No Bico do Corvo
No Bico do Corvo
Barulho

Corvo, será que você não está exagerando quando menciona o vírus chinês e a possibilidade de isso acabar contaminando a nossa cidade? Parece que a situação já foi controlada e não há motivos para tanto alarde. Me recuso a tapar a cara com uma máscara. Pensa, gasto um monte com maquiagem e agora vou colocar uma burca? 
Jandira K Vidal

O Corvo responde: o governo chinês, preocupado em conter o coronavírus, isolou uma área de 40 milhões de habitantes, e isso é exagero? Pior, a situação não está sob controle, muitas pessoas apresentam sintomas da doença em vários países. Não fazemos alarde, apenas reproduzimos os fatos, com a nossa análise. Agora, se a leitora investe em maquiagem, pode também aproveitar o momento e acrescentar mais um item à lista de componentes na bolsa: uma máscara cirúrgica! Ela se faz necessária nos dias atuais. Até o Corvo, que é bicudo, está usando.  

Disse me disse
O presidente Jair Bolsonaro nunca, em oportunidade alguma, aventou ou avaliou a possibilidade de reabrir o Ministério da Segurança Pública. Quem insiste nisso são alguns veículos de grande circulação e audiência — que, aliás, erraram em razão de interpretarem uma frase. Uma afirmação é bem diferente de pergunta. Longe de defender o governo aqui, mas em reunião com secretários de Segurança, o presidente perguntou se a eventual reabertura do ministério ajudaria na política do setor. Depois disse que avaliaria o assunto. 

Zero chance
Armado o barraco, Bolsonaro teve de reafirmar o seu apoio ao projeto de Sérgio Moro e usou as palavras "zero chance" para um desmembramento ministerial. 

Mistério
O que deve haver no subterrâneo é alguma informação sobre o setor, e isso pode ter vazado. Essa é uma das possíveis vertentes. Os secretários de Segurança cumpriram agenda com o presidente, em razão da escalada do crime. Quando Bolsonaro, em campanha, disse que combateria os grupos criminosos, eles se organizaram e se fortaleceram. O Brasil vive um dos piores momentos em relação ao crime, em toda a sua história. E quem vai negar?

Política
A outra vertente é o temor e ciúme causado pelos planos do ministro Sérgio Moro, sempre no alvo de quem acredita que o seu projeto não vai funcionar. Para a fauna do Congresso, a Secretaria de Segurança combateria o crime organizado, calçado no tráfico, contrabando de armas, milícias e seus métodos de arregimentar efetivo, seja por assaltos, sequestros e roubo de cargas. Muita gente faz um entendimento mais direto: com objetivos assim, não sobraria muito tempo para dar em cima dos casos de corrupção. Mas isso está no leque das hipóteses. Desmontar Sérgio Moro sempre foi uma tarefa de quem não quer ordem e lisura nos setores do governo.  

Dona Regina
A atriz deixou os cenários de novela e palcos de teatro para fazer um passeio até Brasília e já retornou com fortes dores de cabeça. Ao ameaçar ser ministra da Cultura, levou a tijolada: possui uma dívida na casa do 319 mil, devido a irregularidades com a Lei Rouanet. Vai, no mínimo, precisar explicar-se. 

Suástica
Um homem pendurou uma bandeira nazista na janela de casa, e o pau comeu rapidinho. Foi indiciado por suspeita a apologia. Mas, também, será que achou que as pessoas não reagiriam? Apologia ao nazismo mexe com os ânimos de qualquer um.

Aquele abraço!


Relembrando o Chacrinha, nosso saudoso Velho Guerreiro, vamos mandar um abraço especial para a dona Ilde Bortolini Benites, que acaba de completar 78 anos! Ela é leitora assídua do GDia e, por tabela, deste colunista, que muito agradece! Bom sábado, dona Ilde; saúde e felicidades! 

Descarte
Prezado colunista, ainda não deixaram o saco para o descarte de recicláveis em casa. Por enquanto, o meu lixo está sendo levado todo misturado no caminhão. Logo, não é correto a prefeitura dizer que está reciclando 100% do lixo. E no mais, os coletores não estão querendo levar as garrafas. Acho isso errado, porque se pagamos imposto não deveríamos nos empenhar nessa tarefa. 
Rodrigo L Souza

O Corvo responde: prezado, a prefeitura informou que está reciclando os vidros e vasilhames dos imóveis residenciais. O caso é a maneira como são acondicionados. Os moradores devem adotar certos cuidados. O que não pode é jogarem caixas de garrafas de cerveja na natureza e em terrenos baldios. Recentemente a Secretaria de Meio Ambiente emitiu um alerta para o descarte incorreto de garrafas de vidro em Foz. Segundo a informação, mais de 80 toneladas de vidro são recolhidas pela Coleta Seletiva, mas o descarte inadequado ainda é alto. Se tiver garrafas em grande quantidade, entre em contato com a Secretaria de Meio Ambiente. 

O bicho pega

A encrenca quanto aos vasilhames se dá com os negócios comerciais; leia-se restaurantes e afins, onde o consumo de bebidas engarrafadas é grande. Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, há PNRS, e ela determina que os comerciantes sejam responsáveis pela destinação correta dos resíduos gerados e, no caso dos vidros, quando não houver a possibilidade de devolver para o fornecedor, podem ser levados ao centro de triagem de materiais recicláveis, anexo ao aterro sanitário, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 16h, na Rua Angela Aparecida de Andrade, 271, Porto Belo, para que os catadores possam comercializar juntamente com os recolhidos pela coleta domiciliar. Isso é que está causando queixas. E pensando bem, é uma situação complicada, porque deveria ser tarefa de coleta, seja pelo serviço público ou ONGs que depois manipulam os objetos.

IPTU
É, janeiro é mesmo o mês da facada. IPVA, material escolar e IPTU. Faz tempo o 13º lá em casa é intocável, por causa dessas obrigações. Mas os valores são muito altos, Corvo, a gente dá duro para comprar um carro e tem que pagar o valor de uma locação; depois de anos construindo uma casa, para escapar do condomínio de um edifício, vem um IPTU mais caro? Olha, está difícil. Você tem filhos, Corvo? Já viu as listas de materiais escolares? E conferiu os preços? Afe... a vida está muito cara. 
Nair H Rabello

O Corvo responde: prezada, são obrigações do cidadão. IPTU é a conta do condomínio social do lugar onde você mora, mais o rateio da luz e água. IPVA é algo inexplicável, porque o dono de um veículo paga, além do licenciamento, imposto para andar nas ruas da cidade onde mora, além de pagar as taxas prediais. E a vergonha maior é pagar imposto veicular e depois enfiar a mão no bolso para pagar pedágio. De fato, para existir e habitar um país, um estado e uma cidade, o cidadão precisa de grana, e não é pouca. 

Tratamento
Corvo, como hoje é sábado, resolvi escrever para "ganhar" um conselho seu: poderia me informar o nome de um psiquiatra competente, porque tive um pesadelo e depois disso, a cada dia, acordo pior. Sonhei que era filha da Xuxa e que ela vinha todos os dias me acordar! Corvo, socorro!
Maria Lúcia P Benacci

O Corvo responde: sim, como hoje é sábado, o Corvo reproduz a sua nota, porque ela tem lá um fundamento humorístico. Sonhar que é filha da Xuxa ainda não é algo tão preocupante assim, e isso deve ter tratamento. O Corvo, por exemplo, certa noite sonhou que era filho do Lula e quase olhou a lista de profissionais médicos especializados na área do tratamento mental. 

Convite


Este colunista recebeu um convite especial e não deixaria nunca de agradecer. O 34º Batalhão de Infantaria Mecanizado, que leva o simpático nome de Batalhão República do Paraguai, enviou um honroso convite para um café da manhã no dia 29. Na oportunidade, o comandante da unidade do Exército em Foz, tenente-coronel Marcelo de Melo Pontes Feliciano, congraçará com a imprensa local. O evento propõe um estreitamento dos laços em prol da divulgação das atividades do glorioso 34º. O Corvo confirma presença! Aqui vai um abraço ao comandante Pontes! 

Porto Seco

Seu Corvo, que número é este de movimentação na Eadi? R$ 21 bilhões? Será que isso está certo? É mais que o orçamento de uma cidade como Foz. 
Geraldo A Santiago

O Corvo responde: é isso mesmo, o número está correto, o Porto Seco movimentou algo em torno de US$ 5,2 bilhões; é a maior movimentação de cargas da América Latina. Um detalhe: isso é 20 vezes maior que orçamento de Foz para 2020.

Novo endereço
Além do movimento, o Porto Seco também chama a atenção pela localização e, em razão disso, tem sido alvo de muitas discussões de bastidores. Com a nova ponte e a virtual necessidade da abertura de uma via para fazer a ligação da zona sul com a BR-277, a estrutura da Eadi vai precisar se mudar. 

Fora da cidade
Segundo este colunista apurou, o Porto Seco deverá funcionar na saída da cidade, lá pelos lados de onde está a PRF, mas ainda em área no município de Foz do Iguaçu. Quem conhece as operações de cargas sabe a dor de cabeça que resultará se os caminhões precisarem usar a perimetral e depois voltarem para a atual estação aduaneira. O assunto está em debate no Codefoz desde o ano passado.

Infestação
O mundo entrou em parafuso por conta do novo vírus surgido na China. As autoridades sanitárias de lá estão considerando o fechamento das porteiras, pelo menos até controlarem melhor a situação. Em Foz, há um certo receio, porque a cidade está na rota de quem faz turismo. Milhões de chineses viajam pelo mundo nesta época do ano.

Prejuízo
Foz investiu na imagem, mostrou-se para os chineses e obviamente sofrerá com a virtual ausência dos grupos que já estavam organizando-se para o destino. É o tipo de situação perfeitamente compreensível; oxalá a China consiga reverter ou, rapidamente, controlar o vírus. Tecnologia é o que não falta, e a OMS (Organização Mundial da Saúde) está de plantão. 

