No Bico do Corvo
No Bico do Corvo
Natal de sonho

A ACIFI está promovendo uma poderosa campanha para incrementar o movimento no comércio, e é o que os comerciantes precisam para mais uma vez contrabalancear a falta do clima, sem a decoração. Como a campanha é abrangente e até quem não é sócio da ACIFI acaba ganhando, o comércio está mexendo-se para dar luzes aos estabelecimentos. 

Ano dourado
Mas na ACIFI não é só o Natal que será dourado, pois 2019 foi um ano de ouro maciço, com as conquistas da entidade, como a sede nova e o congraçamento promovido pelo CID. O Natal deste ano vai até janeiro e terá um gostinho dos mais saborosos. 

Projeto
Corvo, esse assunto da decoração de Natal cansa a beleza dos iguaçuenses e de certa forma nos ensina algumas lições. Por que a ACIFI não assume essa frente e resolve o assunto de vez? A entidade pode muito bem negociar, como propor descontos em impostos e benefícios para quem investir na decoração. E só partirem para cima.
Eleodora Maranhão

O Corvo responde: talvez não seja a função da Associação Comercial, mas quando o assunto é renúncia de receita, como é o caso de descontos nos impostos, o bicho pega na Câmara. Nem todos os vereadores entendem esses avanços sociais. Cidade que investe no Natal distribui riquezas, porque gera empregos, chama a atenção dos visitantes e turistas, movimenta a hotelaria, provém um final de ano mais lucrativo. Mas parece que não acreditam nisso em Foz do Iguaçu, cidade que vive pegando no tranco. Em todo o caso, veremos o que acontecerá no próximo ano. 

Comissão
Mas a encrenca da decoração parece que mexeu com a cabeça de algumas pessoas. Um time muito seleto de empresas e empresários estuda a formação de uma CPN, ou Comissão Permanente de Natal. O grupo tratará, com tempo e força de lei, quais as ferramentas são necessárias para realizar uma ação progressiva visando às festas de final de ano. Pode ser que isso funcione. E quando se lê "força de lei", subentende-se que o tema será, no mínimo, analisado na Câmara, onde elaboram a legislação local. Isso demora. O Corvo não é pessimista. No ano que vem os vereadores estarão muito ocupados com os seus projetos de reeleição.

Apostas
E por falar em eleições, começaram as apostas no virtual potencial de renovação na Câmara de Foz. Muitos acreditam que o índice de vereadores de apenas uma legislatura surpreenderá. Será? Quando o assunto é política, a caixinha de surpresas fala alto. Ainda é cedo. 

Briga prematura
Corvo, do mesmo jeito que algumas pessoas começam a decorar suas casas para o Natal em setembro, outubro, há quem também antecipe o ano político. Lá na vila já estão falando em agenda de reuniões com os prováveis candidatos. Esse povo bem que poderia dar um tempo para a cabeça da gente, né?
Lauro Jurandir

O Corvo responde: prezado, a política é assim, essa arte do oportunismo, e quem come apressado pode acabar com dor de barriga. A população está um pouco mais descolada que em outros tempos. 

Cartes
Oras, seu Corvo, que surpresa é esta? Vai dizer que não sabia que o ex-presidente da nação vizinha era arteiro? Isso não é coisa nova. E pode escrever: nada vai acontecer com ele, porque, como o senhor mesmo já relatou, possui imunidade política. 
Raúl Soares

O Corvo responde: como sabemos, o Paraguai atravessa um período de mudanças, possui um desenvolvimento invejável, e quem garante que o país não enfrente reformas em seus poderes? Tudo pode acontecer. O "efeito Dario Messer" pode causar uma devastação em alguns setores de lá.    

Fábio 
Há quem de fato não tenha o que fazer ou crê que a sociedade é formada por idiotas, gente que não pensa e acredita em tudo o que escrevem. É de péssimo gosto o que andaram fazendo com o nome do professor Fábio Prado, tentando induzir que ele seria candidato ou que resolvesse atuar no campo político. A resposta foi eficiente: Fábio possui um projeto de vida e, nele, não cabe o exercício num campo tão instável e inseguro como é a política. E pensando bem, ele está mais do que certo, pois formar o cidadão é uma contribuição preciosa para melhorar a política em curto, médio e longo prazo.

Destruição
Foz possui esse sério defeito: as pessoas de bem sempre se tornam alvo dessa turba que nada constrói. É gente que acredita no inverso ou "no quanto pior, melhor". Foz já passou dessa fase e estamos vendo o fim dessas tranqueiras que vivem dessas escaramuças. Vai chegar o dia em que a população voltada para o bem vai entocar esses pervertidos que vivem de sacanagens. O Corvo aposta com os leitores como, depois desta nota, uma porção de pervertidos colocará a cabeça para fora, reclamando. É hilário, mas acontece.

Praças
Corvo, você pegou pesado em algumas praças. Chamar o imponente chafariz do Mitre de bidê é uma grave ofensa! No mais, você esculhambou a praça da Marinha um dia antes de ser entregue. Está mais por fora que umbigo de vedete, seu Corvo!
Rafael Santana

O Corvo responde: sim, é verdade, o chuveirinho do Mitre é a oitava maravilha do mundo. Causa inveja à Fontana di Trevi! No mais, ninguém fez críticas à Praça Almirante Tamandaré. Apenas reforçamos que ela precisa ser cuidada pela população, que usa os espaços públicos. Tomara que ela não se transforme em reduto de usuários de drogas, como já ocorreu num passado recente. Se a população ajudar a cuidar das praças, áreas verdes e jardins, eles durarão bem mais!

Ameaça
Prezado Corvo, veja que situação: estava dando uma volta com a minha bike, novinha, e vi que no final da Rua Indianópolis, bem nos fundos do Hotel Carimã, um homem encostou uma caminhonete e começou a descarregar entulhos e lixo. Dei meia volta e fui falar com ele, porque o local está uma pocilga, de insetos e bichos mortos. O homem, muito ríspido, disse que eu não tinha nada com aquilo e que, se eu "enchesse muito o saco dele", ele pegaria um revólver no carro e "daria um tiro na minha cara". Pensa, Corvo? Logo eu, uma aposentada, de recém-completados 76 anos? E eu estava justamente curtindo o meu presente de aniversário, a bike que meus netos me deram. Que coisa mais feia, seu Corvo!
Maria Erni Rocha Piedade

O Corvo responde: prezada, tomara que a senhora tenha anotado a placa e denunciado o abusado. Ele pegaria um tempo de cadeia e pensaria um pouco na asneira que cometeu. Aquele local é um dos pontos onde as pessoas descarregam um pouco de tudo.

Escola Militar
O deputado federal Vermelho conseguiu uma escola cívico-militar para Foz. Com uma unidade assim, a cidade formará mais cidadãos conhecedores dos seus direitos e deveres; e, quem sabe, mais organizados para auxiliar na coibição de certos abusos, especialmente aos valentões que despejam lixo em locais públicos e ameaçam idosos. Que barbaridade!

Ministros
Corvo, eu não entendo certas situações. O ministro Dias Toffoli não está abaixo do presidente Bolsonaro? Como os ministros mandam mais que os presidentes? Só no Brasil mesmo, não acha? 
Nelita Honorato

O Corvo responde: ai, Jesus! É por essas e outras que as escolas deveriam ensinar OSPB novamente! Dias Toffoli é ministro da Suprema Corte, portanto representa outro poder, o Judiciário. Não está abaixo de ninguém. Ele não ocupa um ministério igual aos que compõem o governo. 

 

Apoio de peso
A ONG Vida Animal segue em sua luta pelo bem-estar dos pets cruelmente abandonados pela cidade. A entidade recebe o apoio aguerrido de dois novos parceiros, ninguém menos que José Aldo e Gimenez. 

 

Aniversariantes
Praticamente fechando a semana, o Corvo quer enviar os parabéns (atrasados) aos amigos de longa data, Vilmar Andreola e Abel da Banca! São pessoas que merecem toda atenção e carinho! Aqui vai o nosso desejo de muitos e mais muitos anos de vida! Um abraço do Corvo! 

Sem o tapete

O presidente Bolsonaro está entrando por uma via muito perigosa. Saiu do PSL e vai "tentar" abrir a Aliança pelo Brasil. Se não conseguir alcançar os números para referendar a nova legenda, poderá viver o drama do leão cercado de hienas. O dobro delas. E no mais, muitos correligionários não querem correr o risco de perder a chance de disputar as eleições do ano que vem. E como isso será?

Partido Social Liberal
Pelo menos o presidente vai escapar da palavra "social" — que, mesmo "liberal", não se ajusta aos seus planos de "direita" radical. Mas o problema é outro: o Brasil vivendo esse drama de dar a volta na horta de pepinos, e agora, quando as coisas pareciam entrar no ritmo normal, o presidente preocupando-se em abrir um novo partido? Vai perder bastante tempo com isso. 

Administrar o tempo
Então vejamos como é difícil o presidente dividir o tempo: 30% ele gasta defendendo-se das coisas que diz; outros 30% de seu tempo ele ocupa apagando os incêndios causados pelos filhos; 10% indo aos estádios de futebol; 20% gastará criando o novo partido; 5% ocupará viajando. Sobram apenas 5% para governar. Que sufoco, hein? 

Revitalização
O Corvo olhou com uma lupa o projeto de ocupação do Gramadão. Será mais um atrativo para a cidade e  para os visitantes, porque muita gente vai querer conhecer.

Complexo
O Gramadão está bem próximo do futuro Mercado Municipal e na reta para Itaipu. No mais as pessoas adoram caminhar pelas ruas arborizadas da Vila A. Quem sabe essa iniciativa no Gramadão não inspire uma revitalização completa nas demais praças da cidade, muitas das quais abandonadas do espírito do lazer.

