No Bico do Corvo
No Bico do Corvo
Bolsonaro e os terroristas

O presidente Jair Messias Bolsonaro é um homem que fala o que pensa e depois, certamente, fica pensando muito no que fala. Ele expressou sua indignação contra o Hezbollah e jogou o MST na mesma vala. "São grupos terroristas, como o MST." 

 

Luz amarela
Uma declaração assim, óbvio, faz uma bagunça na cabeça de muita gente, em especial em quem atua no ramo do turismo. Foz já lutou muito contra as mais sórdidas acusações de envolvimento com grupos extremistas e deve continuar lutando, mas será que nos dias de hoje esse tipo de informação causa prejuízos à imagem? 

 

O que é o Hezbollah hoje?
Perante a ONU, é uma força política libanesa, e das mais consideráveis, responsável por diversos serviços sociais, mas além de se organizar assim é um grupo paramilitar fundamentalista, xiita, considerado um movimento de resistência legítimo por grande parte do mundo islâmico e árabe. No entanto muitos países o consideram uma organização terrorista, como é o caso dos Estados Unidos, Argentina, Israel, Canadá, Países Baixos, Liga Árabe, Reino Unido, entre outros. Como o Brasil se declara alinhado aos interesses norte-americanos, a amizade entre Trump e Bolsonaro pode tornar-se familiar, os membros do Hezbollah poderão ser declarados terroristas, como já aconteceu no Paraguai recentemente.   

 

Fartura
O Líbano é um país pequeno, quase mil vezes menor que o Brasil. Foi devastado por muitos conflitos, e sua área compreende 10.400 km², com uma população em torno de 6,2 milhões de habitantes (dos quais 3,5 milhões de libaneses), com um PIB de US$ 77,4 bilhões; a renda per capita é avaliada em US$ 17.326, maior que a do Brasil (US$ 15.646). Em termos comparativos, o Líbano é menor que muitos municípios e estados brasileiros, mas recebeu 1,85 milhão de visitantes em 2018, e o número deve aumentar consideravelmente este ano, podendo ultrapassar 2,5 milhões, um pouco menos que a metade de turistas estrangeiros que visitam nosso país. Não está errado dizer que o Líbano é mais bem-sucedido no ramo. Se tanta gente assim vai à terra do Hezbollah, Foz não terá motivos para preocupação.
 

Cadê?
O engraçado nisso tudo é que depois de tantas acusações, com a cidade invadida por agentes da CIA, FBI, Mossad, e vários órgãos de inteligência do Brasil, nunca conseguiram prender um único terrorista. Eita povo esperto, hein! Pensa? O máximo que a cidade chegou perto do extremismo foi identificar um depósito de US$ 50 mil destinado a obras sociais em terras sul-libanesas. E isso foi declaração do ex-chefe para assuntos de combate ao terror da OEA, o norte-americano Steven Montblatt. Onde estão esses terroristas, afinal?  

 

Gancho
Se acusar Foz de abrigar o extremismo foi uma artimanha para atingir o MST, seu Bolsonaro deve desculpas à cidade. Mas, por outro lado, se houver de fato a desconfiança e ela motivar o envio de mais segurança, investimentos e formas de deixar a população mais amparada, vamos acabar saindo no lucro.

 

Economia
O novo diretor-geral de Itaipu ganhou a simpatia e o respeito dos iguaçuenses; pudera, o resultado de muitos ajustes financeiros foi aplicado na cidade. Ele deu uma aula de bom senso e eficiência na aplicação dos recursos públicos. Não demorou, há correntes imaginando um jeito de lançar o general para o posto de prefeito. É provável que ele não aceite nem se fosse decretada uma LSN, ou Lei de Segurança Nacional, nos tempos em que prefeitos eram nomeados nas cidades de fronteira. E no mais, Joaquim Silva e Luna possui a aura de estadista brasileiro; está além de cargos em municípios.    

 

Carência
Isso nos dá uma noção do quanto a política é carente de gente séria, comprometida com o povo e a coisa pública. Quando surge alguém que resolve, todo mundo quer. 

 

Ameaça ao sossego
Corvo, enfim uma ação da polícia para dar fim aos baderneiros e festeiros que tiram o sono da gente. Meus aplausos ao vereador Luiz Queiroga pela iniciativa e aos demais que são sensíveis a isso, um problema grave em Foz. Foi bom saber que eles estão atentos e conhecem o drama de muitas localidades, onde enquanto uns festejam muitos não conseguem dormir. Vamos ver se as autoridades vão dar cabo das reclamações, fiscalizando e multando pela bagunça.
Maria D'Antonio Velasco

 

 

Sem dormir
Quero parabenizar e dar as boas-vindas ao GDia e aproveitar para agradecer a matéria que vocês publicaram na página 4 da edição de ontem, sobre a discussão na Câmara sobre o som alto e a perturbação do sossego. Li que foram quase mil reclamações, o que é de se imaginar no que se transforma a vida dos PMs de madrugada, com tanta gente reclamando de bagunça. Tomara que a libertinagem, pelo menos, diminua.
Francisco Dammer

O Corvo responde: prezados, segundo pesquisamos, houve mudanças na lei, permitindo que eventos sejam realizados sem a necessidade de alvará, para um número determinado de frequentadores. Mas quem controla isso? Com ou sem alvará, a lei deve ser respeitada; e a "perturbação", coibida e fiscalizada. A Câmara iniciou um importante debate, e como sabemos o vereador Queiroga não vai deixar o assunto esfriar.  

 

MP e a feira
Uma notícia, no início da tarde de ontem, abalou geral os preparativos da Feira do Livro. O Ministério Público não quis saber da dispensa de licitação para a contratação da empresa de logística. Mas o Juca se "virou nos 30" e correu para um acordo com o MP e TC, mantendo a data. Melhor assim, quando os problemas se antecipam. Ruim é acontecerem depois do evento realizado. 

 

Guerra contra o sarampo
Sábado haverá uma campanha bastante intensiva nas unidades básicas de saúde; elas estarão abertas até às 14h para a imunização contra o surto de sarampo. A Secretaria Municipal de Saúde está organizando a ação para tentar cobrir toda a população. Além das vacinas, haverá a conscientização, o que é muito importante. O Sudeste do país vive clima de epidemia. "É fundamental que as pessoas que não tenham tomado as doses da vacina procurem as unidades básicas de saúde para se protegerem contra o sarampo", alerta a diretora de Vigilância em Saúde, Carmensita Gaievski Bom. Agora, o que falta é o povo com medo de injeção não dar bola para o esforço. 

 


GDia agradou!
Corvo, como bom gaúcho, leio o jornal antes de muitas coisas, e desde que vivo em Foz (1993) leio os jornais, especialmente os diários. Olhando para as mudanças e a forma que o GDia ganhou, tenho a relatar que o jornal está muito bonito e bem dimensionado em matéria de notícias. Está na medida certa para as pessoas que precisam se atualizar quanto aos fatos. Meus parabéns a todos, porque imagino que fazer um jornal assim todos os dias não é uma tarefa fácil nem barata. Posso dizer que me sinto orgulhoso em receber o jornal todos dos dias em casa. Não sou assinante porque ajudo o vendedor de rua; aliás, Corvo, ele nunca falhou. Dá para acertar o relógio quando o moço faz a entrega no meu portão. 
Adenilson Lourenço Vigo

O Corvo responde: o projeto do GDia está sendo ensaiado e idealizado desde o ano passado (2018). Ele não se resume apenas ao impresso, mas ao eletrônico e postagem de notícias nas redes sociais. Também há novidades no campo das assinaturas e na prestação de muitos serviços. Mas as mudanças praticamente nem começaram, porque haverá mais conteúdo local, com as reportagens dos bairros, e aos poucos outros suplementos surgirão. Agradecemos os leitores, assinantes e anunciantes!

 

Bolsonaro e os terroristas

O presidente Jair Messias Bolsonaro é um homem que fala o que pensa e depois, certamente, fica pensando muito no que fala. Ele expressou sua indignação contra o Hezbollah e jogou o MST na mesma vala. "São grupos terroristas, como o MST”.

 

Luz amarela

Uma declaração assim, obvio, faz uma bagunça na cabeça de muita gente, em especial em quem atua no ramo do Turismo. Foz já lutou muito contra as mais sórdidas acusações de envolvimento com grupos extremistas e deve continuar lutando, mas será que nos dias de hoje, esse tipo de informação causa prejuízos à imagem?

 

O que é o Hezbollah hoje?

Perante a ONU, é uma força política libanesa e das mais consideráveis, responsável por diversos serviços sociais, mas além de se organizar assim, é um grupo paramilitar fundamentalista, xiita, considerado um movimento de resistência legítimo por grande parte do mundo islâmico e árabe. No entanto, muitos países o consideram uma organização terrorista, como é o caso dos Estados Unidos, Argentina, Israel, Canadá, Países Baixos, Liga Árabe, o Reino Unido, dentre outros. Como o Brasil se declara alinhado aos interesses norte-americanos, a amizade entre Trump e Bolsonaro pode se tornar familiar, os membros do Hezbollah poderão ser declarados como terroristas, como já aconteceu no Paraguai, recentemente.