Apresentações
Hoje os chineses se apresentam para convidados e imprensa nas Cataratas. O evento comemora ao Ano Novo Chinês. Amanhã acontecerá o espetáculo na Praça da Paz. 

Tormento amarelo
O novo vírus que assombra a China é notícia em todo o planeta, mas não devemos perder de vista um fato que também está na escala do "tenebroso": o Paraná é o estado brasileiro com a maior incidência de macacos mortos, supostamente em decorrência da febre amarela. "Supostamente" coisa nenhuma, a Secretaria de Estado da Saúde expediu boletim epidemiológico confirmando as mortes por causa da doença. Deve haver vacinação em massa.

Dengue
A coisa está preta no Paraguai e aparentemente fora de controle. Os mosquitos Aedes aegypti estão fazendo a festa. Se até o presidente levou uma picada, o que dizer de boa parte da população vivendo em condições insalubres? Não demora, isso se espalha e acaba prejudicando o movimento de compristas e turistas.

Vida na bolha
Que situação, hein? Vírus chinês, febre amarela, dengue... uma barbaridade! O Corvo quer saber onde é possível comprar uma roupa de astronauta! Caso o leitor já tenha percebido, há uma porção de iguaçuenses que desenvolveram um hábito comum, sobretudo no Japão: o uso da máscara cirúrgica, protetores solares e repelentes. O jeito é se proteger dos insetos e dos "radicais livres", coisa que muita gente nem sabe o que é, mas que está por todos os lados. 

Calçadas
Li em sua coluna, Corvo, notas sobre as notificações da prefeitura em calçadas, especialmente em frente ao escritório do Dr. Loureiro. Eu também fui notificado, e junto à nova sede da Unimed, mas o curioso é que meus vizinhos ainda não foram e a calçada deles sequer possui o piso tátil. Veja, Corvo, o Edifício Solimões e a loja de motos na Rua Belarmino de Mendonça estão em piores condições. Também há postes na área livre, inclusive as placas do Foztrans. Outra coisa, por que o edifício da Clínica Cipac, cuja calçada estava em melhores condições, foi notificada e os demais não? Nesta mesma rua tem uma oficina que não fez calçada no padrão. Será que ainda não foi notificada por que pertence a parente de um funcionário público? 
ALM (O leitor pediu para não ter o nome publicado.)
 

Quem notifica?
Prezado Corvo, a Rua Belarmino de Mendonça, esquina com a Marechal Floriano, deveria ter um semáforo, e há muitos anos, porque ali tem uma escola de surdos e eles correm riscos porque os motoristas buzinam para ter preferência de tráfego. Tantas coisas a se resolver, e a prefeitura notificando as pessoas sobre calçadas, placas e denúncias de cunho pessoal? Corvo, que denuncia a prefeitura em caso de ela não cumprir a tarefa?
JJL (O leitor pediu para não ter o nome revelado.)

O Corvo responde: isso de notificarem apenas denunciados por anônimos, ou vingativos, está errado. Situações assim geram um sentimento de injustiça, porque impostos todos pagam. Respondendo ao outro leitor, quem notifica a prefeitura é o Ministério Público e depois a Justiça, se a denúncia for recebida.

Patrulhas
Prezado Corvo, ultimamente Foz está mais vigiada que fronteira dos Estados Unidos, não é? Deslocaram uma força-tarefa para impedir que criminosos do PCC entrem na cidade. Mas será que o ideal não seria manter o controle assim o tempo todo? Só assim vamos intimidar a bandidagem. 
Hélio H R Queiroz

O Corvo responde: prezado, Foz está sendo comtemplada em vários programas de controle e segurança de fronteira. Coibir o ilegal e combater o crime são metas do governo e, pelo visto, isso está sendo realizado. A faixa de fronteira ocupada por Foz é a mais movimentada do Brasil, logo merece uma atenção maior. Misturar-se com a população é uma tática dos fugitivos da lei. 

 

Doação
Na última terça-feira, 22, a 10ª Igreja do Evangelho Quadrangular doou ao Centro de Oncologia do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC) vários itens de higiene pessoal, suplemento, gelatina, escova de dente, creme dental, toalha umedecida e lenços. "Em nome dos pacientes do HMCC, agradeço ao pastor Mauro Conti e ao presidente do grupo de Missionários de Homens, Sr. João Repossi Filho; a generosidade de vocês nos faz ir além", frisou o gerente, enfermeiro Claudinei Batista de Souza. 
 

Canja do Rotary

Corvo, fiquei muito feliz em saber que a Canja do Galo Inácio terá a tutela do Rotary Grande Lago. Aliás, as atividades sociais dos rotarianos fazem a diferença em nossa cidade. Os "Rotarys" promovem eventos magníficos como é o caso da EcoFlores, que é realizada pelo Rotary Três Fronteiras. Eu e meu marido nem pertencemos a clubes de serviço, mas estamos sempre acompanhando o que propõem. A propósito, é normal escreverem Rotary Clube? O correto não seria a denominação original, Roctary Club? 
Fátima G B Brás 

O Corvo responde: prezada, primeiramente o nome é Rotary, e não Roctary; e jamais foi chamado assim. Trata-se de uma das maiores entidades prestadoras de serviços humanitários do planeta, com mais de 34 mil representações. Em Foz do Iguaçu, há oito clubes e há mais um em formação. Realizam um belíssimo trabalho em prol da comunidade.

Club, e não "Clube"

O evento já possui a tutela. Nas matérias publicadas sobre a Canja do Galo Inácio, o nome do mantenedor do evento saiu errado. A denominação correta do clube de serviço é Rotary "Club" Foz do Iguaçu — Grande Lago. Por ser o nome da entidade, ele não necessita de uma tradução para o português. Aliás, a palavra "club" era usada assim mesmo antigamente. Um exemplo popular disso são os nomes dos times de futebol, como o Fluminense Football Club, ou Coritiba Foot Ball Club, ou ainda Club Athletico Paranaense. Se é nome próprio, deve ser mantido. No mais, tudo está bem certinho, e a participação do Rotary Club no evento é digna de muitos elogios, como observou a leitora. 


Desenho da Canja


Corvo, quero reservar desde já a minha camiseta da Canja deste ano. O desenho ficou muito bacana, colorido, e de fato valorizou bem mais o nome do evento. Sabe onde posso encontrar as camisetas? Também quero comprar um bloquinho de ingresso, assim distribuirei para amigos e funcionários. 
José Adalto R Pinheiro

O Corvo responde: pois é, até o Galo de Barcelos entrou na panela. Para quem não sabe, trata-se de um símbolo de Portugal. É uma lenda muito bonita. Um peregrino que seguia a caminhada até Santiago de Compostela, ao passar pela localidade de Barcelos, foi acusado de um crime que havia ocorrido por aqueles dias. Ele era inocente e fora condenado à forca. Ao conversar com o magistrado, ele disse: "É tão certo eu estar inocente como certo é esse galo cantar quando me enforcarem". Acontece que haviam acabado de cortar a cabeça de um galo, para cozinhá-lo no almoço, e, mesmo assim, o bicho morto cantou. Foi assim que o acusado escapou da morte. O homem, advindo da Galícia, teria retornado anos mais tarde para Barcelos, onde esculpiu um monumento ao galo salvador. 
 

Aliança pelo Brasil


O Corvo não vai aos eventos políticos, porque é uma maneira de se manter neutro. Certa ocasião, este Corvo aceitou um convite para uma reunião partidária e se arrependeu amargamente, porque muita gente passou a acreditar numa suposta filiação. O Corvo não faz parte dos partidos. Pois bem, na noite da segunda-feira, houve uma primeira reunião para a articulação da Aliança, o novo partido do presidente Bolsonaro. Este colunista escreveu que o evento reuniu "perto" de 200 pessoas. Foi a informação que repassaram a esta coluna. Acontece que o encontro reuniu muito mais gente, mais que o dobro do número publicado aqui; 426 simpatizantes à causa compareceram e, descontando a comitiva e o pessoal de apoio, exatos 392 participantes interagiram sobre as questões debatidas, sendo que 368 preencheram fichas de apoio, registradas para o Aliança. Segundo o deputado Filipe Barros, até o momento, Foz realizou o melhor evento em todo o Paraná. 
Foto do corvo 2

Calçadas


Algumas pessoas estão sendo notificadas para a regularização das calçadas, com prioridade na inserção das faixas para deficientes, o que chamam de piso tátil. Pois bem, uma dessas notificações chegou ao escritório advocatício de Oswaldo Loureiro, que fica na Rua Edmundo de Barros. Diga-se, é um escritório primoroso, com instalações dignas de catálogo fotográfico. Oswaldo não economizou na obra, pensando obviamente em acolher bem a clientela. Acontece que a construção se deu muitos anos antes de o "Projeto Calçadas" ser implantado, visto que causídico mandou fazer uma calçada de ladrilhos de granito, muito mais cara e menos escorregadia que os pavers usados hoje em dia. Sabe-se que a notificação ocorreu devido a uma denúncia na prefeitura. Obediente, Oswaldo respeitará a lei e instalará a referência tátil, mas o Corvo, interessado no assunto, quer saber: e a vizinhança, também reformará as calçadas? Os demais endereços também foram notificados? Praticamente toda a rua requer o cumprimento das exigências, incluindo edifícios nas cercanias, como ilustra a foto realizada por uma Corva de plantão. Há inclusive pisos que jamais poderiam ser chamados de "calçadas", tamanha a buraqueira e o mato ocupando o espaço dos pedestres.

Cumprimento
Óbvio que a função do "fiscal" é fiscalizar, logo, se foi ao local denunciado inspecionar, deveria analisar o entorno e notificar todas as irregularidades, independentemente se a mão que segura a caneta doa ou não. No fim, quem tentou prejudicar o Dr. Oswaldo Loureiro, por meio de uma denúncia pessoal, acabou ferrando a rua inteira. 

Pressão
Como este colunista já escreveu, é triste saber que a fiscalização da prefeitura precisa desviar a atenção de situações mais graves, para atender denunciadores e gente que faz pressão por diferenças pessoais. Segundo este colunista apurou, há casos sérios de denunciação caluniosa, e isso é crime. A prefeitura, por sua vez, deve ser rigorosa na apuração dos fatos e em processar quem ocupa a coisa pública com picuinhas. 