Tragédia
As reformas nas praças do Mitre, Paz e Bíblia avacalharam os únicos créditos frequentados pelos iguaçuenses. As mudanças foram trágicas nesses espaços, que se tornaram fornalhas aquecidas pelo concreto e pergolados sem objetivos. O "bidê" da Praça do Mitre foi a maior piada urbanística que contaram para a população. E imaginar que antes o espaço era ocupado para a realização de ótimos eventos. Definitivamente, as praças hoje não são nossas. Elas não são de ninguém. 

Outras
E a situação não é nada boa para quem procura alternativas. Ir ao Monjolo e tropeçar em restos humanos e em animais mortos não é lá um passeio saudável. Refrescar-se na Praça da Marinha é outra aventura, com os marginais à espreita. Por pouco o local, ao lado da Capitania e em frente ao imponente edifício histórico do Hotel Cassino, não se transformou em cracolândia.

Nos bairros
O governo do município bem que poderia pegar carona na ideia de Itaipu e partir para o arejamento de vários espaços públicos, como é o caso do Bosque Guarani e de várias praças nos bairros, muitas das quais sem grama e com equipamentos enferrujados. Ou no mínimo fazer valer a "adoção" dos espaços pela população, porque o povo sabe reclamar, mas ajudar a cuidar é difícil.

Cartes, o procurado
Vai ser ruim de "meterem a mão" no ex-presidente Horácio, do Paraguai. Os paraguaios dificilmente atenderão a um pedido do Brasil, porque o homem é senador. Segundo consta, essa imunidade vale para as regras do Mercosul. Vamos ver qual será a posição do Marito.

Fim de ano
O setor de comércio está otimista. Segundo consta, estão passando uma circular para manter o maior número de lojas abertas até no mínimo 21 horas. Até o momento a adesão ainda não teria superado a casa dos 30% de comerciantes. O medo de assaltos ainda ocupa o primeiro lugar da lista.

Chico e os preparativos
O prefeito diz que não quer saber de política neste final de ano, apenas nas ações do governo, no benefício direto aos cidadãos. Mas quem frequenta o gabinete garante que não é bem assim.  O homem está com um olho no gato e outro no peixe, a começar pelos problemas na área da saúde.

Mudanças
O aproximar de um ano político vai acelerar um pouco as mudanças na estrutura de governo. As alterações podem ocorrer ainda neste exercício, e isso se deve ao mexe-mexe nas articulações políticas, com ênfase na construção de uma base de apoio na Câmara.

Virada
Vai virar o ano e, segundo um especialista, Chico poderá ampliar os votos a favor do governo. Teria 11 vereadores contadinhos, acertados, confirmados e reconfirmados, mas isso não virá de graça. O prefeito terá de alterar a posição nas peças do tabuleiro. Ele teria garantido que só não mexe na rainha, ou seja, no quadrado ocupado pela dona Rosa.

Torres e bispos
A nota acima foi inspirada pela carta de um leitor: "Corvo,  quem joga o xadrez sabe que as possibilidades são múltiplas, mas é preciso saber jogar. Se fizéssemos uma comparação, além da rainha, Chico conta com dois bispos, cavalos, torres e a peãozada. É certo que ele vai trocar um bispo e uma torre, mas não vai mexer nos cavalos. Não é difícil identificar o bispo, porque ao que parece ele até já mudou de cor, passou para o outro lado". 

O Corvo responderia assim: é uma nota muito cifrada para os padrões do colunismo. Comparar peças de um governo com as de um tabuleiro de xadrez até não é difícil, bastaria comparar as funções. Difícil mesmo é fazer comparação com os personagens do jogo do bicho.  

Violência
Um deputado não gostou da exposição sobre o Dia da Consciência Negra e arrancou imagens expostas no caminho à Câmara Federal. Ele não tolerou um personagem abatido, enrolado na Bandeira Nacional. Aliás, outras pessoas também não aceitaram a imagem, mas reclamaram de maneira civilizada. Se o deputado usasse a tribuna para reclamar, prestaria um bom serviço aos policiais, acusados de truculência. Foi truculento na mesma medida.

 

Concurso de feiura
Corvo, o que aconteceu com os gorduchos com a barba branca em Foz? Antes havia Papais Noéis mais simpáticos, bonachões; digo, menos artificiais. Desse jeito vai ficar difícil a gente acreditar que eles existem. E você, Corvo, acredita em Papai Noel?
Martha Silva

O Corvo responde: Papai Noel existe, mas ele anda de saco cheio, e não é de presentes. Parece que neste ano ele tirou férias, porém deve retornar até o Natal. Alguém flagrou e enviou a evidência disso para o Corvo. 

Concurso de renas
Este Corvo já viu de tudo. Já comeu bochecha de bacalhau, portanto já viu a cabeça do peixe; compareceu a enterro de anão, inclusive, mas concurso de gente para ser rena de Papai Noel, isso é novidade. Foz tem dessas coisas.

Na Austrália
Os incêndios estão devastando, como nunca, vários redutos ecológicos australianos, e muitas espécies foram afetadas, como os coalas, em estado avançado de extinção. Ninguém vai levar a culpa, porque apesar do estrago os investimentos australianos no combate ao fogo são milionários. O mundo só não estava acostumado com incêndios na Amazônia. Agora, coala pegando fogo dá uma dorzinha... Coitadinho!

Bomba!
O Corvo nunca se engana e toda vez que anuncia o cheirinho de estopim queimando, algo acontece. Alguém vai precisar de muita ginástica para pular muro lá pelas 6 da madruga. Parece que a bronca não passa o ano.

 

Nota do corvo

Muito ruim

Este colunista recebeu várias informações que endossam a preocupação do presidente da Câmara, vereador Beni Rodrigues. Não vamos longe, por esses tempos flagraram uma ambulância pegando no tranco. O assunto repercutiu nas redes sociais e noticiários.

Calo do Chico
O setor de saúde não é uma pedra no caminho apenas do prefeito de Foz, mas de uns tempos para cá tornou-se um calo latejante; daqueles que a gente bate, sem querer, em algum lugar, e fecha os olhos de tanta dor. É no qual a oposição pega mais pesado e, claro, isso tem origem nos desentendimentos entre vereadores e o vice, Nilton Bobato.  

Velho problema
E no mais, o Chico Brasileiro está cansado de saber que os servidores da Secretaria da Saúde detestam o mando de estranhos, ou de pessoas que não conhecem o batente. É o pior dos lugares para se favorecer um camarada de campanha; é a frigideira com a banha mais fervilhante.  

Torração
Se o Nilton Bobato acredita que ser o secretário de Saúde é uma maneira de se fazer campanha para as eleições do ano que vem, pode tirar o cavalo da chuva. O setor pode nem estar tão ruim como pintam os opositores, mas a falação faz a cabeça da opinião pública. E aí constatamos uma realidade: criticam e descem a lenha na saúde pessoas que sequer frequentaram uma UBS ou UPA nem passaram perto do Hospital Municipal. As planilhas nas quais estão os números, às vezes, não são suficientes para se formar um conceito; precisam aferir o grau de satisfação de quem utilizou a estrutura. É aí que o contexto pode mudar. Nilton, na Saúde, por melhor que se saia, terá respingos da fritura.  

300 milhões
O comércio de Ciudad del Este faturou, em poucos dias, mais do que muitos centros comerciais faturaram em todo 2019. É pra ver o interesse que há por parte dos que viajam milhares de quilômetros para se chegar até a fronteira.

Credibilidade
Foi-se o tempo em que as reclamações eram maiores que o lucro em CDE. Isso faz tempo que mudou. Muitos recintos são laureados pelo respeito à freguesia. Não foi um processo simples e levou décadas para ser construído. Hoje os comerciantes estão bem mais atentos ao movimento e buscam formas de driblar as adversidades, como é o caso do dólar nas alturas.

R$ 4,40
Parece não haver meios de segurar a moeda norte-americana. Deu o maior salto desde a existência do real. Desta vez a crise política em vários países da América Latina figura entre os indicadores da alta.

Urubus fanáticos
Não é qualquer torcedor que encara quase cinco mil quilômetros para ver o seu time jogar. Rubro-negros passarão dez dias nas estradas (ida e volta) para assistir a apenas 90 minutos de futebol! Não dá para imaginar o cheiro de chulé no ônibus. Que barbaridade!

Foz na rota
Tanto os que vão de avião como de ônibus encontrarão Foz pelo caminho. Apesar da volta de quase dois mil quilômetros, é mais seguro atravessar a Argentina e o Chile para chegar ao Peru. Não é um bom momento para andar pelas estradas bolivianas. Mas pensando em distância, ficaria difícil para os gremistas caso chegassem à final. Não daria para ir "a pé", como reza o hino do clube. 

Em Lima?
Corvo, que judiação, hein? Nem no Maracanã e menos ainda em Buenos Aires! Difícil assistir a uma partida naquele fim de mundo. Será que é por causa da rivalidade? O senhor vai viajar para assistir à final da Libertadores?
Jaime Brito

O Corvo responde: este pássaro prefere o conforto do sofá, em frente ao televisor de 62 polegadas, próximo da geladeira, com o ar-condicionado ligado! A partida em Lima diminui as chances de ônibus apedrejados e arranca-rabo nas ruas. Uma pena pensar que não há civilização em finais de campeonato.

Seu Cartes
Quem diria, Dario Messer acabou complicando a vida de seu hermano mais querido, o ex-presidente do Paraguai Horácio Cartes. Há um ditado que deve ser respeitado: quem tem a boca grande não frequenta festa no céu. 

Delação
Segundo disseram a este colunista, a lista de envolvidos nas supostas negociações de Messer com a Justiça é quilométrica. Supostamente há uma dezena de iguaçuenses citados. Pudera, Foz é possivelmente um  teatro de operações interessante para as transações monetárias internacionais.