  

 

Fartura

O Líbano é um pais pequeno, quase mil vezes menor que o Brasil. Foi devastado por muitos conflitos, sua área compreende 10.400 km2, com uma população em torno de 6,2 milhões de habitantes (dos quais 3,5 milhões de libaneses), com um PIB de US$ 77.400 Bilhões; a renda per capita é avaliada em U$ 17.326, maior que a do Brasil (US$ 15 646). Em termos comparativos, o Líbano é menor que muitos municípios e estados brasileiros, mas recebeu 1,85 milhão de visitantes em 2018 e o número deve aumentar consideravelmente este ano, podendo ultrapassar 2,5 milhões, um pouco menos que a metade de turistas estrangeiros que visitam nosso país. Não está errado dizer que o Líbano é bem mais sucedido no ramo. Se tanta gente assim vai à terra do Hezbollah, Foz não terá motivos de preocupação.

 

Cadê?

O engraçado nisso tudo, é que depois de tantas acusações, com a cidade invadida por agentes da CIA, FBI, Mossad, e, vários órgãos de inteligência do Brasil, nunca conseguiram prender um único terrorista. Eita povo esperto hein? Pensa? O máximo que a cidade chegou perto do extremismo, foi identificar um depósito de US$ 50 mil, destinado às obras sociais em terras sul-libanesas. E isso foi declaração do ex-chefe para assuntos de combate ao terror da OEA, o norte-americano Steven Montblatt. Onde estão esses terroristas afinal?  

 

Gancho

Se acusar Foz de abrigar o extremismo, foi uma artimanha para atingir o MST, seo Bolsonaro deve desculpas à cidade. Mas, por outro lado, se houver de fato a desconfiança e ela motivar o envio de mais segurança, investimentos e formas de deixar a população mais amparada, vamos acabar saindo no lucro.  

 

Como mostra a ilustração, ou mapa mundio publicado no Wikipedia, as relação entre Brasil e Líbano, é desproporcional. Mas o país recebe um número muito grande de visitantes e turistas de várias partes do mundo. Apesar do Hezbollah, o ramo no Turismo no Líbano é um excelente e próspero negócio. Logo, abrigar membros do Hezbollah, como disse o presidente Bolsonaro, não deve ser um problema para o Turismo de Foz. 

 

Ilusração Principal: Shahrokh Heidari /Cartoon Movement

Leia mais na edição impressa do GDia

Boas Vindas

O GDia é um projeto ousado, porque briga pela existência do impresso, e para isso é preciso inventar, reinventar, encontrar novos formatos que satisfaçam os leitores, cada vez mais exigentes. Se por um lado a internet mudou o perfil dos conteúdos, o impresso se adapta à realidade local, explorando mais as notícias da cidade, bairros e todo o contexto cultural, social, político e opinativo. O jornal possui muitos assinantes, e a venda nas bancas e ruas aumenta, o que consideramos um fenômeno, de acreditar que a fórmula é certeira. Vamos em frente! 


Perturbação do silêncio
O vereador Luiz Queiroga iniciou uma discussão em plenário, e ela foi muito bem recebida pelos colegas. Isso revela a importância do tema; ele é palpitante e está na pauta da cidade, tamanho o número de reclamações toda vez que alguém inventa de aumentar o volume do som ou promover uma festa, seja em qualquer local. As pessoas podem divertir-se, claro, desde que não impeçam o descanso de outras. 


Equívoco
Muita gente faz uma leitura errônea da lei sobre o "silêncio", pois pensa que pode fazer o que bem entende até às 22 horas. É errado pensar assim, porque barulho acima do normal perturba e, dependendo, é crime. Com o Queiroga abrindo uma discussão assim, pode ser que a cidade se torne mais ordeira e as pessoas encontrem o tão esperado e merecido descanso.  


Lojas francas
De que adiantou tanta confusão se depois de um ano apenas uma free shop conseguiu instalar-se e ainda não abriu as portas? É o que faz o desconhecimento e a falta de preparo ao se discutir o assunto. Muito blablablá e pouca ação. A dona Receita que faça o favor de agilizar o processo, antes que isso cause desânimo e prejuízo. 


A Fazenda no Fouad
Depois de décadas funcionando nos fundos do Banco do Brasil, a Secretaria da Fazenda, enfim, terá uma fachada própria. A mesa de rendas do município ocupará o espaço das estantes com calcinhas e sutiãs. Antes que o Fouad Fakih ligue reclamando, lembramos que "o lojinha" vendia muitas outras coisas. O Corvo era freguês. Será que o Ney Patrício vai deixar o "turco" usar a salinha no mezanino? Para quem conhece o Fouad, é difícil imaginá-lo longe daquela sala. 


Bagunça financeira
O ex-diretor da Fundação Municipal de Saúde Jorge Yamakoshi desabafou em audiência: "Havia uma bagunça financeira". Bom, deu para ver que ele não foi um bom arrumador, porque a bagunça, ao que sabemos, ficou bem pior. O Hospital Municipal precisou até de intervenção, tamanha a desordem. Que tragédia! 

O canto de sereia
Várias pessoas estão enroladas acima do pescoço em razão das promessas e cantadas da organização criminosa instalada na prefeitura, no espaço de tempo em que o Reni Pereira esteve por lá. Acreditaram na falação e devem para ex-funcionários, município, Receita Federal e, claro, para o comércio local. Não foram poucos os laranjas que viraram suco, coitados. 


Lá vem bomba
Contaram para o Corvo que um depoimento na área de Saúde pode ser bombástico, revelando propinas e mensalinhos que sustentavam gente nociva, pagas para esculhambar desafetos do governo. 


Alívio
Há quem tente a todo custo saber o resultado dos depoimentos da Pecúlio. Seria uma forma de voltar a pegar no sono depois de tantos pesadelos e a sensação de ser citado, ou envolvido, no modus operandi de uma organização criminosa. 


O "Big Brother"
Com 115 câmeras, o sistema de monitoramento de Foz já se tornou bem eficiente. Com 258, mais as que estão instaladas nas residências e estabelecimentos comerciais, em toda a cidade, a vida dos inimigos do alheio e "abusados" no trânsito vai tornar-se bem complicada. E lá vem mais tecnologia com o advento do reconhecimento facial. 


Solução
Com as câmeras, os vândalos e destruidores do patrimônio público estão mais encolhidos. Sabem que em poucos minutos uma viatura pode aparecer. Em alguns locais da cidade, o índice de depredação caiu vertiginosamente. Isso ajuda, e muito, a economizar a grana do povo. 


Ar-condicionado
O Corvo vai fazer uma pergunta enviada por um leitor que pediu para não ser identificado: com o verão que se aproxima, com as temperaturas querendo bater mais recordes que Itaipu, será que os ônibus equipados com ar-condicionado sairão finalmente das garagens? É que chegou o frio, e o povo parece que se esqueceu desse detalhe.  


Cara amarrada
Disseram para o Corvo que o prefeito Chico saiu de uma reunião com a cara mais feia que a da Maria da Paz depois de dar o tiro no marido. O que será que aconteceu? Pode ser, depois disso, que ele comece a "reforma" administrativa, comentada por várias vezes nesta coluna. 


No Gresfi
Algumas pessoas estão enviando cartas (e-mails) preocupadas com a realização da Feira do Livro nas dependências do Gresfi. Segundo informam, o evento estaria sendo programado apenas no espaço do ginásio coberto que há lá. O Corvo vai procurar o Juca, ilustre diretor-presidente da Fundação Cultural, para saber mais sobre o projeto. Como ele é difícil de dar tiro no pé, pode ser que esteja aprontando uma surpresa boa para os frequentadores. 


Ecoflores
E com a chegada da dona primavera, Foz capricha nas cores, se depender da Ecoflores, evento que chega ao 20º ano; diga-se um esforço e tanto do Rotary Três Fronteiras! Um pedaço de Holambra se muda para Foz durante o evento.


Brigadistas
O GDia publicou, inclusive com chamada de capa, detalhes sobre o curso de brigadistas de incêndio. Nenhum vereador está frequentando as aulas, o que seria providencial perto do que virá com a volta dos cassados. Sugeriram ao Beni Rodrigues a inscrição do Marcelinho Moura, mas ele não deu bola. Em geral, quem ateia fogo não serve para apagar.      


Nepotismo
Corvo, se entendi direito, uma comissão do Senado diz que a indicação do filho do Bolsonaro é nepotismo. Mas ele não é um desempregado ou vive pendurado na família. É um deputado federal, eleito por votação expressiva e, ao assumir, vai perder o cargo. Não votei nem no Bolsonaro, mas essa visão sobre nepotismo está equivocada. 
Roberto Soares Vidal

O Corvo responde: prezado leitor, há um pensamento divergente sobre esta questão. O presidente Bolsonaro disse que o parecer do Senado possui fundamentos políticos. De qualquer maneira, a indicação por si é um evento que divide muitas opiniões, e vai ver é diante disso que o presidente falou que pode recuar da nomeação. 