...em Davos...
O tema "Amazônia", para variar, está pegando fogo no Fórum Social. Há discussões e frases ricocheteando no ministro Paulo Guedes, que atiçou a encrenca alegando que a floresta é destruída para matar a fome. O ex-vice-presidente norte-americano Al Gore disse que isso "gera falsas esperanças". 

Aprovação
Foi o presidente Bolsonaro passar o zíper no bocão, que a sua aprovação escalou quase dez pontos; em cinco meses subiu de 41% para a casa dos 47,8. Quanto mais o silêncio e a ausência de posturas polêmicas, mais chances ele tem de dar a volta. 

Dona Regina
A atriz é muito popular e com credibilidade. Até figuras de oposição entraram no módulo "pianinho". Muita gente está avaliando o que será melhor: ela sair das novelas e entrar no ministério, ou não aceitar o cargo e continuar dando IBOPE à Rede Globo. Bolsonaro pode até devolver o status de ministério para o setor de cultura. Se a dona Regina aceitar, vai ajudar a subir é o IBOPE do Bolsonaro, e ele precisa muito disso.

Estrada do Colono
Corvo, eu sei a saia-justa que é ficar mexendo nesse assunto, porque as pessoas são a favor da abertura da estrada, mas também há quem seja contra. A diferença é que os contrários são autoridades, intelectuais, amantes dos bichos e da natureza, e essas pessoas são formadoras da opinião. O que eu penso é que até mesmo quem é contra deveria flexibilizar e discutir os critérios de uma estrada ecológica, porque precisamos olhar para o desenvolvimento sustentável. Não adianta chorarem, a ligação é de extrema importância. Basta criarem regras. Radicalismo não nos leva a nada. Rezo para o deputado Vermelho não desistir desse seu projeto, porque é talvez a sua mais importante empreitada.   
Neide L G Lima

O Corvo responde: prezada professora, uma das características do deputado é não desistir nunca. O Corvo não entra em saia-justa coisa nenhuma ao abordar o assunto; a Estrada do Colono já existia no tempo em que os índios passavam pela região, muito antes da colonização. Há outras estradas que são nocivas à natureza e matam milhares de pessoas, no entanto não fazem absolutamente nada. Realizar um acesso ecologicamente correto é uma resposta aos que não fazem absolutamente nada. O presidente Bolsonaro é sensível à reabertura, e uma canetada resolverá esse assunto de vez.    

Foz Cataratas
Querido colunista, bacana o jornal apresentar o elenco e comissão técnica do Foz Cataratas Futsal, afinal de contas o time é um dos patrimônios da alegria de nossa cidade! Boa iniciativa a de vocês. 
Carlos V Lazzo

O Corvo responde: prezado leitor, obrigado pelo carinho. O Foz Cataratas é mais que um patrimônio, é uma iniciativa muito séria, administrada com competência e que ensina como lidar com o setor esportivo revelando talentos, ao mesmo tempo movendo uma massa significativa de torcedores. Torcer pelo Foz é torcer pela cidade!
  
Processo seletivo
Alô, alô interessados, o HMCC, o Hospital Ministro Costa Cavalcanti, abre processo seletivo para técnico(a) de edificações. Os interessados devem cadastrar o currículo no site www.hmcc.com.br e, após o cadastro, entrar em contato telefônico — (45) 3576-8397/3576-8310 — até o dia 27/1 às 18h. Os pré-requisitos são: ensino médio completo; 18 anos completos; conclusão certificada do curso de Técnico em Edificações. O processo seletivo contempla também vaga para PcD (Pessoa com Deficiência): candidatos devem encaminhar via e-mail ([email protected]) currículo e laudo médico até o dia 27/1 às 18h. Está dado o recado!

 

A China é aqui...

Os artistas chineses brindarão Foz do Iguaçu com mais uma bela apresentação. Eles devem sentir-se em casa, afinal sempre incluem a cidade em suas turnês. 

Ano do rato
Como sabemos, o calendário chinês é exemplificado na força da natureza, personalizado na figura dos animais, movimentos, perspicácia, e cada bicho conta uma história. 2020 é o ano do rato, o que deve deixar muita gente em estado de graça. O rato não é um animal tão nocivo como pintam, e se ele prolifera e transmite doenças a culpa é do homem, da insalubridade causada pela sociedade. É um pecado atribuir aos ratos a fama de nocivos, pragas horrendas. Aliás, tratam morcegos assim, e até mesmo o Corvo, como um ser do quinto dos infernos! Cada bicho tem o seu lugar na cadeia predatória. Ratos, ratazanas, camundongos, morcegos, aranhas, pombos, todos são criações da mãe natureza, com o olhar do papai do céu. 

Máquina particular
Atenção, atenção, há quem utilize a máquina pública para fazer denúncias de supostas irregularidades. Dizem que fazem isso exercendo o papel de cidadãos. Pode até ser, mas há os que vislumbram interesses particulares, do tipo "vingança". Ações assim podem acarretar injustiças. O Corvo ficou sabendo que andam pegando no pé de fiscais e agentes públicos. Eles, em muitos casos, são ameaçados ao não atenderem à pressão.

Beco das Garrafas
O Corvo tem recebido telefonemas e e-mails de vários donos de restaurantes, que não sabem o que fazer para se livrar da grande quantidade de garrafas que vai acumulando-se nos depósitos. Segundo eles, a coleta não recolhe os "cascos" e não há órgão público que resolva isso. 

Serviço
Oras vejam, um comerciante gasta os olhos da cara com tributos e impostos, cumpre toda as exigências, do contrário é autuado e depois multado. O fiscal aparece em questão de segundos em caso de denúncia. Um aparato público, tão exigente, deveria arranjar solução para quem atende a clientela prestando serviço em nome da gastronomia. 

Latinhas
O ramo das bebidas enlatadas vai muito bem, obrigado. As famosas latinhas e suas argolas são as vedetes dos agentes ambientais e movimentam uma boa grana na reciclagem. O caso é que fica difícil um restaurante vender cerveja fora das garrafas, e nem todo mundo bebe chope. Os problemas com o descarte dos vasilhames estão causando uma leve baixa na compra de muitas marcas de bebidas.

Retornáveis
A gente sempre acaba voltando ao passado. A solução, provavelmente, será como antigamente, quando íamos comprar uma caixa de cerveja e levávamos junto os vasilhames. Funcionava igual aos botijões de gás. Era muito comum manter uma ou duas caixas de cerveja embaixo do tanque de lavar roupas ou na garagem. Hoje isso é praticamente impossível, porque é nas garrafas onde o mosquito da dengue gosta de esconder as larvas. No popular, dizem que os mosquitos estão ganhando imunidade, porque crescem embriagados. A solução é as garrafas voltarem para os botecos, padarias e supermercados. 

Aliança
O evento que lançou o novo partido do presidente Bolsonaro em Foz reuniu um número considerável de simpatizantes. Perto de 200 pessoas compareceram à reunião. Considerando que o encontro aconteceu numa segunda-feira, está pra lá de bom. O Corvo sabe de uma chamada partidária que não conseguiu juntar gente suficiente para encher um Fusca. Pensa? 

Materiais escolares
Segundo disseram ao Corvo, as listas de materiais estão causando um furor no bolso dos pais. Acontece que a molecada não quer saber de produtos baratos, ou simplesinhos, querem grifes e o que está na moda. Cadernos com a foto do Luan Santana vendem mais do que discos do cantor. 

Financiamento
Os preços, para variar, são díspares de uma loja para outra, por isso a ordem é pesquisar. Mas há quem dilua a compra em dez vezes, imagina? O ano letivo acabará, e a prestação ainda estará vencendo. O movimento nas lojas de materiais escolares é similar ao do Dia das Mães. As papelarias estão entupidas. 

Na mídia
A fuga de presos no Paraguai gerou notícia internacional. O país busca ajuda de órgãos estrangeiros que combatem o tráfico de drogas. O governo de Dom Marito quer construir a maior penitenciária de segurança máxima das Américas, cobrando para estocar bandidos brasileiros, bolivianos, panamenhos, colombianos, venezuelanos e paraguaios também. Se pagarem, será um negócio muito lucrativo. 

180 mil
Com um cadastro de 180 mil eleitores, de novo o sonho de um segundo turno será adiado em Foz do Iguaçu. Bom, para começo de conversa, os políticos não querem saber disso de jeito algum. O número de votantes cresceu, mas timidamente. 

Vende-se
O que mais se vê pelos bairros, e até centro da cidade, é placar de "vende-se" nos imóveis. Segundo uma autoridade do ramo imobiliário, isso não quer dizer que as pessoas estão mudando-se. Uma parcela quer viver em condomínios fechados, outra em apartamentos. Tudo acontece em nome da segurança. É, a violência causa esses efeitos desanimadores. Placas de casas à venda dão um friozinho na barriga.   

Vá de DeLorean
Contaram para o Corvo que convidaram um político da cidade para passear no veículo DMC, igual ao do filme De Volta para o Futuro. Ele disse: "Eu, hein? E se o troço voltar para o passado, bem naquela época em que a PF bateu na porta lá de casa? Não quero saber disso e nem do futuro. Por enquanto está bom assim". 

Boa vida


Quem ama os animais e viu a cena ficou emocionado: uma lotérica de Foz abriu as portas para os cães da rua. Eles entram, saem e, claro, refrescam-se no ar condicionado. De quebra há um potinho com água e ração. Parabéns aos proprietários e funcionários da empresa. 

 

Esta é boa...