Devastação
Está difícil para o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, explicar os quase dez mil quilômetros de desmatamento, pois 40% aconteceram em áreas públicas. Segundo a jornalista Miriam Leitão, foi o governo que incentivou a devastação: fechou os olhos e reduziu a fiscalização.

Aquecimento
Muita gente não dá bola para os alertas de aquecimento do planeta. "Quatro graus não é nada", disse uma pessoa para este colunista. Mas esse aumento vai causar um estrago sem precedentes. Os estudos são alarmantes, a começar pelo que enfrentarão as crianças, cada vez mais expostas aos efeitos climáticos. Se a humanidade não cuidar, vai torrar na chapa. 

50 anos
O milésimo gol de Pelé completou meio século! E o triste foi ver o futebolzinho da seleção contra os sul-coreanos. O placar de 3 x 0 em nada impressionou. Dá até uma dorzinha no peito lembrar os tempos do Pelé, Rivelino, Gerson, Carlos Alberto, Tostão... E por lembrar o rei, a Folha de São Paulo fez um cálculo: Messi e Cristiano Ronaldo teriam de manter o ritmo de gols, jogando até os 40 anos, se o propósito for alcançar o Pelé. Difícil, mesmo com a genialidade dos dois. 

Coquetel de Barueri
Que maldade, hein? Parece que turbinaram a bebida dos moradores de rua com etanol. É um produto altamente tóxico e, dependendo do organismo de quem bebe, mata igual a cianureto. Quem fez isso deveria provar do veneno. 

Final de novela
Chega ao fim a "era do bolo". Conforme publicou um site, desde que a Maria da Paz entrou em cena, cerca de 120 mil pessoas passaram a fazer e vender bolos. Pensa? Desse jeito fica complicada a luta contra a obesidade no país. Qual será a próxima moda? E como em todo final de novela, os mocinhos sempre vencem os bandidos. 

Feriadão
Este Corvo topou com um turista na Avenida Brasil, que ficou surpreso ao saber que a gente emendou o feriado de 15 de novembro com o do Dia da Consciência, comemorado em muitas cidades brasileiras. "Na minha cidade é ponto facultativo e, como sou funcionário público, aproveitei para emendar", disse o sortudo. Que luxo, hein? O Corvo também queria uma mamata igual.

 

Movimento 

O Corvo publicou uma foto na edição de ontem ilustrando o movimento nas Cataratas do Iguaçu durante o feriado prolongado de 15 de novembro, alusivo à Proclamação da República. Na verdade, em todos os pontos turísticos, inclusive em bares e restaurantes, o movimento foi muito bom. Uma leitora enviou carta expressando a satisfação em cruzar com grupos de visitantes esboçando alegria ao caminhar pelas ruas do centro da cidade. "Parecia uma cidade turística de verdade; era comum ver grupos assim em Puerto Iguazú. Isso quer dizer que estamos no caminho certo." Que bom é constatar a satisfação dos visitantes e turistas. 

Black Friday
Os comerciantes de Ciudad del Este estão atônitos com o sucesso alcançado no período de promoção deste ano. Textualmente, asseguram que foi a melhor de todas as iniciativas. Devemos reconhecer que foram muito felizes na organização e divulgação do evento, mesmo com o dólar encostando nas estrelas. 

Final de ano
O sucesso das promoções de compras é tão grande no comércio paraguaio que muita gente está com as pernas bambas aguardando este final de ano. Se o dólar cair um pouco, então, Foz também sairá lucrando com o movimento de compristas. 

Nas estradas
O Corvo recebeu uma informação de roer as unhas. Aumentou o número de sequestros entre os que fazem o transporte de muamba na BR-277. Quadrilhas tomam conta da estrada, principalmente nas madrugadas. São atacados veículos de todos os tamanhos, e em geral as vítimas tentam escapar de registrar queixa porque estariam praticando crimes de fronteira. Os bandidos levam as pessoas para um cativeiro, usam cartões de crédito delas e depois "liberam" os grupos assaltados. Que barbaridade!

Bruxa solta
Aconteceram três acidentes aéreos no final de semana prolongado. Quando notícias assim se espalham, muita gente deixa até de viajar. O Corvo conhece duas pessoas que cancelaram passagens aéreas em razão da sequência de sinistros. 

Guerra às fake news
O TSE vai carimbar o candidato que espalhar notícias falsas em campanhas eleitorais. Convenhamos, isso vai dar um trabalhão. O "pega na mentira" vai valer muito mais que no passado. Correremos o risco de assistir a horários invertidos, ou seja, os espaços ocupados apenas pelas retratações de oponentes. 

Verdade ou mentira?
Mas será que é tão difícil assim os candidatos trabalharem apenas propostas em seus horários, sem precisar atacar rasteiramente os oponentes? Sim, é difícil, até porque há quem garanta que programa só de propostas não ganha audiência. Que pena isso, hein?

Barril de pólvora
O que acontece com a nossa boa e velha América Latina, seu Corvo? Há quebra-pau em todos os lugares: Venezuela, Chile, Bolívia, Brasil e, não vai demorar, a Argentina entrará em pé de guerra. Isso está nublando os investimentos internacionais. Aonde é que vamos parar?
Rubens H Neto

O Corvo responde: prezado, e quando é que foi diferente? São coisas do "novo mundo" e seus repentes sociais. Mas não é diferente no "velho mundo", veja o que os europeus enfrentam com a imigração, as diferenças na União Europeia; os Estados Unidos vivem em conflito com as invasões latinas. Não é fácil em local algum. A humanidade e seus desafios, taí algo para em que se pensar.  

Empenho e resultados
Todos os nossos aplausos à família Prado, que simplesmente inverteu a ordem natural das coisas. É normal saber que palestrantes de grandes universidades palestram em Foz, sobretudo na UDC, mas é inédito iguaçuenses falarem em sacrossantos recintos da educação como a Havard University (Massachusetts, EUA), provavelmente uma das instituições mais poderosas do planeta, quando o assunto é a formação. Mas a importância de um fato assim está na competência e obstinação no crescimento de um projeto. 

Crise nos protestos
Nas últimas manifestações em apoio ao governo federal e ao ministro Sérgio Moro, houve uma espécie de dissonância entre organizadores. De um lado há um grupo preocupado em realizar o protesto de maneira eficiente, exaltando a manifestação e a insatisfação popular, mas de outro existe uma certa dose de individualismo. Enquanto a maioria dos organizadores trabalha o coletivo, alguém aparece e diz: "Eu sou o organizador", objetivamente, buscando colher frutos nas eleições do ano que vem, o que causa certo aborrecimento ao grosso dos manifestantes. O Corvo recebeu várias cartinhas com queixas sobre a maneira com a qual uma única pessoa anda expressando-se, querendo angariar todo o lucro pelo esforço que seria de todos. Bom, como os manifestantes em geral serão eleitores, devem estar avaliando se o indivíduo merece o voto ou não. 

República de Curitiba
Prezado senhor Corvo, li com atenção o texto do advogado Rodrigo Duarte, publicado ontem na página 04 da edição do GDia. Não considero o artigo parcial, afinal é a opinião do autor, mas o juiz (hoje ministro da República) Sérgio Moro foi o único sopro de punibilidade ao crime neste país, tão devastando pelos caras de pau da nossa política. Claro que alguém assim será vencido pela maioria que há no Judiciário. Será que ele errou tanto assim? Não entendi direito as "reticências" ao final do texto. 
LRG (O autor pediu para não ter o nome publicado.) 

O Corvo responde: prezado, o autor, diante de seu conhecimento na área jurídica e no histórico de situações similares, apenas relata a linha temporal dos acontecimentos que envolveram o hoje ministro Sérgio Moro, quando se tornou o centro das atenções no combate aos supostos crimes de corrupção. Suas atitudes, naturalmente, impulsionaram outros magistrados, com a mesma visão, a uma linha de conduta cujo desfecho não foi o por eles esperado; muitas das ações foram revertidas e hoje o país vive um dilema constitucional. Para muitos, isso já é o suficiente para se pensar numa reforma no Judiciário e, por tabela, na Constituição. Em outras palavras, o que foi considerado um período de "judicialismo" não foi de todo jogado fora, porque há muitas discussões e dúvidas perante o resultado das decisões, polêmicas ou não. O articulista foi muito preciso na abordagem de um tema tão complexo. Para finalizar, as reticências (...) dizem muito. Querem dizer que muito ainda haverá, e a carruagem seguirá o seu destino. Como dizia a publicidade: o mundo gira, a Lusitana roda!

Liberdade de expressão
Pois veja, seu Corvo, vi uma reportagem em que alguém se queixava do cerceamento à liberdade de expressão. É proibido reclamar dos resultados dos julgamentos no STF? Existem as leis contra o racismo e a intolerância sexual... Não dá para fazer piadinha de gordos... Que coisa! E este é o país da liberdade? O senhor que tome tento, hein Corvo, pois a qualquer hora vai levar um processo!
MRAS (O leitor pediu para não ter o nome divulgado.)

O Corvo responde: prezado(a), este articulista não corre riscos porque é obediente às leis. No mais, existe um estado de direito, e se não fosse assim seria uma anarquia. Não confunda liberdade com libertinagem. Foi o povo quem escolheu os representantes, e eles é que fizeram as leis. Para se criticar não precisa ofender, e a linha entre uma coisa e outra é bem visível e em nada complicada de ser respeitada. A população pode manifestar-se contra o resultado de julgamentos, mas deve respeitar a Justiça, enquanto poder e instituição. 

