No Bico do Corvo
No Bico do Corvo
​​​​​​​Cartas

Vira e mexe alguém pergunta: "Corvo, você recebe cartas mesmo? Deve ser freguês dos Correios"! Acontece que o Corvo interpreta a palavra "cartas" para todos os tipos de comunicação que chegam ao colunista, seja via e-mails, redes sociais, bilhetes deixados na recepção e também o que é transcrito por meio de telefonemas. O importante é o autor identificar-se e, caso não queira, terá pelo menos as iniciais ao final da nota. Explicado o que são as "cartas" para o Corvo, todas absolutamente respondidas pelo colunista, vamos ao que foi acumulando-se nos últimos dias. 

Primeira semana
Corvo, obrigado pelas suas palavras de otimismo, mas convenha que é complicado acreditar no futuro com um Donald Trump mandando mísseis em cima dos outros. Quem é o terrorista, afinal: o general iraniano ou o presidente dos Estados Unidos?
Josimar Fernando Costa

Defendendo-se
Pois bem, seu Corvo, o mundo diz que Donald Trump foi irresponsável ao ordenar a morte do general iraniano, mas será que ele não se defendeu? Segundo consta, o morto era um terrorista que estava tramando vários ataques aos cidadãos norte-americanos. Se fosse você, passarinho, o que faria?
Lauro Mariano
 
O Corvo responde:
Qassim Suleimani era considerado um inimigo dos Estados Unidos. Ele, miliciano convicto, admitiu ser o autor de vários ataques a bases e instalações norte-americanas. Segundo a imprensa internacional, a inteligência dos EUA e de aliados descobriu que havia vários planos de ataques em articulação, e por isso resolveram cortar a cabeça da serpente. Quanto ao Corvo, se agiria assim ou não, não há resposta, porque a premissa deste colunista é não fazer inimigos, dessa maneira nem precisa pensar nisso. Agora, os americanos e seus aliados que se preparem, porque os iranianos anunciaram "vingança".
 

Pitaco
Muita gente tremia em razão de alguma declaração do presidente Bolsonaro em apoio ao amigo Donald Trump. Na verdade, o norte-americano tem se comportado mais como um "amigo da onça" do que outra coisa. Só acredita naquilo que é bom para ele, e o nosso presidente já deve ter captado essa mensagem. 

2020
Corvo, eu acredito que o Brasil tem tudo para dar a volta neste ano. O povo brasileiro já está descolado o suficiente para lidar com economia e ajudar o país avançar. O que falta é o governo diminuir a carga tributária em muitos produtos, como é o caso da gasolina — mais imposto que combustível. Nada afunda este país. Possui tudo e uma força de trabalho sem igual e muitas riquezas. O que falta é administrar.
Sílvio Lima

O Corvo responde: prezado, falar em cortar os impostos dos combustíveis é algo muito prudente, mas pelo momento, ao que sabemos, o Planalto estuda é um aumento, em razão da crise entre Estados Unidos e Irã. Deus nos ajude! E é verdade, a força de trabalho do brasileiro é exemplar.   

O "nosso" Chico
Corvo, se me perguntarem, eu digo que o governo do Chico Brasileiro foi bom, e digo isso usando os seus argumentos. Olha como o homem pegou a cidade? As instituições estavam devastadas, e o mais importante é o que ninguém vê: devolver a credibilidade entre fornecedores, prestadores de serviço e órgãos que provêm recursos. Resta saber quem serão os outros candidatos.
Maurício Fernandes

Eleições
Prezado Corvo, ouviremos muito falar nisso este ano. Os políticos já estão nos salões de beleza, ajeitando o cabelo, fazendo implante e pintando as unhas, afinal de contas vão começar os apertos de mão e as visitas. Esses dias fui visitado por um vereador, e o homem estava tão cheiroso que o perfume grudou nas paredes de casa e nem lavando saiu. Impregnou. Essa gente se acha. Político não nos impressiona mais, nem tomando banho em perfume da feirinha.  
Júlio Saraiva

O Corvo responde aos leitores: prezados, ano político é assim mesmo. Cada um vai se virar do jeito que puder. Mas o Corvo manda um recado: se os políticos pensam que a população está desantenada, serão pegos de surpresa. As famílias estão falando mais em política; os jovens também. Quem entrar na disputa que se prepare. 

Preocupação
O Corvo notou que muitos políticos estão preocupados com os adversários, quando o assunto é performance eleitoral. Deveriam preocupar-se mais com a população, porque enfrentarão conversas muito mais duras com os eleitores, do que com os opostos, nos debates de televisão. Na rua o tema é levado olho no olho.  

Trânsito
As estradas brasileiras são uma tragédia. Você, Corvo, comentou sobre a BR-277 e as faixas de ultrapassagem, mas já prestou a atenção naquele trecho de aldeamento indígena que há perto de Laranjeiras? Os índios cambaleiam bêbados, alguns caem no meio da pista e são atropelados. Há casos em que praticamente se jogam embaixo dos veículos, e pobre de quem acabar tirando a vida de um índio. Quem passa por lá pode notar a quantidade de coroas de flores nos dois lados da BR. A polícia deveria cuidar mais daquele trecho. 
Fabiana Riberti Lago

O Corvo responde: prezada, se os motoristas forem mais prudentes e trafegarem respeitado a velocidade, os transeuntes, indígenas ou não, estarão em segurança. Provavelmente há mais embriagados pelas ruas das cidades do que os nativos na BR-277. Motorista veloz e pedestre bêbado formam uma mistura sinistra e que nunca acaba bem. Duro será fazer os índios pararem de beber, logo é melhor tirar o pé do acelerador. 

Movimento
Corvo, eu adoro ver a minha cidade cheia de turistas, indo e vindo, entrando nas lojas e restaurantes. Pensa, isso era um sonho antigo de muitos moradores. Eu me lembro do tempo que morria de inveja de Puerto Iguazú, onde imagens assim são comuns. Mas você sabia, seu Corvo, que tem gente que não gosta disso? Outro dia vi um dono de bar afugentando turistas. Que situação, hein?
Hélio Roberts

O Corvo responde: prezado, quem faz isso deve estar ruim da cabeça ou doente do pé. Visitantes e turistas ajudam a movimentar a economia e, com isso, geram muitas divisas, garantindo empregos para milhares de pessoas. Foz é uma cidade que precisa aprender a tratar melhor os turistas. 

Nossos sonhos
Prezado colunista cheio de plumas e penugens, tomara que muitos de nossos sonhos de fato se realizem, como é o caso de darem jeito de desviar o trânsito de caminhões do eixo turístico e centro da cidade. Outro dia havia mais um caminhão quebrado e óleo diesel se espalhando, bem em frente ao shopping, na Avenida das Cataratas. Isso é um transtorno. Pensa fazerem uma ponte nova, e o trânsito dobrar ou triplicar no local?
Manoel Silva

O Corvo responde: prezado Manolo, segundo sabemos, a Perimetral Leste está para sair do papel e deverá estar concluída antes do final das obras da segunda ponte com o Paraguai. Mas será necessário mudar também a Eadi, do contrário as cargas pesadas continuarão a ocupar as ruas do centro e, como mencionou, o eixo turístico. A perimetral concluída antes da ponte terá um bom teste com os caminhões que entram pela Argentina.  

Assaltos
Corvo, não há nada mais decepcionante do que ouvir falar que uma van de turistas ou visitantes foi assaltada em algum lugar da cidade. Isso é a pior de todas as propagandas. É o tipo de situação que joga pra baixo muitos investimentos em divulgação da cidade. Essa situação de insegurança para os visitantes é algo que precisa ser resolvido.
João Lummes

O Corvo responde: prezado, você fez uma abordagem correta na relação investimento e retorno; a cidade se esforça para divulgar os atrativos, vende uma imagem positiva para atrair os turistas e, quando algo ruim acontece, há uma espécie de desmoronamento nas metas, porque isso se torna um problema e requer atenção máxima das autoridades. Uma pessoa reclamando é o suficiente para machucar tudo o que foi feito.


 

Ninguém merece

Início de ano com guerra; ataque com mísseis matando general iraniano, herói nacional... Hum, isso dá um arrepio no cangote e um frio na barriga. Seu Trump, seu Trump... será que uma ação assim vai livrá-lo do impeachment?

Retaliação
Uma investida dessa põe o mundo de plantão, porque é certo que haverá retaliação. Foram mexer logo no cacho de abelhas das mais perigosas, de gente obstinada e que estava quietinha no seu canto. Aos olhos de muitos líderes mundiais, os Estados Unidos praticaram um ataque desastroso. 

Paz na Terra
Impressionante isso, é desta maneira que a face humana se revela. Um dia depois de mensagens de harmonia mundial, de discursos de combate à pobreza, redução da desigualdade, erradicação de armas, alguém aperta um botão e faz o contrário. 

Expectativa
E quem diria, o mundo estava bem feliz com a reativação dos negócios comerciais entre China e Estados Unidos. As bolsas estavam reagindo em alta e havia grande esperança de ver o fim de uma crise. Literalmente, uma esperança que durou bem pouco.  