Dona Regina Duarte parece que aceitou participar, "em fase de testes", no cargo de secretária da Cultura. Segundo a área de Comunicação da Presidência, a atriz estará em Brasília hoje e afirmou estar "noivando" com a pasta, o que levou ex-ministros e artistas a opinarem sobre a escolha. "Eu acho que para o Brasil de hoje ficou ideal: um Sinhozinho Malta no poder e uma Porcina no ministério", disse o ator Lima Duarte, que fez par com a atriz na novela Roque Santeiro (1985). Mas ele completou: "Estou torcendo para que ela permaneça, convença o presidente da importância estratégica da arte, da cultura e da economia criativa para o desenvolvimento do país, e realize um ótimo trabalho, com absoluto respeito à liberdade de expressão e de criação. Regina é bem-intencionada e conhece a área. Mas vai precisar de respaldo interno e apoio externo para atingir seus objetivos".

 

Carnaval da Saudade
Corvo, imagino que as pessoas que habitam as redondezas não fiquem muito à vontade com a realização do Carnaval da Saudade. Alguns edifícios novos foram construídos na área e nem todo mundo gosta da folia. Mas é só terem calma, afinal são apenas dois dias no ano inteiro e acaba cedo. De onde é que surgiu tanta polêmica? 
Maria A Ruiz Silva

O Corvo responde: prezada, a polêmica existe desde que a festa acontece naquele local, porque há bem próximo de lá um templo evangélico e a turma lá não é muito chegada em carnaval. Mas a observação é muito boa. O carnaval acontece em apenas dois dias no ano, mas os cultos, todas as semanas. É só terem paciência que a convivência será pacífica entre as partes.

 

Canja do Galo Inácio

Com a aproximação do carnaval, o Rotary Grande Lago está aquecendo as baterias para a realização de um dos eventos mais tradicionais da cidade e que ajudou milhares de crianças nos últimos 20 anos. A entidade contemplada, CDPT — Casa de Proteção Temporária Acolher, também já colocou a mão na massa e trabalha com a expectativa de arrumar o telhado e a instalação elétrica de dois abrigos.  

"Acolher"
Os voluntários prestam um importante serviço à comunidade desde 1995, portanto há 24 anos. Um dos objetivos das Canja do Galo Inácio é tornar as entidades prestigiadas mais conhecidas, logo a CDPT realiza uma missão ímpar, de proteger dos riscos sociais crianças e jovens que vivem dramas em suas famílias. A entidade acolhe, alimenta, orienta, veste, ajuda na educação e prepara os jovens para o primeiro emprego.  

20 anos
Olhando para a relação das entidades prestigiadas e o quanto cada uma pôde contar com o resultado das "canjas, chegaremos a valores impressionantes. O mais importante, neste caso, não é o lado financeiro, e sim os números institucionais, pois eles ajudaram muitas crianças. E o evento só cresce, sobretudo com a atenção do Rotary Grande Lago, que passa oficialmente a gerir a iniciativa. 

Começar antes
O Rotary trabalha com a perspectiva de iniciar o evento oito meses antes. Segundo a diretoria, a Canja do Galo Inácio do ano que vem, 2021, será lançada em junho próximo, durante as comemorações do aniversário de Foz. Seria uma maneira de ganhar visibilidade no calendário de atividades. 

Inovações
O Rotary Grande Lago trabalha toda uma formatação do projeto da Canja, e essa revitalização visa ao congraçamento da comunidade por muito mais tempo, com a idealização de campanhas e venda de brindes para engrossar a renda, que será depois revertida para uma entidade. Hoje, proporcionalmente, a Canja do Galo Inácio é o evento que mais arrecada durante o ano, levando-se em conta a relação gastos/benefícios. O voluntariado é responsável por isso, porque quase todos os ingredientes são doados. Olhando para isso, aqui vai um agradecimento antecipado ao Super Muffato, em especial ao Ferrari, que acompanha o evento dede 2001. 

Nascimento
E pensar quer a Canja nasceu como uma das alternativas para levantar o carnaval! O então prefeito Sâmis da Silva levou o evento novamente para a terceira pista da JK. Acontece que Rei Momo, blocos, foliões, bandinhas, charangas, tudo praticamente desapareceu na gestão Daijó. Assim que ganhou a eleição, Sâmis chamou o Bonato e pediu: "O carnaval é em cima da hora e assim que assumir ano que vem [2001] preciso de algo mais para ajudar a chamar o público; inventa alguma coisa". Inventaram a Canja, e ela foi realizada initerruptamente de lá para cá.  

 

Carnaval da Saudade
Corvo, queria saber uma coisa: onde é que fica esse tal "Largo Raul Quadros"? Digitei no Waze, e não aparece. Olhei no mapa, não achei. É que me disseram que o carnaval será realizado lá este ano. Pode me informar onde é isso? Vai sair da Rua Marechal Deodoro, então?
Luiz Antônio R de Moura 

O Corvo responde: muita gente está ligando ou enviando mensagens perguntando como será o Carnafalls (se é que esse nome ainda é mantido). O Corvo foi pesquisar e ficou contente ao saber que o evento será realizado no palco onde surgiu o Carnaval da Saudade, na esquina entre as ruas Marechal Deodoro e Quintino Bocaiuva. A propósito, Foz possui uma particularidade, uma localização que só existe em tempos de carnaval: o glorioso Largo Raul Quadros. O nome batiza o encontro das ruas, bem em frente ao Restaurante Tirol, e isso tem uma explicação. O Corvo comenta a seguir, para a nota não ficar muito comprida. 
 

Largo Raul Quadros
Antes de o Restaurante Tirol instalar-se no local onde está atualmente (esquina entre Marechal Deodoro e Quintino Bocaiuva), o edifício, de propriedade da impoluta figura conhecida como Papi, sempre foi o centro das atenções nos carnavais, e mesmo na famosa "lavagem da rua", ao final dos eventos de educação física. Acontece que lá também se encontravam os famosos corsos carnavalescos do início do século passado, de onde saíam para chegar à antiga sede do Oeste Paraná Clube, fundado na década de 1920. Nos anos 60 e 70, faziam saraus carnavalescos na esquina e nos salões de clubes. Um dos animadores e intérpretes mais famosos era o saudoso Raul Quadros, que fazia dupla com o Professor Mosquito e músicos da época, como Roberto Simões, Toto Palma, José Leopoldino Neto, entre outros. "Batizar o local como Largo Raul Quadros é uma maneira de reverenciar a memória da cidade e também homenagear pessoas que animaram os eventos. Raul era muito querido por todos, e a esquina era o seu ponto de encontro", relatou Rogério Bonato, ex-presidente da Fundação Cultural e criador do Carnaval da Saudade. 
 

Raul Quadros é uma figura sempre lembrada pelos amigos no carnaval, é por isso que seu nome batiza a esquina carnavalesca mais conhecida da cidade, onde acontece o Carnaval da Saudade. É lá que fica o Largo Raul Quadros, da sexta-feira até a madrugada da Quarta-Feira de Cinzas. Depois disso, tudo volta ao normal.

Saco para mala
O Corvo amanheceu com as lembranças dos velhos carnavais, daí as horas vão passando e outros assuntos acabam intrometendo-se na vida deste humilde escriba. A solução é trocar de "pato para pastel". O Paraná está em alerta por causa da fuga de presos no Paraguai. Pensa? Que barbaridade! 

Marido de aluguel
Corvo, esse negócio de "alugar marido" para mexer nas coisas da casa me rendeu uma dor de cabeça, para não dizer um par de chifres. No dia em que a minha mulher chamou um cara desses para arrumar o encanamento e ajeitar a fiação elétrica, já soube qual seria o meu destino. Mas agora vou me vingar. Descobri que a atividade laboral também conhecida como "marido de aluguel" é uma das mais rentáveis na cidade. Já fiz vários cursos e mandei inclusive fazer um uniforme, parecido com o de bombeiro. Vou ser um maridão de aluguel! 
LJN (O leitor pediu para não ter o nome divulgado.) 

O Corvo responde: prezado, o Corvo, por exemplo, não corre perigo, porque faz tudo o que é necessário para manter a casa em dia: ajeita a elétrica, o encanamento, ajuda a fazer buracos no jardim, assim a Corva trata das plantinhas; lava o carro; troca pneu; sobe no telhado para ajeitar a antena de TV; faz tudo o que ela manda, por isso vive feliz! Mas deixando a brincadeira de lado, sim, o ramo dos serviços é um dos mais requisitados, mas para se dar bem é necessário preparo e cuidado com os maridos ciumentos. 

Ciúme doentio
Corvo, isso é de matar! Na verdade, de matar a gente de rir. A vida é bem assim, quando alguém se dá bem, há quem fique enciumado e esperneie, chore, resmungue, arraste-se por aí praguejando, falando aos quatro ventos mal de quem considera um desafeto. Que coisa mais estranha, não acha? E pior, odiar uma pessoa porque não consegue ser igual a ela? Que pobreza de espírito, não é, seu Corvo? Como tem gente medíocre neste mundo. 
IKL (O leitor pediu para não ter o nome publicado.)

O Corvo responde: este colunista não imagina sobre quem o leitor se refere, mas a nota serve para ilustrar como a vida é, afinal de contas quem já não foi gravemente ofendido em razão de ciúme? Quem lê sabe de algum caso ou exemplo, muitos dos quais acabaram na Justiça. Há quem abuse e, uma hora, vai receber a punição que merece. O Corvo e a maioria das pessoas atingidas não ligam, porque todo mundo sabe o que é verdade e mentira em Foz do Iguaçu.

Bomba
Atenção, atenção, vai estourar um grande petardo, e isso var arder no pelo de uma hiena. Descobriram que o animal andou agarrando-se nuns trocados para defender gente "quebradinha da silva". Tudo o que o Corvo publica acontece. O leitor sabe, por isso acredita.

 

Passeio saudável
O grupo "Vá de Bike" dá exemplo e esbanja saúde. No final de semana pedalaram 18 km e, como disseram a este colunista, "foi de boa, nem deu para sentir". Aí sim! Um abraço para Agnaldo Vanzella, Marcos Caetano, Marcos Fernando Vanzella, Ana Lucia Vanzella Caitano e Pedro Marcos Vanzella. Família unida pedala mais unida ainda! 
 


 

Cívico-militares

É importante destacar que no processo de formatação das escolas cívico-militares houve a participação do deputado Vermelho, e isso aconteceu na raiz da discussão, em audiência com o ministro da Educação. Lá foi que pautaram uma unidade para Foz do Iguaçu — que, segundo Vermelho, "foi um presente".