Red Day
É um evento lançado pela colunista Simone Ortiz que reunirá um seleto grupo de mulheres vestidas de vermelho, logo mais às 19h30, no Restaurante 4 Sorelle. Será um encontro elegante, com cerimonial, leilão de artes e um jantar social com a intenção de arrecadar doações para o projeto Coração, idealizado pela policial militar Scheila Melo, ao oferecer orientação para meninas, crianças e adolescentes, por meio de atividades teóricas e práticas dentro da Comunidade Buba. O projeto atende 25 meninas entre 12 e 15 anos. Uma bela iniciativa e que o Corvo apoia! 

Superação

Corvo, Itaipu bateu mais um recorde: superou a marca dos 50 milhões de MWh! E é importante saber que quanto mais ela produz energia, mais barata vai ficar a conta de luz dos consumidores. Quer dizer, mais em conta, porque barata a energia nunca foi. O Brasil (como o senhor mesmo escreveu) cobra uma das tarifas mais altas de energia. E no mais, seu Corvo, isso também depende da natureza, porque é a água do Rio Paraná que move as turbinas. Se não houver água em abundância, a produção cai. 
Mário Gomez Limeira

O Corvo responde: é verdade, a água do Rio Paraná movimenta as turbinas, mas isso também depende do homem, porque quando ele compromete a natureza o leito dos rios diminui; isso acontece por causa do assoreamento, poluição e uma porção de agressões regularmente cometidas. Mas também devemos evidenciar todo o esforço em investimentos, tecnologia e mais, a ousadia em construir uma gigante, do contrário a água estaria descendo pelo rio e nenhuma energia limpa seria produzida. Dá para imaginar o sistema elétrico brasileiro sem Itaipu? Pensa

 

Mais manifestações
Tomara que o Brasil e o Paraguai encontrem uma solução na mesa de negociação, ou no campo diplomático, porque as ameaças de manifestações causam desespero em trabalhadores e comerciantes. As notícias sobre as paralisações e, como consequência, a dificuldade para se entrar em CDE já correram os grandes centros brasileiros. O Corvo já escreveu e vai repetir: além do dólar alto, o comércio precisa conviver com mais isso, um fantasma nacionalista que só causará desunião.

 

Orçamento Participativo
Acontece hoje, no Centro de Convivência Leonel Brizola, a última reunião de 2019 entre o governo e a população com o objetivo de discutir o orçamento. Chegou a vez da Região Nordeste da cidade. Os encontros são muito bem frequentados, e as pessoas saem deles com um grau de satisfação em relação ao governo, por isso, segundo esta ave soube, estão matutando mais uma rodada de discussões, mas como isso acontecerá no ano que vem, o tema será outro; e como 2020 será um ano político, as reuniões só podem acontecer até maio, ou fora do período eleitoral. 

 

Qual tema? 
Não haveria nada de errado, caso governo e vereadores abrissem um diálogo pela construção de um orçamento pleno, iniciado pela população com base nas ocorrências que envolvem o atendimento público em todas as áreas. Em encontros assim passariam o laço até nas emendas parlamentares, a começar pelas impositivas. Se os vereadores aceitarem, pode ser um passo importante para um diálogo bem abrangente.

 

Vereadores
Independentemente de situação ou oposição, vários vereadores participam das reuniões pela discussão do Orçamento Participativo. As reuniões com a população causam uma aproximação valorosa com os três poderes. E a presença de público é uma resposta: o povo está antenado e interessado nas ações dos políticos. 

 

Estrada do Colono
Os pavilhões onde aconteceram as reuniões, em Capanema, Serranópolis e Medianeira, estavam tão lotados que nem mosca conseguia entrar. Foram raros os casos em que alguém esboçou uma opinião contrária à abertura da estrada, e se alguém questionou foi tratado com respeito, o que dá para medir o nível elevado da discussão. 

 

Algazarra
Corvo, essas festas rave não são o único problema. Há vizinhos descarados e que não se importam com a bagunça ou o que ela causa nas pessoas que moram próximo. Eu convidei minha mãe para passar uns dias em casa e passei foi a maior vergonha. A pobrezinha não conseguiu descansar um minuto, porque o som alto atravessou todo o final de semana. E não adianta mais chamar a polícia, porque certos tipos de pessoas não dão bola para a lei. Como pode uma coisa assim? A maioria das pessoas quer os sábados e domingos para descansar, repor as energias do trabalho; mas há quem só goste de festa. Foz está largada nesse quesito. O abuso é total!
NNB (A leitora pediu para não ter o nome revelado.)

O Corvo responde: prezada, a perturbação do sossego é de fato um problema sério em Foz do Iguaçu. Como escrevemos em várias e destacadas oportunidades, há muitas reclamações na PM e GM, tantas que as equipes não conseguem atender. Quem coloca o som acima dos 70 decibéis — não importa a hora do dia — causa perturbação, e isso é crime. Denuncie! 

 

Semana especial
Começa hoje a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência. É a oportunidade para se pensar em muitas coisas, a começar pelo acesso, o que muitos desprezam na realização de uma obra pública ou privada. Milhares de pessoas são apartadas das oportunidades de trabalho porque não há rampas, elevadores, calçadas... que permitam o uso das cadeiras de rodas e tudo o mais que cause dificuldades para os que possuem deficiências intelectuais ou múltiplas. Também devemos pensar soluções para diminuir os acidentes, seja no trabalho ou nas ruas. Muitos se tornam deficientes em razão de atropelamentos, sinistros no trânsito, falta de um equipamento de segurança no exercício de uma profissão. A programação em Foz é diversificada e propõe a conscientização.  

 

O Bar do Corvo
O ambiente recém-inaugurado mais esperto da cidade abriu no sábado e foi um evento muito concorrido! O Bar do Corvo não é de propriedade desta ave comedora de carniça, e sim de uma rapaziada antenada que sabe o que falta em matéria de lazer. Mas o Corvo é frequentador de carteirinha e tem a sua cadeira cativa! Este colunista é fã do caraoquê, o que, aliás, é um dos pontos fortes da casa. Caraoquê é bom de cantar e de ver o povo desafinar. Vale a pena conhecer! O Bar do Corvo funciona na primeira quadra da Rua Marechal Floriano, nº 2.222, igual ao número do expresso que vai para Bom Sucesso! Mais sugestivo impossível. Abre todos os dias a partir da 18 horas. O Corvo voltará ao assunto.    


Robson Meireles
Hoje é o dia do Robson, nosso editor-chefe. Ele assopra as velinhas! Este colunista e demais colegas de trabalho fazem reverência ao profissionalismo, dedicação, caráter e companheirismo do Robson, desejando-lhe muito, muitos, muitos mais anos felizes de vida! 

 

Novo GDia
Alô, alô, leitores, amanhã estreia o novo GDia eletrônico e também impresso. Não haverá muitas diferenças, porque o projeto gráfico foi aprimorado. Quem lê jornal e também está acostumado com o visual eletrônico não gosta de mudanças radicais. Funciona como ir ao supermercado, quando mudam os produtos de gôndolas a freguesia fica meio perdida. Mas a reforma visual abre as portas para uma porção de inovações que chegarão aos poucos! 
 

 

Bacharelou
Nosso parceirinho Marcos Aurélio cumpriu uma meta e realizou o sonho de concluir o curso de Direito! Na foto ele divide a alegria coma esposa Vanessa Cristina Ribas. Que venha o exame da Ordem! Nossas felicitações Marcos! 
foto do corvo 4

O pum da vaca

Corvo, eu vi num programa de televisão que os gases mais cruéis e que devastam a camada de ozônio são do "pum" soltado pelo gado. Quase não acreditei e fui pesquisar, e é verdade! E eu pensava que eram as fábricas, os veículos e os seus motores! Será que alguém vai arranjar uma maneira de resolver isso? Que tal inventarem bolhas de plástico com orifícios para saírem as pernas da vaca e as tetas também, pra modo da gente tirar o leite? Isso poderia ser uma solução. O que o senhor nos diz sobre isso, Corvo?
João Paulo Pinheiro

O Corvo diz: começamos bem a segunda-feira! Prezado, se uma vaca ou outro animal for confinado numa bolha de plástico, "pra modo" de o gás emitido por ela não poluir a atmosfera, provavelmente morrerá asfixiada rapidamente! O "pum" dos bovinos é sim um problema gravíssimo a ser resolvido, uma vez que os rebanhos aumentam. E os leitores devem atentar para outra realidade: a Índia possui o maior rebanho de bovinos do planeta, mas é o Brasil quem mais cria gado comercial. Os dois países juntos superam os 50% dos rebanhos espalhados por todos os continentes. Mas como no Brasil a criação é um negócio, lidamos com o problema da derrubada das florestas para o aumento dos pastos. Quer dizer, além de poluir mais do que muitas indústrias, estamos acabando com o processo de renovação do oxigênio.

 

Privatização
E o Aeroporto de Foz entrou na lista dos privatizáveis. Ao que tudo indica, vem mais obra por aí, porque os editais pedem melhorias. Quem possuir perto de meio bilhão de reais na conta bancária poderá tentar o lance inicial e, se vencer, leva uma concessão de 30 anos! 