Quem leva a pior?
O ataque norte-americano vai causar sofrimento nos aliados próximos ao Irã, a começar por Israel, que mantém o Exército em alerta máximo. A crise já dividiu o mundo de novo; russos e coreanos do norte estão soltando fumaça pelas ventas. Tomara que isso passe rápido, mas os prognósticos não são dos melhores, infelizmente. Foi um balde de gelo na cabeça dos otimistas. 

Alta
Como o Irã produz petróleo, essa crise deve botar terror no preço da gasolina; e, no fim da linha, isso sempre acerta em cheio o bolso dos brasileiros. Era o que faltava para começar o ano. 

Recordes
Vamos deixar a maldade de lado e trabalhar o lado das coisas boas. Foz viveu uma sequência de recordes nesta virada do ano. Dois milhões de visitantes no PNI, um milhão em Itaipu, superação dos números no Parque das Aves... Todos os atrativos ganham movimento extra em comparação aos anos anteriores. 

O Parque das Aves
Por pouco o atrativo não supera a casa do "milhão" de visitantes em 2019. Fechou o ano faltando pouco menos de 70 mil pessoas passando pelas bilheterias. Enfim, foi um ano auspicioso para todos na área do turismo e lazer.  

3,6 milhões 
A felicidade reina nos parques nacionais do Brasil e Argentina. A soma dos visitantes que cruzaram os portões em 2019 é além de animadora. No Brasil a liberação do visto aos norte-americanos ajudou a fazer a diferença. A frase "Poor Niagara" foi a mais ouvida entre os visitantes nos dois lados da fronteira. 

500 ou 1.000?
A nova cota de compras para os brasileiros no exterior deve, sim, aumentar — e muito — o movimento na área de fronteira; com isso, lucrarão os segmentos da hospedagem, lazer, gastronomia, traslados e transportes de mobilidade em geral. Até os taxistas, que andavam tristes com a invasão dos aplicativos, estão enxergando uma luz no túnel. Mas há ansiedade chovendo na área de negócios em CDE, e isso acontece em razão da possibilidade de mais um aumento. Segundo este Corvo apurou, o presidente Bolsonaro deve aumentar a cota para US$ 1.000, ainda nos três primeiros meses de 2020.  

Reclamações
Se todo o segmento do turismo anda soltando rojões, com ou sem ruído, parece que as coisas não andam tão bem no mundo do jogo fronteiriço. A onda de reclamações quanto ao cassino em Puerto Iguazú aumentou consideravelmente. O que será que acontece naquele, antes, próspero negócio? Mas isso por um lado é bom. Tudo indica que em breve os jogadores poderão divertir-se sem precisar atravessar a fronteira. 

Propagandas irregulares
Corvo, vi uma matéria na edição de ontem denunciando propagandas irregulares em Foz. Isso é verdade! Muitos comerciantes colocam faixas e placas nos canteiros públicos, o que, além da poluição visual, prejudica quem usa os espaços. Um dia desses deu um vendaval e um pedaço de pau da faixa acertou a cabeça do meu neto. Fui até a padaria que colocou a faixa e meti a boca no proprietário. Tem mais é que aplicarem multa em quem faz esse tipo de coisa.
Paula Jussara Villaça

O Corvo responde: isso parece ser um hábito em muitos negócios, sobretudo nos bairros da cidade. Há um caso em que a população se uniu para arrumar um canteiro; colocaram plantinhas, flores e até grama, e, no dia seguinte, o local tinha placa de farmácia, mercadinho, padaria... Um desastre total! As pessoas precisam respeitar os locais públicos. 

Boa grana
O Corvo falou em recordes e deixou de mencionar o volume orçamentário que será administrado pelo Chico Brasileiro e camaradas de governo. Ops, vamos trocar o termo "camaradas" por "companheiros". Também não dá; "parceiros" se ajusta melhor. Não, não, não... é melhor colaboradores. "Camarada" é coisa de comunista, algo que o Chico não é mais; "companheiros" lembra o PT e o seu bando; "parceiros" pode ter outra conotação com que o prefeito não simpatize; portanto "colaboradores" tem mais serventia quando o assunto é público. Entre umas e outras, R$ 1,2 bilhão é uma grana considerável para trabalhar a coisa pública em 2020. A saúde leva R$ 315 milhões. Nilton terá boas chances de acertar a casa, isso se não resolver sair antes para ser candidato. 

Reforma
Chico deve anunciar a reforma perto do final da próxima semana. Depois ele vai tirar uns dias de relax, enquanto o circo pega fogo. Segundo informaram ao Corvo, ele deve fazer de seis a oito substituições. Já tem gente folgando o colarinho esperando a guilhotina. 

Nas estradas
Corvo, dei um pulinho no litoral para dar uma salgada no couro. Foi uma boa aventura, descontando o que vi e os sustos que levei nas estradas. Até chegar a Curitiba a gente vive muito perigosamente. A primeira pista extra, ou terceira faixa, aparece lá pelas bandas de Laranjeiras do Sul, o que é uma desfaçatez, considerando o que pagamos no pedágio — que, apesar da redução, ainda custa os olhos da cara. Por causa disso, era um tal de ultrapassarem em faixa proibida. Vi dois acidentes durante o percurso, sendo que um foi grave. Corvo, essa gente não tem jeito. Colocam a vida em risco e também a de gente que faz tudo certo ao dirigir. 
Mário Sandoval Peçanha

O Corvo responde: é difícil descrever a mutação humana quando se põe as mãos no volante. Uns sentem medo, outros se tornam responsáveis, mas há os que se sentem imortais, homens de ferro, acima das leis e de tudo. O Corvo também fica muito impressionado com o que aprontam pelas estradas, onde os limites de velocidade parecem que não existem. Como pode, a gente conduz um veículo a 110 km/h e é ultrapassado por outros que desaparecem em segundos. E se um pneu furar? E se alguém se perder na faixa contrária? E se um animal atravessar a pista? São muitas as possibilidades de algo dar errado. 

Yamandu
O violonista visitará Foz e, claro, atrairá uma legião de apreciadores de sua magistral arte. Todos os assentos e espaços disponíveis para uma apresentação entre amigos estão ocupados, com 15 dias de antecedência. Os curadores de "A Casa" estão organizando uma fila, caso alguém desista de prestigiar a apresentação entre amigos. Mas tudo indica que será difícil surgir um espaço, porque tem gente viajando de longe para aplaudir o Yamandu Costa.


 

Dois milhões

Seu Corvo, há  décadas acompanho o que discutem sobre o turismo de Foz. Hoje estou aposentado e moro na cidade com minha filha, mas fui gerente de hotel durante 35 anos em Salvador. Veja, ouvi dizerem que o recorde de visitantes no parque está por cair; finalmente alcançaremos  os dois milhões! Quer saber, estou feliz, pois já  me sinto um iguaçuense, mas é  muito pouco. O local mereceria receber uns cinco ou seis milhões de turistas ao ano. Sei que vão chegar lá, afinal merecem mais, isso é  incontestável. 
Randolfo Marques

O Corvo responde: prezado, a luta por receber mais turistas e se destacar como merece no mapa tem sido uma constante em Foz do Iguaçu. Não há  dúvidas de que as marcas serão  quebradas, porque o mundo está interessado em conhecer esta bela região,  mas devemos ter em mente que há  muitos fatores relacionados a esse sucesso, e um deles é a estrutura para receber as pessoas no PNI. Desde que abriram concessão, a visitação  deu um salto. Com a privatização, então,  deve haver um aumento considerável.

Organização 
Ainda sobre o assunto turismo, lá  pelos anos 80, quando alguém falava em dois milhões de pessoas ao ano, era chamado de louco, utópico, sonhador... Não  há  utopia, pelo contrário, arrumando a cidade, construindo hotéis,  gerando demanda de equipamentos e infraestrutura, tudo anda. E o mais importante é união e organização.  Depois que implantaram a gestão  integrada, Foz levantou, sacudiu a poeira e deu a volta por cima.

Bolada de R$ 300 milhões
Querido Corvo vidente, quais serão os números que serão sorteados na Mega-Sena da Virada? Se me informar, garanto ração vitalícia para o senhor não se preocupar mais em trabalhar pelo resto da vida. Obrigado!
Júnior José Esperança

O Corvo responde: caro colega, se o Corvo soubesse as seis dezenas que serão sorteadas, iria fazer uma aposta solo, sozinho, só minha. Rsrsrs! Brincadeiras à parte, será uma bolada de R$ 300 milhões que o vencedor, ou vencedores, levará no início da noite desta terça-feira (31). O concurso 2.220, que vai definir o novo milionário, ou os novos milionários do Brasil, será realizado no mesmo dia, às 20h.

Leva mesmo
Segundo a Caixa Econômica Federal, que é a responsável pela gestão das loterias, o prêmio da Mega-Sena da Virada não vai acumular. Se ninguém acertar as seis dezenas, os R$ 300 milhões serão divididos entre os acertadores da quina.