Federais e estaduais
Há iniciativas do governo federal e dos estados para a implantação de escolas cívico-militares. A unidade de Foz veio de Brasília; a de Colombo, por exemplo, e de outras cidades iniciaram por demandas do estado do Paraná. O deputado Toninho Wandscheer também foi um importante parceiro na iniciativa, hoje uma conquista.

E vem mais...
Desde o final do ano, o deputado Vermelho fala que terá uma grande notícia para a cidade. Pelo visto ele está maturando o fato, ou precavendo-se, porque muitos políticos anunciam medidas que batem na trave. Até o momento a margem de erro do Vermelho é zero, porque tudo o que ele anunciou deu certo. O que será que vem por aí? 

Na política...
Para quem é chegado em bastidores, janeiro é uma meleca em matéria de informações do setor público. Sobram estatísticas, isso sim. A maioria dos nossos representantes está em viagem, curtindo as férias, tomando fôlego para a pauleira que deve acontecer de fevereiro em diante. 

Feitos gloriosos
Enquanto isso, nossos vereadores fazem um balanço das atividades de 2019 e dizem o que pretendem em 2020; claro, olhando para o mês de outubro. Que tomem tento, porque a sociedade está de olho mais do que nunca. 

Números
Segundo informaram a este Corvo, a queda no número de passageiros no aeroporto de Foz tem outro significado, e muito mais decisivo. A ANAC não considera janeiro a dezembro para medir movimento nos aeroportos. O "Ano/ANAC" é de outubro a setembro, assim baliza o resultado pela alta temporada. Na verdade, na estatística oficial da aviação, no Brasil e no mundo, Foz cresceu. O Corvo conferiu, mesmo assim o ano passado não foi uma Brastemp para a aviação civil brasileira. O GDia aguarda um material especial avaliando o assunto. 

Defecada
Corvo, aos poucos o "nosso" presidente vai livrando-se dos radicais e pessoas que não representam o seu pensamento. Oras, veja, depois de uma imensa discussão sobre o "nazismo" ser de esquerda ou direita, aparece um ministro da Cultura e se perfila com a ideia social mais atormentadora da história da humanidade? Esse Albin deveria ser processado, porque o que os ministros de Hitler aprontaram não foi pouca coisa. Fazer apologia às suas ideias é algo que não se ajusta à nossa sociedade. 
Fernando Cavalca Lameiro

O Corvo responde: primeiramente, caro leitor, a figura em questão é Roberto "Alvim", e não Albin, sobrenome muito conhecido pela intelectualidade de Ricardo Cravo Albin, totalmente oposto ao infeliz senhor que ocupou a pasta da Cultura. O Corvo pesquisou e possui reflexões próprias acerca do caso (a seguir). 
 
Defecada
Mas que baita falta de criatividade! Com tamanha diversidade, há tantos assuntos para um "ministro" da Cultura comentar, e ele resolve copiar uma fala de Joseph Goebbels? Bom, para iniciar, há necessidade de um reparo: Roberto Alvim ocupou o cargo de secretário especial da Cultura, porque o governo Bolsonaro extinguiu o ministério. 

Prêmio Nacional
Revendo o caso, ocorrido na semana passada, o que houve foi: para anunciar a verba de R$ 20 milhões ao Prêmio Nacional das Artes, Alvim disse num vídeo, depois retirado do ar, que "a arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada". O texto aqui vai ficar até meio repetitivo, mas para efeito de comparação dos leitores vale a pena reproduzir a frase do nazista, chefão da propaganda de Hitler: "A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada". Que barbaridade! Dói imaginar que o secretário não desconfiou de que descobririam o seu "Ctrl C" + "Ctrl V". Apostou na ignorância do brasileiro e se deu mal. 

Heil História
Goebbels proferiu a "ode" de natureza suástica em 1933, quando se encontrou com diretores de teatro. E mesmo na época houve quem enfiasse o dedo na garganta. Naquela ocasião, ele falou aos diretores de teatro. E, pior ainda, Alvim ilustrou sua asneira com uma ária sonora de Wagner. É uma melodia lindíssima, não fosse Adolf Hitler mencionar em Mein Kampf (sua autobiografia) que ela foi decisiva em sua vida. A música preferia de Hitler, misturada com a ideia de Goebbels, resulta num coquetel dos mais sinistros, além de altamente explosivo. 

De centro? 
O presidente Bolsonaro critica a ala da direita. Quem imaginaria uma coisa dessa? Para criar o novo partido, Aliança pelo Brasil, ele pode mudar inclusive a postura, conversando com políticos e gente que todos os lados. Alguém disse para o presidente que a desistência ideológica pode causar uma migração para o que seria um novo modelo para o país. Mas com 77 partidos políticos? Novo modelo seria reduzir isso em 90%, para começar.  

Cruzamento maldito
Corvo, o encontro das ruas Carmem Gatti, Fogaça e BR-469 é um tormento. Pelo visto os políticos não passam por lá faz tempo. Nas temporadas, então, o trecho é insuportável, com a formação de enormes filas e aquela confusão de um vai para lá e outro pra cá, misturado com pedestres, ciclistas, pessoas a cavalo, charretes e o povo que passeia com os cachorros. Pensa na cena? Escreva, Corvo, qualquer dia vai acontecer uma tragédia lá, e só assim as autoridades vão cair na real.
Lúcia R Mello

O Corvo responde: será que precisa acontecer mais do que já ocorreu naquele local? Passou da hora de arranjarem solução, mas parece que estão esperando a duplicação da BR. O caso é emergencial. 

Força-Tarefa
Que situação é essa da dengue, hein seu Corvo? Mais uma fez sobrou para o poder público. Veja, pago imposto, sou um crítico da prefeitura e políticos de um modo geral, mas nesse caso do mosquito a população é quem deve levar a culpa. As pessoas não dão a mínima para o lixo, a água empossada, e depois que levam a picada a culpa é do prefeito. No meu bairro os proprietários limpam os lotes, mas vem gente de longe e despeja entulhos, móveis, pneus... Uma tristeza! E agora terão que montar uma força-tarefa por que as pessoas não cumpriram com o dever? É lamentável. 
Paulo T Gonzaga Júnior

O Corvo responde: a prefeitura faz campanhas de conscientização, e, agora, deve operar novamente com o fumacê, que estava fora de combate porque o Ministério da Saúde não enviou o veneno. O leitor está correto, a população não está fazendo a lição de casa. O Corvo recebeu várias cartas, algumas dando conta de uma infestação de mosquitos nos últimos dias, quando o Sol apareceu e o clima voltou a esquentar. Não está errado restringir certos direitos aos que não colaboram! 

 

 

 

Coca-Cola sumida
A cadela com nome de refrigerante desapareceu no último dia 10, e isso deixou muita gente triste. Ela é castrada e muito habituada com a família, por isso os donos estão apreensivos. Quem souber do paradeiro, por favor, avise a Elisa no celular 99976-7079. O Corvo agradece! 
 

 

 

 

 

 

 

Sucesso!
A passagem do instrumentista e compositor Yamandu Costa por Foz foi algo memorável. Ele se apresentou em A Casa para um público seleto e, além da apresentação, atravessou a noite conversando e cantando com os músicos locais, além de curtir um bom vinho. O Corvo publica uma foto com exclusividade. O GDia está preparando um material especial. 
Foto do corvo2


 

Tristeza

Mais um acidente engrossa a contabilidade sinistra da BR-277. Isso simplesmente reflete a falta de competência pública em proteger os usuários da principal estrada paranaense. O trecho de Palmeira é muito conhecido em decorrência das colisões, em boa maioria de frente. Há muitos pontos de aquaplanagem, além do mais os motoristas de veículos grandes enfiam o pé. 

Incompetência
Deixando de lado os requintes da colisão e a possível imperícia de um dos condutores, estados dos veículos e tudo o mais, o fato é que a falta da duplicação eleva as estatísticas de óbitos em acidentes. Quando veículos colidem de frente, as chances de sobrevivência diminuem muito. A família Cadrenal era muito conhecida, sobretudo entre os servidores municipais, esfera em que Sandra e Jefferson exerciam funções. A cidade, de um modo geral, está abalada com o ocorrido.  

Números
Prezado Corvo, tenho uma pergunta um pouco cabeluda para você responder, e espero não colocá-lo em saia-justa. Mas lendo o seu jornal todos os dias, eu pergunto: se Foz bateu os recordes de visitantes, com milhões de pessoas vendo as Cataratas, Itaipu, Parque das Aves e demais atrativos, como se explica a queda do número de passageiros para o destino? Isso é um mistério, não é Corvo? Agora eu quero ver você sair dessa?
Alceu Betran F Barroso

Pra baixo
Ei Corvo, vocês aí que são da "ala positiva" e só dão notícias boas, jogaram um copo de água fria na gente. A notícia da queda de passageiros em aviões desviou o jornal da rota, na mídia positiva, não acha? Mas também, esse nosso aeroporto nunca para de ser reformado, com puxadinhos para todos os lados, sem contar as surpresas no negócio de transporte aéreo. 
Juliano G Vigilianno

O Corvo responde: prezado, esta ave é safa, é filha da Chiquita Bacana, não entra em fria nem cai na saia-justa! É uma pura questão de matemática. Primeiro, nem todos os visitantes que passaram pelas catracas dos atrativos viajaram de avião. Segundo, a diminuição de passageiros, em razão de vários fatores, foi na ordem de 2,73%; logo, se o turismo terrestre aumentou 3,5%, os números já se superam. Como mencionou um leitor, não se trata de pessimismo ou jogar o negócio do turismo para baixo, e sim exemplificar, em tom de alerta, as deformidades que ocorrem em um setor tão importante. Muitos fatores ajudaram na queda do número de passageiros na aviação, reformas no aeroporto, companhias deixando de operar... O fato é que há boas perspectivas para os próximos períodos.