 

Dá lucro? 
Dizem que sim, embora não se cobre ingresso para as pessoas entrarem no aeroporto, movimentam-se fortunas com as companhias aéreas, lojas e prestações de serviço. Quem provém conforto fica de bem com os usuários. R$ 479,7 milhões é um valor um tanto alto para as empresas de Foz, mas não se descarta a criação de um conglomerado para encarar o processo, capitaneado por empresários iguaçuenses. Ou será que a Construtora Tarobá já não está no páreo? Alguém disse para o Corvo que o Renatinho e o Pimenta já estavam na fila; os irmãos já administram os estacionamentos e, do outro lado da cidade, a rodoviária, onde o índice de reclamações caiu aos patamares mínimos. 

 

Novinho
Teoricamente, quem "levar" o aeroporto encontrará facilidades, porque foram realizadas e entregues várias obras. Seria como comprar um carrão usado com baixa quilometragem, porém os usuários reclamam do fato de caminhar pela pista e do aperto nas salas de embarque e, principalmente, desembarque.     

 

Tuc...tuc...tuc...
Senhor Corvo, passei mais um final de semana sem dormir. Fizeram outra festa "rave" pelas bandas do Carimã, Novo Horizonte, Cataratas, Remanso e adjacências. O som estava muito alto, atravessou a tarde de sábado e assim foi até o domingo. Será que isso é legal? Gostaria de saber se é a prefeitura que concede alvará para esse tipo de evento, porque se eu não dormi provavelmente os ocupantes dos hotéis também não. E pelo o que sei, as paredes e os quartos dos empreendimentos hoteleiros não são blindados, à prova de música podre, que faz o cérebro da gente explodir. Ontem de manhã, ao sair da missa, os moradores se reuniram e disseram que vão fazer um abaixo-assinado, mas será que isso vai resolver? Pelo que sabemos houve reclamações na PM, mas os policiais vão ao local, os organizadores da festa abaixam o volume e pouco tempo depois aumentam. Ficam com essa sacanagem. Corvo, deve haver solução para isso! 
Manoel Regatto Giolli (aposentado)

O Corvo responde: prezado, a perturbação do silêncio é um assunto campeão de cartas nesta coluna e uma reclamação bastante comum à redação. O caso também é batedor de recordes na lista de chamadas da Polícia Militar e outros órgãos, como acontece na Guarda Municipal. Há quem organiza festas "raves" e é freguês do Fórum, respondendo a vários processos, mas parece que isso não é o suficiente. Diante de um quadro assim, dificilmente um abaixo-assinado resolverá o problema. Devemos pensar assim: se há eventos dessa natureza, barulhentos, é porque há público, logo há um caso de apreciação pelas ocasiões, embora isso reúna uma minoria expressiva, se comparado à quantidade de importunados. O correto é levarem o assunto para a Câmara Municipal e que proponham um endurecimento nas leis da cidade; no código de postura. Se levarmos em conta a Constituição, "perturbar o sossego alheio, mediante gritaria, algazarra, abuso de instrumentos musicais, sinais acústicos, dentre outras situações é crime, nos moldes do artigo 42 do Decreto-Lei Nº 3.688/41, passível de prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, ou multa". Neste caso, nossos ilustres vereadores não encontrariam problema algum em votar uma medida restritiva. Mas sabe como é, eles precisam de votos e uma pressão dessas poderia ser impopular perante os frequentadores de "raves". 

 

A perturbação
Roubar o sono das pessoas por causa de barulho parece ser algo comum em Foz do Iguaçu. Isso acontece por meio de festas, ambientes sem proteção sonora e veículos, verdadeiros parques de diversões a céu aberto. Todos desobedecem e fraudam às leis, porque deveriam obedecer em caso de autuação. Para quem desconhece, o uso de som, ou propagação de ruídos, é permitido até 70 decibéis. Acima disso é necessário autorização. Som alto causa diversos efeitos negativos no organismo dos indivíduos, levando em conta que uns são mais sensíveis que outros. Alguns sintomas vão de dor de cabeça até a possível perda auditiva. Os principais distúrbios são estresse, alteração do humor, irritabilidade, aumento da frequência cardíaca, surdez, zumbido no ouvido, distúrbios digestivos, falta de concentração, pressão alta, fadiga e até mesmo alergias; em geral, essas ocorrências encaminham as pessoas para os postos de saúde. Sendo assim, é mais barato para a prefeitura fiscalizar e não expedir alvará para eventos que causem a perturbação. 

 

Feira no Gresfi
O Corvo recebeu um número considerável de comunicações sobre a Feira do Livro e o fato de ela mudar-se para o Gresfi. Qual a razão de o evento não acontecer no Complexo Bordin, depois de tão bem organizado no ano passado? Para os leitores, a feira deveria ocorrer no centro da cidade, até na Praça das Nações se for o caso. O Corvo tem uma visão bem técnica do assunto: livro é de papel e precisa de cuidados. Se chover, a feira terá muitos problemas; neste caso, não ficaria ruim caso o evento acontecesse no Gresfi todo, pois é um edifício histórico e não é tão bem aproveitado para as datas da cidade. O assunto ainda vai render muitos comentários aqui. Mas o importante é abrigar a feira com qualidade para o acervo e público. 

 

Fraude da década
O Corvo está autorizado a publicar uma das maiores armações da história da cidade. E vai fazer isso por meio de documentos, depoimentos de advogados e ações que já tramitam na Justiça. Será necessária uma série de reportagens, que certamente ocuparão o espaço de algumas notas diárias. Não se trata apenas uma ação fraudulenta, mas de um sórdido esquema de passar a perna nas pessoas, amigos e ex-funcionários. Esta nota só está sendo publicada depois da colheita de documentos.  

 

O triste fim do facínora
Na noite de quinta-feira, correu um zunzunzum na cidade sobre a morte de um virtual peçonhento, que vive de achacar o meio político e quem ele descobre ser suspeito de alguma ação judicial. E quando o desocupado não encontra vítimas, inventa, faz denunciações caluniosas e depois tenta tirar proveito delas. Claro, quando alguém assim passa para outra, as pessoas comemoram, no lugar de meditarem e rezarem. Francamente, este colunista não esperava que houvesse tanta comemoração, o que beira um pecado. Haveria inclusive foguetório do outro lado do muro do cemitério. O Corvo é do bem e não torce para um desfecho assim a quem quer que seja, famoso ou no ostracismo, como é o caso do morto-vivo em questão; esta ave apenas comemora a vida e a derrota que ela impõe a esses imbecis, mentirosos de carteirinha, que apenas prejudicam a cidade. Se morreu ou não, não fizemos nem questão de saber. Para muita gente, o carinha já era, e faz tempo; matou-se de tanta besteira que inventou. 

 

É truco!
O Corvo recebeu esta foto pra lá de especial em que estão os campeões do EPA. Aqui vai um abraço a todos os "atletas" do truco iguaçuense! Na foto, o Toninho da pastelaria, Tito Carniel, Jhon, João Ribeiro, Manoel, Thiago Pegorini, Hélio Samek, Danielson Turola, José Borges, Felipe Schulz, Maicon e Gouveia. O Corvo é chegado num truco. Seis! 
 

Flamenguistas alegres
A rivalidade entre vascaínos e urubus está transpondo fronteiras. Havia festa pela vitória do Flamengo sobre o Vasco até em Ciudad del Este! Pensa? 

 

Momento do riso
Abra um sorriso na segunda-feira de manhã! Nem tudo é aporrinhação. O gerente do banco pode tornar-se seu amigo, apesar dos papagaios e cheques que ele precisa segurar; o carinha da Copel vai desligar sua luz, mas se você correr e fizer um parcelamento, ele volta e religa; o caminhão do lixo vai passar; em geral, a segunda-feira passa rápido e num piscar já será terça; faltando apenas três dias para o glorioso sábado! O nosso diretor Darley Carneiro encontrou uma maneira original de melhorar o ânimo dos colegas/colaboradores. Ele posta algumas piadinhas bem espertas para os mais chegados. Vamos ao momento "risos" de hoje, do Darley: 
"A vida é simples"
Sherlock Holmes e Dr. Watson vão acampar. Montam a barraca e, depois de uma boa refeição e uma garrafa de vinho, deitam-se para dormir. Algumas horas depois, Holmes acorda e cutuca seu fiel amigo: 
— Meu caro Watson, olhe para cima e diga-me o que vê. 
Watson responde: 
— Vejo milhares e milhares de estrelas.
E o intrépido e esperto Holmes então pergunta:
— E o que isso significa? 
 Watson pondera por um minuto, depois enumera:
- 1) Astronomicamente, significa que há milhares e milhares de  galáxias e, potencialmente, bilhões de planetas.
- 2) Astrologicamente, observo que Saturno está em Leão e teremos um dia de sorte.
- 3) Temporariamente, deduzo que são aproximadamente 3h15 pela altura em que se encontra a Estrela Polar.
- 4) Teologicamente, posso ver que Deus é todo poderoso e somos pequenos e insignificantes.
- 5) Meteorologicamente, suspeito que teremos um lindo dia amanhã.  Correto? 
Holmes fica um minuto em silêncio, então responde:
— Watson, seu idiota! Significa apenas que alguém roubou nossa barraca!!! 
Moral da história: a vida é simples, somos nós que temos a mania de complicá-la.
 