Caminhos da vida
Fiquei abismada quando uma mãe disse que "exigiria respostas" sobre o filho que morreu ao ingerir uma bebida supostamente envenenada na cidade de Barueri, em São Paulo. Em suas manifestações, uma mulher, aparentemente bem-sucedida, alegou que o Estado não cuida dos moradores de rua, situação em que se encontrava o seu filho. Pois veja, o rapaz encontrou o caminho do vício e foi morar na rua, e a culpa é do Estado? Será que ela, a mãe, não possui um pouco de culpa nisso? Pode ser que ela não tenha sido competente no papel de mãe, e a culpa é dos outros? Que tipo de respostas ela quer, quando todas as perguntas são dirigidas a ela?
Fernanda VRE Soares 
 
O Corvo responde:
prezada, o título do seu texto diz tudo, "caminhos da vida". Há centenas de milhares de casos iguais ao do jovem vitimado, supostamente por bebida envenenada. Os pais sozinhos não dão conta, e o Estado, que se vê com responsabilidade no combate às deformações sociais, assume que em algum momento falhou, sendo assim, nesse caso, as responsabilidades são compartilhadas. Em algum momento, a mãe da vítima deve estar perguntando-se: "Onde foi que eu errei"? Todas as cidades brasileiras vivem um drama assim, de corrigir as deformações e lutar contra inimigos nem tão invisíveis, mas difíceis de controlar.


 

Quem poderia acreditar?

Quem diria, a oposição, com Lula solto e tudo o mais, temer a mais terrível das situações: Bolsonaro e os filhos quietos! Obviamente havia grande aposta no destrambelhar do clã, mas parece que o presidente deu jeito nisso. Ele teria chamado os filhos, e a orientação para uma nova estratégia é o silêncio. Se isso aconteceu, pode ser que o Brasil avance e consolide com mais facilidade o projeto de governo. O silêncio, durante uma discussão, é o que "fala mais alto" quando o objetivo é ganhar simpatia da opinião pública. Silêncio e condição de vítima são remédios poderosos. 

Mudanças
Bolsonaro pode estar enfrentando uma metamorfose na cavidade bucal e faríngea. Finalmente aprende a engolir seco, em favor do Brasil e dos brasileiros. Ele, por exemplo, retratou-se com o líder chinês, Xi Jinping, por causa da China. Assim, aos poucos, vai achando um lugar no mundo da sensatez; o Brasil precisa muito disso, sobretudo quando o assunto é parceria comercial. Teremos uma prova dessa possível mudança quando o presidente conversar com o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, e sua vice, dona Cristina Kirchner.  

Direita e esquerda
Corvo, aqui vai uma notinha para você pensar como responderá: o presidente Bolsonaro quer criar um novo partido, a Aliança. Segundo os especialistas, será mais radical que a "Arena" dos velhos tempos em que havia apenas dois partidos no Brasil. Sou desse tempo, em que a gente era Arena ou MDB. Você lembra? E como seria isso, hein Corvo? 
Arnando Goullart

O Corvo responde: este colunista não precisa pensar muito para responder. O bipartidarismo seria uma solução eficiente e, mais do que isso, inteligente, com duas correntes trabalhando os interesses da nação, como acontece, por exemplo, nos Estados Unidos, onde a democracia se faz entre Republicanos e Democratas. O pluripartidarismo é muito caro, e o povo brasileiro sustenta nada menos que 32 partidos; com a Aliança, de Bolsonaro, serão 33. Se a formação do novo partido eliminasse umas 15 agremiações, estaria de bom tamanho. Sendo assim, teríamos direita de um lado e esquerda de outro. O ideal seria outra coisa: os políticos abrirem um pouco a cabeça e não destruírem tanto o país, em suas buscas pelo poder. Isso sim faria a diferença. 

Viaduto em CDE
Corvo, que loucura é essa, hein? Tenho muitos amigos em Ciudad del Este, e eles estão temendo perder as barracas no comércio porque disseram que o novo viaduto vai passar em cima delas. Onde será que a prefeitura vai acomodar tantos pequenos comércios, se o novo complexo viário deve absorver todo o espaço? 
Luiz Macedo

O Corvo responde: prezado, todo progresso tem seu custo. Estamos falando de uma obra que deve custar US$ 11 milhões, e o multiviaduto resolverá um problema muito antigo: receber melhor os visitantes. Assim a cidade dará um salto em matéria de mobilidade. O Corvo apurou que o projeto prevê a instalação de muitos comércios embaixo das rampas, que serão convertidas em novos shoppings. Mas isso é uma informação muito preliminar. Bom, em 500 dias saberemos ao certo o que deve acontecer. Os paraguaios trabalham rápido. Em menos de dois anos, o multiviaduto deve estar concluído. 

Quem manda?
Corvo, do que adianta um bom gestor tentar economizar se a Justiça não colabora? Como vai ficar esse assunto de Itaipu? Quer dizer que querem economizar R$ 12 milhões por ano e implantar um plano de austeridade, e os funcionários é que levam a melhor? Que situação, hein? Quem é leigo não entendeu direito, por isso peço que nos explique um pouco mais, Corvo. 
Margarita Ferraz Lunardi

O Corvo responde: prezada leitora, a  juíza Christiane Bimbatti, da 4ª Vara do Trabalho de Curitiba, suspendeu, por meio de uma cautelar, a transferência dos empregados lotados nos escritórios de Itaipu em Curitiba para Foz do Iguaçu. Isso travou um dos pilares da política de austeridade implantada pelo diretor-geral, general Joaquim Silva e Luna. A decisão, por mais incrível que possa parecer, vai manter o "elefante branco" sugador do dinheiro público em atividade. A decisão da juíza contraria o artigo 5º do Contrato Individual de Trabalho, que é amparado pela CLT. O artigo 5º diz que o empregado é obrigado a "prestar serviços" ao empregador em qualquer localidade do Brasil. O assunto deve ir parar no Tribunal do Trabalho, instância superior.

Cidade lotada
Foz do Iguaçu pode inserir o feriado de 15 de novembro na sua lista das maiores datas de visitação, assim como foi a Semana Santa do passado, o período mais esperado pelos empresários do setor de turismo. Com a divulgação da cidade, o calendário ampliou, e significativamente. 

Recorde
Lá pelos anos 80, quando alguém dizia que Foz um dia receberia "um milhão e meio de visitantes", era na hora chamado de louco! Na verdade, as pessoas que diziam isso eram visionárias, gente que acreditava no setor de viagens, hotelaria, transporte de turistas e serviços. E pensar que a marca de 1,5 mi já ficou para trás. O turismo, bem trabalhado, com estrutura e organização, pode receber um milhão de visitantes a cada três meses.   

Felicidade geral
Muita gente reclama do movimento de turistas na cidade, a começar pelo trânsito. É algo que não se deve reclamar, e sim devemos ir pra cima das autoridades para melhorar a estrutura. O Corvo deu um jeitinho de ir conferir o movimento nas Cataratas do Iguaçu. Havia mais gente lá, espremida, contemplando os mirantes, do que nas vielas entre as barracas no Paraguai. A contemplação está finalmente vencendo o comprismo! Está na hora das autoridades e chefes do Instituto Chico Mendes abrirem um novo cronograma de obras para passarelas no PNI. O Corvo reproduz aqui a foto de um guia, que muito bem ilustra a aglomeração de pessoas em um dos pontos nas Cataratas, lado brasileiro. Detalhe: apesar das filas, todos estavam ávidos e embasbacados com o visual.     


Dolor de cabeza
Corvo, minha irmã veio toda contente a Foz, fez umas comprinhas no Paraguai e, depois de uma semana, teve a triste notícia: seu cartão foi clonado. E veja, ela não gastou nem R$ 2 mil em sua visita, mas levou um tombo de R$ 8 mil, por causa dos bandidos. Que situação! Nesse final de semana me contaram que a Polícia do Paraguai conseguiu derrubar esses bandidos. Mas pensa, quantos já foram vítimas desses criminosos?
Olavo Silva

O Corvo responde: vamos fazer uma correção e informar que foi a Polícia Civil, em Foz do Iguaçu, que desarticulou os estelionatários. Empresas "garantidoras de compras" ficaram no prejuízo. A quadrilha fazia o cadastro com um cartão clonado e usava laranjas para fazer compras nas lojas paraguaias. Por enquanto três mandados de busca e apreensão foram cumpridos durante uma ação, mas este Corvo soube que o número pode aumentar, porque há muitas outras evidências de larápios clonando cartões.  Por isso, o ideal é passar o cartão em locais seguros, credenciados e que atuam com responsabilidade. 

Iluminação de Natal
Corvo, depois que você publicou uma notinha sobre enfeites iluminados e baratos, fui conferir. É verdade, as cortinas de LED custam muito barato, entre R$ 50 e R$ 75, e detalhe: são produtos atestados pelas autoridades brasileiras, portanto muito seguros. Boa parte é importada, mas possui certificado. Fazendo aqui os cálculos, se a gente gastasse uns R$ 500 mil em LEDs, daria para fazer uma decoração magnífica em Foz! Penso que deveríamos nos organizar para isso nos próximos anos.
Maria José Dias

O Corvo responde: prezada, desde que o Cabeza de Vaca passou pela região, os nativos discutem a decoração mais eficiente para o Natal. O problema é que isso nunca acontece. Papai Noel vai embora, e não dão jeito na situação. Sim, enfeites são até baratos, mas precisamos ter em mente que há a mão de obra, os adereços de sustentação etc. Não é tão simples como as pessoas imaginam. Agora, se a comunidade organizar-se e criar uma comissão de Natal, pode ser que a coisa ande.  

 


 
A festa dos encontros
Como sempre, os bons amigos se reúnem no Joãozinho Espetinhos. É o point das famílias, porque as crianças adoram. Na hora de sair, quando o pai faz a enquete de aonde ir e menciona "espetinhos", todos levantam a mão e fazem festa. Vai ver é por essas e outras que o ambiente do Joãozinho vive disputado, a começar pela atenção e qualidade dos produtos. Na noite de sábado, estavam lá o Cassiano Ribas e o Marcão, recebidos pelo anfitrião. Cassiano deu uma breve trégua nas atividades de assessoria do deputado Vermelho e foi fazer um relax com a família. Na foto ele aparece com a fofura que é a filhota Luiza.