Flagrante
Corvo de Deus, vi nos grupos de zap zap ontem que um capitão do GAECO foi preso em flagrante recebendo dinheiro para não investigar um suspeito. Ele acabou denunciado ao Ministério Público, que o deteve em Curitiba com mais de R$ 20 mil em notas marcadas com consentimento das autoridades. Que coisa isso! E agora, seu Corvo?
Assinado Pássaro da Fronteira (por favor, não divulgue meu nome)

O Corvo responde: realmente, amigo pássaro, uma situação difícil de comentar, mas, se for comprovada a ilicitude, será lamentável ver alguém pago pelo povo, para proteger o povo, agindo contra os interesses do povo.

Haja paciência
Não é apenas a fila para chegar às Cataratas que tira um pouco a paciência dos turistas e moradores de Foz do Iguaçu. Para ir à Argentina, comer as famosas azeitonas na feirinha, é preciso muita disposição. Olha só, seu Corvo, fui com amigos no sábado e demoramos mais de duas horas e 30 minutos para cruzar a aduana. Por que isto sempre acontece nestes momentos em que estamos lotados? Parece perseguição.
Nathanael Souza

O Corvo responde: caro amigo, durante o ano, foram anunciadas medidas para agilizar este trânsito, o que acontece é que os funcionários da aduana da Argentina estão fazendo uma daquelas famosas "operações-tartaruga" para reivindicar direitos. É como acontece no Brasil quando servidores da Receita Federal entram em estado de greve. Para nossa infelicidade, e deles também porque deixam de faturar, isso ocorre no momento em que a cidade está cheia de turistas.

E as lojas francas?
Volta e meia me pego pensando nisto: por que, afinal, não temos ainda nossas lojas francas, como acontece no Rio Grande do Sul? Outro dia já mandei uma cartinha reclamando da atitude da Receita Federal, mas dá a impressão que é perseguição. Enquanto isso, os empresários amargam prejuízos e os trabalhadores ficam sem empregos. Poderia usar sua influência e destravar isso. Que tal, ave abelhuda?
Romão Meine Jr.

O Corvo responde: de fato, nobre colaborador, está difícil pensar em outra coisa, mas a burocracia criada pela Receita Federal está criando um caos para nossos empreendedores. Vamos orar para que o ano novo traga boas-novas.

Cuidado com o 20
Olha que coisa interessante está circulando nos grupos de zap zap, seu Corvo. Achei importante e seria bom todos prestarem atenção! Ao escrever a data em qualquer documento no ano que está por vir, 2020, nós deveremos escrever no formato completo. Ex.: 31/01/2020, e não 31/01/20, porque qualquer pessoa poderá alterar essa data entre 31/01/2000 até 31/01/2019; qualquer data entre esses anos, o que lhe for conveniente, o que poderá tornar o documento inválido. Tenham precaução quanto a isso. Não escrevam nem aceitem qualquer documento preenchido dessa maneira. Esse problema irá durar apenas no ano de 2020.
VMF (O leitor pediu para não ser identificado.)

O Corvo responde: de fato, muito interessante. Fica o alerta!

Gente como a gente
Dia 23 à noite, por volta das 21h30, o diretor-geral da Itaipu, general Silva e Luna, passeava pela Feirinha da JK com um menino (provavelmente neto) na maior tranquilidade, sem segurança nenhuma. Eu saboreava uma comida japonesa, e ele passou em direção à casinha do Papai Noel, onde deveria levar a criança. Pensei cá com meus botões: como pode uma pessoa tão importante, um general que chegou à chefia do Estado Maior do Exército, ministro da Defesa, ser de uma simplicidade impressionante, gente como a gente!
 
Trabalho fantástico
E pensar que em apenas dez meses Silva e Luna enxugou Itaipu e imprimiu um ritmo de trabalho que resultou em economia de R$ 600 milhões que serão investidos na segunda ponte, ampliação do aeroporto, Perimetral Leste, Mercado Municipal e tantas outras obras em andamento. É de gente assim que o Brasil precisa. Se 10% dos homens públicos fossem como ele, nosso país seria uma potência. 

Escola Nacional de Turismo
O deputado federal Vermelho anunciou um presentão de final de ano aos iguaçuenses: a liberação de recursos da ordem de R$ 3 milhões para a primeira Escola Nacional de Turismo do Brasil, que será aqui na nossa terrinha. Vermelho brigou como um leão por esses recursos e conseguiu parcerias importantes entre MTur, MEC, Governo do Estado e Unioeste.

Sindhotéis
É muito provável que a escola comece a funcionar no segundo semestre do próximo ano no Centro de Capacitação Sindhotéis, que possui uma estrutura invejável e está subutilizada. O reitor da Unioeste, Paulo "Casca" Wolf, já visitou o local a convite do presidente, Neuso Rafagnin, e ficou impressionado com a infra. "Para que gastar dinheiro na construção de um centro de formação se aqui está tudo pronto?", comentou o reitor.
 
Centro de formação 
De fato, o Centro de Capacitação Sindhotéis tem uma infraestrutura invejável. Em artigo publicado em nossa edição de final de ano, Neuso Rafagnin garantiu que ele se transformará em um instituto para atender às demandas da indústria do turismo. O complexo já possui três pavimentos, com cozinha-escola, auditório, uma suíte para aulas de governança, além de laboratórios e salas de aula.

Cuidado, piranhas!
A Prefeitura de Itaipulândia instalou uma grade de proteção para evitar que as piranhas ataquem os banhistas no terminal turístico do lago de Itaipu. Aqui em Foz não precisa isso porque as piranhas estão em outro local.

...para encerrar...
...o Corvo agora só retorna ano que vem, 2020! Numas de fazer reflexão pensamos: como será? Provavelmente teremos um ano como os outros, sofrido, cheio de dúvidas e expectativas, com políticos em ação,  eleições, o costumeiro blablablá para nós fazer acreditar que as coisas irão melhorar. O fato é que elas estão bem para uns, para outros nem tanto, o que importa é  nunca, jamais, em tempo algum, perder a esperança. Esperança é o que faz a diferença. Um bom novo ano a todos!

Quem merece?

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, segunda-feira, dia 30 de dezembro, é celebrado o ‘Dia da Criação da Região Metropolitana do Vale do Aço’ em Minas Gerais;
- Também hoje se comemora o ‘Dia da Sagrada Família’.


“Jair Bolsonaro pode não ser o presidente a que o Brasil faria jus, por mais que seus 57 milhões de votos lhe garantam o direito de estar onde está, mas é com certeza o presidente que a esquerda brasileira merece (...). O cálculo é bem simples. A denúncia capital apresentada contra o presidente, sobretudo nas regiões que se consideram as mais civilizadas da sociedade brasileira, é a sua falta de sintonia, segundo dizem, com as exigências dos regimes democráticos. E a esquerda nacional, então? Qual seria, exatamente, o grau de sua devoção à democracia? Alguma coisa abaixo do zero – e aí fica claro que, se o problema do Brasil é a hostilidade à democracia, então não é em Bolsonaro que está o problema.
A verdade nessa história, pelo que mostram os fatos da vida real, não tem altas complicações. Ela revela que um militante de esquerda verdadeiro, que está na atividade política para ganhar, tem de ser obrigatoriamente contra a democracia – se não for, estará sendo apenas um bobo. Ser de esquerda e, ao mesmo tempo, ser racional é ter exatamente o entendimento de Lênin, o criador do esquerdismo universal, sobre as questões políticas essenciais (...).
Ou o sujeito, na prática, segue a lógica de Lênin para construir e manter de pé um regime de esquerda, ou não chegará nunca a lugar nenhum. Pode até chegar – mas não fica. Para alguns, como se sabe, a coisa pode acabar num xadrez de polícia.
Jamais houve lugar para a democracia num regime esquerdista feito para durar – não porque Lênin fosse um mau sujeito, mas porque tinha certeza de que era impossível existirem no mesmo espaço um regime socialista e liberdades democráticas. Não pode haver, por exemplo, eleições livres. Por quê? Porque os adversários podem ganhar e aí eles mandam o socialismo para o espaço. Não pode haver liberdade de imprensa porque a oposição vai usar essa liberdade para falar mal do governo, e isso é um perigo (...). Tem de existir um partido só porque não pode haver oposição – e por aí vamos. Até hoje não apareceu nenhum sistema tão eficaz quanto esse para criar um regime de esquerda. Quem copiou, como Fidel Castro, se deu bem, ficou no poder até o fim da vida. Quem tentou fazer diferente se deu mal.
A esquerda brasileira não pensa em nada disso, porque tem medo de bala de borracha, quer viver de dinheiro do ‘Fundo Partidário’ e tem preguiça de pensar – mas mesmo que pensasse não iria adiantar nada, porque não há meios, simplesmente, de se montar o sistema descrito acima. Ele segue regras feitas há mais de 100 anos, e o mundo em que esse catecismo valia não existe mais. A única saída, para o esquerdista de hoje no Brasil, é ser capitalista – e aguentar, aqui e ali, levar vaia em avião. Que fazer?”
Artigo do jornalista José Roberto Guzzo publicado no Estadão.