Descontentamento

Na estreia do quadro "Quatro Perguntas", do GDia, o prefeito Chico Brasileiro, entre outras, expressou algum descontentamento com a administração, quando o assunto é licitação ou as decorrências na escolha de prestadores de serviço. É o tal "gesso", que prejudica todo mundo, do cidadão que não vê as benfeitorias e não entende as razões delas não acontecerem aos políticos, que se matam num ringue burocrático, vencido pelas encrencas entre os prestadores de serviço. O Corvo pergunta: o que faz uma empresa participar de um certame licitatório, vencê-lo e, na hora de executar o serviço, simplesmente desistir? 

 

É estranho
Toda empresa lê e esmiúça os editais, pois lá estão todas as informações do objeto, seja uma obra de grandes proporções ou um serviço pequeno, uma arrumação de telhado, pintura de alguma fachada pública. No documento constam as regras, prazos e as responsabilidades no fornecimento. Tudo é transparente e, em geral, com o acompanhamento do Observatório Social. Os interessados disputam, oferecem os preços e atendem ao chamado público; alguns chegam a assinar o contrato, mas acabam desistindo, isso quando não entram na Justiça por considerarem que houve alguma irregularidade no certame. Enfim, o processo se arrasta por meses, e quem paga o pato é o contribuinte. Também há casos do tipo: "Se não é meu, não será de ninguém", quando um dos participantes joga baixo, para o concorrente não se dar bem. Deveria haver uma penalização para quem apronta um furdunço assim. 

 

Desempenho
Chico também comentou a tragédia que pode ser a reforma tributária, caso os municípios não se organizem para uma reação; e, claro, abordou aspectos eleitorais, esquivando-se, pelo momento, do processo. Neste ponto, ele jogou a batata quente nas mãos dos oponentes ou grupos que se articulam com muita antecipação, como a disputa fosse amanhã. Ele não disse, mas é óbvio que num processo assim o governo acaba transformando-se em alvo das tijoladas adversárias, porque o objetivo é levar a prefeitura. Logo, o prefeito precisa transformar-se em malabarista de circo, apagando os incêndios administrativos, governando e levando cacetadas por todos os lados. Não é uma tarefa fácil essa de se converter em saco de pancadas. Faz parte da democracia. 

 

Audiências públicas
Aconteceu a primeira reunião para discutir a Estrada do Colono; foi em Capanema, a cidade que quadriplicou a lonjura por causa da interrupção do acesso. Deu para ver pela televisão que o espaço estava abarrotado e, segundo disseram a este colunista, os opositores à reabertura estavam bem tímidos e comportados. Não houve margem para muita discussão, porque o grosso dos participantes queriam a reativação do caminho. 

 

Novo discurso
Quem diria, o rabo está mordendo o cachorro. As populações das cidades que defendem a reabertura da Estrada do Colono se mostram mais radicais na conservação da natureza do que os ecologistas contrários. Com uma posição assim não será difícil reabrir o trecho. 

 

Progresso e meio ambiente
Antes havia os extremos: de um lado, os que defendiam o desenvolvimento, o direito de ir e as relações entre as cidades; de outro, o radicalismo ambiental, a proteção às reservas naturais e um conservadorismo sobre a intocabilidade dos parques nacionais. Hoje isso mudou, os dois lados falam apenas na proteção da fauna e flora e discutem de que maneira isso é mais eficaz: se passando o arame farpado, vivendo do lado de fora, deixando a área apenas para os animais e plantas, ou convivendo com ela, protegendo-a permanentemente, por meio de uma estrada-parque. 

 

As estradas-parque
Este passarinho, que ama o Parque Nacional do Iguaçu, já viu e ouviu falar tudo e mais um pouco sobre as formas de se chegar a Capanema e de lá voltar sem precisar dar uma volta de 340 km (distância de ida e volta até Foz). Surgiram obras espetaculares como elevados, túneis embaixo da terra, teleféricos que levariam automóveis e até caminhões, e projetos futuristas incapazes de serem realizados pela falta de tecnologia em nossos tempos. Restabelecer o acesso é bem mais fácil e seguro do que muita gente imagina, basta edificar a estrada nos padrões internacionais de vias que conservam a natureza, como inúmeras em funcionamento em muitos países. O consenso vai alcançar isso depois de décadas de discussões; algumas muito ignorantes, diga-se.

 

Operação Ágata
Corvo, de novo, outra operação para controlar as fronteiras? E tem gente que diz: "Foz é uma cidade sem fronteiras"! Que nada, só se isso for na imaginação, não é? Mas se não me engano, esses dias anunciaram o final de uma dessas demandas. Por que já não deixam isso permanente, no lugar de ficarem gastando com o transporte de equipamentos e pessoal? 
Jaime Murilo Bertozzinni

O Corvo responde: prezado, as iniciativas de combate ao contrabando e proteção das fronteiras são várias. A Operação Ágata é realizada pelo Exército Brasileiro com o apoio de outras forças. As medidas atendem ao Decreto Presidencial 8.903 e visam à proteção, por meio da fiscalização e inteligência, de toda a faixa de fronteira na Região Sul. As várias operações combatem o tráfico de armas e munições, drogas e medicamentos, mas também reprimem o contrabando de vários produtos. Disseram a este colunista que, no espaço entre as operações, os órgãos de inteligência desenvolvem novas formas de atuação, assim como do outro lado o crime sempre se reinventa e cria maneiras de driblar as barreiras. O governo quer manter-se um passo à frente das organizações criminosas, e com posição assim se antecipa com a realização de ações como a Ágata. 

 

Feira do Livro
Seu Corvo, eu gosto muito da Feira do Livro, mas fazendo um comparativo com as edições anteriores, a programação com os autores caiu um pouco. Antigamente havia um escritor famoso por dia, e a gente os encontrava pela cidade, restaurantes, como fosse numa grande festa literária. Você sabe da programação? 
Maria Aparecida Linhares

O Corvo responde: prezada, a Fundação Cultural apenas fez o lançamento do evento. A Feira Internacional do Livro de Foz do Iguaçu, que chegou ao seu 15º ano, terá uma programação muito boa entre 5 e 13 de setembro. A lista de nomes surpreenderá os frequentadores e fãs da feira — na verdade, uma das mais importantes datas da literatura no Sul do país. Para se ter ideia, contaremos com a presença de Mia Couto, ou António Emílio Leite Couto, premiado escritor moçambicano, galardoado com o Prêmio Neustadt. Também está confirmada a presença do português Valter Hugo Mãe. A Feira do Livro finalmente alcançou a sua internacionalidade transoceânica. Mas um detalhe importante é a qualidade da curadoria, nas mãos de ninguém menos que o jornalista e escritor Rogério Pereira, um dos grandes nomes das letras no Paraná. Vamos aguardar a divulgação da programação.  

 

Abuso de autoridade
Corvo, estou acompanhando mais essa discussão no Congresso e encaro com perplexidade alguns pedidos, como é o caso de deixarem de usar algemas em alguns presos. O que é isso, hein? Estão discutindo o abuso, ou a liberdade, baseada nos Direitos Humanos? Parece que são questões distintas, não acha? 
Matheus Andrade

O Corvo responde: o Corvo não "acha" absolutamente nada! Este colunista pensa que um assunto está sim ligado a outro, mas a questão do "abuso de autoridade" é bem mais ampla e não se resume apenas a isto, condução de presos, mas à relação entre a população e seus representantes em todos os poderes constituídos da República, ou seja, ao trato que os membros do Executivo, Judiciário e Legislativo prestam ao cidadão. Foi-se o tempo em que as pessoas diziam: "Você sabe com quem está falando?"; tipo de pergunta chata, autoritária, como fosse um "carteiraço". Mas também é necessário cuidar para não comprometer e enfraquecer a decisão de juízes, bem como o trabalho dos promotores, delegados e investigadores. Há abuso, mas não se pode generalizar, portanto a discussão requer muitos cuidados.  

E hoje é sábado!
Corvo, pensa se todos os dias o clima fosse assim, hein? Uma temperatura média, agradável, sem aquele calorão nem frio também. Que maravilha seria viver num lugar assim, longe do calor escaldante, do ar-condicionado ligado 24 horas, usando roupas que não derretem com o suor! Imagina que delícia seria isso? Quero desejar um ótimo final de semana, seu Corvo, e desejar isso para todos os leitores! 
Augusto Moreira Pena

O Corvo responde: prezado, primeiramente aqui vão os nossos agradecimentos mediante sua gentil mensagem! Foz do Iguaçu é uma cidade quente e sofrerá com as ações climáticas, uma vez que todo o planeta está "aquecendo". Mas, segundo os especialistas, viveremos com as variações climáticas atuais mais uns 50 anos, e isso quer dizer que devemos nos acostumar. O negócio é arranjar uma boa sombra e água fresca! Um bom sábado a todos!

 

Tensão

O bicho está pegando em CDL. Os paraguaios estão afiando as ferramentas contra os acordos entre Brasil e o Paraguai. Bom, agora só falta alguém aparecer e elogiar o talento do Joel de Lima em agitar a turba.

 

Preocupação
Esses movimentos deixam os comerciantes em estado de pânico, porque já estão sofrendo, e muito, com a alta do dólar.  E para o desespero geral, contaram para este Corvo que estariam organizando uma agenda de movimentos em cima da ponte. Ai sim a vaca vai para o brejo. 