Marcão, ele é um herói
Já o Marcão, também no merecido descanso da semana, era só alegria. Aqui vai um parêntese do Corvo, porque se há um cara que defende a qualidade do produto nacional é justamente o Marcão, que representa o produto das melhores uvas engarrafadas em nosso país, ou seja, das mais tradicionais vinícolas. Tanto que ele é conhecido como "Marcão da Miolo". Pensa num homem que conhece de vinho? E numa cidade banhada pelo vinho argentino e marcas do mundo inteiro no Paraguai, o Marcão se defende, e muito bem, com a produção nacional. Mereceria uma medalha!  


 

Água na economia

A gente respeita a Justiça, mas às vezes dá um medinho... Esta de irem contra a medida que o general Silva e Luna está promovendo, de trazer para Foz funcionários lotados em Curitiba, bateu no céu da boca de muita gente, em especial quando Itaipu economiza, com a finalidade de prover benfeitorias. Graças aos ajustes da atual administração é que Foz e as cidades lindeiras passaram a sonhar com mais atendimento.

Vai sobrar para o...
...Lula! Por maiores as justificativas amparadas pela Justiça, de segurar a transferência dos funcionários, alguém vai dizer que é por causa da namorada do ex-presidente, que estava de malas prontas para a fronteira. Este Corvo aposta duas caixas de cerveja como alguém vai dizer que é em razão disso.   

79 projetos
E a nova administração de Itaipu está demonstrando muita seriedade. A binacional recebeu 79 projetos na área de educação. É uma seleção pública inédita. 

Reforma na prainha
Enfim a Prefeitura de Foz do Iguaçu iniciou a reforma no balneário da cidade. Com sorte, as obras estarão concluídas antes do inverno de 2020. O Sol torra a população, e tomara que tudo fique pronto antes de janeiro.

Aplicativo
O Foztrans está colocando em prática o seu novo aplicativo. Como a mobilidade é, em certos aspectos, uma dor de cabeça para muita gente, o endereço tem tudo para ser um dos mais concorridos. De qualquer maneira, também será possível avaliar o gosto dos fregueses, ou dos usuários. É um extraordinário meio de pesquisa. 

 

Terra do Glauber
Nas últimas semanas, Foz tem merecido um título glauberiano. Numa semana desfrutaram a presença do ministro Sérgio Moro, e na outra a do presidente do Supremo, Dias Toffoli, em pleno auge de sua decisão sobre a prisão em segunda instância, o que levou muita gente a protestar em frente ao hotel que sediava um evento. Dá para dizer que Foz é igual ao título Deus e o Diabo na Terra do Sol! Leia-se divindades e demoníacos, perante o gosto do povo. Não temos absolutamente nada com isso. Alguém vai negar que Foz é a Terra do Sol?
 

Feriadão
Segundo este jornal pesquisou, e publicou, a hotelaria ocupará praticamente todos os leitos de hoje até domingo no feriado de 15 de novembro. Os monarquistas que nos desculpem, mas se depender do movimento na cidade devemos abençoar a Proclamação da República. Mas a data passou a ser muito comemorada na área comercial, em especial no Paraguai, quando encaixaram uma Black Friday no calendário. De novembro em diante, o povo quer fazer as compras de Natal. 

Originalidade
Francamente, o Corvo acredita que a prefeitura poderia contratar os decoradores dos shoppings da cidade. Tanto o Cataratas JL quanto o Catuaí Palladium estão dando um show de bom gosto e originalidade, com decorações provavelmente muito baratas e eficientes. Usam muitos cordões de luzes, e isso faz o clima de festa. O Catuaí, então, abusou das lâmpadas brancas, com direito a um belo túnel de luz na entrada do edifício. 

 

Preços baixos
O Corvo fez uma rápida pesquisa, e o LED para enfeite está muito barato. Para se ter uma ideia, uma cortina de lâmpadas, com mais de 900 elementos, medindo dois metros de altura x três de largura, custa R$ 65. Uma literal mixaria. Com preços assim, a cidade poderia contratar a Liga das Jovens da Juventude Juvenil para decorar toda a cidade! Que maravilha. 
 

Chuvas e temporais
Soltaram um alerta em Foz que apavorou toda a população. Houve quem pregou ripas na janela, como fosse passar um furacão. Disseram que haveria ventos com mais de 70 km/h e pesada chuva de granizo. No fim houve um chuvisco em boa parte da cidade. Mas prevenir é melhor do que não dizer nada.

R$ 10,5 mi
Foi o valor que a Receita Federal repassou para as entidades em outubro. Boa parte dessas mercadorias vai rechear os bazares das entidades, ou seja, competirão com o comércio, o que deixa muita gente emburrada. Mas há espaço para todo mundo. Os bazares vendem a preços reduzidos, e com as mercadorias pulverizadas isso pode nem causar efeito. Vamos pensar que as entidades precisam de dinheiro no final do ano; também pagam 13º aos funcionários e possuem obrigações necessárias, senão ficam sem certidões e, com isso, não podem receber subsídios públicos.

Papai Noel
Prezado Corvo, eu li sobre o fato de um pai incentivar o filho a puxar a barba do Papai Noel. Que traquinagem, hein? Mas o problema é que as pessoas parecem não entender o Natal e o simbolismo que há nele. É uma festa cristã, mas também festejada por várias religiões. É, na verdade, o nascimento do menino Jesus. Portanto é muito feio mandarem puxar a barba e avacalhar com o Papai Noel, coitado, cuja origem remonta a milhares de anos! 
Neida Lidiane Duarte

Polêmica
Corvo, também não concordo com esse Natal antecipado. Segundo pesquisei, isso tem de acontecer em dezembro. Veja, a Globo nem está tocando a musiquinha. Nada contra o Natal nem contra o Papai Noel. Levei minha neta ao shopping e, apesar do ar-condicionado, o homem estava derretendo dentro daquela roupa quente. Papai Noel é algo que lembra o inverno.  
Leda FR Abrantes

O Corvo responde: prezada Neida, certamente o pai estava brincando ao pedir que o filho "testasse" a barba do Papai Noel, e se fosse verdadeira era o bom velhinho oficial. Em outras palavras, mentiu duplamente, mas é uma mentira sem pecado, porque faz a criança sonhar. Este Corvo, por exemplo, fez coisa bem pior, cometeu a besteira de assar um coelho no dia da Páscoa, então imagina a encrenca quando as crianças ficaram sabendo; de manhã ganharam um ovo de chocolate, que o coelho havia deixado, e na hora do almoço ele foi servido em forma de churrasco. Que barbaridade, hein? Já respondendo para a leitora Leda, Papai Noel é inspirado em Santa Claus, ou São Nicolau. Mas, na verdade, quem inventou esse Papai Noel que conhecemos foi a Coca-Cola.

Piolla e a política
O povo da maldade anda espalhando o costumeiro besteirol sobre os personagens mais em evidência na cidade. E, para variar, o Gilmar Piolla, supersecretário do Chico, não ficou fora do mundo das especulações. Soube este Corvo que o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos vai ficar mais quietinho que estátua de porcelana. Como se sabe, ele é funcionário cedido por Itaipu Binacional e, recentemente, teve essa cedência para a prefeitura renovada para o próximo ano. Um dos compromissos do "Pi" é deixar a política de lado, pelo menos nas próximas eleições. Como o Piolla é um bambino obediente, podem crer que ele só vai ver a boiada passar.

 

​​​​​​​Agressão

Os ministros do STF tentam a todo o custo encontrar maneiras de esfriar os ânimos da turba, sobretudo após as decisões que são proferidas no sacrossanto recinto da Suprema Corte. Mas é preciso convir que há muita dificuldade nisso; primeiro que o país está dividido e depois a falta de entendimento da população com relação às deliberações judiciárias. Em curtas palavras, quem agradar aos gregos apanhará dos troianos. Complicado. É a tradução para o movimento realizado em frente ao Bourbon. 

Aceitação
A Justiça brasileira, independentemente das decisões, precisa ser respeitada. Há um entendimento de que, ao ofenderem os ministros, de alguma maneira acabam atingindo a instituição. Tecnicamente não é assim, mas ao exibirem faixas dizendo que estão com o ministro Sérgio Moro e apoiam o presidente Jair Bolsonaro, não há nada de mais. A oposição que se aquiete. 

No Fantástico
O Corvo nem é lá muito chegado à televisão e seus telejornais. Quando a notícia sai lá, já a sabemos decorada e salteada. É uma das dádivas da modernidade. Mas a Globo, debaixo do sarrafo, exibiu uma montagem muito interessante, quando foi literalmente descascada por Bolsonaro, Lula e até mesmo pelos humoristas dos seus quadros de entretenimento. Quais as maldades tão terríveis a emissora teria aprontado para merecer tantas críticas dos políticos? Vai ver a culpa é da Maria da Paz, que errou na receita do bolo. Ontem a Folha de São Paulo revelou que a Rede Globo ficou fora de uma verba oficial de publicidade. Para encerrar, como costuma dizer um amigo, minhoca esperta não atravessa o galinheiro.

Contratos públicos
Seu Corvo, você viu isso? Os vereadores estão fazendo um mutirão para fiscalizar os contratos feitos pelo município. Bem que podiam arranjar o que fazer. Depois as obras não acontecem e é o prefeito que apanha. 
Sueli VG Silva

O Corvo responde: prezada, os legisladores estão cumprindo o seu papel. Ao fiscalizarem os contratos realizados pelo município, fazem a lição de casa. São eleitos para isso e para a criação de leis que aperfeiçoem a carta magna iguaçuense. Nem precisam encontrar mais o que fazer, como escreveu; se fizerem isso, estará de bom tamanho. No mais, se a prefeitura realiza os contratos corretamente nada tem a temer. Fiscalizar é o papel do vereador. 