Feliz Ano Novo, leitor!

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808

Padarias

Corvo do céu, levantei cedo ontem e fui com a patroa tomar um café de padaria. Eita coisa boa! Demos a volta no bairro, e as panificadoras estavam fechadas e todas desejando "boas festas". Nos dirigimos ao centro e foi a mesma coisa. Que barbaridade isso! Tomamos o café no posto de gasolina. 
Mario Benato

Férias parciais
O Corvo, assim como o padeiro, também é filho de Deus e protegido por São Francisco. Diante disso, terá alguns dias de férias, mas a coluna sairá normalmente e será elaborada pelos Corvos de plantão na redação. Mas serão poucos dias. Aproveitando, informamos que o jornal circulará hoje e na segunda-feira (30), e fará um recesso até o dia 3 de janeiro.  

Presente da Copel
Corvo, sou um pequeno comerciante e tenho algo a relatar. Devido ao compromisso com os funcionários, atrasei o pagamento das contas de luz, e os homens subiram no poste e cortaram a energia lá de casa. Detalhe, isso aconteceu dia 26 de manhã. Minha mulher precisou deixar o décimo terceiro dela na máquina que tem lá na Copel, em Foz. Daí, recebemos a informação que ligariam no mesmo dia, sendo o prazo de 24 horas. Dali uns minutos, recebemos um SMS assim: "Copel informa: estamos nos deslocando para atender o protocolo (....). A realização do serviço depende de livre acesso ao medidor". Ficamos felizes com tamanha presteza, embora, para desligar, não precisaram de "livre acesso". Enfim, fomos correndo para casa esperar. E passa uma, duas, três horas..., veio a noite com o calor infernal, tudo derretendo e estragando dentro da geladeira, crianças chorando e foi aquele sufoco. Precisei dormir enrolado numa toalha molhada para refrescar. Só ligaram a luz no dia seguinte. Que disparate! Falta humanização nessas empresas, Corvo. 
Sebastião Macedo

O Corvo responde: prezado, isso acontece com muitas pessoas, e a fila de religação é grande. No mais, aquele caminhão que avisou o deslocamento para a sua casa, em geral, atende a uma porção de ocorrências. Por causa desse movimento, isso demora. É de fato uma situação inumana, ainda mais com crianças em casa. Atrasar o pagamento da luz não é pecado, mas o contribuinte é tratado como fosse. No entanto, há milhares de "gatos" na cidade, e essa energia é paga por todos, o que aumenta ainda mais o valor na conta. É o cidadão quem apanha e sempre enfia a mão no bolso.  

Também quero
Olha isto, seu Corvo, o blogueiro Lúcio Vaz, da Gazeta do Povo, conseguiu acessar via Lei de Acesso à Informação os produtos da Receita Federal que foram doados à Marinha de Foz do Iguaçu e Uruguaiana (RS). A lista tem cada coisa, ave de Deus: bebidas, cuecas, relógios, estojo de manicure e até skate elétrico, totalizando R$ 133 mil. Também quero, seu Corvo!
Afrânio Santos 

Corvo responde: o Corvo foi atrás e constatou que não só a Marinha, mas outros órgãos federais recebem os donativos, como o Exército. Em geral são produtos apreendidos em operações, fruto de contrabando e descaminho. Esse meio de informação deveria ser de domínio público, para dar mais transparência aos atos. 

Também quero II
O Corvo foi pesquisar e descobriu que, em julho deste ano, o Comando do 4º Distrito Naval, em Belém, recebeu dois lotes de doações da Receita, no valor de R$ 2,1 milhões, que aparecem na categoria "outros" no site do órgão. No primeiro havia produtos como skate com motor elétrico de R$ 279 mil, raquete elétrica para insetos, cuecas, fantasia para crianças, bonecas... enfim, aquilo que é apreendido quase que diariamente na Ponte da Amizade e barreiras na BR-277.

Perigo na água
Corvo de Deus, dê uns rasantes lá pela região da prainha de Três Lagoas para ver. Apesar de estar interditada, as pessoas estão indo em peso para o local. No último final de semana tinha gente tropicando em gente. Eles entram pelas laterais, onde a cerca quase não existe porque foi removida. Aquilo lá pode ser perigoso, já que não tem bombeiros ou segurança da polícia, já que era para estar fechada. Veja essa situação para nos contar o que vem por aí.
João-de-Barro da Fronteira

O Corvo responde: o Corvo ficou sabendo mesmo que uma multidão foi se refrescar do calorzão que fez no feriado do Natal. Também chegou a informação de que uma pessoa havia se afogado, mas os bombeiros esclareceram que ela passou mal. O que precisa é o seu IAP fazer uma varredura, mas me falaram que os servidores só voltam no dia 6 de janeiro. Mas havia gente se banhando praticamente em todos os córregos de Foz do Iguaçu, até mesmo nos poluídos. Pensa, um banho de verão no Rio Bostinha? 

"É nóis"!
Olha que coisa boa, ave ranhenta: Foz do Iguaçu é o grande destaque da virada de ano no Sul do país. Quem está dizendo é o portal Panrotas, especialista em turismo. A cidade está registrando uma ocupação inédita para o réveillon, de 86%, segundo a ABIH-PR. É ou não é motivo de nos encher de orgulho?
Jonas de Boa Viagem

Corvo responde: caro Jonas, não é só este ano que o réveillon de Foz do Iguaçu se destaca, sempre foi muito procurado. O que acontece é que o nosso turismo está passando por uma fase incrível e os frutos estão aparecendo.

Corvo para prefeito
É isto mesmo, meu caro. Do jeito que está aparecendo candidato em Foz do Iguaçu, vamos lançar a ave preta para suceder nosso prefeito Chico Brasileiro. Brincadeiras à parte, deveríamos ter menos partidos para ter menos candidatos, assim a cabeça do eleitor ficaria melhor, não é não?
Marion Souza

Corvo responde: Deus livre o Corvo das urnas, minha amiga! Vamos deixar isso para quem sabe. O Corvo acredita que muitas candidaturas são "balão de ensaio" ou o famoso "olha eu aqui" para ser vice do Chico Brasileiro; que, aliás, tem surfado com folga na cabeça das pesquisas.

Phelipe Mansur
Ele é declaradamente candidato e disputará a eleição pelo Republicanos. A essa altura, já deve ter pedido a exoneração do governo, ou ficará na pasta até os 45 do segundo tempo. Mas a situação diferente é o fato de ele exercer cargo de primeiro escalão e entrar numa disputa em que o virtual principal candidato é do mesmo partido do governador. Será que o Ratinho também vai mudar de partido? 

Sacanagem
Corvo, eu li sua coluna ontem e concordo com sua opinião sobre esses abusos que cometem na internet. Não conheço bem o diretor do Detran, mas sei que é uma pessoa muito prestativa. Pergunto: e se fosse um filho dele que acertasse o poste? Qual o problema? Acidentes acontecem e uma coisa nada tem com a outra. As pessoas precisam parar que zombar da cara de gente séria, assim sem mais nem menos. Se fizerem isso comigo, procuro um advogado e mando processar, no ato. 
Marlene Siqueira

O Corvo responde: isso tudo é muito triste. As pessoas não se dão conta do poder que há na comunicação e o quanto dói uma difamação, injúria ou calúnia. Crimes contra a honra acontecem o tempo todo, em geral cometidos por pessoas sem o mínimo conhecimento sobre bons comportamentos. Só o endurecimento na lei vai mudar isso, ou pelo menos atenuar. 

Acidentes
Corvo, eu vi repetitivamente a imagem do acidente que tirou a vida dos idosos e do netinho que estava junto. O veículo causador da colisão estava em velocidade muito alta, tanto que nem foi capaz de frear. Me doeu muito saber que aquilo ocorreu na véspera de Natal, pois fico imaginando a dor na família do seu Godoy e dona Zenaide. 
Fátima Lima

O Corvo responde: prezada, algumas pessoas conduzem imaginando que nada pode acontecer, por isso se esquecem de olhar o velocímetro. Ontem mesmo este Corvo estava acessando uma avenida e, como de costume, olhou para os dois lados, e mesmo assim não viu uma moto que vinha pelo lado direito. Não foi possível ver devido à velocidade do motoqueiro, muito mais de 120 km/h nas ruas da cidade. Isso é como pedir para se acidentar.