 

Disparate
O Corvo se negou a comentar o benefício estendido ao Alexandre Nardoni no Dia dos Pais. Primeiro ele mata a filha (A Justiça diz isso) e depois, fica esperando que ela lhe entregue um presentinho? Que barbaridade. Quem se conforma com isso? 

 

Cinemark
Corvo, ouço dizer que o jornal anda distribuindo ingressos para os cinemas do Shopping Catuaí. Isso é verdade? Também quero, como eu faço para participar, porque hoje em dia ir ao cinema é um bom presente. 
Murilo Gustavo Branco

O Corvo responde: prezado, se você participar dos concursos promovidos pelo GDia, muito provavelmente será contemplado, mas se comprar uma assinatura do GDia impresso, automaticamente ganhará ingressos. Basta ligar para 99128 5364 (número de WhatsApp) e falar com a Patrícia. Há várias modalidades para se ganhar um ingressos do Cinemark, com uma temporada de filmes de tirar o fôlego!   

 

Mudança positiva  
Enquanto os novos vereadores, ou seja, os que reconquistaram as vagas debaixo de liminares estão tentando encontrar uma posição confortável em suas cadeiras, o Luiz Queiroga parece não encontrar dificuldades. Pelo contrário, ele delibera como nada tivesse ocorrido. Vai ver, ele é alguém que tem o poder de passar a borracha no que foi ruim, e, simplesmente, toca a vida. 

 

Beni insiste 
O presidente da Câmara já está se "virando nos 30" para fazer a turma trabalhar normalmente. Além de fazer mais uma pregação sobre a necessidade de consenso, por meio da união "pela cidade", ele precisou comandar uma eleição para ocupar a vaga da 1ª secretaria da Casa de Leis, que era ocupada pela Rosane Bonho, que saiu com a entrada de Luiz Queiroga. O nome do vereador Elizeu Liberato foi escolhido em "consenso". Parece que Beni foi atendido. 

 

Pelo "consenso"
Na opinião do presidente Beni, o "consenso" estava mais para o Elizeu do que para o Queiroga e Márcio Rosa, que esperavam disputar a vaga. Dez a zero para a articulação e a conversa entre os vereadores. O cachimbo da paz soltou a primeira fumaça branca!

 

Audiências
Cada depoimento nas audiências das operações Pecúlio/Nipote resultam em várias "facadas" nas costas do Reni Pereira. Se o desfecho da sua carreira política fosse comparado à de Julio Cesar, Cônsul e ditador da Roma antiga, pode ser, não seria tão alvejado. Se depender do que dizem os ouvidos, está mais que confirmado o esquema de corrupção em seu governo. 


Desvalorização do Peso
Corvo, penso que finalmente voltará a ser interessante atravessar o rio e deixar o nosso dinheirinho na Argentina. Estava bem complicado até para colocar gasolina, que sempre foi mais barato. E comer por lá então? Só se a gente levar dólar! Agora, com as medidas de urgência pode ser que os preços caiam. 
Jorge Nantes

O Corvo responde: prezado, não será bem assim. Os argentinos precisam repor os estoques e com a desvalorização, precisarão manter os preços, senão aumenta-los. E como o leitor bem lembrou, o dólar é um parâmetro eficiente para os negócios do lado de lá, ainda mais em épocas de desvalorização da moeda. O problema será encontrar a moeda norte-americana. Puerto Iguazu não deve enfrentar muitos problemas, porque é uma cidade turística e com bom movimento. O perigo está do lado de cá. Quem perde com a desvalorização do peso são os comerciantes de Foz. 

 

Desenvolvimento
O tempo vai passando e Foz vai obtendo conquistas no setor de Turismo. Se voltarmos a um passado não tão distante, era difícil ouvir falarem a mesma língua e o esporte mais praticado no setor era o de "puxar tapete". Hoje os empresários estão organizados e com os olhos no futuro. 

 

Orçamento Participativo
Semana que vem, o Orçamento Participativo chega à Região Nordeste. Será no dia 20 de agosto, na quadra do Centro de Convivência Leonel Brizola e na Escola Municipal João da Costa Viana (ao lado). Como o assunto das reuniões já se espalhou e todo mundo quer participar, tentando tirar uma casquinha em favor do bairro, espera-se uma boa participação de moradores. O que chamou a atenção deste colunista foi a boa qualidade da peça publicitária em forma de convite, espalhada pelas redes sociais. 
 


Vem aí a Feira do Livro
O evento será lançado hoje, sexta-feira 16 de agosto. O Corvo que é um fã de carteirinha do evento, abre todo o espaço para a divulgação. O encontro para lançar um dos eventos mais esperados da cidade será logo mais às 9h30, na Sala de Reuniões da Fundação Cultural. 

Só quatro perguntas?
Corvo eu vi nas redes sociais o vídeo com a entrevista do prefeito Chico Brasileiro. Apareceu o Bonato perguntando e o prefeito respondendo. Mas não seria melhor fazer mais perguntas? Mas eu gostei muito do formato e da ideia. Apenas penso que deve haver mais assuntos. 
Lauro L. J. Silva

O Corvo responde: prezado, o quadro que você viu nas redes sociais e que é abrigado no GDiaTV, recém lançado, ainda está em caráter experimental e já está fazendo o maior sucesso. A linguagem na internet é muito rápida e a entrevista com o Chico, passa dos 5 minutos, deveria ser até mais. 

 

La Strega
Atenção gourmants e gourmets, o projeto gastronômico que fica entre as ruas Marechal Deodoro e Edmundo de Barros, aquela simpática esquina com a fachada histórica, está com sangue novo no controle. Trata-se do simpático Luizão, alguém que entende muito do ramo. Mas o Corvo ficou animado com o que ele deverá fazer por lá, porque daquela cabeça só sai coisa boa. Vale a pena ir conferindo.   

 

Paraguaçu 54 anos
Muita gente não viveu todo esse tempo, o que dizer de uma empresa? Mas desde 1965 a Paraguaçu vem representando uma das, senão a marca de automóveis mais populares e importante do planeta, a Volkswagen! E não está errado dizer que os números se confundem, se compararmos quantas pessoas nasceram na Santa Casa e quantos iguaçuenses compraram um fusca, ou outro modelo de veículo da fabricante. O curioso é que o nome Bordin está ligado aos dois. Bom, a família Bordin cravou vários marcos na história da nossa cidade. Parabéns à Paraguaçu Automóveis!

 

Muitas irregularidades

De duas uma, ou o CREA-PR é muito exigente, ou os construtores e empreiteiros de Foz estão fora do compasso das exigências. Um índice maior que 80% de irregularidade nas obras da cidade, convenhamos, é uma taxa muito alta. O bicho pega no exercício ilegal da profissão, em 40,8% das fiscalizações. 

 

Os riscos
Muita gente constrói porque acredita que é algo simples e que não há implicação nem risco. No dia em que uma viga desaba na cabeça de alguém, ou um telhado cai, a coisa muda de figura. E tem gente construindo em locais irregulares, pagando caro por serviços desqualificados. Há quem cobre fortunas por gambiarras. 

 

Alto padrão
Mas o que o CREA não divulga — e, claro, isso foge do âmbito da fiscalização — é que os 17% das obras sem irregularidades são de alto padrão e há muitas obras sendo realizadas assim, por empresas responsáveis, que empregam os funcionários obedecendo às leis. Por isso, contratando empresas regulares, as chances de riscos são praticamente nulas.

 

Mão de obra importada
E em Foz ainda há um outro problema: há muitos empreiteiros, pedreiros e ajudantes "made in Paraguai". E quem contrata acredita que vai escapar de uma ação trabalhista e não vai enfrentar algum outro tipo de problema. Com um índice tão alto assim de irregularidades, o CREA deve enfrentar dificuldades até na imposição de metas. 

 

Mais recordes
Este passarinho fez um "tour" na internet em busca de números das hidrelétricas mundo afora. É impressionante a lista de números superados por Itaipu. Com relação ao que foi publicado na capa de ontem, o dado mais importante é do aproveitamento da água ao mover as turbinas: produtividade total! 

 

Na política
Corvo, eu sei que vocês vivem de notícias, por isso ficam especulando dos bastidores da Câmara o que acontece na prefeitura, bem como abordam os atritos entre os nossos representantes. Tudo bem, mas se o senhor conversar com a população, sentirá um desânimo total. Esses problemas de envolvimento com política, Justiça, esse vai e volta da cadeia, o toma lá, dá cá, isso cansou a população. E ano que vem a gente vai votar, passará um tempo e nada vai mudar. É fogo, seu Corvo, todo mundo está pra baixo. Eu sou argentino, gosto muito do Brasil, tanto que vivo aqui, mas quando penso em voltar para a minha terra, olha o que está acontecendo lá! Francamente não sei onde está pior.
Luiz Córdoba       

O Corvo responde: calma, amigo, um dia as coisas se ajeitam. Mas não devemos nunca desprezar o poder do voto e o quanto ele pode resolver, quando os eleitores estão determinados. A população não pode perder a determinação nem o ânimo, porque se isso acontecer será muito pior. Vamos estufar o peito e seguir tentando. Uma hora dá certo.