Monjolo
Corvo, você tem razão, a área do Monjolo aberta seria um regalo para a população. O caso é que o lugar ao lado, que dá de frente para o BIG, parece ser particular. Tive até o cuidado de fazer uma print, e nela aparece aquele edifício caindo aos pedaços e que certamente foi embargado por algum motivo. Qualquer dia aquilo desaba na cabeça de alguém. Mas se a área é particular e de interesse da população, bem que poderia ser desapropriada, não é? Aquele terreno só serve para abrigar circo e parque de diversões. 
Solange N Veiga

O Corvo responde: ainda estamos averiguando a questão da propriedade do imóvel. Desapropriações às vezes são injustas, mas quando arejam a cidade e provêm conforto aos habitantes, vale a pena. Voltaremos ao tema. O Monjolo merece atenção, a começar pelo entorno, porque o mato cresce e engole tudo o que há por lá. Há várias nascentes na área.   

"Gatos"
O governo do Paraná divulgou ontem que as equipes de combate a ligações irregulares e fraudes no sistema de medição de energia da Copel detectaram cerca de 10.849 procedimentos irregulares realizados por consumidores no ano passado. Apenas os populares "gatos" abasteceriam uma cidade de 25 mil habitantes durante um ano! Pensa? 

"Gatão"
Coincidência ou não, rola pela cidade a descoberta de um "supergato" que estaria acumulando mais de R$ 600 mil em prejuízos para a companhia de abastecimento. Para quem não sabe, o valor da ligação clandestina é rateado entre os consumidores. 

Mão de obra de excelência
O Corvo raramente elogia a qualidade profissional dos prestadores de serviços em Foz. A carência é grande em muitos ramos de atividades, e na maioria dos casos lucram os médicos e farmácias, em razão das dores de cabeça em que resultam certas contratações. E como hoje é sábado e sabemos que há grande leitura, vale a pena destacar quem trabalha pensando no cliente. Sim, porque quem só se mexe pensando no próprio bolso não merece destaque.  

Mecânica supimpa
Então, caro leitor, você já deve ter sofrido às pampas ao levar o veículo a oficinas. Isso é um sofrimento para algumas pessoas, sobretudo a quem possui veículos longe das concessionárias, como é o caso do Rogério Bonato, que deu de comprar uma Land Rover, cuja revenda mais próxima está em Curitiba. O Corvo vai contar o caso: numa certa manhã, o carro empacou na garagem. Não dava sinal de vida e foi de guincho até uma autoelétrica. Não era bateria, nem motor de partida. Depois de uma semana, as pessoas de lá disseram que era a "caixa de câmbio"! Em outra oficina, conseguiram virar o motor, mas a suspensão não subia. "Era coisa grave", falaram. Enfim, o carro ficou indo de um lado a outro, e o Bonato já estava pensando em arranjar uma cegonha, mas ouviu o conselho de um amigo e levou o carro para a Bauru Auto Center, que fica na Avenida República Argentina.  

Solução
Esses veículos requerem atualização tecnológica e para lidar com eles são necessários computadores, programas e, além do mais, o conhecimento quanto aos modelos. O fato é que depois de 15 dias indo pra lá e pra cá, com diagnósticos desesperadores, tipo motor travado, caixa emperrada, bolsa de ar furada e pane nos módulos, o Discovery deu entrada na UTI ambulatorial da Bauru Auto Center. Uma hora depois, ligou o mecânico informando que, após a análise efetuada pelos equipamentos que há lá, descobriu-se que havia queimado um fusível. Dá para acreditar nisso? 

Esculhambação
E mexeram no carro do Bonato de um jeito que foi preciso, além da troca do fusível, desfazer a grande confusão que os antecessores causaram. Quem não entende não deve aventurar-se nem aceitar o serviço. Vale a pena divulgar, porque o mecânico que prestou o excelente serviço é o Paulo Henrique de Paula, um profissional altamente habilitado em várias marcas que requerem conhecimento e atualização tecnológica. O Corvo vai levar o Fusca 68 lá, porque o possante merece ser tratado com carinho. Aliás, aqui vai um abração para o Carlão Savallisch, amigo de longa data.  
 

Seu Pedro
Aqui vai um amplexo especial para o Pedro, que comanda a ideia Vá de Bike, disponibilizando bicicletas de excelente qualidade a custos bem confortáveis aos iniciantes. Andar de bike é muito saudável. Pedro presta um serviço diferenciado ao buscar e devolver as bicicletas em casa, caso necessitem de ajustes! "Amplexo"? Quem não souber o significado que procure no dicionário .
 

Seu Sérgio
Já que o sábado é de abraços e elogios à competência, quem não poderia ficar fora é o Sérgio, proprietário do restaurante de iguarias nipônicas Saty, que fica na Vila Yolanda (Rua Cândido Ferreira, 287). É um dos esconderijos preferidos do Corvo e de sua amada Corva. Quem não conhece está perdendo tempo, porque vale muito a pena. Sérgio, inclusive, é alguém que mantém a saúde em dia por meio do ciclismo. 
 

Objeto perdido
O Sérgio (Saty) estava pedalando e viu um objeto no asfalto, pensou ser um celular, mas na verdade era uma dessas maquininhas de cobrança para cartões de crédito e débito. Quem perdeu pode ir buscar lá no restaurante Saty. 
 

Novela

Uma das maiores crueldades de 2019, em Foz do Iguaçu, está para completar um ano: a desocupação do conjunto habitacional Duque de Caxias, que corria o risco de iminente desabamento, no entanto continua firme, porém desabitado. 

Precariedade
O que foi o sonho de 136 famílias se tornou um pesadelo em vida, atormentador e parece que sem fim. Elas tiveram de abandonar as moradias às pressas e, passado todo esse tempo, habitam um "aluguel social". Que situação, hein?  

Dilapidação
Enquanto dura o "vai não vai", o conjunto está sendo aos poucos dilapidado. Desde que foi esvaziado, só não carregaram as paredes. E se com toda aquela gente vasculhando as estruturas, marretando daqui e dali para a retirada de janelas, portas, fiação, azulejos e telhas, os prédios não desabaram, dificilmente irão ao chão até em caso de terremoto. 

Crueldade
O termo pode ser um pouco pesado, mas se encaixa perfeitamente ao caso. Vamos imaginar a transformação na vida de tanta gente; a mudança da rotina, escolas e creches das crianças; enfim, compromissos com companhia elétrica, saneamento..., e do nada as pessoas perderam o endereço; e a casa, moradia, é mais do que uma identidade. E ainda há os embaraços com a Caixa, que financiou os imóveis. Uma baita bagunça isso. Nem vamos entrar aqui no mérito da necessidade da demolição e questões de engenharia, pois o que interessa é a vida das famílias. 

Câmeras de segurança
Corvo, eu li sua nota sobre o "Big Brother" e depois acabei lendo os dados de uma recente pesquisa empresarial, segundo a qual um dos setores que mais avançaram foi o do monitoramento. E tem mais, o que era algo muito caro, praticamente um luxo, hoje pode ser adquirido por preços muito baixos, mas no Brasil ainda é caro. Veja, fiz um orçamento, e o preço mais baixo que me forneceram foi de R$ 6.500, com as câmeras, DVR, cabos e mão de obra. Daí resolvi passear pelo Paraguai e achei tudo, um kit com oito câmeras, cabos e gravador por R$ 700! Dei uma de louco, comprei e já uso esse equipamento faz mais de um ano, e nunca apresentou um mínimo problema. Quer saber? Eu mesmo instalei. Por que as coisas no Brasil são tão caras? 
João Romário F de Deus

O Corvo responde: prezado, todos os setores possuem as suas limitações e vão tornando-se acessíveis com o passar do tempo. Pode pesquisar e verá que encontrará equipamentos de monitoramento muito mais em conta nos dias atuais. Mas o bom disso é que todos pensam em instalar equipamento assim em suas casas, e isso vai fechando o cerco contra os invasores e bandidos que vilipendiam o que é dos outros. Muitos crimes são solucionados hoje graças ao monitoramento que está espalhando-se. 

 


Clima instável
Muitas pessoas não imaginam a dor de cabeça que a instabilidade climática causa em alguns setores, tanto que as construtoras realizam operações especiais em épocas de verão, com as suas decorrentes chuvas. A gente olha para o céu e ele está lindo de morrer, e uns minutos depois fica carrancudo. Esse clima é bem bipolar mesmo! O Corvo está esperando há um tempão para pintar uma cadeira de couro. É um tal de levar tudo para fora e quando chega a hora de passar o pincel cai água. Se há milhões de pessoas rezando para chover, não podemos torcer contra. 

...e ontem...
A chuva do início da tarde foi medonha, junto com trovões, raios e árvores sacudindo para cair. Algumas desabaram, como era de se esperar, como aconteceu na Avenida JK, onde o trânsito foi interrompido. O trecho, aliás, quando não alaga, vira em árvore tombada. 
 

Pavimentação
As máquinas da prefeitura seguem espalhando asfalto pelos bairros, e algumas localidades nem parecem as mesmas. Quando o poder público toma iniciativas assim, as pessoas se animam e dão um "grau" na residência, passam tinta, arrumam o jardim, a vida melhora. 

O homem do caminhãozinho 
O Corvo vinha dirigindo calmamente o seu Fusca 68 pela Avenida Felipe Wandscheer, e eis que um motorista da prefeitura aprontou uma manobra imprudente. Ele ameaçou atravessar a rua abruptamente e, ao desviar, este colunista quase capotou o veículo. Era um desses caminhões pequenos, brancos, com carroceria de madeira e o brasão estampado na porta. Quem dirige veículo público precisa respeitar as leis de trânsito e, no mínimo, demonstrar respeito pelos contribuintes. 

Bagunça
Prezado senhor Corvo, não acredita a minha felicidade quando fiquei sabendo que teríamos, finalmente, uma coleta seletiva. Mas também não imagina a minha tristeza toda a vez que o caminhão passa na frente da minha casa. A música é muito alta, irrita até os cachorros e, além do mais, é de péssima qualidade. Se fizessem algo igual ao caminhão do gás, seria bem melhor. Pede pro prefeito mudar isso, Corvo?
José A Ferreira

O Corvo responde: de fato o som do caminhão é muito barulhento, tanto que nem se entende direito o que cantam. Só faltava enquadrarem a prefeitura na Lei do Silêncio.