Pelo em ovo
Uma coisa é fiscalizar, outra é embirrar em razão de ciumeira oposicionista. Vereador que trava o desenvolvimento e as benfeitorias públicas por causa de politicagem acaba indo embora para casa mais cedo, porque a população não dorme de touca faz tempo. 

Rodovias paranaenses
Prezado Corvo, li atentamente a matéria sobre a pressão que a bancada paranaense em Brasília faz sobre as rodovias, concessões e preço dos pedágios. Quem tiver o prazer de se locomover num estado como São Paulo verá que outro mundo há em matéria de estradas, quase todas duplicadas e bem conservadas. Há cobrança de pedágio, mas nenhum deles é tão caro quanto o que é cobrado no Paraná. E veja se os paulistas reclamam! Querem mais boas estradas e pagam o preço. 
Marcílio Randolfo (caminhoneiro)

O Corvo responde: prezado, sem comparação, São Paulo é um país dentro de outro. É um estado muito rico e talvez tenha chegado a esse patamar em razão da preocupação com as estradas. O que a bancada paranaense em Brasília faz é simplesmente cobrar o que deve ser cobrado, exigindo respeito aos usuários. As estradas estaduais estão péssimas; e as federais, impossíveis de usar em razão do preço e da raiva que os usuários sentem em não contar com duplicação. O Paraná não possui uma única estrada no sentido Leste-Oeste totalmente duplicada, algo que é muito ruim para o desenvolvimento, escoamento de safra e falta de segurança aos motoristas. É uma vergonha! Apenas uma reparação: há pedágios em São Paulo que são caros também, como é o caso das estradas Anhanguera, Castelo Branco e Bandeirantes. Cobram até R$ 24 em algumas praças.    

Uber 
Corvo, eu achei que o Uber e outros aplicativos existiam para ajudar na mobilidade, mas de um tempo para cá parece que estão escolhendo muito as corridas. Ontem eu precisei esperar cinco veículos e quando chegavam ao meio do caminho desviavam a rota ou desistiam do atendimento. O que acontece, hein? Isso é possível? Para mim é uma falta de respeito! Essa gente está esculhambando o serviço de táxi e até mesmo a área de turismo. Aqui vão os meus protestos.
Maria Aparecida Vargas (aposentada)

O Corvo responde: é simples, toda a vez que o usuário solicita um veículo, há identificações no aplicativo. Lá consta a placa, marca do veículo e nome do motorista, horário e tudo o mais. É algo muito completo. Há também espaços para as pessoas relatarem os problemas. Reclame, que os aplicativos saberão o que acontece e tomarão providências.   

Trânsito mata
Os acidentes de trânsito em Foz do Iguaçu causaram 19 mortes, além disso deixaram 585 feridos. O que assusta também é a quantidade de atendimentos: quase 2.300 em apenas um ano. As motos são responsáveis pelos casos mais graves. Certamente, entre os feridos, há muitas sequelas em razão do uso de veículos de duas rodas, e isso afeta a área hospitalar da cidade, do trauma à recuperação. Uma pena, porque a motocicleta é um veículo econômico, polui menos e de certa forma seguro; o trânsito que não é. 

Barbarizante
A Polícia Militar deve estar atenta aos abusos dos veículos que aterrorizam nas madrugadas com o volume de som acima do permitido. Esses caras de pau ainda param em esquinas residenciais e ficam fumando maconha e provocando a vizinhança. São inúmeros os casos de reclamações.    

É o fim da picada
O Corvo conferiu bem se a informação era fake, tamanha a imbecilidade. Um marqueteiro de nome Siddartha Chaibub ocupou a tribuna do evento "Terra Plana" para afirmar que a humanidade é manipulada pelos "globoloides". É como ele considera a comunidade científica internacional. Ele afirmou ter 99,9% de certeza de que o nosso planeta não é esférico, e sim plano, igual a uma pizza. Explica-se, segundo ele, sua investigação foi feita em redes sociais "do Brasil e de fora", onde ele tomou conhecimento de que as fotos da Terra feitas pela NASA não seriam reais, e sim montagens. As viagens espaciais realizadas pela humanidade seriam invencionice, produto dos estúdios cinematográficos. E o pior é que cerca de 400 pessoas desembolsaram entre R$ 80 e R$ 110 para ouvir o palestrante. Bom, no mínimo foi hilário.   

Saudade do Mário
O Mário Du Trevor Júnior, o nosso Marito, foi-se e deixou muita saudade, afinal de contas era muito enigmático; mais do que isso, era um sujeito cativante. O nome dele, como as suas facetas e o pleno conhecimento artístico, mais o dom de ser um ótimo violonista e seresteiro, ainda ronda a mente dos amigos e as mesas dos botecos. Mário é um ser "Saudoso", com o "S" maiúsculo. Um amigo confessou a este Corvo que às vezes esquece e vai ao quiosque na Avenida Brasil, esperando encontrar o Marito por lá, mas ao chegar cai na real. Pois bem, semana passada, durante um longo brinde aos saudosos de Foz do Iguaçu, ilustres figuras que marcaram uma época, o nome do Mário foi praticamente que aclamado por uma confraria e terá uma placa num estabelecimento muito conhecido. É bom saber que a sociedade se preocupa com essas importantes figuras. Este Corvo faria uma lista bem interessante dessas pessoas. 

"Coisas da vida"
Mário faleceu em 13 de julho de 2017. As "coisas da vida", como dizia, tirava de letra, mas não deu para driblar a doença. O filho, Jean Pierre, foi um herói. Aproveitamos para fazer uma correção, mesmo tanto tempo depois. A morte do Marito chocou amigos de todas as partes, até gente que vivia em outros continentes. Com a notícia, e na tentativa de confortar a família, na realidade o filho, cometemos um equívoco: desejamos pêsames a Elaine Verdia Oliveira, a Gaúcha, como conhecíamos. Na verdade, Marito não chegou a desfrutar um convívio com a mãe do Jean Pierre, não houve sequer um enlace ou algo que justificasse uma união estável. O jovem é que optou por viver com o pai e cuidá-lo. Elaine, por sua vez, dedicava-se a visitar o filho sempre que podia, pois residia em Pelotas. O tempo passou, mas julgamos necessária essa reparação, já que o Marito é sempre muito lembrado, com carinho e saudade!

 

Chico e a decoração

Depois de uma batalha vencida perante a opinião pública, com apoio de boa parte da população, que esperava pela primeira vez na história uma decoração natalina eficiente em Foz, o prefeito desistiu, afirmando temer a utilização do processo numa guerra oposicionista. Muita gente não entendeu. Se todas as ações do governo atenderem a isso, não haverá iniciativa que prospere. Pelo menos é o que as pessoas dizem. 

Cordões de luz
No máximo, Foz terá cordões de luzes enrolados nas árvores e enfeites em nada diferentes daquilo que a cidade está acostumada. E isso depois de um debate na Câmara, com a maioria aprovando remanejamento de verba para a decoração, visando a melhorar o movimento no comércio, gerar empregos e agradar aos visitantes. E tem mais, segundo Chico, nada havia de errado na licitação para aquisição dos enfeites. De fato, o Grinch foi mais eficiente que o Papai Noel.  

Lula à solta
Quem mora em São Bernardo do Campo não faz ideia do dia em que poderá dormir ou ver televisão sem barulho de carros de som, rojões e helicópteros rodeando o ex-presidente Lula por onde for. Até a tarde de domingo, ele fazia discurso a cada hora. Já perdeu a voz. 

Desmontagem
Ao contrário dos moradores do Grande ABC paulista, os servidores e policiais federais de Curitiba estão nas nuvens. Pensa o que são 580 dias ouvindo músicas, hinos e falas do Lula num palanque montado em frente à delegacia? 100% do efetivo usava protetores auriculares. "Agora parece um sonho", revelou um PF ao Corvo.   

2ª instância no Congresso
O ministro Dias Toffoli acredita que o Congresso Nacional irá apressar a reforma constitucional restabelecendo as prisões em segunda instância. O presidente Bolsonaro, ao que consta, não embarcou na canoa. Deve saber que o embate é uma incógnita e, ao mostrar a cara, corre o risco de derrota. Agora a leitura é simples: qualquer derrota de Bolsonaro fortalece Lula, e vice-versa. A política mudou de cara. Ambos, Lula e Bolsonaro, analisarão bem o ambiente antes de abaixarem para pegar o sabonete.  

Lula e Zé
Quem ouviu ou leu as declarações de Zé Dirceu não tinha lá muitas dúvidas sobre a provável união entre ele e Lula após a soltura. Isso vai ficar um pouco mais difícil de acontecer com vários outros delatores, como o caso de Antônio Palocci. Mas não vai demorar, a "petezada" estará unida de novo.    

Lula e os livros
Pela lista de livros que teriam entrado no quarto do ex-presidente, nos 580 dias de cárcere na PF, Lula acessou pelo menos uns 30 títulos e, de certa forma, alguns bem interessantes; uma média de leitura de um livro a cada 19 dias. Se não leu apenas os prefácios, orelhas e contracapas, ele pode ter se convertido num homem um tanto filosófico. Uma pesquisa científica garante que presos que se entregam à leitura saem mais arejados para encarar a vida exterior. 

Bolsa & Dólar
A soltura de Lula balançou as Bolsas de Valores e mexeu com a cabeça dos comerciantes paraguaios em CDE. O dólar escalou a planilha de altas e quase estragou a festa de promoções dos vizinhos.  

Imprensa internacional
O Corvo teve o capricho de ler as notícias dos principais jornais em todos os continentes. Graças ao milagre da tradução, é possível entender até o que os húngaros escreveram. As opiniões se dividem. Uns tratam a prisão como "política", outros falam em bagunça na luta contra a corrupção. Não vamos longe, os brasileiros também pensam da mesma maneira. 