 

Cadê a renovação?
Então, Corvo, a cidade fez uma festa danada quando se deu conta de que a Câmara havia mudado quase que 100% dos seus membros, isso descontando, é claro, as pessoas que voltaram a ser eleitas e que estavam fora da política. E agora? Temos uma "desrenovação", já que as pessoas banidas da política foram absolvidas dos seus crimes? Na minha opinião, a Justiça deveria estar mais atenta a essas situações, porque não vai demorar e ninguém vai acreditar mais nela. Já não cremos nos políticos e é chato ter que duvidar da Justiça. 
Jair Montemezzo

O Corvo responde: prezado, quem renova o setor político é o eleitor. A Justiça apenas julga as irregularidades que são cometidas, quando denunciadas. Todas as decisões são amparadas pelo conteúdo dos códigos, com pareceres, jurisprudência e os mais diversos e amplos caminhos que são encontrados durante as fases processuais. No caso dos vereadores de Foz, que retornaram à Câmara, a Justiça considerou que estava errada a forma como foram afastados; mas as demandas criminais e cíveis transcorrem na Justiça. É importante acreditar na Justiça.   

 

As propinas
Que coisa, hein seu Corvo, as revelações do Budel arrepiaram, porque ele foi mais longe em detalhar até como carregavam o dinheiro. Isso que é jogar no ventilador, não acha?
Val Medeiros

O Corvo responde: parte do que o ex-secretário e Obras e ex-superintendente do Foztrans revelou já fazia parte dos autos. Em seus depoimentos, atendendo à Justiça, Carlos Budel foi um pouco mais dissertativo quanto aos desmandos da "administração" Reni. Se é que se pode chamar assim a sua passagem pelo governo de Foz. 

 

Na China
Senhor Corvo, tenho visto muitos chineses em Foz e, pelo que leio no jornal, muitos ainda virão. Mas deixa eu fazer uma pequena abordagem: os visitantes chineses são muito diferentes dos demais, por causa dos hábitos. No hotel em que meu marido trabalha, tiveram que adaptar um modo de ter água quente permanente, porque bebem chá o tempo todo. Até os travesseiros foram mudados. Será que estamos preparados para receber tantos chineses assim? 
Luciana Marcos

O Corvo responde: prezada, a rede hoteleira sabe o quanto é importante receber bem os visitantes e turistas, por isso seus integrantes estudam, pesquisam, tentam adaptar-se às exigências dos hóspedes. Este Corvo já comentou e volta a repetir: a demanda de negócios no turismo envolvendo a China é a que mais cresce no setor. Pudera, há milhões de pessoas prontas para viajar, e o Brasil é um destino muito especulado. Foz está adiantando-se para sair do campo de especulação e passar a estabelecer uma ponte com tantos visitantes. Independentemente da exigência dos hóspedes, agradá-los é fundamental, seja no conforto como na gastronomia. 

 

Semáforos
Puxa vida, seu Corvo, nem o frio afasta os pedintes? No semáforo da Avenida Paraná com José Maria de Brito havia bem umas 20 pessoas disputando as esmolas dos motoristas. E fora isso, também os vendedores de balas, panos de prato e o povo que quer conversar sobre Deus, no semáforo! É muita gente, e quando a luz verde acende dá até medo ir adiante; vai que tem uma criança na frente! Um amigo disse que quase atropelou uma criança paraguaia esses dias. Está um perigo isso, Corvo!
Roberto G D Prates

O Corvo responde: de fato há um pouco de tudo nos semáforos, o leitor se esqueceu dos artistas de rua, que não são poucos, como o casal que se pinta de prata e faz performance em frente ao Restaurante China. Mas isso é um problema social grave e de difícil solução. A prefeitura mantém várias ações na área social, e algumas delas atendem os pedintes. Segundo noticiamos, uma campanha deverá orientar a população sobre não dar esmolas nas ruas de Foz. 

 

Barraco
Corvo, um figurão da cidade foi pego num supermercado fazendo compras com a "amadinha". Ele estava escolhendo batatas com a moçoila toda perfumada e do outro lado nem notou a presença da esposa, a número 1. Os funcionários do mercado passaram a noite catando as batatas que foram parar embaixo das gôndolas, fruto da guerra da esposa com a amante. E o maridão sumiu do mapa. Sabia disso? 
MLR (A leitora pediu para não ser identificada.)

O Corvo responde: o Corvo não dá atenção a esses comentários. A nota só está sendo publicada porque uma pessoa que trabalha no caixa contou para este colunista e acentuou que metade da cidade viu a encrenca, no setor de hortifrúti. Que barbaridade!


 

Reforma

O Brasil vive isto, de reformar um pouco de tudo. A população acompanha a reforma da Previdência sem muito entender do assunto, e pelo que foi possível apurar as pessoas avalizam os representantes, sejam da situação ou oposição. Poucas são as opiniões próprias. Uma parte acredita no presidente, seus ministros e deputados que apoiam a aprovação; a outra parte vai na onda dos sindicatos e oposicionistas. E agora nos damos com a reforma tributária, aquela que mexe no bolso para valer.

 

Foz vai sentir
Como este jornal publicou ontem, Foz do Iguaçu pode sofrer uma baixa de R$ 160 milhões dependendo do resultado final das propostas; mais que 10% do orçamento. E como a cidade vive da chamada "indústria sem chaminés", a facada é grande. E no mais, retornamos à velha discussão sobre o imposto sobre transações financeiras — que, segundo economistas, reduz o crescimento.

 

Ninguém pode negar
Pelo menos o novo governo, ou seja, Bolsonaro e seus ministros, está causando esse borbulhar de situações legais, sacudindo um pouco o mofo que havia no Congresso. Contaram para o Corvo que vem muito mais pela frente. O presidente não tira da cabeça a ideia de exterminar a Justiça do Trabalho.

 

Vai que é sua, Vermelho!
E com a reforma tributária, nosso deputado federal Vermelho vai precisar de muita paciência para não entrar numa saia-justa, porque ele vota com o governo, mas a reforma é um angu no caroço da cidade. E agora, deputado?

 

Militares
Itaipu voltou aos velhos tempos, com os militares em vários postos de destaque, ou melhor, nas diretorias. E pelo governo federal e autarquias, há generais, almirantes e militares de todos os escalões. E o pessoal da FAB? Tá faltando um brigadeiro no quadro de diretores, descontando obviamente o ministro-astronauta.

 

Budel
O depoimento dele superou as 16 horas, pensa? E não poupou o ex-chefe, entregou as pressões e modus operandi do governo para supostas extorsões, como teria acontecido no transporte. A dentadura andou solta, e o Budel não quis saber de conversa, denunciou. No mais, pelos diálogos e as "gentilezas" trocadas com o prefeito, deu para sentir que a relação estava bem desgastada. Os nervos andavam à flor da pele.

 

Respeito
Após a revelação de áudios das conversas entre Budel e Reni, alguns servidores entraram em pé de guerra. O tratamento aos procuradores, muitos dos quais efetivos e exercendo as funções, ficou bem abaixo do nível. Eles podem mover ações por dano moral contra o ex-prefeito.

 

No banco de reservas
Substituir Melquizedeque, depois que foi preso, não deve ter sido uma tarefa muito confortável para o Budel, a começar pela desconfiança de ser investigado, como muitas outras pessoas em cargos no Executivo e Legislativo. Mas no comando das operações, ajudou a engordar o caixa 2. O munícipe conhece bem o resultado de obra superfaturada e daqueles tempos: elas quase não existem mais.

 

Triste destino
E a grana derivada do superfaturamento, segundo Budel, tinha vários endereços, como o "mensalinho" aos vereadores e a campanha dos chegados do governo. E, segundo o depoimento, foi preciso muito dinheiro para apagar os incêndios e abafar os arranca-rabos entre vereadores. Que barbaridade!

 

Preceitos bíblicos
Corvo, você é um herege, vai arder no mármore quente que há na porta do inferno! Lázaro é um nome que está no livro sagrado, e você trata do assunto com piadinhas? E ainda misturando os personagens ao que acontece na Câmara! Vade reto!
Cleusa Maria Silva

O Corvo responde: "cruz e credo", prezada leitora! O Corvo recebeu uma notinha de outro leitor mencionando caso da ressurreição; ele pediu para publicar: "Não podemos comparar algumas pessoas, principalmente neste caso como "Lázaro"; sim, podemos falar abertamente sobre o Judas! Mais próximo das eleições, muitas pessoas andam juntas, praticamente de braços dados, mas lá na frente, possivelmente por março, abril, darão o beijo tanto no prefeito quanto no presidente da Câmara, aceitando as 30 moedas. Querem apostar? Teremos um festival de Judas a céu aberto em Foz do Iguaçu".

 

E por falar na Câmara...
Disseram para o Corvo que dois vereadores que recém-assumiram, por força de liminar, já querem sentar-se na janelinha. Estão exigindo isso e aquilo, pedindo a cabeça deste e daquele, e assim por diante. As palavras de conciliação do presidente Beni Rodrigues foram aceitas "só no faz de conta".