IPVA sem Correios
O IPVA tem de ser retirado no site do Detran. É uma operação simples. Basta digitar o Renavan, e a conta aparece em detalhes. O que o governo poderia fazer era reduzir o valor, porque não há mais gastos com os carteiros. 

 

Parque Monjolo
O Parque Monjolo é de fato um local especial e que mereceria uma atenção por parte dos órgãos públicos. Os acessos, inclusive, estão necessitando de reparo, porque para chegar lá só se for de jipe lunar, tamanhas as crateras. E no mais, segundo informou um arquiteto, o ideal seria urbanizar o lado que está fechado e que vai dar em frente ao Supermercado BIG. Aí sim, pode ser, o parque ganharia um visual mais atrativo. Resta saber o que é área pública e privada. 
 

Gatti
Corvo, li atentamente as notas que você publicou e, francamente, fico muito triste em saber que um empresário tão importante para a nossa cidade vive assim, vendo o seu patrimônio dissolver-se. Meu pai também enfrenta um sério problema em receber o que lhe é de direito, por causa dessas transições e jogadas jurídicas que limparam o empresário. Mas sabemos que o patrimônio está em mãos de outras pessoas, e não é possível que a Justiça não veja isso. Fiquei sabendo que os ex-empregados estão pensando em montar até uma associação para brigar na Justiça. Pensa, precisava chegar a isso? 
MTH (A leitora pediu para não ter o nome divulgado.) 

O Corvo responde: prezada, o que não falta aos ex-funcionários do grupo é esperança para reaver seus direitos. Devemos levar em conta que há muitos advogados trabalhando, sindicatos, e a pendenga não é pequena. Já se tornou muito conhecida dos que trabalham nas audiências. É mesmo triste um desfecho assim. Nem gostamos muito de comentar o assunto, porque a Justiça é o lugar em que situações assim devem se resolver, mas são tantas as cartas e pessoas envolvidas que o assunto já se tornou de expressão pública.


Mais movimento

O presidente Bolsonaro segue balançando o coreto, mesmo um ano após a sua posse. Agora, o movimento é para montar e tentar consolidar a Aliança pelo Brasil, partido que promete ser o manancial para aves migratórias de todas as plumagens e origens. Segundo este Corvo apurou, a Aliança terá o povo da direita, centro e, acreditem, até da esquerda.

Segundona
Dia 20, Foz realiza um evento para um "mutirão de assinaturas"; será no centro de convenções do Hotel Foz do Iguaçu, às 19 horas. O Corvo, atendendo ao pedido de vários amigos, publica o cartazete que está servindo de convite nas redes sociais. O deputado federal Felipe Barros estará na cidade e receberá os interessados na nova legenda. 

Organização
O Dr. Ranieri é um dos que encabeçam a formação do novo partido na cidade. Ele inclusive deixou o PSL. Disse que está totalmente focado na Aliança, porque a ideia é organizar base para as eleições deste ano. Muitas pessoas estão perguntando ao Corvo questões sobre "janela partidária", ou se é possível criar um partido e encarar eleições no mesmo exercício.  

Sebo nas canelas
Quem conhece de política e acompanha a fila que há para a formação de novos partidos jura de joelhos que o Aliança pelo Brasil não conseguirá cumprir o ritual de formação até abril. O presidente Bolsonaro deverá viajar por 21 estados em missões oficiais; e, claro, ele não sairá pelas ruas pedindo assinaturas, mas sua presença fortalecerá o ânimo dos organizadores de diretórios. Por outro lado, não disputar eleições em 2020 é uma situação muito confortável para Bolsonaro, porque terá lastro para atrair políticos eleitos e com vistas no processo de reeleição. 

A janela
O Corvo deu uma fuçada e não precisou ir muito longe, pois o blogue Cabeza News, assinado pelo colega Ronildo Pimentel, informou ontem as principais datas do calendário eleitoral. A janela partidária se abre entre 5 de março e 3 de abril, permitindo que vereador troque de partido sem perder o mandato. 4 de abril é o último dia para candidato filiar-se a um partido; e 6 de maio, o último dia para regularizar e transferir o título de eleitor. Depois disso, entre 20 de julho e 5 de agosto, é o prazo das convenções; e 15 de agosto, o último dia para registro das candidaturas. A campanha eleitoral começa dia 16 de agosto. De 28 de agosto a 1º de outubro será a propaganda eleitoral no rádio e na TV.

Novos partidos
Como este Corvo já se antecipou, a fila é grande, e o Brasil poderá possuir 77 legendas partidárias. Elas precisam ser reconhecidas pelo TSE; depois disso, a migração pode ocorrer sem risco de perda do mandato. 

Enfim a prainha
O balneário nunca foi tão aguardado pela comunidade. Há filas para disputar os metros quadrados de grama e as 89 churrasqueiras espalhadas embaixo das árvores. A prefeitura disse que até sexta-feira os portões estarão abertos. As declarações do secretário de Planejamento, Elsídio Cavalcante, foram bem precisas com relação aos trâmites com o IAP, ou IAT, e transferiram um certo conforto à população, para que não ocorram mais obstruções ao acesso dos banhistas. A prainha é um dos raros locais públicos para o povo refrescar-se, descontando as piscinas do centros de convivência e os chafarizes e espelhos d'água nas praças, onde a molecada faz até "marguio". 

Concessões
As prainhas pertencem à Itaipu. Em Foz, o comodato vai até 2028. A prefeitura realizou projetos de revitalização, mas eles precisam de verba, e não é pequena. E há toda uma explicação com relação aos investimentos, porque é área pública, com atuação em espaço de domínio da binacional. Parece algo simples, mas não é. 

Menores aprendizes
Prezado Corvo, escrevo-lhe (esperando que dê uma ajeitada em meu texto) para dizer da minha satisfação com o serviço inestimável prestado pela Guarda Mirim para a sociedade iguaçuense. Olha que beleza isso, o fato de abrirem vagas para a formação profissional! Essa entidade vale ouro, Corvo!
Marisa A Antonelli

O Corvo responde: prezada leitora, mais de 30 mil adolescentes já foram atendidos pela Guarda Mirim de Foz do Iguaçu, e muitos com carreiras consagradas em várias atividades importantes. É bom saber que a entidade é assim tão protegida, moralmente, pela comunidade, afinal de contas atua no amparo vocacional desde 1977. 

Blitze
O Corvo tem recebido várias, muitas solicitações de textos reclamando das barreiras policiais pela cidade. Francamente, o que adianta reclamarem? Analisando as "cartas", ninguém reclama da abordagem, pelo contrário, os policiais e guardas municipais têm usado de cordialidade para com os motoristas, mas há casos em que os veículos são levados para o pátio. O ideal é correr e regularizar a documentação, ou não dirigir depois de beber álcool, e portar a habilitação. Se tudo estiver em ordem, nada acontecerá. Barreiras policiais ajudam, e muito, na segurança, recuperando vários veículos furtados.   

Marco
Corvo, aproveitei as férias e dei um pulo nas Cataratas. Como moro em Foz ficou fácil. Mas o bacana é que lá fiquei sabendo melhor sobre as mudanças no Marco das Fronteiras e fiquei muito motivado a ir conhecer. Fomos, eu e meus filhos, no mesmo dia. Show de bola! Todo iguaçuense tem o dever de conhecer o local e ajudar a divulgá-lo. Hoje é um senhor atrativo! E lá tem um chope bem geladinho e por apenas R$ 5,90! Como a minha filha dirige e não bebe, aproveitei muito bem a tarde! 
Murilo Gonçalves T Tamoios

O Corvo responde: prezado, e se prepare que em breve teremos mais novidades a respeito do local. Mas pelo momento, infelizmente, não estamos autorizados a antecipar. Aguente mais uns dias, que teremos as informações completas. 
 
Quem é quem?
Corvo, esses dias você publicou uma notinha informando que o nome do jornal é GDia e que, faz anos, não é mais "Gazetinha". Entendi bem, mas, embora a mudança do nome, os leitores sempre vão tratar o jornal assim, como "Gazetinha", mais por uma questão carinhosa do que outra coisa, afinal "Gazeta" não quer dizer que é o nome do jornal. Olhei no dicionário, e a palavra, um substantivo feminino, quer dizer "periódico, em formato de tabloide"; logo, o nosso GDia não deixa de ser uma "gazeta". O que interessa é que o jornal atende muito bem à expectativa dos leitores e assinantes. Mas explica isso, Corvo.
PRL (O leitor pediu para não ter o nome publicado.)

O Corvo responde: prezado, não é um assunto assim muito confortável, porque este colunista tem o hábito de deixar certas coisas no passado. Mas acontece que, em certa ocasião, um representante legal do Dr. Ermínio Gatti, que era o dono do jornal A Gazeta do Iguaçu, reuniu o povo da empresa jornalística e anunciou que ela iria fechar e que cada um procurasse o seu destino. Pensa na situação? Daí surgiu a ideia de montarem outro jornal, aproveitando a mão de obra, porque uma porção de profissionais ficaria sem atividade laboral. 

Incapaz?
Na verdade, na altura dos seus 90 anos, o ex-empresário nem sabia ao certo o que andaram arranjando em nome dele, mas uma coisa é fato: fizeram questão de mantê-lo "capaz", apto a praticar demandas civis. Numa delas, tentou "alugar" o nome Gazeta do Iguaçu para que assim se chamasse o novo jornal, mas isso não colou. O acordo sofreu um distrato dias depois. A intenção por parte dessa benevolência, de "alugar" a marca, era a de escapar das dívidas com os trabalhadores e transferi-las solidariamente para a nova empresa. Há muitas demandas tratando do assunto na Justiça do Trabalho. 