O mais amado e odiado
Entre todas as facções políticas, partidos, prós e contras, uma figura obteve um lugar no topo do cadafalso, e é para onde foi parar o ministro Dias Toffoli. O grosso da população não entende a discussão na corte e ao que ela precede. Por esse aspecto, a soltura de Lula roubou a cena.  
 
"Serginho"
E o ministro Sergio Moro saiu faceiro de Foz, fazendo elogios a todos os que encontrava, assim que chegou a Brasília. Durante a considerada "longa estada", para um ministro da República em uma cidade, já o estavam sendo chamado de "Serginho". Uma pessoa se folgou tanto que largou um "mano" no meio de uma conversa. Que barbaridade!  

Descanso em Foz
Quando o ministro foi embora, algumas pessoas colocaram os pés em bacias de salmoura, esperando aliviar o cansaço e os calos que se formaram acompanhando o ministro. Aos que se dedicam às autoridades, uma notícia foi alvissareira no final de semana: o presidente Bolsonaro teria escolhido Foz para um período de descanso de uma semana! Deve acontecer em janeiro ou fevereiro de 2020. 

Restrição aos veículos
Corvo, penso que o trânsito de caminhões na Avenida das Cataratas deve ser bem mais restrito. Em minha opinião isso poderia acontecer nas madrugadas. Durante o dia, eles permanecem em áreas destinadas no Paraguai e Argentina, cruzando a fronteira após a meia-noite. Por que não fazem isso? 
Reginaldo Lauro 

O Corvo responde: prezado, será que isso iria dar certo? E como ficaria o trânsito de visitantes às cidades vizinhas aos atrativos noturnos? Segundo informaram a este colunista, logo teremos boas-novas sobre as obras de Perimetral Leste, e esse tormento de caminhões passando pelo centro da cidade deve diminuir. Os novos horários foram estudados até serem deliberados. 

Bomba de flit
Corvo, apesar dos inseticidas do tipo spray, eu nunca abandonei a minha velha e boa bombinha de flit, que já deve possuir uns 30 anos. No máximo troquei o reparo. Com isso, ajudo a preservar a camada de ozônio, que é destruída com os gases emitidos pelos aerossóis. 
Mário GB Ramires

O Corvo responde: há pessoas que não abandonam os hábitos. Mas ao cuidar da camada de ozônio, o que o planeta agradece, o senhor também se expõe ao manipular os inseticidas, muitos dos quais não possuem a mesma mistura que há nos tubos de spray. Cuidado

Mais borboletas
Seu Corvo, é maravilhosa a foto da borboleta na capa da edição de sexta-feira. E é verdade, Foz fica linda na primavera. Na minha casa, então, tem-se a impressão de estar num borboletário. Mas, Corvo, acredite, minha vizinha pensa que as borboletas são nocivas e passa veneno para afastá-las. Disse que elas viram taturanas e comem suas flores. 
Márcia JH Silva

O Corvo responde: prezada, converse com a sua vizinha e explique o ciclo das borboletas, pois é ao contrário do que ela pensa. Começa com ovo, depois larva ou lagarta, pupa e finalmente surge a borboleta adulta.

Muita coisa
O domingo foi dos mais agitados em Foz. Prova do ENEM, Cataratas Day, Papai Noel chegando ao mesmo tempo em vários locais, feira de crianças, enfim, uma correria que só, o dia todo. Os shoppings estavam lotados. Destaque para o túnel de luz do Catuaí Palladium. Em certo momento, havia mais gente embaixo dos arcos do que propriamente nas lojas.

 

Na Corte Suprema..

Não se fala em outra coisa, a não ser no entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre as prisões em segunda instância. Conforme explicou o presidente Dias Toffoli, ao justificar o voto minerva, isso foi apenas um ajuste constitucional. O caso é que petistas queimaram fogos em várias regiões do país, inclusive ao lado da corte. Prisão agora só depois do processo transitado em julgado, mas é um equívoco acreditar que os juízes sairão soltando presidiários. Lula é o alvo das atenções.

O jogo dos dentes
O Corvo amanheceu filosófico e, de certa forma, precisa atender os leitores, também filosofantes, sobretudo aos finais semana. Corvo acredita que o destino é uma caixa de engrenagens. As grandes vão encaixando-se nas menores, e no acerto entre as concavidades, num dente e outro, na rotação e torque, há um resultado. Mas no comparativo, será que nessa precisão é possível dimensionar que o ministro Toffoli foi encaixado num eixo, até produzir o resultado da última quinta-feira? 

O dono da caixa
Bom, vamos raciocinar: Lula montou parte da caixa, ajustou os pinos e as engrenagens. Deve ter pensado no futuro, seus sobressaltos e riscos. E a peça que ele mais lapidou é quem acabou provendo o resultado, ou seja, o destino lhe foi favorável, porque soube arquitetar uma saída em cada buraco. Há quem imagine o risco de uma enorme bagunça no país, e em curto prazo.  

Trajetória
Explicando: tudo pode não ultrapassar o campo das coincidências e suas casualidades, mas muita gente raciocina com o fato de Dias Toffoli "existir" no STF pelas mãos do ex-presidente Lula. Foi, sim, uma trajetória meteórica, mais ligeira que foguete russo. Toffoli se formou em 1990 e iniciou na advocacia em 1991.

Atividades fundamentadas
O jovem advogado Toffoli foi consultor da Central Única dos Trabalhadores entre 1993 e 1994; assessor parlamentar na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo em 1994; e, no ano seguinte, assessor jurídico da liderança do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados por um bom tempo, de 1995 a 2000. Depois disso, atuou como advogado em três campanhas presidenciais de Lula, nas eleições de 1998, 2002 e 2006. Foi subchefe para assuntos jurídicos da Casa Civil da Presidência da República de 2003 a 2005. Em 2007, foi indicado pelo então presidente Lula para o cargo de advogado-geral da União; e finalmente, em 2009, indicado pelo mesmo presidente ao cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal. É impossível deixar de pensar na tal caixa de engrenagens ou em criadores e criaturas. Mas isso em nada deve diminuir a capacidade de julgamento de um magistrado.   

Ele julgou
Toffoli, em suas justificativas, disse que seu voto estaria de acordo com o pensamento do Parlamento, que representa a sociedade. Sendo assim, ele se alinhou ao Legislativo. A República procede a independência dos poderes, e nesse caso o Judiciário parece que preferiu a contramão. 

Recado
Grotescamente analisando a situação, os ânimos, as dormências e os rancores, há de se pensar que o resultado da votação no STF é um troco ameaçador nas recentes alusões à quebra das liberdades constituídas. A decisão, enfim, acende uma chama aos que não concordam com os rumos do atual governo, e isso seria uma intenção de contrabalancear o coreto? Ou é para bagunçá-lo de vez? A ministra Carmem Lúcia, mesmo votando pela manutenção da prisão em segunda instância, abordou essa possibilidade, fez a "moraleja" por meio de palavras diretas, sem suavidade. É de fato algo bom para se pensar no final de semana. Todo brasileiro acreditava na "independência" do Judiciário, e não num instrumento em favor daquilo que pensa a massa de deputados e senadores, muitos dos quais envolvidos em investigações federais. Já deu pro gasto. Vamos mudar de assunto.   

Não há lugar melhor
O Centro Integrado de Operações de Fronteira é instalado no local certo. Não encontrariam outra estrutura mais adequada. A área de Itaipu já possui muitos equipamentos de monitoramento, inclusive um radar capaz de rastrear toda a superfície do lago, o mesmo utilizado nos porta-aviões norte-americanos. Provavelmente consegue detectar até os submarinos cheios de muamba. Muita gente não sabe disso, por tratar-se de um setor muito restrito. As instalações de lá já se configuram num Fusion Center. 

Grande Felipe!
A vida do empresário Felipe Gonzalez se confunde com a história do setor de turismo em Foz e no Paraná. Certamente ele dedica muito mais de 80% da sua existência ao setor, porque começou a trabalhar muito jovem. Agora ele enfrenta um novo desafio, o Visit Iguassu, provavelmente a ferramenta mais poderosa da cidade para fazer a máquina andar, com muitos projetos em riste para atrair negócios e visitantes. A instituição está em boas mãos.   

Fiscalização
O TC, ou Tribunal de Contas, está fiscalizando várias obras em Foz do Iguaçu, como este jornal já publicou, inclusive. Estão medindo a espessura do asfalto. Contaram para o Corvo que bastou uma marteladinha de nada e foi suficiente para vazar até água! Vai ver, acharam um cano da Sanepar. Nem tanto, este colunista às vezes abusa da força de expressão, mas que cascas de ovos são mais resistentes, isso é fato. 

Novo inseticida 
Este colunista ornitológico furou todo mundo no assunto da falta de inseticidas para os fumacês em Foz neste ano, no importante combate ao mosquito medonho da dengue. E é em situações assim que fala mais alto a inteligência. Técnicos do CCZ estudam e desenvolvem um novo produto capaz de nocautear o mosquito antes de ele derrubar a gente. Segundo revelado, os primeiros testes foram muito satisfatórios. Se der certo, a cidade poderá "exportar" o experimento, isso se a Anvisa não colocar pelo em ovo. A fórmula criada em Foz é em nada perigosa para os humanos e utiliza elementos naturais. Com resultados satisfatórios, bom mesmo seria distribuí-la para a sociedade fazer o serviço de borrifar em casa. As boas e eficientes bombas de "flit" voltarão à ativa! A mãe do Corvo deve ter uma igualzinha à da foto, guardada embaixo da escada da despensa. 
 