 

Igual onça
Mas os vereadores precisam ir devagar, porque o pote é de barro. Segundo uma informação, Beni é aparentemente muito paciente, mas não leva desaforo pra casa. Se ele fosse uma onça, o rabo já estarria debatendo-se de um lado a outro. É o sinal que o bicho dá antes de dar o bote.

 

Queiroga está de volta
Foi concorrida a posse do Luiz Queiroga na manhã de ontem. Só nas proximidades do gabinete do Beni havia bem umas 60 pessoas no ato; uma boa parte de amigos, outra menos de puxa-sacos pedindo uma boquinha de assessor. Detalhe: entre os candidatos ao emprego de vassalo, pessoas que enfiaram a faca nas costas do empossado. Que coisa mais feia! Vai faltar óleo de peroba na cidade.

 

No verbo
Queiroga foi muito otimista, com um discurso positivista, pra cima, no tom do desenvolvimento, sem a faca nos dentes e o sangue no "zoio". Na tribuna, durante a Palavra Livre, Queiroga falou que fez uma "breve reflexão" durante o período de afastamento, que Foz do Iguaçu é grande e que a meta é discutir importantes causas na área da saúde, turismo, economia gerada, investimentos, eventos, esportes... Lembrou a necessidade de um polo gastronômico; mencionou a segurança e a necessidade de policiais e GMs nas ruas; ao final, abordou as Olimpíadas do Saber.

 

Pedágios
Os preços baixam, mas os usuários das estradas querem saber: por quanto tempo? Da última vez que isso aconteceu, houve quem viajasse com o dinheiro contadinho. Na ida tudo certo, porém na volta a dureza depois da quarta cabine.

 

Promoção Dia dos Pais
O GDia sorteou em seu portal um delicioso jantar, e o menu foi o que os papais mais gostam, uma superpizza com a grife Império, a "forneria" mais conceituada da cidade! A vencedora foi Cristina De Stefani, e o seu Fioravante foi quem ganhou o presente. Ele adorou e aprovou!

Queiroga again

Depois de uma longa batalha, Luiz Queiroga assume hoje a cadeira na Câmara. O Corvo publicou que ele está com a faca nos dentes, mas segundo manifestou: "O discurso será de grandes eventos, projetos e conquistas para nossa cidade, pensar grande como Foz do Iguaçu é grande". Boa sorte ao vereador! 

 

Pastor Isaías
Ele se filiou ao PTB e com um destaque: pelas mãos do Roberto Jefferson. Francamente, o pastor Isaías Cardoso seria muito melhor recebido no universo da política se saísse na foto apenas ao lado do Alex Canziani e sua filha Luíza; claro, também com as lideranças locais, como é o caso do Eduardo Teixeira. Roberto Jefferson, apesar de idolatrado pelos petebistas, não é lá um cartão de apresentação que o povo engula. O Corvo apenas escreve o que as pessoas dizem, e foi o que disseram alguns leitores após a publicação da foto na capa de ontem. 

 

Apoio
E o pastor Isaías é um nome muito importante no contexto de fazer valer apoio, afinal de contas é ouvido por milhares de iguaçuenses. Ele entra no PTB e afirma que embarca na canoa pró-reeleição do Chico Brasileiro, juntamente com Edson Narizão e Rogério Quadros. Como este Corvo vem escrevendo, começou a corrida de bigas, ao estilo Ben-Hur! 

 

A corrida das bigas
Quem assistiu ao filme viu a pauleira que era uma corrida daquelas carrocinhas puxadas por quatro cavalos. Era um tal de se atropelarem, um descendo o relho em outro, e nem sempre a coisa acabava bem. Na política não será diferente. Haverá um vencedor, mas quase todos sairão destruídos, com arranhões por todos os lados. E se alguém se meter a usar jumentos numa corrida dessas, será bem pior.

 

Crusoé
Corvo, tenho uma perguntinha para você: isso que a revista Crusoé publicou é 100% verdade? Porque no meu entender esses assuntos podem pesar nos ombros dos ex-diretores da Itaipu, afinal das contas eles é que autorizaram esses gastos. E pelo o que a gente lê, os chefões que se alternaram no governo federal viviam metendo o bedelho, pedindo para Itaipu pagar isso, aquilo, custear essas coisas que agora foram desmascaradas. O que você acha?   
Rosana Willien Matoso

O Corvo responde: prezada, às vezes os leitores imputam respostas um pouco difíceis a este humilde articulista. Cabe aos editores da revista provarem a veracidade das informações publicadas; e quanto aos ex-diretores de Itaipu isso é outro problema, caso ingressem ações na Justiça. O fato é que se houve farra, ela acabou. E há um detalhe: pode não ser uma "farra", e sim uma opção dos gestores, e nela pode não haver ilegalidades. Portanto vamos com calma que o vaso é de porcelana.

 

Joel de Lima
Ele virou alvo de especulações nas redes sociais, na semana passada, mas será que possui toda essa articulação em Assunção? Na opinião do Corvo, supervalorizaram o Joel e também a deputada Gleisi Hoffmann, que seria, segundo o delírio de algumas pessoas, a articuladora da "crise porcina" entre Brasil e Paraguai. 

 

E existe crise?
É uma crise de araque, porque não afeta o Brasil; pelo contrário, coloca o país na condição de vítima. Se há uma crise, ela está do outro lado do rio. No mais, sobre a suposta participação do Joel de Lima nessas manobras diabólicas, isso parece não ter fundamento. O PT não está muito interessado em perder o foco das campanhas pró-soltura do Lula. Alguém acredita que o PT ainda tem essa força toda, de balançar a soberania de outros países? A torcida do Corinthians é mais perigosa. 

 

Isso adianta? 
Corvo, não entendo bem a linha editorial do jornal de vocês. De uns dias para cá publicam o fruto dos depoimentos sobre a Operação Pecúlio. Tudo bem que são algumas coisas novas, mas tudo é contra o Reni e o seu governo. Será que isso interessa para os leitores e população? Reni está por baixo, e isso daria no mesmo que chutar cachorro morto. E a ex-deputada Cláudia? Ela recebeu R$ 200 mil em doações e não foi eleita? Deixa essa gente pra lá, Corvo!
PGH (O leitor pediu para não ter o nome divulgado por completo.)

O Corvo responde: prezado, isso nada tem com a linha editorial do jornal. São fatos resultantes de depoimentos na Justiça Federal e que são de pleno interesse dos leitores. As audiências não podem ser ignoradas, tampouco o que dizem os réus e testemunhas. Uma comunidade que se importa com o esforço do cidadão, por meio do pagamento de impostos, merece saber a verdade sobre o emprego do dinheiro, sobretudo quando há suspeitas de corrupção e enriquecimento ilícito dos gestores. Sobre a declaração do empreiteiro Paulo Gorski, de repassar R$ 200 mil para a campanha da ex-deputada Cláudia Pereira, isso foi em 2014, quando ela foi eleita. Os fatos foram tratados pelo jornal com isenção, e todos os citados podem ocupar espaço para o contraditório. 

 

Indicadores
Seu Corvo, dei uma virada nas páginas dos jornais, na internet, e precisei da ajuda dos universitários lá de casa para entender a manchete da Folha de São Paulo. "Pergunta para o Paulo Guedes, diz Bolsonaro sobre piora em indicadores". Quer dizer que o Brasil piorou em 44 indicadores e melhorou em 28? Está louco de bom, não acha? Antes o país estava por baixo em 99% desses indicadores econômicos. Corvo, francamente, o país avançou numa porção de coisas, mas parece que só a imprensa não vê.
Roberto G Dias

O Corvo responde: prezado, de fato, apesar das crises que o presidente Bolsonaro cria ao abrir o bocão, o Brasil vai remando, como é o caso da aprovação da reforma da Previdência em dois turnos na Câmara, o que poderá causar uma economia, segundo o governo, de quase R$ 1 trilhão. No mais, não vamos aqui comentar as manchetes dos outros jornais. Não vamos ferir a ética. Sabemos das coisas aqui. Em Foz, alguns indicadores reagiram muito bem com o atual governo, especialmente se depender do desempenho do Vermelho e de Itaipu, que abriu as porteiras para ajudar a cidade, e isso acontece graças à nomeação do general Joaquim.

 

Lá vem paulada
As redes sociais estão num agito por conta da apresentação do humorista Léo Lins em Foz. E ele, muito criativo, brinca com os fatos históricos da cidade e os acasos do destino, como a prisão dos vereadores. Há quem esteja tremendo mais que bambu verde. Nem o Cabeza de Vaca escapa da verve do Léo. 

 

A ponte
O Corvo publicou uma notinha na edição de segunda-feira sobre a construção de uma ponte ligando a Vila Carimã ao Cataratas. O secretário de Planejamento, Elsídio Cavalcante, informou a este colunista que o projeto está pronto para ser licitado, mas como se trata de uma ponte nova foi necessária a autorização do Instituto das Águas. Segundo ele, o processo pode demorar apenas alguns dias. 

Aula inaugural
A Dra. Deisy Cunha, que é professora titular da USP e também é a presidente da Associação Brasileira de Relações Internacionais, foi a convidada para a aula inaugural do Mestrado de RI na Unila.