 

Bruxa solta

Ô, seu Corvo, o Natal tinha tudo para ser um dos mais belos dos últimos anos, mas acabou triste demais para aquelas pessoas que tiveram parentes ou amigos envolvidos em colisões de trânsito. Não foram poucas as batidas. Teve uma perto da Vila A, em que um casal morreu na hora e uma criança morreu no hospital. Inclusive o carro em que eles estavam se partiu no meio. Pensa numa visão medonha. Por que isso acontece justo quando deveria ser diferente? Ajude aí, seu penoso.
Martha Bueni

O Corvo responde: essas coisas acontecem, na maioria das vezes, por imprudência. O Corvo viu o vídeo várias vezes; os dois condutores cometeram infrações, um não respeitou a preferencial, e o outro parecia que estava numa prova de F1. Isso só vai acabar quando a população aprender a respeitar as leis de trânsito e praticar a cordialidade e a civilidade.

Bruxa solta II
Sobre a questão  envolvendo as simpáticas senhoras que desfilam em suas vassouras, o Corvo discorda de que elas estavam soltas. Mas tem de admitir, a véspera e o feriado de Natal este ano ficarão marcados pelo grande número de acidentes. Logo após aquele que vitimou o casal, ocorreu na sequência um na rua Florianópolis e outro na Avenida República Argentina. Nos dois, felizmente, foram mais danos materiais. Já no dia do Natal, novas colisões que, se ficarmos relatando, acabam com a edição inteira do jornal.

Medo no trânsito
Salve, ave agourenta, neste feriado quase tive um troço. É que minha filha e minha esposa saíram para ir ao mercado, na véspera do Natal, comprar umas coisinhas que faltaram, exatamente quando começaram a chegar mensagens pelo zap zap dos acidentes de trânsito. Pensa na tremedeira nas pernas, não queria mandar mensagem para não deixá-las mais nervosas. Que situação, seu Corvo.
Jamir Jesus

Corvo responde: só quem tem filhos sabe o drama que é quando eles vão para a rua. Só para visitar amigos já deixa a gente aflito, imagine num momento em que ocorrem vários acidentes de trânsito em sequência! Caro amigo, nessas horas as orações são o melhor e talvez o único conforto para o coração.

Ostensivo
Seu Corvo, vendo as notícias sobre acidentes de trânsito, volto a defender meu ponto de vista de que é necessário aumentar o número de policiais nas ruas, botar viaturas nos cruzamentos mais perigosos e intimidar aqueles que se acham espertalhões. O que não dá é para tentar educar na base do radar e da multa, que é o que temos hoje: a indústria da multa, apenas.
Carmelo Otávio Ribas

Corvo responde: concordo com sua avaliação, mas daí teríamos de dobrar ou triplicar os efetivos policiais. O melhor seria que as pessoas se conscientizassem e passassem a respeitar as leis de trânsito, que foram criadas para dar segurança aos motoristas e pedestres. Enquanto isso não acontece, infelizmente se faz necessário multar, já que é a única forma de tentar botar um freio na população.

Safadeza digital
Alguém acertou um poste, e espalharam pelas redes sociais que o causador do acidente era filho do diretor do Detran. Claro, caíram de pau no Alexandre Freire, impiedosa e vergonhosamente. Aliás, uma sacanagem que revoltou muita gente, pois os amigos sabem a tristeza do Alexandre ao perder a filha única há alguns anos. Com a dor de um pai não se deve brincar.

Crimes contra a honra
Por essas e por outras, as leis precisam endurecer para quem faz da internet um brinquedo. É por essas e outras que as redes sociais carecem de credibilidade.

O fim das TVs
Corvo, disseram que os canais de televisão vão acabar no Brasil. Isso é verdade? E como vamos ficar sabendo das coisas? Pela internet, cheia de mentiras? Eu nem vejo quase os telejornais e o que dizem dos governos e governantes, sendo assim a TV não faz a minha cabeça politicamente falando. O que não imagino é ficar sem ver a minha novela, e acredito que seja assim com outros milhões de brasileiros. Será que essas transformações são necessárias? 
Eleonor Marcondes (professora aposentada)

O Corvo responde: o governo Bolsonaro quer endurecer com as concessões. Emissoras de rádio e televisão são concedidas, e a ideia é cobrar antecipado o pagamento das dívidas públicas e as pendências tributárias. A medida pode atingir em cheio muitas empresas de radiodifusão. E o que aconteceria? Quem não efetuar o pagamento pode não ter a licença renovada, e o canal vai parar nas mãos de outra rede, ou ocorre criação de outra emissora. A medida, se levada adiante, pode atingir a pomba, mas vai acabar com muitos pardais. O alvo é a Rede Globo, porém acabará acertando as demais redes de emissoras concorrentes. 

Contraditório
Muita gente não sabe, mas para veicular ou publicar uma campanha de governo, seja em TV, rádio, jornal e até mesmo na internet, as empresas contempladas precisam das certidões em dia, e elas não são poucas. O Corvo sabe porque acompanha a correria do pessoal do GDia. Sem a adimplência do veículo, prefeituras, governos estaduais e governo federal, órgãos públicos e até mesmo empresas privadas que atuam com verbas públicas não podem anunciar nele. Logo, vemos todos os dias campanhas dos governos em emissoras e jornais, e quem veicula mídias assim está em dia com impostos e as demais obrigações certificadas. Aqui aplica-se o velho ditado: quem não deve não teme. 

Pacote
O governo Bolsonaro, em certos aspectos, é como uma locomotiva sem freios. O pacote anticrime é um exemplo disso. O presidente mandou ver, independentemente dos pedidos do ministro Sérgio Moro. Será que isso vai gerar uma crise com o homem mais popular do governo? Sim, a essas alturas, Moro conta com mais pontos perante a opinião pública do que o Jair Bolsonaro.


 

Interesse

Foi sair a pesquisa Data Sonda na edição de ontem, que choveram pedidos (alguns insistentes) para colocarem olhos nos números. É uma situação um tanto difícil. Além do GDia, apenas a Rádio Cultura teve acesso aos dados. A pedidos, o Corvo vai publicar o resultado de algumas lâminas, mas o restante fica para o consumo próprio. Não vamos aqui estragar o Natal da turma. 

Se a eleição fosse hoje...
A velha frase sempre nos cutuca. Mas a disputa só vai acontecer em outubro do ano que vem, logo os cenários demonstrados na pesquisa Data Sonda podem alterar-se da água para o vinho. Os números atuais servem para nos oferecer um parâmetro de como as coisas andam. Hoje Chico venceria com boa margem. 

Encrenca pura
Divulgar o resultado de uma pesquisa sempre gera encrenca. Um fica contente; e o restante, de bico virado. E para variar, sobrou para o Corvo analisar uma situação nada confortável. Com 62% de aprovação, no campo espontâneo Chico teria 14,9%, em que aparece o nome de Paulo Mac Donald, com 5,3%. Como Paulo está na sombra, pode até ser. Mas na relação de prováveis concorrentes, nas tomadas espontâneas e estimuladas, há nomes um tanto novos para muita gente. Além de Paulo, estão Phelipe Mansur, Soldado Fruet, Vermelho, Ranieri, Hamilton Seriguelli, Cássio Lobato, Bibiana Orsi, Gilmar Piolla, um tal "Sérgio", que deve ser o Beltrame, Tatiana Fruet e até o Dobrandino Silva. O nome de Nilton Bobato também figura, mas quase não pontua acima do 1%. 

Cenários
No módulo estimulado, o Data Sonda conferiu três cenários: no primeiro, Chico leva com 46,9%; no segundo, com 48,4%; e no terceiro, com 49,4%. Em todos os cenários estimulados não consta o nome de Paulo Mac Donald. Os personagens se alternam. Há também um apanhado sobre a "rejeição" dos nomes, e isso o Corvo não publica porque não quer passar o Natal com o olho roxo e com o bico quebrado. 

Outros veículos
Na verdade, pessoas que se acham no topo das intenções de voto precisarão incomodar-se com um "zero" e uma vírgula antes do número, ou seja, abaixo do 1%. Mas como em eleições tudo acontece, nem assim podemos subestimar nossos intrépidos políticos. 

A chapa do PTB
O GDia publicou a chapa do PTB para as eleições do ano que vem, e outros partidos já ligaram com oferenda semelhante. Sim, nome de político em véspera de Natal não é oferta, e sim "oferenda". 

No grampo
Por esta Reni não esperava, a entrega dos conteúdos de grampos telefônicos cujas conversas são mais do que comprometedoras. Em juízo ele negou conhecer um empresário, mas falou com ele em várias oportunidades. Ainda vai defender-se dizendo que "não conhecia pessoalmente". 

Transporte escolar
E parece que vem outra bronca feia por aí. Segundo uma informação, incorporaram novos dados à caixa-preta das atividades no setor. Seriam gravações e até fotos sobre transações envolvendo uma lista pra lá de enrolada na Justiça. 

Ano-novo
O Corvo amanheceu com um telefonema daqueles de gelar a espinha. Muitos jornalistas ficaram de plantão, e mais do que eles, os advogados também. Conforme um vazamento, quatro espaços carcerários receberam roupa de cama limpinha. Mas depois do almoço, ontem, parece que o pernoite se iniciará no dia 29. Detalhe, na ala em que os novos hóspedes serão supostamente recebidos, as janelas dão para a cidade, sendo assim será possível ver a queima de fogos. 

