bolsonaro, seu Bolsonaro...

Insultar repórter, e com insinuação sexual, pode resultar em grande dor de cabeça, além do mais não deveria ser a postura de um presidente da República. A maior grosseria já cometida por um chefe do Executivo não rendeu tantos comentários. Mas na época não havia internet nem redes sociais, portanto não é possível fazer comparação. Foi quando o ex-presidente João Batista Figueiredo cavalgava em Brasília e, incomodado como os flashes das câmeras fotográficas, saltou do cavalo, arreou as calças e mostrou as hemorroidas para os repórteres. Foi a visão do inferno! Os filmes teriam sido arrancados das câmeras. Entre outras, em razão das limitações disso e daquilo no Palácio do Planalto, os fotógrafos realizaram um movimento histórico (máquinas ao chão). 

Bom negócio
Deve ser um ramo muito lucrativo o de operar aeroportos. Contaram para este colunista que, apesar dos valores dos lotes, chovem interessados na licitação do aeroporto de Foz. Pelo visto, oferecerão muitos lances no certame. Um entendido garante que, diante dos valores, será difícil a participação de empresas iguaçuenses. 

No túnel do tempo
Um ex-policial que trabalhou em Foz na virada do milênio está visitando a cidade. Segundo ele, foi chamado para esclarecer um fato que aconteceu faz quase 20 anos. Quem será? Estarão interessados num mero caso de extorsão? Será que reabriram o imbróglio? Essas coisas acontecem.   

Sarcófagos
É sempre assim, em tempos de disputa e de dúvidas no consciente eleitoral, muita gente quer se aproveitar da situação, na ilusão de que algo pode mudar. É quando os sarcófagos se abrem e a cidade fica infestada de zumbis peregrinando em busca de votos. Bom, tomara que algum zumbi não se zangue e resolva processar o Corvo. Na verdade devemos aceitar todas as candidaturas, porque é assim o recheio da festa democrática, um misto de babilônia e circo.    

Defecada
E em ano político, quem diria, época em que é necessário manter paz e tranquilidade, alguém deu de arranjar um senhor rabujo para cima dos colegas de trabalho. A defecada é tão grande que, além de revoltar a cidade, vai mandar muita gente para o paredão, e de uma vez só. Por causa da decisão, isso poderá acontecer em outubro. Escrevam. 

Ânimo
Depois que a notícia meio que vazou ontem, muita gente que havia desistido de concorrer a uma vaga na Câmara se animou e começou a planejar campanha. Em geral, isso acontece quando o índice de renovação aumenta. O Corvo vai divertir-se muito com o caso.

CIs e CPIs 
Contaram para o Corvo que os vereadores possuem uma lista tão considerável de cobranças em várias secretarias da prefeitura que os titulares correm o risco de não trabalharem mais até o final do ano. Ficarão esse tempo todo na tarefa das explicações. Que coisa, hein? Parece caso de gibi, quando o sargento Tainha colocava o Recruta Zero de castigo. Que barbaridade! 

Epidemia de dengue
Corvo, que bacana isso, várias entidades se unindo contra o mosquito. Pudera, a doença já colocou muitos iguaçuenses no estaleiro. A minha pergunta é a seguinte: vão deixar o mosquito procriar, correr solto em 2020?
Maria L Siqueira

O Corvo responde: boa a sua pergunta, porque a ausência de mecanismos para combater o mosquito pode ser o fato causador da epidemia. Mas o desleixo da população ainda está no topo da lista da responsabilidade; lixo jogado em terrenos baldios, mato, poças d'água acumulando larvas..., isso ocasiona o mapa desse inferno.    

Drenagem
Pois então, seu Corvo, deixaram umas galerias perto da minha casa, e fui olhar de perto. Tem tudo para não entupir mais, porque são estruturas de concreto muito largas, capazes de abrigar toda a água dos riachos. É um investimento, não é Corvo? 
Dário Paschoal R Filetto

O Corvo responde: são pré-moldados eficientes para o escoamento dos córregos, mas dependendo, se a população continuar a despejar lixo nos veios d'água, com certeza entupirão também. É impressionante a quantidade de lixo que se acumula nos riachos que cortam a cidade. Se a população não mudar, os parques lineares se tornarão objeto de sonho.

Árvores velhas
Corvo, dá um alô aí, algumas árvores estão muito inclinadas e com parte das raízes de fora. Não demora despencam em cima de um veículo e até mesmo uma pessoa. A prefeitura precisa dar um pente-fino nessa  situação.
Mauro R H Saveiro

O Corvo responde: este colunista tem publicado fotos e indicado a localização de algumas dessas árvores. Se não derrubarem com a motosserra, os ventos que ocorrem todas as tardes farão o serviço, e tomara que isso ocorra sem vítimas e danos.   

Incompetência
Corvo, a BR-277 é uma obra perfeitamente possível de ser realizada, ou duplicada em toda a sua extensão. Mas só quem viaja de carro até Curitiba, para saber das implicações, serras, colinas, rios, pontes necessárias; agora, incompetência mesmo é a BR-469, uma avenida dentro de Foz chamada de "estrada" e que causa má impressão aos que visitam a cidade. Isso sim é uma ode à falta de iniciativa.
Marcio P Honorato

O Corvo responde: os responsáveis pelas estradas deveriam utilizá-las todos os dias, como a população. Pode ser que assim resolvessem os problemas, que beiram o descaso. No horário do rush, é impossível atravessar e acessar a BR-469.  

 

Papa e Lula
O assunto continua rendendo cartas e bilhetes para a coluna. Muitos conteúdos são impublicáveis, infelizmente. Em contrapartida os sarrinhos são hilários. O mais recente é a visita de Jesus ao presidente Bolsonaro.
 

Canja do Galo Inácio
O evento encerrará as atividades carnavalescas em Foz. Dizem que será uma das edições mais bem preparadas de todos os tempos, com muitos voluntários e organização no serviço. O quitute será servido na área do Carnaval da Saudade e, em sua 20ª feitura, ajudará mais uma entidade voltada para a infância e nutrição. A Canja, hoje, é de responsabilidade do Rotary Club Foz do Iguaçu — Grande Lago.