Gramado sempre em pauta
Como este Corvo lembrou ontem, a cidade de Gramado sempre faz parte das discussões do Natal em Foz, e não foi diferente quando debateram o remanejamento para a decoração de Natal na Câmara de Vereadores. O Corvo deu de ler o histórico, para não cometer injustiças, afinal o assunto foi acalorado em plenário. O vereador Rogério Quadros argumentou que o remanejamento em discussão era uma simples questão de investimento, pois Gramado destinou R$ 25 milhões para o Natal neste ano, e diante ao exposto na discussão a cidade deveria começar a pensar num evento natalino de grande porte, "sendo Foz um importante destino turístico", completou. Elizeu Liberato, por sua vez, disse estar convencido sobre a aplicação dos recursos.

Debate em plenário
Sobre o tema, Anice Gazzaoui pensou em pedir vistas, mas desistiu porque poderia atrapalhar o cronograma. Nanci Rafagnin Andreola, que faz parte da Comissão de Turismo, pediu aceleração no processo, pela necessidade de realizarem em tempo as licitações. Fertrin, em agosto, já se mostrou contrário e disse: "Nós apostamos naquilo que seja promissor e um investimento para a cidade, mas também é muito claro que devemos avaliar cada passo que damos. Por que não se aplica a sobra das pastas em saúde, educação e sinalização viária"? Já Luiz Queiroga (que também está na linha da oposição) considerou os benefícios da festa em Gramado, pontuando que representa grande parte do PIB do município. Ele concordou que o projeto era viável economicamente e que poderia atrair verbas, atrativos, embelezaria a cidade e aumentaria a contratação de pessoas no comércio. Pensou com a cabeça. O projeto foi aprovado em primeira e segunda discussões com votos contrários dos vereadores Anice, Celino Fertrin, Darci DRM e Edílio Dall’Agnol. Logo, Juca e sua equipe, na Fundação Cultural, estão cobertos pela lei e amparados por maioria expressiva na Câmara. Celino esperneia porque isso faz parte do jogo. O assunto da decoração natalina de Foz continua na pauta de discussões populares. 

 

Lição de casa
Nosso diretor Darley Carneiro estava caminhando pela Avenida Brasil e se deparou com algo inusitado. Alguém estacionou em vaga para deficientes, provavelmente irregularmente. Não demorou, colaram um papel no vidro da porta do motorista com o seguinte conteúdo: "Você estacionou em uma vaga para deficiente físico, sem o cartão de identificação exigido. Se você acompanha um, providencie a identificação. Agora, se não se enquadra no caso acima, tenha mais respeito, educação e vergonha na cara". O infrator deve ter passado um carão, e benfeito! 

 

Muitas atividades

O ministro Sérgio Moro, pelo visto, só está conseguindo respirar a cada cinco minutos, em Foz, tamanha a agenda de compromissos e o corre para tantos lugares. A vantagem é que certamente ele voltará para Brasília uns cinco quilos mais gordinho, haja almoços e jantares, lanchinhos, coquetéis, afinal a Terra das Cataratas gosta de tratar bem os visitantes ilustres.

Decoração
Prezado Corvo, nos vemos agora nesse impasse. Foram raros os investimentos em decoração natalina da história da cidade, ou por falta de dinheiro, ou pelo simples não interesse das autoridades, por acreditarem que isso é uma responsabilidade do comércio e cidadãos. Quando a prefeitura, por meio da Fundação Cultural, resolve iniciar um trabalho e que, sabemos, possui custos, surge essa confusão de acharem o preço dos adereços caros. Mas será que são caros mesmo? Se no conjunto o gasto é inferior ao do ano passado, qual o problema? Tudo bem, o papel de vereador é questionar, mas é necessário pensar no custo-benefício de certas coisas. Uma cidade bem iluminada melhora o comércio, ajuda a gerar postos de trabalho em época tão especial, nos dá estímulo e encanta os visitantes. O senhor está certo, Foz não deve se preocupar e ficar igual a Gramado no Natal; e fazer o mínimo, como estão fazendo, não é pecado. 
Marcia Gouveia de Albuquerque

O Corvo responde: prezada leitora, os questionamentos surgiram diante dos preços de alguns adereços, como é o caso de uma árvore de Natal de 28 metros, que será instalada na Praça da Paz, bem como o aluguel para a casinha do Papai Noel, em torno de R$ 1.000 por dia. No mais, é preciso pensar que a decoração abrange várias avenidas e entradas dos bairros. 

Questão cultural
Foz não possui essa cultura de investimento em Natal, mas isso faz parte do orçamento, portanto foi analisado quando o assunto entrou em discussão no ano passado. E ao longo deste ano a Câmara votou um remanejamento de verba, cedida pela Secretaria de Turismo. Neste momento, por exemplo, estão analisando as medidas orçamentárias para o ano que vem e bem que poderiam pensar um pouco mais no assunto. O orçamento da Fundação Cultural é muito enxuto, resume-se em pagamento de pessoal e o estrito calendário de eventos oficiais, como carnaval, aniversário do município e Natal. As raspas de tacho e as parcerias são o que conseguem realizar as demais atividades. Ao que parece a população apoia a ideia de decorar a cidade à espera do Papai Noel. 

Medidas
O presidente da Fundação Cultural, Juca Rodrigues, está negociando preços mais ajustados com os fornecedores. Ajustados porque, para serem reduzidos, necessitarão diminuir os enfeites, ou seja, a árvore de 28 metros terá 18, a casinha do Papai Noel receberá menos bolas de Natal, o bom velhinho encurtará o tempo de visita, e os pinheiros na entrada dos bairros terão menos cordões de luz. 

Celino e as lâmpadas 
Francamente, o que será que o vereador Celino Fertrin tem contra lâmpadas e iluminação? Primeiro armou um barraco no projeto das lâmpadas de LED, tanto que o assunto se converteu em CPI; agora está encrencando com a decoração de Natal? Dá um tempo! Desse jeito, está transformando-se no "Grinch" natalino iguaçuense! Ao que parece, ele encara a utilização do dinheiro público por outro prisma, o que é um direito dele, ou no mínimo não é chegado ao Natal, porque já votou contra o remanejamento para a decoração. 

 

Origem
Acontece que o dinheiro remanejado, em torno de R$ 1 milhão, que veio do turismo, não saiu de setores vitais como saúde, educação, assistência social, e sim visa a incrementar a boa imagem da cidade em período tão interessante. Isso está cheirando a intriga política, porque a decoração agrada à população e ao comércio, fonte geradora de muitos postos de trabalho nesta época do ano. É chato imaginar que, por causa de rusgas políticas, até o Natal entra na alça de mira. 
 

Importante
A Câmara Municipal desempenhou um papel importante nesse processo, com ou sem a aprovação do ilustre Celino e os contrários às ações do governo. Na época, informaram sobre debate na sessão extraordinária, quando aprovaram o remanejamento (PL 108/2019) no valor R$ 1 milhão para o Natal de Foz do Iguaçu. O argumento foi o de impulsionar o turismo e o comércio. Na discussão, concordaram que a estrutura deveria ser montada na Praça da Paz, como aconteceu em 2018, causando a circulação na região de três mil a cinco mil pessoas.

Aprovação
O projeto foi aprovado em primeira e segunda discussões com votos contrários dos vereadores Anice, Celino Fertrin, Darci DRM e Edílio Dall’Agnol. Logo, Juca e sua equipe estão cobertos pela lei e amparados por maioria expressiva na Câmara. Celino esperneia porque isso faz parte do jogo. 

 

Conquista
A inauguração do EducationUSA, um escritório oficial do governo dos Estados Unidos, e que consolidou o projeto de internacionalização da UDC, crava um marco importante em Foz e com um olhar muito particular deste articulista quando o assunto é obstinação, cumprimento de metas e foco no trabalho, porque isso junto é o nome que se dá à formula para a realização de sonhos. Para quem conheceu o espaço do Xodó da Vovó, na Rua Rebouças, onde tudo começou, com apenas 36 alunos, e hoje vê o complexo educacional ocupando algumas quadras, no eixo de várias ruas no centro da cidade, aprende uma lição: tudo é possível quando há força de vontade e busca pelos objetivos. A família Prado merece todos os aplausos! 

"Família"
Essa palavra, sim, tem um significado muito abrangente para os Prados. Família é a base de tudo. Este Corvo, incógnito, como sempre, acompanhou o desenlace da faixa que abriu as portas do EducationUSA. Lá estava quase toda a família e, ao centro da cerimônia, a professora Rosicler com os netinhos João Augusto e José Felipe, um em cada lado, com a faixa nas mãos. A propósito, o João Augusto comemorava 6 aninhos na data (quarta 6/11). O papai Fábio, para variar derretendo-se em orgulho, mas ele merece. Cabe aqui o comentário: logo chegará o Marco Antônio. Pensa o trabalhão para a mamãe Pryscilla ao cuidar de quatro homens ávidos por realizar boas ideias! Aqui também vai um abraço para o Rodrigo Prado e os seus. 
 


Visita
Na tarde da última terça (5), o diretor-superintendente do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), Fernando Cossa, fez uma visita especial ao diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general Joaquim Silva e Luna, para entregar um exemplar do livro Uma trajetória de cuidados — 40 anos salvando vidas. A obra — que celebra os 40 anos da instituição, completados em julho, e os 25 da Fundação de Saúde Itaiguapy, administradora da unidade hospitalar, comemorados no dia 26 de outubro — apresenta um pouco da história da instituição, dos bastidores e do trabalho de todos os profissionais que contribuem para promover a saúde e cuidar das pessoas, valorizando e salvando vidas. "Nosso muito obrigado à sensibilidade e à confiança da diretoria da Itaipu Binacional em investir na ampliação de nosso hospital. Isso nos impulsiona para enfrentar nossos desafios e estruturar nosso complexo hospitalar para cuidar da nossa gente, proporcionando a melhor experiência num ambiente de inovação e excelência", ressaltou Fernando.