Bafômetro
Os números em Foz estão ótimos em favor dos motoristas. Em 200 abordagens, apenas uma embriaguez constatada. Em outros tempos seria diferente, somente um ou dois fora do litro. A lei seca obrigou uma nova modalidade: sorteio para escolher quem não irá beber antes de ir ao bar ou restaurante. 

Nas águas
Engana-se quem acredita que poderá beber uma gelada na canoa, barco ou lancha. A Marinha colocou a frota fluvial em operação. Falta de documentos e de equipamentos de segurança, bem como consumo de bebidas, pode resultar em encrenca. 

190
Corvo, que situação, hein? Queria denunciar uma bagunça e liguei no número 190, mas caiu em Cascavel. Daí, a PM atendente pediu para ligar no 153, que seria a GM de Foz.  Liguei e caiu em Cascavel novamente, na GM de lá. Então me passaram os números normais e também não deu jeito, quem atendia pedia para ligar no 190 ou no 153! Como é que a gente faz, seu Corvo, no meio de uma bagunça dessas? 
Maria Antonia Medeiros

O Corvo responde: prezada, várias pessoas estão enviando essa informação para a nossa redação. E não é de hoje que o problema rouba a paciência dos que precisam comunicar-se com a "emergência". Um fica empurrando o problema para outro. O Corvo responde e também pergunta: quando isso estará resolvido, afinal? 

Mengão
A aí, Corvo, assistiu à final entre os ingleses e o Flamengo? O que achou? Queria muito saber a sua opinião. Reuni o povo lá em casa para uma cervejinha e gostamos muito do nível do jogo. Mas está muito bom para os cariocas, pois fizeram o cabelo e a barba; só faltou o bigode. 
Marlon Augusto Peixoto

O Corvo responde: sim, a partida foi muito boa e com desperdício dos dois lados. Bom, entre os ingleses, se é que havia algum no Liverpool Football Club, os destaques foram os brasileiros: o autor do gol e o goleiro. Flamengo jogou no mesmo nível, representou bem o futebol de nosso país. Claro que com o caneco seria bem melhor.  

 

Shoppings 
O Corvo, para variar, foi ao Cataratas JL e ao Catuaí Palladium. No primeiro o problema era estacionamento, mas havia muita gente assessorando; a fila do lado de fora atrapalhou o trânsito na Costa e Silva. Já no segundo, o problema era para sair, com as máquinas que controlam o estacionamento encrencadas. Segundo informaram, há apenas duas máquinas, para um mundo de gente. A fila para pagar o estacionamento era de meia hora. Isso beira o ridículo. De que adianta um estacionamento tão grande se o usuário não consegue pagar? 

 

Seu Bira...
...foi-se para o andar de cima, e lá encontrará muitos amigos, inclusive alguns de Foz, como o caso do Mário du Trevor Jr. Nas passagens pela cidade, Bira proporcionou muitas gargalhadas com as pessoas que conheceu aqui. Como ele não desgrudava do contrabaixo, fez canja para um grupo seleto em 2016; e, claro, o Corvo estava presente. Bira era um nome consagrado dos estúdios. Vai deixar saudade. 

 

Sorteio do GDia
Dani Heiss é a feliz ganhadora de uma linda cesta natalina sorteada pelo GDia. Desejamos a ela e família um feliz Natal e próspero ano novo! O GDia terá muitos sorteios em 2020!
 

Bom Natal!
O Corvo deseja a todos uma feliz véspera e um Natal melhor ainda. Nunca é demais lembrar a mensagem de que a data não é apenas para trocar presentes. O Natal é um pouco mais profundo, simboliza o nascimento de Jesus, o que nos remete ao mundo, esse grãozinho de areia ensopado, perdido no meio do Universo! Vamos pensar que a vida possui muito valor, uma dádiva que devemos respeitar, e enquanto vivermos faremos tudo pelo melhor. O Corvo deseja tudo de bom a todos os leitores! Dia 27 estaremos de volta!

 
 

A pesquisa

Como não dá para ficar explicando essas coisas em matéria, o Corvo dá conta de como a pesquisa Data Sonda foi disponibilizada. O instituto faz levantamentos para o jornal sempre que é necessário; isso ocorre mais na área comercial e na avaliação dos rumos, quando os impressos precisam partir para a reinvenção. O GDia é um impresso que se reinventa a cada dia, e a edição de final de ano, publicada no último sábado, é um exemplo disso. 

Quem é Data Sonda?
Há 19 anos em atividade, o famoso instituto de Cascavel, hoje com sede em Curitiba, realiza pesquisas políticas no estado todo, e o resultado de seu trabalho é publicado em todas as grandes cidades. O jornal escolheu o instituto e está muito feliz com o trabalho, o que fortaleceu a parceria. O GDia possui um projeto ousado para o próximo ano, avaliando o desempenho político e também  o comportamento social e vários setores. É importante saber o que o iguaçuense pensa sobre a sua cidade. 

Na região
Pois bem, soubemos que o Data Sonda estava realizando um levantamento em várias cidades e pedimos exclusividade nas informações, sendo atendidos graças à parceria de anos. O que este colunista pode revelar é que as informações estão de posse do jornal desde a última sexta-feira, mas por questões de estratégia resolvemos divulgar apenas hoje. 

Os números
A propósito, o Data Sonda Pesquisas atende a grandes empresas e instituições, o que inspira a credibilidade em seu trabalho. O Corvo não vai estragar o conteúdo publicado em outras páginas, mas a avaliação dos governos é de certa forma muito positiva em todos os âmbitos. 

Bolsonaro
A situação mais apertada é o desempenho do presidente Bolsonaro, mesmo assim ele está melhor em Foz do que em muitas cidades. Há uma pressão muito grande por conta dos meios nacionais influentes, mas o iguaçuense sabe que o governo federal está atuando em várias frentes, graças ao empenho de Itaipu em assumir demandas de obras que são históricas perante o desejo da população. Há inclusive um quadro abordando a binacional, e os números batem com a aprovação recentemente divulgada em nossa chamada de capa.  

Ratinho
Por melhores que sejam os números, governantes nunca estão plenamente satisfeitos com o resultado das pesquisas. Os 800 consultados deram uma nota boa para o desempenho do governo do Paraná. O governador Ratinho sabe que o Oeste precisa de muita atenção e, de qualquer forma, uma aprovação acima de 60% é algo para ser comemorado.  

Chico 
Com um intervalo de confiança estimado em 95%, a pesquisa diz que a população está de acordo com o governo municipal. Chico está num patamar muito semelhante ao de Ratinho Jr., um pouco além dos 60%. É um número bom para deslanchar o último ano de administração. Se município e estado somarem forças, terão um bom trampolim. A desaprovação do governo é pequena. 

A cabeça do iguaçuense
Chico assumiu o governo com praticamente meio ano de atraso, e nem é preciso ficar repetindo a situação da "casa", toda cheia de rachaduras, portas rangendo, esgoto voltando pelo ralo, telhado prestes a desabar; era de fato "uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada". O terreno era muito parecido com filme apocalíptico, arrasado por um meteoro. E o corpo estranho celeste infelizmente tem nome. Paralelamente aos dois anos e meio de governo, a população foi açoitada pelas encrencas e descasos, um a um, relembrados nas audiências judiciais. Logo, para muitos, Chico fez foi um milagre, e daí o reconhecimento nas planilhas.  

Quase 40%
A pesquisa diz que uma parcela significante da população quer mais; nesse número, 15% não sabem ao certo avaliar a situação. Chico terá de passar sebo nas canelas e mandar ver nos próximos meses. Não pode errar. Se as coisas saírem como ele espera, terá mais uma chance para continuar o projeto na cadeira de prefeito. Tomara que não surja algum rabo de foguete. O Corvo não diz isso por ele, e sim pela cidade. O iguaçuense não merece, precisa de um pouco de paz na vida. 

Eleições
Como toda pesquisa, claro que há simulações eleitorais e em cenários dos mais variados. Mas o Corvo não vai colocar todo o açúcar do pote na xícara de café. Isso ficará para as próximas edições. Muitos se decepcionarão com os números, e alguns ficarão felizes, porque num horizonte assim "menos é mais".  

Bronca da iluminação
O Corvo não está sentindo cheiro de peru nem de chester com frutas e farofa. Parece carne-seca torrando. Ao que parece, o assunto da iluminação de LED já se tornou o maior imbróglio da administração. Um nó dos bem cegos para o seu Chico e a turma do seu governo desatar. Alguém disse para o Corvo que há solução, e isso vai depender do bom senso dos vereadores. 

Base aliada
A iluminação nos dará uma visão de como será o ânimo do Legislativo com o governo neste início de ano. Mas alguém revelou para o Corvo que a situação é do tipo "balança, mas não cai". 