União estável  
Sendo "capaz", Ermínio Gatti efetivou a união estável com uma velha amiga, alegando que vivia 40 anos com ela, o que é, de certa forma, até hoje comentado. Com a manobra, ele transferiu quase todos os bens e o grosso do patrimônio para a "companheira" e várias outras pessoas, tentando livrar-se de um oceano de ações trabalhistas. Boa parte dos bens foi vendida. O fato é que muita gente ficou "na mão". 

Gato Preto
Para finalizar, o que antes era um império foi aos poucos dissolvido, e o que não foi vendido sofreu a dilapidação, como é o caso das empresas na área do transporte público. Bem imóveis foram pulverizados e transferidos em nome de "herdeiros", mas não completamente escondidos. Ainda haverá muito o que se comentar sobre o assunto. E quem diria, o outrora Gato Preto, depois Gato Branco, ficou apenas nas memórias de um amigo, mais um que foi chutado, enfim, descartado como um objeto. Mas o curioso é que o livro de Rogério Bonato, dedicado ao empresário, andava nas mãos de uma autoridade por esses dias. O livro, um ensaio sobre "solidão" e "solitude", debate de cabo a rabo, com a autorização de Ermínio, sua opção em viver sozinho. E eis que surge a pergunta: como, um homem que viveu o tempo todo sozinho, como uma opção de vida, poderia fazer parte de uma união estável?  
 

Promessa cumprida

E Itaipu vai mesmo baixar as portas na capital. Até esta sexta-feira, toda a operação de mudança do escritório em Curitiba estará conclusa. Ponto para o general, que economizou R$ 208 mil mensais apenas em aluguel. Na verdade, Silva e Luna está causando uma revolução em matéria de economia, sem comprometer os investimentos e atualização tecnológica da usina. O plano de relocação de recursos fará a diferença em Foz e região. O Corvo ainda vai colocar os números na ponta do lápis. 

Mão de vaca? 
É uma injustiça tratar o general assim, embora o fato de alguém atravessar o Rio Paraná a nado segurando uma pílula efervescente e ela não dissolver seja motivo de orgulho para qualquer homem público. "Fechar a mão" é algo que os contribuintes aprovam. Mas o DGB, Silva e Luna, não provém sovinice, e sim inteligência ao visualizar economia na estrutura em prol do desenvolvimento. É um gestor com "visão espacial". 

O que é isso? 
Quem possui "visão espacial" é capaz de entender a amplitude de um ambiente; isso não é um privilégio de arquitetos e projetistas, é uma questão de percepção mental, em várias dimensões, seja no espaço físico como no ambiente financeiro, assimilando com muita rapidez a mais elementar das operações, em que o "menos" pode ser tornar "mais". O Brasil, a Itaipu, as empresas públicas e privadas, as multinacionais, na prática, não são diferentes dos negócios comuns, como o empório que há na esquina; todos possuem um caixa, no qual se registra a "entrada" e a "saída". Se a "saída" for maior, está feito o estrago. Mas olhando o gigantismo de Itaipu, e a responsabilidade dos gestores, é necessário escopo e coragem para decidir, além da tal visão. Silva e Luna, com toda a sua humildade de servidor público, está sabendo unir essas virtudes.  

Seu IAP, seu IAP...
O Instituto Ambiental do Paraná, bem como seus diretores, sabem da necessidade de melhorar a BR-469, isso antes e até mesmo depois dos portões do Parque Nacional. A via precisa ser revitalizada por completo. E o Corvo vai destoar da edição do jornal, com relação ao "absurdo" nas exigências para conceder a licença de duplicação da via. O que o órgão pede é algo comum na realização de uma reforma no acesso e entorno de uma reserva tão importante. O caso é que é normal discutirem o ovo sem a galinha, afinal de contas as exigências são necessárias para lançarem o edital de construção. A discussão preventiva é que está tomando um rumo tormentoso. 

Animais na área
Quem disse que não há animais silvestres entre o trevo do Carimã e portão do PNI? Há lagartos, cotias, ratões do banhado, raposas de várias espécies, furões, quatis e até felinos de diferentes portes, pois possuem hábitos noturnos e vivem aparecendo nas propriedades ao longo da via. Os macacos são os que mais dão as caras, e não faz muito tempo o Corvo avistou um tamanduá. E existem animais domésticos como gatos, cachorros e cavalos, que vivem nas margens da rodovia. A variedade de pássaros, inclusive, é muito grande. Instalar tubos sob a estrada, para facilitar a travessia da bicharada, é uma necessidade e não vai encarecer tanto assim a obra. 

Conscientização
É um absurdo, por exemplo, limpar o canteiro de obras? O que os órgãos ambientais querem evitar é um cenário como o que já existe há mais de uma década: um baita buraco dos dois lados da pista, nos quais despencam veículos a todo instante. Pior, não há espaço para pedestres e ciclistas. É uma aventura pedalar no acostamento da BR-469, com ônibus de turismo e táxis passando em alta velocidade. É lindo pensar no meio ambiente, mas não podemos esquecer os humanos e apreciadores da mãe natureza. 

Estradas ecológicas
As construtoras, governos estaduais e municípios que se acostumem. Abrir uma estrada no Brasil e em qualquer lugar no planeta não é mais como em outros tempos, quando desembarcavam as máquinas e mandavam ver. A humanidade está mais atenta aos impactos e precisa explicar-se antes de qualquer iniciativa. Isso é a base do tal "sustentável". Francamente, o que o IAP está pedindo para liberar a BR-469 é normal e não deve ser recebido como uma rocha imensa no caminho. Muita marola para o hipotético.

Museus 
Ao mencionar a BR-469, ontem este Corvo deu de percorrer toda a sua extensão. Trata-se de uma das BRs mais curtas do país, com apenas 19 km. O que deu para perceber é que há espaço com folga para a duplicação e nem um pé de couve durante o percurso, até a entrada do Parque Nacional. A via está convertendo-se num eixo museólogo da cidade, porque, além do Dreamland, o Movie Cars está nos finalmentes e com uma estrutura impressionante. O que chamou a atenção foram as obras de acesso ao aeroporto, que estão bem avançadas.

Fusion Center
Contaram para o Corvo que pessoas ligadas à CIA e FBI estão interessadas em conhecer o Centro Integrado de Operações de Fronteira. Outra informação dá conta de que os israelenses andaram pela região. Bom, faz tempo que o Mossad circula por Foz; teriam alugado até uma casa no bairro Maracanã, onde rola uma caipirinha de vez em quando. Essa "curiosidade" estrangeira tem lá seus fundamentos, se a intenção é trabalhar com a Interpol e acabar com o vaivém da bandidagem que organiza o crime promovendo o tráfico de drogas, de armas e de munições.  

Revolução
Vamos pensar no desenvolvimento do setor de monitoramento. O Fusion Center conta com um aparato que mais parece a NASA, quando manda foguete ao espaço. E imaginar que há 30, 20 anos, ou até menos, acompanhar o movimento dessa maneira era coisa de ficção, como no filme 1984, também conhecido como Grande Irmão, que emprestou o nome ao Big Brother dos dias atuais. George Orwell escreveu a sua obra-prima em 1945. E a ficção avançou além da imaginação com o reconhecimento facial. 
 

Que situação...
Os leitores, especialmente os assinantes, sabem que os fatos policialescos e o sensacionalismo não são destaque em nosso jornal. Acreditamos num mundo melhor, e a nossa cidade gera tantos fatos positivos que optamos por trabalhar o universo das coisas boas, mas sem fechar os olhos para o que acontece na área de segurança, divulgando os crimes e casos que chocam a sociedade. Quando as ocorrências merecem destaque, noticiamos, atendendo à expectativa dos leitores. 

Maré ruim
Mas nos últimos dias, a região tem se transformado numa "casa dos horrores", com chacina do outro lado do Rio Paraná (Porto Franco); um jovem morreu entalado numa janela de UBS, em Três Lagoas; no CTG, outro caso de arrepiar, com refém e no fim o envolvido tentando suicídio. Mas a pior de todas as situações foi o fato de uma criança ser atendida num hospital privado da cidade, ser declarada morta e encaminhada — com vida — para o necrotério. Isso é de fato muito atormentador. Nem vamos imaginar o que passa na cabeça dos pais! Enfim, são casos que infelizmente devem ser relatados, até para que não mais ocorram, ou pelo menos que as incidências diminuam, por meio de precaução e mais atenção por parte dos envolvidos.

Como assim? 
Uma pessoa que invade um edifício público para furtar equipamentos deve saber que correrá riscos; a PM deveria imaginar que um tiro de advertência poderia causar uma reação abrupta em uma pessoa aparentemente perturbada, mantendo refém sob ameaça; e, por fim, um hospital que se propõe atender a emergências deve estar preparado para todas as situações, sobretudo na área da pediatria. Este Corvo não é o dono da verdade, apenas reflete, pensa como os leitores quando assuntos tão graves roubam a atenção da sociedade. 

Revoltante
E lá vem o julgamento da morte da trabalhadora Kerolin Camila da Costa, violentamente assassinada a facadas próximo à BR-469, precisamente no início da Rua Carmen Gatti, em frente ao ponto de ônibus, na Vila Carimã. A pobrezinha havia saído do trabalho e não teve como fugir do algoz, numa rua escura, na época sem iluminação em boa parte dos postes. Até pouco tempo havia fitas de isolamento balançando ao vento no local onde o crime aconteceu. Uma barbaridade. Vamos ver qual será o resultado do julgamento.  

Salvar vidas
Segundo a assessoria, a "economia da Câmara ajuda a salvar vidas". Isso é melhor do que matarem a gente de raiva, como aconteceu em outras legislaturas. Bom, investir na saúde ajuda a salvar muita gente. Fazendo o caminho de volta, quando os vereadores não ajudam a investir na saúde, o povo sofre e muitas pessoas perdem a vida. E isso é livre de punição. 

Orçamento
Chico Brasileiro e Nilton Bobato terão o maior orçamento da história da cidade para administrar. Tomara que consigam rever muitos problemas antigos e aparentemente sem solução. E precisam correr, porque logo estaremos em ritmo eleitoral; e quem perder o bonde das inaugurações corre o risco de não somar pontos perante a população.