Ponto de ônibus
Como este colunista já escreveu em algumas ocasiões, o clima anda pregando sustos na população. Na tarde da sexta-feira, um galho de árvore despencou bem em cima de um ponto de ônibus em plena Avenida das Cataratas. E vejam a situação: um grupo de turistas alemães estava admirando o equipamento público, feito de troncos, ripas e tenhas antigas. E do nada, "zusammengebrochen", tudo ficou em pedaços e só se via sauerkraut (chucrute) correndo de um lado ao outro! Que barbaridade!

Telha pesada
Não faz muito tempo, o Corvo estava tentando pedalar e deu de parar embaixo de um abrigo daqueles. O vento estava muito forte, tanto que chegou a arrastar a bike. E não é que uma telha caiu bem no meio da cabeça deste colunista? Duplamente sorte: uma porque esta ave carnicenta estava com o capacete, e outra pelo fato de a telha cair de "prancha" e partir ao meio com a cabeça dura do Corvo, pois se caísse de bico teria acontecido um "velorião" na cidade! Ditado: o que é bonitinho nem sempre é seguro. 

Molecada
A prefeitura investe, gasta, quebra a cabeça e faz um belo jardim nos canteiros da Avenida das Cataratas; coloca pedras brancas e flores da estação, e do nada uma piazada dá de espalhar os ornamentos pela avenida, fazendo com que carros e motos desviem. Por favor, que arte mais travessa! O Corvo repudia a violência, mas há horas em que o chinelo faz falta. 

Grupos
Este colunista pede um encarecido favor: antes de incluírem o Corvo em grupos nas redes sociais, perguntem se ele quer participar. É uma opção que requer aprovação. Há grupos que são muito bons, mas também há os que desperdiçam o tempo com baboseiras além da conta. 

Edição 
Corvo, quando eu recebi o GDia no sábado pela manhã, pensei que haviam deixado vários jornais de uma vez só. O que vi me causou orgulho, uma prova de que o jornalismo impresso ainda vai existir um bom tempo em nossa cidade. Por ser um assinante, ganhei um presente de Natal de vocês. 
Júlio Marcondes Neto

O Corvo responde: prezado, nós é que o agradecemos. Honramos nossos leitores ao realizar um trabalho assim. Também agradecemos aos anunciantes, porque acreditam em nosso trabalho ao longo do ano. Poder escrever e relatar os fatos é o que nos dá mais prazer. 

Trabalhar e trabalhar...
O GDia circulará até a véspera de Natal (24) e retornará dia 27. O mesmo ocorrerá na semana seguinte, com circulação até o dia 31 e com retorno previsto para o dia 3. Desejamos a todos um bom início de festas!
 

Pesquisa

Ai, ai, ai... o Corvo viu a dita-cuja pesquisa, a que parece apavorar o final de ano de muita gente. Por uma questão de confiança, não poderemos publicar nada antecipadamente, mas podemos sim afirmar que o sacolejo não será pequeno. 

Qualidade
A metodologia utilizada na apuração das opiniões é bem segura perante os resultados. Vale dizer que um levantamento assim não poderá ser publicado a partir de janeiro, caso não obedeça aos critérios do TRE, com o devido registro. O tema é tão delicado que os advogados do jornal estão debruçados sobre o assunto, avaliando as formas de isso ser lançado como conteúdo. 

Haja paciência
Depois que o Corvo publicou que sabia da pesquisa, choveram telefonemas e mensagens de pessoas que nem dormem de tanta curiosidade. Tem gente com coceira braba, e isso só passará depois de colocarem um olho nos números.  

Imagem de Itaipu
Uma das maiores empresas do Paraná, impulsionadora de desenvolvimento e que produz energia, só poderia ser muito querida pela população na área de atuação. Itaipu oxigena o desenvolvimento, o que ela produz é limpo e ainda gera desenvolvimento. E pensar que num passado nem tão distante caíam de pau na hidrelétrica. Que barbaridade! 

E hoje é sábado!
Sim, e um sábado com gostinho de último dia do ano. No fim, ainda nem é véspera de Natal. Segunda-feira estaremos aqui no batente, no rescaldo desta edição, que não foi nada fácil de realizar, mas para quem possui prática não é um bicho de sete cabeças. 

Quem diria...
E tem gente que faz torcida pelo fim dos impressos. Se depender do GDia, isso ainda vai existir por muitos e muitos anos. Há quem receba o jornal hoje e queime a mão, tamanha a vontade de não acreditar que é possível fazer um produto editorial com esta qualidade. 

Visita ilustre
O dono de um grande jornal gaúcho esteve por estes tempos hospedado em um hotel da cidade. Ele pediu para chamar o diretor do jornal, mas solicitou não ser identificado. E sem saber lá foi o Darley, todo curioso. Ao encontrar o homem ficou branco, pois era o Nelson Sirotsky. Sem meias palavras, ele perguntou: "Me diga, como vocês conseguem editar um jornal assim em Foz do Iguaçu"? A resposta foi bem simples e direta: "É porque estamos em Foz do Iguaçu". Nossa cidade tem mesmo disso, é uma potência desconhecida por muitos de seus moradores. 

..."e a gente vai levando"...
..."a gente vai levando, a gente vai levando essa chama"! Dá até para parodiar o Tom Jobim, porque o ato de fazer jornal não é brincadeira, porque mesmo com o preço do papel, dos insumos, das encrencas, da grana que não entra, da que entra, da necessidade de se manter em pé, a gente vai levando e sempre chegando lá. 

Árvore de Natal
Corvo, não faça isso com a gente. Quase engasguei com um pedaço de batata-doce quando li o seu elogio para a árvore de Natal que está na entrada do Paraguai. Por favor, onde vocês vão buscar essas sacadas? E pensei que era uma brincadeira, mas daí fui ontem a CDE e me defrontei com o enfeite! Mais parece uma cabana de índio. 
Marcello Peixoto

O Corvo responde: vamos parar de zoar com os nossos vizinhos. Foi a maneira que encontraram de decorar a cidade e, com isso, evitaram bate-boca na Câmara, CPI e toda a verborragia pública. E querem saber, o povo gostou. 

Árvores de Foz
Corvo, sou visitante e soube de você lendo o jornal na recepção do hotel. Desejo relatar o quanto fiquei boba ao ver as belas árvores que há em Foz! Elas são dignas de um registro. Mas me refiro às beldades verdes, não aos enfeites natalinos. Quem tem árvores assim nem precisa se enfeitar, Corvo! Acredite nisso!
Marise Cavalheiro

O Corvo responde: prezada visitante leitora, sim, Foz é um enorme jardim e quem passa pela cidade elogia o quanto ela é verdejante. Nossas árvores são de fato um atrativo, mas quando dão de despencar em cima dos veículos, isso dá o que falar. 

Vendavais
Esta época do ano é muito perigosa. O Corvo não passa o automóvel embaixo de uma árvore, no centro, nem sob tortura. Do nada o tempo vira e causa uma grande bagunça. Alguém mandou esta foto para o Corvo, e infelizmente não conseguimos identificar o autor, portanto queremos que ele se pronuncie e explique se a foto é verdadeira ou uma montagem, porque é de dar medo. Olha como ficou (segundo o registro fotográfico) o céu da cidade! Parece um monstro de filme japonês, pronto para aparecer e engolir tudo! 
Foto do corvo 1

Travessia
Mas o Corvo foi num pé e votou no outro de CDE. Passou a ponte a pé, porque a fila estava quase na trincheira da Avenida Paraná. Nem pensar atravessar de automóvel, muito menos de mototáxi. E o medo de pegar piolho? A última vez que o Corvo usou um capacete daqueles, precisou raspar a cabeça. 

8 bi
Que situação, meu Jesus Cristo! Como os irmãos Richa conseguiram desviar R$ 8 bilhões em obras públicas? Isso fez o maior escândalo paranaense até então parecer exercício de jardim da infância. A evasão de divisas do Banestado quase quebrou o Paraguai. 

Festa do bafo
Muita gente precisou encarar o bafômetro em Foz nos últimos dias. Não adianta chorar, a canetada é dolorida, e as autoridades prometem endurecer até depois da virada de 2020. Táxis e aplicativos estão faturando alto, levando o povo que festeja. É melhor assim, ou marido que bebe não deixar a esposa entrar no litro junto.

 

Big Brother
Olha aí como controlam as ruas de Foz! E parece que a novidade ano que vem será a utilização de drones. Uma empresa especializada dará aulas em Foz, e a GM deve fazer inscrições. Tomara que um drone consiga flagrar os espertinhos que pulam os muros e roubam objetos comprados com muito suor. Na foto, os responsáveis pelo serviço de monitoramento, seu Chico e colaboradores. 
 

Festinha antecipada
O Corvo parabeniza a colaboradora do GDia Joseane Sbardeloto. Ela vai comemorar aniversário no dia 24 de dezembro, véspera de Natal. Como é difícil reunir os colegas no dia do aniversário, ela ganhou uma festinha surpresa. Desejamos a você, Joseane, toda felicidade do mundo e muitos anos de vida.  

 

Cartas de final de ano

O Corvo tentou limpar o baú de mensagens, mas não deu. Ultimamente este colunista recebe mais cartinhas que o Papai Noel, mas infelizmente não são pedidos de presentes nem a realização de sonhos. São em grande parte reclamações, mas, com jeitinho, todas podem ser solucionadas, dependendo da boa vontade de algumas pessoas. Há leitura para todos os gostos. 

Devolução
Corvo, você que me desculpe, mas não concordo com a maneira como a Câmara quer construir sua sede. Isso pode ser legal, mas deveria cumprir o rito administrativo. Explico: existe um projeto para a construção de um Centro Cívico, ou pelo menos é o que vários prefeitos nos anunciaram nos últimos 20 anos, sendo assim a Câmara deveria se somar à iniciativa. Quem constrói Centro Cívico é a prefeitura, e o dinheiro do orçamento da Câmara é repassado pelo Executivo. Se a Câmara vai construir um edifício, quer dizer que está sobrando dinheiro, e é isso que deveriam analisar melhor. Veja, uma sobra de cinco milhões num ano, isso é muito dinheiro. Se a estratégia foi repassar esse valor para dizer que não repassará mais, é algo com o que a população pode não concordar, não acha? 
DRR (O leitor pediu para não ter o nome revelado.)

O Corvo responde: o atual edifício em que está a Câmara foi adquirido da mesma forma, com as economias do Legislativo. Como sabemos, são os vereadores que elaboram as leis municipais, e cabe ao prefeito vetar ou não. Na discussão orçamentária é que são realizados os cálculos dos gastos do Poder Legislativo; a Câmara analisa e vota. O leitor expõe uma lógica de cidade unida. Foz deve pensar se vai atuar assim ou não. 

Centro Cívico
Este colunista acompanhou a discussão ao longo de vários governos. Paulo Mac Donald queria a prefeitura e todos os órgãos municipais lá pelas bandas da Avenida Paraná; o pessoal do Reni falava em instalar os edifícios públicos onde está o Centro Executivo de Itaipu, esperando que a binacional inteira se mudasse para o interior da usina, mas também falavam em Beira-Foz. O ideal seria as secretarias, Câmara, autarquias e fundações estarem perto dos demais órgãos, como Receita, PF, Fórum, sendo assim a área da Avenida Paraná contemplaria muitas facilidades para a população. Mas isso é um assunto para os urbanistas debaterem, e tomara que os políticos ouçam, ou pelo menos consultem a opinião de quem entende. 

Celulares
Corvo, estou vivendo um drama e imagino que muitas outras pessoas também. Eu usava um número de celular e perdi o telefone. Mas ao comprar outro aparelho, comprei também um chip, e a minha vida se separou entre falar num chip e enviar mensagens no número antigo, em que está o meu WhatsApp. Liguei para a operadora para cancelar o número. Agora, para a minha surpresa, outra pessoa utiliza o meu antigo número, e está a maior confusão. As pessoas enviam mensagens para mim e elas caem na caixa de outra pessoa! Que situação, hein? Como é que faço?
Viviane Teixeira 

O Corvo responde: aconteceu situação semelhante até mesmo com o Corvo. Vamos ao caso: quando os números são cancelados, ou tornam-se inativos, as operadoras aguardam até 90 dias e os oferecem novamente no mercado. Em razão disso, estão acontecendo essas confusões. Mas no caso da leitora Viviane, que admite ter ligado para a operadora pedindo a desativação, o normal seria utilizar apenas os dados do novo chip. Isso é o recomendado. No mais, o correto seria as operadoras eliminarem os números, porque possuem lastro para bilhões de combinações, no entanto insistem em comercializar em chips novos números que já foram usados.   

Acidente violento
Corvo, fiquei chocada com as imagens de uma colisão entre automóvel e moto na BR-277. O veículo vinha em altíssima velocidade, tanto que tentou ultrapassar uma moto e acabou a jogando embaixo de um caminhão. As cenas na TV até que foram leves, mas na internet, por favor, parece filme de terror. O triste é ver um acidente assim e imaginar que naquele instante duas pessoas perderam a vida. E a polícia ainda diz que "não houve a intenção de matar". O que é isso?
Márcia Gouveia

O Corvo responde: as imagens de fato são impressionantes. Mas o caso está sendo preliminarmente tratado como homicídio culposo, ou seja, sem a intenção de matar, como em geral acontece nos acidentes de trânsito. Mas isso pode mudar, tanto que há uma discussão muito grande sobre a culpabilidade nos acidentes, o que pode até mesmo causar alterações na legislação de trânsito. Pensa na família dos acidentados vendo aquilo pela TV, os últimos segundos de vida de entes queridos? É uma situação muito consternadora. 

Fortalecimento
Corvo, quanta coisa para fortalecer a fronteira, hein? Câmeras por toda a cidade, agora com reconhecimento facial na Ponte da Amizade; Centro Integrado ultramoderno; Exército reforçando a segurança; PMs e GMs aumentando as rondas..., a vida vai ficar mais difícil para os inimigos do alheio, não acha? Pelo visto teremos mais paz, pelo menos no final de ano. Espero que isso ajude a proteger as residências, porque na vila onde eu moro as casas são invadidas e assaltadas quase todos os dias. 
Roberto Feitosa

Linchamento
Corvo, nós organizamos e possuímos um grupo bem articulado de vizinhos. Todo mundo monitora o bairro e um cuida da casa do outro. Depois que passamos a agir assim, os bandidos passam longe da nossa rua. Esses dias pegamos uma criatura no quintal de uma vizinha e foi um auê. Metade do povo queria bater, surrar, enfim, mas no final chamamos a polícia. Mas pensa Corvo, a gente dá um duro danado para ter as coisas, e vem um malaco e leva, de boa? 
Waldirene Silva

O Corvo responde aos leitores: as forças de segurança não resolverão 100% dos casos. É importante que a população ajude, participe, denuncie; os vizinhos devem organizar-se montando grupos, isso sim funciona. Mas é importante chamar a polícia, e não partirem para o enfrentamento com bandidos, porque eles estão preparados. O cidadão sempre está em desvantagem ao enfrentar um meliante, acostumado a viver perigosamente. 

Lixo nas ruas
Corvo, a população parece que está atendendo aos apelos dos órgãos públicos para se separar o lixo e cuidar mais da natureza, mas tem uns caras que esculhambam tudo. Esses dias, parou uma caminhonete e despejou lixo ao lado do meu muro, e tinha de tudo: de casca de batata a entulho de construção. Pior, fizeram isso à luz do dia, em plena Jules Rimet. Fui falar com o cidadão, e ele fez cara de quem ia brigar, daí deixei quieto. Que triste isso.
Raimundo Dalton Bonfantti

O Corvo responde: anote a placa e denuncie. A pessoa vai salgar o final do ano com uma multa bem gorducha e vai pensar duas vezes antes de despejar lixo ao lado da casa dos outros. Isso é um abuso e acontece rotineiramente em muitos bairros. 

Paraguai
Corvo, digam o que quiserem, mesmo com dólar alto, o outro lado da ponte está "assim ó", com um movimento igual ao dos anos anteriores. As pessoas devem estar levando menos, evidente, mas não perdem o hábito de visitar o paraíso das compras. Não há o que atrapalhe o comércio de Ciudad del Este!
Samir Faas 

O Corvo responde: o Corvo deu umas bandas por CDE e notou que, mesmo com o dólar alto, ainda é mais cômodo adquirir alguns produtos lá, em relação aos preços cobrados no Brasil. A diferença é que do outro lado da fronteira compram à vista, ou parcelam no cartão internacional. No Brasil, é o crediário quem move as vendas e há garantia para os produtos. Mas comprar no Paraguai é sim um hábito entre brasileiros. 

 

Situação lastimável
Corvo, não é de hoje que vejo pessoas vivendo ao relento. Se a gente sair por aí fotografando, teremos muitas histórias tristes e ilustradas, de seres humanos abaixo da linha da pobreza e ocupando espaço nas calçadas de nossa cidade. É muito triste, porque as pessoas merecem dignidade e respeito, e não podem viver assim.  Na Rua Edmundo de Barros, bem pertinho do Bradesco, fiz a foto. Vamos ajudar os nossos irmãos. 
MB (O leitor pediu para não ter o nome revelado.) 
O Corvo responde:
nesta época do ano, há muito trabalho para as equipes da área de assistência social da prefeitura. O número de pessoas nas ruas aumenta consideravelmente. Muitos são atendidos, acolhidos, mas no dia seguinte são vistos em outros locais. O mesmo ocorre nas portas dos supermercados, onde há vários pedintes. Em época de final de ano, fica difícil não ajudar quem necessita, mas a pobreza está muito agravada.  

Suplemento especial
O GDia irá circular um supercaderno especial de final de ano neste dia 21, sábado. O jornal circulará normalmente até o dia 24, véspera de Natal, e retornará às bancas dia 27. A operação será semelhante na semana seguinte, com circulação até o dia 31. Para a próxima semana, o expediente será normal até o dia 23.